Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
24

Os dois cestos de figos

241-2Eu tive uma visão. Isso aconteceu depois que Nabucodonosor, rei da Babilônia, levou israelitas como prisioneiros de Jerusalém para a sua terra. Ele levou o rei de Judá, que era Joaquim, filho de Jeoaquim, as autoridades de Judá, os carpinteiros e os outros operários especializados. Nessa visão, o Senhor Deus me mostrou dois cestos de figos que estavam na frente do Templo. No primeiro cesto havia figos muito bons, do tipo que logo fica maduro. No outro havia figos muito ruins, ruins demais para se comer.

24.1-2
2Rs 24.12-16
2Cr 36.10
3Então o Senhor me perguntou:

— Jeremias, o que você está vendo?

— Figos! — respondi. — Os bons são muito bons, e os ruins são muito ruins, tão ruins, que ninguém pode comê-los.

4Aí Deus me disse:

5— Eu, o Senhor, o Deus de Israel, digo que os israelitas que foram levados para a Babilônia são como esses figos bons, e eu os tratarei com bondade. 6Cuidarei deles e os trarei de volta para esta terra. Eu edificarei a nação e não a destruirei; plantarei e não arrancarei. 7Porei no coração deles o desejo de reconhecerem que eu sou Deus, o Senhor. Então eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus porque com todo o coração vão voltar para mim.

8— Eu, o Senhor, vou tratar como figos ruins, que não podem ser comidos, as seguintes pessoas: o rei Zedequias, de Judá, os políticos que estão com ele e o resto do povo de Jerusalém, tanto os que ficaram nesta terra como os que se mudaram para o Egito. 9Farei cair sobre eles uma desgraça tão grande, que todas as nações do mundo vão ficar horrorizadas. As pessoas vão zombar deles, fazer piadas e caçoar. E, em todos os lugares onde eu os espalhar, o nome deles será usado para rogar pragas. 10Mandarei contra eles guerra, fome e doença, até que desapareçam da terra que dei a eles e aos seus antepassados.

O povo será levado como prisioneiro

251No quarto ano do reinado de Jeoaquim, filho de Josias, em Judá, eu recebi do Senhor uma mensagem a respeito de todo o povo de Judá. Isso aconteceu no primeiro ano do reinado de Nabucodonosor, da Babilônia.

25.1
2Rs 24.1
2Cr 36.5-7
Dn 1.1-2
2Eu disse a todo o povo de Judá e a todos os moradores de Jerusalém:

3— Durante vinte e três anos, desde o ano décimo terceiro do reinado de Josias, filho de Amom, em Judá, até hoje, o Senhor Deus tem falado comigo, e eu sempre lhes tenho contado o que ele diz. Mas vocês não têm dado atenção. 4Vocês não ouviram, nem deram atenção, embora o Senhor continuasse a enviar os seus servos, os profetas. 5Eles disseram que vocês deviam abandonar a vida errada que estão levando e as coisas más que estão fazendo. Assim poderiam continuar a viver na terra que Deus deu a vocês e aos seus antepassados para ser sua propriedade para sempre. 6Os profetas disseram que vocês não deviam andar procurando outros deuses para adorar, que não deviam fazer o Senhor ficar irado por causa dos ídolos que vocês fizeram. 7Mas o Senhor mesmo diz que vocês não quiseram ouvi-lo. Pelo contrário, fizeram com que o Senhor ficasse irado por causa dos seus ídolos e por isso vocês foram castigados.

8— Portanto, porque vocês não quiseram escutar as suas palavras, o Senhor Todo-Poderoso diz: 9“Eu mandarei buscar todos os povos do Norte e também meu servo, o rei Nabucodonosor, da Babilônia. Vou trazer esses povos para lutarem contra os moradores desta terra de Judá e contra todas as nações vizinhas. Eu as destruirei completamente; elas ficarão arrasadas para sempre e serão um espetáculo horrível e assustador. Sou eu, o Senhor, quem está falando. 10Vou acabar com os seus gritos de alegria e de felicidade e com o barulho alegre das festas de casamento. Vocês não terão mantimento para comer nem azeite para as lamparinas.

25.10 a
Jr 7.34
16.9
11Toda esta terra ficará arrasada e será um espetáculo horrível. Todas estas nações serão dominadas pelo rei da Babilônia durante setenta anos.
25.11
2Cr 36.21
Jr 29.10
Dn 9.2
12Depois disso, eu castigarei o rei da Babilônia e a sua nação por causa do pecado deles. Destruirei o seu país e o deixarei arrasado para sempre. Sou eu, o Senhor, quem está falando. 13Castigarei aquela nação com tudo aquilo que ameacei fazer, com todas as coisas escritas neste livro, as coisas que Jeremias falou contra todas estas nações. 14Eles se tornarão escravos de muitas nações e de reis poderosos e assim eles me pagarão por tudo aquilo que fizeram.”

O castigo das nações

15O Senhor, o Deus de Israel, me disse:

— Aqui está um copo cheio do vinho da minha ira. Pegue este copo e faça com que bebam dele todos os povos aos quais eu estou enviando você. 16Quando beberem, tremerão e ficarão loucos por causa da guerra que mandarei contra eles.

17Então peguei o copo da mão do Senhor, e fiz com que bebessem dele todos os povos aos quais o Senhor me havia mandado. 18Tanto Jerusalém como todas as cidades de Judá, junto com os seus reis e as suas autoridades, tiveram de beber. Beberam para se transformar num deserto, num espetáculo horrível e assustador, do qual as pessoas falam para rogar pragas. E isso é o que se vê hoje25.18 Isto é, o que se via na época em que este texto foi escrito..

19-26Esta é a lista de todos os outros que tiveram de beber do copo da ira de Deus:

O rei do Egito, os seus oficiais e as suas autoridades;

todos os egípcios e todos os estrangeiros no Egito;

todos os reis da terra de Uz;

todos os governadores das cidades dos filisteus: Asquelom, Gaza, Ecrom e o que resta de Asdode;

todo o povo de Edom, Moabe e Amom;

todos os reis de Tiro e de Sidom;

todos os reis das terras que ficam no litoral do mar Mediterrâneo;

as cidades de Dedã, Temá e Buz;

todos os povos que cortam curto o cabelo25.19-26 Ver Jr 9.25-26, nota.;

todos os reis da Arábia;

todos os reis das tribos do deserto;

todos os reis de Zinri, Elão e Média;

todos os reis do Norte, de longe e de perto, um depois do outro.

Todas as nações do mundo tiveram de beber. E o último que vai beber será o rei da Babilônia.

27Aí Deus me disse:

— Diga ao povo que eu, o Senhor Todo-Poderoso, o Deus de Israel, estou mandando que eles bebam até ficarem bêbados e vomitarem, até caírem e não poderem mais se levantar por causa da guerra que mandarei contra eles. 28E, se eles não quiserem pegar o copo da sua mão, Jeremias, se recusarem beber, diga que o Senhor Todo-Poderoso disse que eles serão obrigados a beber. 29Começarei a destruição pela minha própria cidade. Será que eles estão pensando que vão escapar do castigo? De jeito nenhum! Eles serão castigados, pois eu mandarei guerra a todos os povos do mundo. Eu, o Senhor Todo-Poderoso, estou falando.

30— Você, Jeremias, anuncie tudo o que eu disse. Diga a este povo o seguinte:

“O Senhor vai trovejar lá do céu

e falar lá do lugar santo onde mora.

Ele trovejará contra o seu povo,

gritará como aqueles que pisam uvas para fazer vinho.

E todos na terra o ouvirão.

31O estrondo será ouvido no mundo inteiro,

pois Deus tem uma acusação para fazer contra as nações.

Ele julgará todas as pessoas

e matará os maus.

O Senhor Deus está falando.”

32O Senhor Todo-Poderoso diz que a desgraça passará de uma nação para outra e que uma grande tempestade está se formando nos fins da terra. 33Naquele dia, os corpos daqueles que o Senhor matou serão espalhados pelo mundo inteiro. Ninguém chorará por eles. Os corpos deles não serão recolhidos, nem sepultados: ficarão largados no chão, como esterco.

34Vocês, autoridades, gritem! Vocês que guiam o rebanho do meu povo, gritem bem alto! Chorem e rolem no pó! Chegou a hora de vocês serem mortos: vocês cairão mortos como se fossem carneiros escolhidos. 35Os líderes do povo não escaparão, nem se salvarão. 36-37Eles gritam e gemem de aflição, pois Deus, na sua ira, destruiu a nação deles e arrasou as suas terras tão cheias de paz. 38Deus abandonou o seu povo como um leão que abandona a sua cova. Os horrores da guerra e a violenta ira de Deus transformaram o país num deserto.

26

Jeremias é ameaçado de morte

261Logo que Jeoaquim, filho de Josias, se tornou rei de Judá,

26.1
2Rs 23.36—24.6
2Cr 36.5-7
2o Senhor Deus me disse:

— Fique no pátio do Templo e diga tudo o que mandei você dizer ao povo que vem das cidades de Judá para adorar no Templo. Não deixe de dizer nada do que eu mandei. 3Pode ser que eles deem atenção e abandonem os seus maus caminhos. Se isso acontecer, então eu mudarei de ideia a respeito da desgraça que estou planejando fazer cair sobre eles por causa das suas más ações.

4Deus me mandou dizer ao povo o seguinte:

— Eu, o Senhor, disse que vocês devem me obedecer e seguir o ensino que lhes dei. 5Escutem o que os meus servos, os profetas, dizem. Eu sempre os tenho enviado, mas vocês não têm obedecido às suas palavras. 6Se vocês não escutarem, eu farei com este Templo o mesmo que fiz com Siló26.6 Ver Jr 7.12, nota.; e todas as nações do mundo usarão o nome dessa cidade para rogar pragas.

26.6
Js 18.1
Sl 78.60
Jr 7.12-14

7Os sacerdotes, os profetas e todo o povo me ouviram dizer essas coisas no pátio do Templo. 8Logo que acabei de falar tudo o que o Senhor tinha mandado, os sacerdotes, os profetas e o povo me agarraram e gritaram:

— Você vai morrer por causa disso! 9Por que é que você disse, em nome de Deus, o Senhor, que este Templo ficará como Siló, que esta cidade será destruída e que ninguém viverá nela?

Então o povo se ajuntou em volta de mim no pátio do Templo.

10Quando as autoridades de Judá souberam disso, saíram do palácio do rei e foram se assentar nos seus lugares, na entrada do Portão Novo do Templo. 11Então os sacerdotes e os profetas disseram às autoridades e ao povo:

— Este homem merece ser condenado à morte, pois falou contra a nossa cidade. Vocês mesmos o ouviram.

12Aí eu disse:

— Foi o Senhor Deus quem me mandou falar tudo o que vocês me ouviram dizer contra este Templo e contra esta cidade. 13Vocês precisam mudar a sua maneira de viver e de agir e precisam obedecer às palavras do Senhor. Se vocês fizerem isso, então ele mudará de ideia e não mandará a desgraça que prometeu mandar. 14Quanto a mim, estou nas mãos de vocês. Façam comigo o que acharem direito e justo. 15Mas fiquem certos de uma coisa: se me matarem, vocês e o povo desta cidade serão culpados da morte de um homem inocente, pois foi Deus quem me mandou dizer todas essas coisas a vocês.

16Então as autoridades e o povo disseram aos sacerdotes e aos profetas:

— Este homem não deve ser condenado à morte, pois nos falou em nome do Senhor, nosso Deus.

17Aí alguns dos líderes mais velhos se levantaram e disseram ao povo que se havia ajuntado:

18— Quando Ezequias era rei de Judá, o profeta Miqueias, de Moresete, deu a todo o povo uma mensagem do Senhor Todo-Poderoso. A mensagem era esta:

“Jerusalém vai virar um montão de pedras,

o monte Sião vai ser arado como um campo,

e o lugar onde fica o Templo se tornará uma floresta.”

26.18
Mq 3.12

19E os líderes continuaram:

— Por acaso, o rei Ezequias e o povo de Judá mataram Miqueias? Muito pelo contrário! Ezequias temeu o Senhor e procurou ganhar o seu favor. O Senhor mudou de ideia e não mandou a desgraça que tinha dito que ia fazer cair sobre eles. Será que agora nós vamos fazer cair uma terrível desgraça sobre nós mesmos?

20— Também houve outro homem que falou em nome de Deus, o Senhor. Foi Urias, filho de Semaías, da cidade de Quiriate-Jearim. Ele falou contra esta cidade e contra esta nação, da mesma forma que Jeremias fez. 21Quando o rei Jeoaquim, e os seus soldados, e os seus oficiais souberam do que Urias tinha dito, o rei mandou que o matassem. Mas Urias, sabendo disso, ficou com medo e fugiu para o Egito. 22Porém o rei Jeoaquim mandou Elnatã, filho de Acbor, e alguns outros homens ao Egito para pegarem Urias. 23Eles trouxeram Urias do Egito e o entregaram a Jeoaquim, e ele o mandou matar e jogar o corpo no cemitério público.

24Eu só não fui entregue ao povo para ser morto porque Aicã, filho de Safã, me protegeu.