Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
33

Jacó se encontra com Esaú

331Quando Jacó viu que Esaú vinha chegando com os seus quatrocentos homens, dividiu os seus filhos em grupos, que ficaram com Leia, com Raquel e com as duas escravas. 2As escravas e os seus filhos ficaram na frente, depois Leia com os seus filhos e por último Raquel e José. 3Depois Jacó passou e ficou na frente; sete vezes ele se ajoelhou e encostou o rosto no chão, até que chegou perto de Esaú. 4Porém Esaú saiu correndo ao encontro de Jacó e o abraçou; ele pôs os braços em volta do seu pescoço e o beijou. E os dois choraram. 5Quando Esaú olhou em volta e viu as mulheres e as crianças, perguntou:

— Quem são esses que estão com você?

— São os filhos que Deus, na sua bondade, deu a este seu criado — respondeu Jacó.

6Então as escravas e os seus filhos chegaram perto de Esaú e se curvaram na frente dele. 7Depois vieram Leia e os seus filhos e também se curvaram. Por último José e Raquel vieram e se curvaram.

8Depois Esaú perguntou:

— E o que são aqueles grupos que encontrei pelo caminho?

Jacó respondeu:

— Por meio deles pensei em ganhar a boa vontade do senhor.

9Aí Esaú disse:

— Eu já tenho bastante, meu irmão; fique com o que é seu.

10Mas Jacó insistiu:

— Não recuse. Se é que mereço um favor seu, aceite o meu presente. Para mim, ver o seu rosto é como ver o rosto de Deus, pois o senhor me recebeu tão bem. 11Por favor, aceite este presente que eu trouxe para o senhor. Deus tem sido bom para mim e me tem dado tudo o que preciso.

E Jacó insistiu até que Esaú aceitou.

12Então Esaú disse:

— Bem, vamos embora; eu vou na frente.

13Jacó respondeu:

— Meu patrão, o senhor sabe que as crianças são fracas, e eu tenho de pensar nas ovelhas e vacas com crias. Se forem forçados a andar depressa demais, nem que seja por um dia só, todos os animais poderão morrer. 14É melhor que o meu patrão vá na frente deste seu criado. Eu vou atrás devagar, conforme o passo dos animais e dos meninos, até que chegue a Edom, onde o senhor mora.

15Esaú disse:

— Então deixe que alguns dos meus empregados fiquem com você para acompanhá-lo.

Jacó respondeu:

— Não é preciso. Eu só quero conquistar a amizade do meu patrão.

16Naquele dia Esaú voltou pelo mesmo caminho para a região de Edom. 17Jacó, por sua vez, foi para Sucote. Ali construiu uma casa para si e abrigos para o gado. Por isso puseram naquele lugar o nome de Sucote33.17 Sucote em hebraico quer dizer “abrigos”..

18Assim, Jacó voltou da Mesopotâmia para Canaã; ele chegou são e salvo à cidade de Siquém e armou o seu acampamento ali perto. 19Por cem barras de prata33.19 Em hebraico “cem quesitas”, cujo valor não é conhecido. comprou terras dos filhos de Hamor, o pai de Siquém, e nelas armou o seu acampamento.

33.19
Js 24.32
Jo 4.5
20Ali ele construiu um altar e pôs nele o nome de El, o Deus de Israel.

34

Dina é desonrada

341Certa vez Dina, a filha de Jacó e de Leia, foi fazer uma visita a algumas moças daquele lugar. 2Hamor, o heveu, que era chefe daquela região, tinha um filho chamado Siquém. Este viu Dina, pegou-a e a forçou a ter relações com ele. 3E ele a achou tão atraente, que se apaixonou por ela e procurou fazer com que ela o amasse. 4Depois disse ao seu pai:

— Peça esta moça em casamento para mim.

5Jacó ficou sabendo que Siquém havia desonrado a sua filha Dina. Porém, como os seus filhos estavam no campo com o gado, não disse nada até que eles voltaram para casa. 6Enquanto isso, Hamor, o pai de Siquém, foi falar com Jacó. 7Quando os filhos de Jacó chegaram do campo e souberam do caso, ficaram indignados e furiosos, pois Siquém havia feito uma coisa vergonhosa em Israel, desonrando a filha de Jacó. Isso era uma coisa que não se devia fazer. 8Mas Hamor lhes disse:

— O meu filho Siquém está apaixonado pela filha de vocês. Eu peço que vocês deixem que ela case com ele. 9Fiquemos parentes; nós casaremos com as filhas de vocês, e vocês casarão com as nossas. 10Fiquem aqui com a gente, morando na nossa região. Comprem terras onde quiserem e façam negócios por aqui.

11Depois Siquém disse ao pai e aos irmãos de Dina:

— Façam este favor para mim, e eu lhes darei o que quiserem. 12Peçam os presentes que quiserem e digam quanto querem que eu pague pela moça, mas deixem que ela case comigo.

13Como Siquém havia desonrado a irmã deles, os filhos de Jacó foram falsos na resposta que deram a ele e ao seu pai Hamor. 14Eles disseram assim:

— Não podemos deixar que a nossa irmã case com um homem que não tenha sido circuncidado, pois isso seria uma vergonha para nós. 15Só podemos aceitar com esta condição: que vocês fiquem como nós, quer dizer, que todos os seus homens sejam circuncidados. 16Aí, sim, vocês poderão casar com as nossas filhas, e nós casaremos com as filhas de vocês. Nós viveremos no meio de vocês, e seremos todos um povo só. 17Mas, se vocês não aceitarem a nossa condição e não quiserem ser circuncidados, nós iremos embora e levaremos a nossa irmã.

18Hamor e o seu filho Siquém concordaram com a condição. 19Sem perda de tempo, o moço foi circuncidado, pois estava apaixonado pela filha de Jacó. E Siquém era a pessoa mais respeitada na família do seu pai.

20Depois Hamor e o seu filho Siquém foram até o portão da cidade, onde eram tratados os negócios, e disseram aos moradores da cidade:

21— Essa gente é amiga. Vamos deixar que eles fiquem morando e negociando aqui, pois há terras que chegam para eles. Nós poderemos casar com as filhas deles, e eles poderão casar com as nossas. 22Mas eles só concordam em viver entre nós e se tornar um só povo com a gente se aceitarmos esta condição: todos os nossos homens precisam ser circuncidados, como eles são. 23E será que não ficaremos com todo o gado deles e com tudo o que eles têm? É só aceitarmos a condição, e eles ficarão morando entre nós.

24Todos os homens maiores de idade concordaram com Hamor e com o seu filho Siquém e foram circuncidados. 25Três dias depois, quando os homens sentiam fortes dores, dois filhos de Jacó, Simeão e Levi, irmãos de Dina, pegaram as suas espadas, entraram na cidade sem ninguém notar e mataram todos os homens. 26E Hamor e Siquém também foram mortos. Em seguida Simeão e Levi tiraram Dina da casa de Siquém e saíram. 27Depois da matança os outros filhos de Jacó roubaram as coisas de valor que havia na cidade para se vingar da desonra da sua irmã.

28Eles levaram as ovelhas e as cabras, o gado, os jumentos e tudo o que havia na cidade e no campo. 29Tiraram das casas todas as coisas de valor e levaram como prisioneiras as mulheres e as crianças. 30Então Jacó disse a Simeão e a Levi:

— Vocês me puseram numa situação difícil. Agora os cananeus, os perizeus e todos os moradores destas terras vão ficar com ódio de mim. Eu não tenho muitos homens. Se eles se ajuntarem e me atacarem, a minha família inteira será morta.

31Mas eles responderam:

— Nós não podíamos deixar que a nossa irmã fosse tratada como uma prostituta.

35

Bênção em Betel

351Deus disse a Jacó:

— Apronte-se, vá para Betel e fique morando lá. Em Betel construa um altar e o dedique a mim, o Deus que lhe apareceu quando você estava fugindo do seu irmão Esaú.

35.1
Gn 28.11-17

2Então Jacó disse à sua família e a todos os que estavam com ele:

— Joguem fora todas as imagens dos deuses estrangeiros que vocês têm. Purifiquem-se e vistam roupas limpas. 3Aprontem-se, que nós vamos para Betel. Ali vou fazer um altar dedicado ao Deus que me ajudou no tempo da minha aflição e que tem estado comigo em todos os lugares por onde tenho andado.

4Eles entregaram as imagens dos deuses estrangeiros que tinham e os brincos que usavam nas orelhas. E Jacó enterrou tudo debaixo da árvore sagrada que fica perto de Siquém. 5Quando eles foram embora, Deus fez com que os moradores das cidades vizinhas ficassem com um medo terrível, e por isso eles não perseguiram Jacó.

6Assim, Jacó e toda a sua gente chegaram a Luz, cidade que também é conhecida pelo nome de Betel e que fica na terra de Canaã. 7Ali ele construiu um altar e pôs naquele lugar o nome de “O Deus de Betel” porque ali Deus havia aparecido a ele, quando estava fugindo do seu irmão. 8Naquele lugar morreu Débora, a mulher que havia sido babá de Rebeca. Ela foi sepultada debaixo da árvore sagrada que fica ao sul de Betel. E puseram naquele lugar o nome de “Árvore Sagrada das Lágrimas”.

9Quando Jacó voltou da Mesopotâmia, Deus lhe apareceu outra vez e o abençoou, 10dizendo:

“Você se chama Jacó,

porém esse não será mais o seu nome;

agora o seu nome será Israel.”

35.10
Gn 32.28

Assim, Deus pôs nele o nome de Israel. 11E disse também:

“Eu sou o Deus Todo-Poderoso.

Tenha muitos filhos

e muitos descendentes.

Uma nação e muitos povos

sairão de você,

e entre os seus descendentes

haverá reis.

12A terra que dei a Abraão e a Isaque

darei também a você

e depois a darei

aos seus descendentes.”

35.11-12
Gn 17.4-8

13Quando acabou de falar com Jacó, Deus subiu e foi embora daquele lugar. 14Então Jacó pegou uma pedra e a colocou como pilar no lugar onde Deus havia falado com ele. Ele a separou para Deus, derramando vinho e azeite em cima. 15E pôs naquele lugar o nome de Betel.

35.14-15
Gn 28.18-19

A morte de Raquel

16Jacó e a sua família saíram de Betel; e, quando estavam chegando perto de Efrata, Raquel começou a sentir dores de parto. E o parto foi difícil. 17Quando as dores estavam no ponto mais forte, a parteira disse:

— Não tenha medo; você vai ter outro filho homem.

18Porém ela estava morrendo. E, antes de dar o último suspiro, chamou o menino de Benoni35.18 Benoni em hebraico quer dizer “filho da minha tristeza”.. Mas o pai pôs nele o nome de Benjamim35.18 Benjamim em hebraico quer dizer “filho que terá sucesso” ou “filho do Sul”..

19Assim, Raquel morreu e foi sepultada na beira do caminho de Efrata, que agora se chama Belém. 20Jacó pôs sobre a sepultura uma pedra como pilar, e ela marca o lugar da sepultura até hoje. 21Depois Jacó saiu dali e armou o seu acampamento do outro lado da torre de Éder.

Os filhos de Jacó

1Crônicas 2.1-2

22Um dia, quando Jacó estava morando naquele lugar, o seu filho Rúben teve relações com Bila, que era concubina de Jacó. Quando ele soube disso, ficou furioso.

35.22
Gn 49.4

Os filhos de Jacó eram doze. 23Os que teve com Leia foram Rúben (o filho mais velho de Jacó), Simeão, Levi, Judá, Issacar e Zebulom. 24Com Raquel ele teve José e Benjamim. 25Com Bila, a escrava de Raquel, ele teve Dã e Naftali. 26Com Zilpa, a escrava de Leia, ele teve Gade e Aser. Esses filhos de Jacó nasceram na Mesopotâmia.

A morte de Isaque

27Jacó foi morar com Isaque, o seu pai, em Manre, a cidade que também se chama Arba e que fica perto de Hebrom, onde Abraão e Isaque haviam morado.

35.27
Gn 13.18
28Aos cento e oitenta anos de idade, 29quando já era muito velho, Isaque morreu, indo reunir-se assim com os seus antepassados no mundo dos mortos. E os seus filhos Esaú e Jacó o sepultaram.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]