Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
14

A volta do povo de Israel para o seu país

141Mais uma vez, o Senhor Deus terá compaixão de Israel e o escolherá para ser o seu próprio povo. Fará com que os israelitas voltem para a sua própria terra, e estrangeiros irão morar ali com eles. 2Pessoas de várias nações irão com os israelitas para a sua terra, a terra do Senhor, e ali se tornarão escravos e escravas do povo de Israel. Os israelitas terão como escravos aqueles que antigamente eram seus donos e dominarão aqueles que antes os dominavam.

O rei da Babilônia no mundo dos mortos

3Povo de Israel, chegará o dia em que o Senhor Deus vai livrá-los da escravidão, e assim vocês ficarão livres dos sofrimentos e dos trabalhos pesados que são forçados a fazer. 4Quando esse dia chegar, zombem do rei da Babilônia, recitando esta poesia:

Vejam como desapareceu o rei cruel!

Vejam como acabou a sua violência!

5O Senhor tirou o poder dos maus;

ele quebrou o bastão dos governadores cruéis,

6que na sua ira maltratavam os povos

e na sua fúria perseguiam as nações que haviam conquistado.

7Agora o mundo inteiro está calmo e em paz,

e todos cantam de alegria.

8Até os ciprestes e os cedros14.8 Ver Is 2.13, nota. do Líbano

estão contentes com a queda do rei da Babilônia e dizem:

“Desde o dia em que ele caiu,

não apareceu ninguém para nos derrubar.”

9Lá embaixo, no mundo dos mortos,

os seus moradores se preparam para receber o rei da Babilônia.

As sombras daqueles que eram poderosos na terra acordam,

os que foram reis se levantam dos seus tronos.

10Todos eles dirão ao rei:

“Você também perdeu as forças!

Agora você é igual a nós!

11Aonde foi parar a sua vaidade?

Onde está agora a música das suas harpas?

Elas estão aqui no mundo dos mortos,

onde você vai se deitar em cima de vermes

e vai se cobrir com bichos.”

12Rei da Babilônia, brilhante estrela da manhã,

você caiu lá do céu!

Você, que dominava as nações,

foi derrubado no chão!

14.12
Ap 8.10
9.1

13Antigamente você pensava assim:

“Subirei até o céu

e me sentarei no meu trono,

acima das estrelas de Deus.

Reinarei lá longe, no Norte,

no monte onde os deuses se reúnem.

14Subirei acima das nuvens mais altas

e serei como o Deus Altíssimo.”

15Mas você foi jogado no mundo dos mortos,

no abismo mais profundo.

14.13-15
Mt 11.23
Lc 10.15

16Os mortos vão olhar espantados para você

e vão perguntar:

“Será este o homem que fazia os reinos tremerem,

que fazia o mundo inteiro tremer de medo?

17Será este o homem que fez o mundo virar um deserto,

que arrasava cidades

e não deixava os seus prisioneiros voltarem para casa?”

18Todos os reis do mundo foram sepultados com homenagens,

cada um na sua própria sepultura,

19mas você não foi sepultado.

Como se fosse um aborto nojento,

o seu corpo foi jogado fora14.19 Naquele tempo o aborto não era enterrado, mas jogado fora. e pisado.

Está coberto de corpos de soldados mortos na batalha,

daqueles que desceram até a cova cheia de pedras.

20Você não foi sepultado como os outros reis,

pois arrasou o seu próprio país

e matou o seu próprio povo.

Que morram todos os descendentes desse rei maldito!

21Por causa da maldade dos seus antepassados,

matem logo os seus filhos

a fim de que eles nunca venham a governar a terra,

nem encham o mundo de cidades.

22O Senhor Todo-Poderoso diz:

— Vou atacar e arrasar a cidade de Babilônia. Vou acabar com todos: pais e filhos, avós e netos. Sou eu, o Senhor, quem está falando. 23Farei com que a Babilônia vire um lamaçal, um lugar onde viverão as corujas. Vou varrê-la com a minha vassoura, e ela desaparecerá. Eu, o Senhor Todo-Poderoso, falei.

Deus destruirá a Assíria

24O Senhor Todo-Poderoso jurou:

“Vou fazer o que resolvi;

vou realizar o meu plano.

25Vou acabar com os assírios

que estão na minha terra de Israel,

vou pisá-los nas minhas montanhas.

Livrarei o meu povo da escravidão,

quebrarei as correntes com que os assírios o prenderam

e tirarei das suas costas as suas cargas pesadas.

26É este o plano que tenho para o mundo inteiro;

a minha mão está levantada para castigar as nações.”

27O Senhor Todo-Poderoso resolveu fazer isso;

haverá alguém que o faça parar?

Ele levantou a mão para castigar;

haverá quem a faça abaixar?

14.24-27
Is 10.5-34
Na 1.1—3.19
Sf 2.13-15

Deus destruirá a Filisteia

28No ano em que o rei Acaz morreu, veio de Deus esta mensagem:

14.28
2Rs 16.20
2Cr 28.27

29“Povo da Filisteia, não fique alegre

por estar quebrada a Assíria, o bastão que os castigava.

Pois, quando uma cobra desaparece, vem outra pior,

e do ovo de uma cobra sai um dragão voador.

30Como um pastor cuida das ovelhas,

assim eu cuidarei dos pobres do meu povo

e farei com que vivam em segurança.

Porém farei com que vocês, filisteus, morram de fome;

não deixarei nenhum vivo.

31Chorem e gritem de dor, cidades dos filisteus!

Fiquem todas apavoradas!

Pois do Norte vem uma nuvem de pó:

é um exército que não tem nenhum covarde nas suas fileiras.”

14.29-31
Jr 47.1-7
Ez 25.15-17
Jl 3.4-8
Am 1.6-8
Sf 2.4-7
Zc 9.5-7

32Que resposta será dada aos mensageiros que vieram da Filisteia?

A resposta será esta:

“O Senhor Deus fundou Sião,

e ali os pobres do seu povo encontram abrigo.”

15

Deus destruirá Moabe

151Esta é a mensagem contra Moabe:

A cidade de Ar foi destruída;

numa só noite foi arrasada!

Também Quir foi destruída,

numa só noite foi arrasada!

15.1—16.14
Is 25.10-12
Jr 48.1-47
Ez 25.8-11
Am 2.1-3
Sf 2.8-11

2Os moradores de Dibom chorarão

no lugar sagrado que fica no monte.

Os moabitas choram a destruição das cidades de Nebo e de Medeba;

em sinal de tristeza, rapam a cabeça e a barba.

3Andam pelas ruas vestindo roupas feitas de pano grosseiro;

gritam e choram amargamente nas praças e nos terraços das casas.

4Os moradores de Hesbom e de Eleal gritam de dor,

e os seus gritos são ouvidos em Jasa.

Os soldados de Moabe perdem a coragem

e ficam tremendo de medo.

5Eu choro por causa de Moabe.

O seu povo fugiu até Zoar e Eglate-Selisia.

Alguns, chorando, vão subindo até Luíte;

outros, gritando de dor, fogem para Horonaim.

6O riacho de Ninrim está seco;

todos os pastos secaram, as plantas morreram,

não sobrou nada de verde.

7O povo de Moabe foge para o outro lado do riacho dos Salgueiros,

levando consigo todos os seus bens.

8Ouvem-se gritos por toda a terra de Moabe;

em Eglaim e em Beer-Elim, ouve-se o barulho de choro.

9O rio que fica perto de Dibom está cheio de sangue,

mas Deus vai fazer contra Dibom uma coisa ainda pior:

ele vai fazer com que as pessoas que ficarem vivas em Moabe

sejam devoradas por leões.

16

O desespero dos moabitas

161Da cidade de Sela, no deserto, os moabitas enviam carneirinhos como presente para aquele que governa no monte Sião. 2Como passarinhos que foram espantados dos seus ninhos, assim os moabitas andam de um lado para o outro nas margens do rio Arnom.

3Eles dizem ao povo de Judá:

“Digam o que devemos fazer;

venham nos ajudar e nos defender.

Sejam para nós como uma árvore

que ao meio-dia espalha a sua sombra,

que é escura como a noite.

4Estamos fugindo de Moabe;

venham nos proteger daqueles que nos querem matar

e deixem que nós moremos na terra de vocês.”

Quando terminar a perseguição,

e o perseguidor cruel tiver saído do país,

5então um descendente de Davi será rei.

Ele governará com fidelidade,

procurará julgar com justiça

e se esforçará para fazer o que é direito.

6O povo de Judá diz:

“Ouvimos falar do orgulho dos moabitas;

sabemos que eles são um povo vaidoso e cheio de si,

arrogante e convencido.

Mas eles não têm nada de que se orgulhar.”

7Por isso, os moabitas vão chorar;

todos eles vão gritar de tristeza

quando lembrarem dos bolos de passas16.7 Bolos apresentados como oferta aos deuses da fertilidade (ver Os 3.1).

que costumavam oferecer aos ídolos na cidade de Quir-Heres.

8Agora estão abandonadas as plantações de uvas de Hesbom e de Sibma,

aquelas plantações cujo vinho

deixava bêbados os chefes de muitas nações.

Elas se estendiam até a cidade de Jazer;

iam para o leste até o deserto

e para o oeste até o outro lado do mar Morto.

9Por isso, eu choro pela cidade de Jazer

e também pelas parreiras de Sibma.

Com as minhas lágrimas,

rego as cidades de Hesbom e de Eleal,

pois não se ouvem mais os gritos de alegria

dos que ali fazem as suas colheitas.

10Desapareceram das terras boas

toda alegria e felicidade;

não há mais canções alegres nas plantações de uvas.

Ninguém pisa as uvas para fazer vinho;

Deus acabou com os gritos de alegria.

11Como as cordas de uma lira,

o meu coração treme de tristeza pelo povo de Moabe

e pelos moradores de Quir-Heres.

12Os moabitas se cansarão de tanto ir aos seus lugares de adoração nos montes para orar aos seus deuses, mas isso não adiantará nada.

13Esta foi a mensagem que o Senhor anunciou há muito tempo a respeito de Moabe. 14Mas agora o Senhor diz:

— Daqui a exatamente três anos, Moabe, com a sua enorme população, perderá todo o seu poder. E os moabitas que ficarem vivos serão poucos e fracos.