Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
18

O pote de barro

181O Senhor Deus me disse:

2— Desça até a casa onde fazem potes de barro, e lá eu lhe darei a minha mensagem.

3Então eu fui e encontrei o oleiro trabalhando com o barro sobre a roda de madeira. 4Quando o pote que o oleiro estava fazendo não ficava bom, ele pegava o barro e fazia outro, conforme queria.

5Aí o Senhor me disse:

6— Será que eu não posso fazer com o povo de Israel o mesmo que o oleiro faz com o barro? Vocês estão nas minhas mãos assim como o barro está nas mãos do oleiro. Sou eu, o Senhor, quem está falando.

18.1-6
Is 29.16
45.9
64.8
7Em qualquer momento, posso dizer que vou arrancar, derrubar ou destruir qualquer nação ou reino. 8Mas, se essa nação ou esse reino abandonar a sua maldade, então eu mudarei de ideia a respeito daquilo que tinha prometido fazer. 9Mas eu também posso dizer que vou fundar ou construir qualquer nação ou reino. 10Mas, se essa nação fizer o que é mau e não me obedecer, então eu mudarei de ideia a respeito daquilo que tinha prometido fazer. 11Portanto, Jeremias, diga ao povo de Judá e aos moradores de Jerusalém que estou fazendo planos contra eles e me preparando para castigá-los. Diga que deixem de fazer o que é mau e que melhorem a sua maneira de viver e de agir. 12Eles vão responder: “Não adianta; nós vamos seguir os nossos planos. Todos nós vamos agir de acordo com a teimosia e a maldade do nosso coração.”

O povo rejeita a Deus

13“Portanto, eu, o Senhor, digo:

Perguntem a todas as nações

se, por acaso, já houve alguma coisa igual.

O povo de Israel fez uma coisa horrível!

14Será que alguma vez deixou de haver neve

nas altas rochas dos montes Líbanos?

Por acaso, secam as suas águas frias

que correm montanha abaixo?

15Mas o meu povo tem esquecido de mim

e queima incenso aos ídolos.

No caminho em que deviam andar, eles tropeçam.

Não seguem os caminhos antigos,

mas vão por atalhos que não estão marcados.

16Eles fizeram desta terra uma coisa horrorosa,

que será desprezada para sempre.

Todos os que passarem ficarão espantados

e balançarão a cabeça.

17Eu espalharei o meu povo diante dos inimigos,

como o pó que é soprado pelo vento leste.

Virarei as costas para eles

e não os ajudarei quando a desgraça chegar.”

O plano para matar Jeremias

18Aí o povo disse:

— Vamos dar um jeito de nos livrarmos de Jeremias! Pois sempre haverá sacerdotes para nos ensinar, sábios para nos dar conselhos e profetas para anunciar a mensagem de Deus. Vamos fazer acusações contra ele e deixar de ouvir o que ele diz.

19Então eu orei assim:

— Ó Senhor Deus, ouve-me e escuta o que os meus inimigos estão dizendo contra mim. 20Por acaso, é com o mal que se paga o bem? No entanto, eles cavaram um buraco para que eu caia nele. Lembra que fui falar contigo em favor deles, pedindo que não fizesses nada contra eles enquanto estavas irado. 21Mas, agora, ó Deus, deixa que os filhos deles morram de fome ou que sejam mortos na guerra. Que as mulheres percam os seus maridos e filhos, que os homens morram de doenças, e que os moços sejam mortos na guerra! 22Manda que uma quadrilha ataque de surpresa as suas casas e que eles gritem de medo. Pois cavaram um buraco para eu cair nele e armaram armadilhas para me pegar. 23Mas tu, ó Senhor, conheces todos os planos que eles fizeram para me matar. Não perdoes a maldade deles; não apagues o seu pecado. Joga-os no chão, derrotados. Trata-os assim enquanto estás irado.

19

O pote quebrado

191O Senhor Deus me disse que fosse comprar um pote de barro.

Disse que levasse comigo algumas autoridades do povo e alguns sacerdotes mais velhos 2e fosse ao vale de Ben-Hinom, na entrada do Portão dos Cacos. Ali eu devia anunciar em voz bem alta a mensagem que ele ia me dar.

19.2
2Rs 23.10
Jr 7.30-32
32.34-35
3Deus me mandou dizer o seguinte:

— Reis de Judá e povo de Jerusalém, escutem o que eu, o Senhor Todo-Poderoso, o Deus de Israel, vou dizer. Vou fazer cair sobre este lugar uma desgraça tão grande, que todos os que ouvirem falar dela ficarão horrorizados. 4Vou fazer isso porque o meu povo me abandonou e profanou este lugar, queimando aqui incenso a outros deuses. Mas nem esse povo, nem os seus antepassados, nem os reis de Judá sabiam nada a respeito desses deuses. Essa gente encheu este lugar com o sangue de pessoas inocentes 5e construiu altares para o deus Baal, a fim de queimar os seus filhos no fogo, como sacrifício. Eu não dei ordem para isso, não falei disso e nunca pensei nisso.

19.5
Lv 18.21
6Por isso, eu, o Senhor, digo que chegará o tempo em que este lugar não se chamará mais Tofete nem vale de Ben-Hinom e sim “vale da Matança”. 7Neste lugar, destruirei todos os planos do povo de Judá e de Jerusalém. Deixarei que os inimigos os derrotem e os matem na batalha. Darei os corpos deles como alimento para as aves e as feras. 8Destruirei esta cidade de modo tão terrível, que cada um que passar por ela ficará espantado e horrorizado ao ver tudo o que aconteceu. 9Os inimigos cercarão a cidade e procurarão matar os seus moradores. O cerco será tão terrível, que a gente que vive em Jerusalém comerá a carne dos seus filhos e filhas e devorará os seus próprios vizinhos.

10Então o Senhor me mandou quebrar o pote na frente dos homens que haviam ido comigo. 11E mandou dizer-lhes que o Senhor Todo-Poderoso tinha dito o seguinte:

— Como se quebra um pote, e ele não pode mais ser consertado, assim eu quebrarei este povo e esta cidade. Os seus mortos terão de ser sepultados até mesmo em Tofete, pois não haverá outro lugar para sepultá-los. 12Tratarei esta cidade e os seus moradores assim: farei com que ela fique como o vale de Tofete. Sou eu, o Senhor, quem está falando. 13As casas de Jerusalém e as casas dos reis de Judá ficarão imundas como o vale de Tofete. Também ficarão imundas todas as casas onde queimaram incenso no terraço para adorar as estrelas e onde derramaram bebidas como oferta a outros deuses.

14Então voltei de Tofete, onde o Senhor me havia mandado anunciar a sua mensagem. Fui ao pátio do Templo, fiquei de pé ali e falei a todo o povo 15que o Senhor Todo-Poderoso, o Deus de Israel, tinha dito o seguinte:

— Vocês são teimosos e não querem ouvir o que eu digo; por isso, farei cair sobre esta cidade e sobre todos os povoados vizinhos toda a desgraça que prometi.

20

Jeremias e o sacerdote Pasur

201Pasur, filho de Imer, era sacerdote e chefe dos serviços do Templo. Ele me ouviu dizer essas coisas 2e por isso mandou que eu fosse surrado e preso com correntes no Portão de Benjamim, o portão de cima que dá para o Templo. 3Na manhã seguinte, depois que Pasur me soltou das correntes, eu disse:

— O Senhor Deus mudou o seu nome de “Pasur” para “Terror-por-todos-os-lados”. 4O Senhor mesmo disse: “Pasur, eu farei com que você seja um terror para você mesmo e para todos os seus amigos. Todos eles serão mortos pelas espadas dos inimigos deles, e você vai ver isso. Todo o povo de Judá será dominado pelo rei da Babilônia. Ele vai levar alguns para a Babilônia como prisioneiros e mandará matar outros. 5Deixarei que os inimigos levem embora toda a riqueza desta cidade. Eles pegarão todas as coisas de valor e os tesouros dos reis de Judá e carregarão tudo para a Babilônia. 6E você, Pasur, com toda a sua família, será preso e também será levado para lá. Ali você morrerá e será sepultado junto com todos os seus amigos, a quem você anunciou tantas mentiras.”

A queixa de Jeremias

7Ó Senhor Deus, tu me enganaste,

e eu fiquei enganado.

Tu és mais forte do que eu

e me dominaste.

Todos zombam de mim,

caçoando o dia inteiro.

8Cada vez que falo, tenho de gritar e anunciar:

“Violência! Destruição!”

Ó Senhor, eles me desprezam

e zombam de mim o tempo todo

porque anuncio a tua mensagem.

9Mas, quando penso:

“Vou esquecer o Senhor

e não falarei mais em seu nome”,

então a tua mensagem fica presa dentro de mim

e queima como fogo no meu coração.

Estou cansado de guardá-la

e não posso mais aguentar.

10Ouço as multidões cochichando:

“Há terror-por-todos-os-lados.”

E dizem: “Acusem Jeremias!

Vamos denunciá-lo!”

Até os meus amigos íntimos esperam que eu tropece.

Eles dizem: “Talvez ele caia numa armadilha;

então nós o pegaremos

e nos vingaremos.”

11Mas tu, ó Senhor, estás comigo

e és forte e poderoso.

Os que me perseguem tropeçarão

e nunca vencerão.

Eles ficarão muito envergonhados

por causa do seu fracasso.

A desgraça deles não acabará

e nunca será esquecida.

12Assim, ó Senhor Todo-Poderoso,

com justiça tu nos pões à prova,

pois sabes o que está na nossa mente e no nosso coração.

Deixa que eu veja a tua vingança contra os meus inimigos,

pois coloquei a minha causa nas tuas mãos.

13Cantem ao Senhor Deus,

louvem o Senhor

porque ele livra os pobres do poder dos maus.

14Maldito seja o dia em que eu nasci!

Esqueçam o dia em que a minha mãe me deu à luz!

15Maldito seja o homem que alegrou o meu pai

quando lhe deu esta notícia:

“É menino! Você tem um filho!”

16Que esse homem seja como as cidades

que o Senhor Deus destruiu sem dó!

Que ele ouça gemidos de dor pela manhã

e gritos de batalha ao meio-dia,

17porque não me matou antes de eu nascer!

Pois assim a barriga da minha mãe teria sido a minha sepultura,

e eu nunca teria nascido.

18Por que nasci?

Será que foi só para ter tristeza e dor

e acabar a minha vida na desgraça?

20.14-18
Jó 3.1-19

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]