Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
30

Deus castiga o Egito

301Novamente o Senhor falou comigo. Ele disse:

2Homem mortal, profetize e anuncie o que eu, o Senhor Deus, estou dizendo. Gritem o seguinte:

“Dia de terror!

3O dia está perto, o dia em que o Senhor vai agir,

um dia de nuvens e de castigo para as nações.”

4Haverá guerra no Egito

e grande sofrimento na Etiópia.

Muitos serão mortos no Egito;

o país será roubado e arrasado.

5Essa guerra também matará

os soldados contratados da Etiópia, Lídia, Líbia, Arábia e Cube

e até do meu próprio povo.

6O Senhor diz:

— Desde Migdol, que fica no Norte, até Assuã, que fica no Sul, todos os que defendem o Egito serão mortos em batalha. O orgulhoso exército egípcio será destruído. Sou eu, o Senhor Deus, quem está falando. 7O país será o mais deserto do mundo, e as suas cidades serão completamente arrasadas. 8Quando eu incendiar o Egito, e aqueles que o defendem estiverem mortos, todos ficarão sabendo que eu sou o Senhor.

9— Quando aquele dia chegar, e o Egito for destruído, mandarei mensageiros em navios para porem medo no povo descuidado da Etiópia, e esse povo ficará apavorado. E aquele dia está chegando!

10O Senhor Deus diz:

— Usarei Nabucodonosor, rei da Babilônia, para acabar com a riqueza do Egito. 11Ele e o seu exército violento virão para arrasar o Egito. Eles atacarão com espadas, e a terra dos egípcios ficará cheia de mortos. 12Secarei o rio Nilo; entregarei o Egito a homens maus. Estrangeiros arrasarão o país todo. Eu, o Senhor, falei.

13O Senhor Deus diz:

— Também destruirei os ídolos e os falsos deuses de Mênfis. Não ficará ninguém para governar o Egito. Espalharei o terror no meio do povo. 14Farei com que o Sul do Egito vire um deserto e porei fogo na cidade de Zoã, no Norte. Castigarei Tebas, a capital. 15Derramarei a minha ira sobre a cidade de Pelúsio, a grande fortaleza do Egito, e acabarei com a riqueza de Tebas. 16Incendiarei o Egito, e Pelúsio se retorcerá de dor. As muralhas de Tebas serão derrubadas, e a cidade será inundada. 17Os moços das cidades de Heliópolis e Bubaste morrerão na guerra, e os outros moradores serão levados presos. 18Quando eu quebrar o poder do Egito e acabar com a força de que tanto se gaba, a escuridão cairá sobre a cidade de Tafnes. Uma nuvem cobrirá o Egito, e os moradores de todas as suas cidades serão levados prisioneiros. 19Assim castigarei o Egito, e aí eles ficarão sabendo que eu sou o Senhor.

O rei de braços quebrados

20No ano décimo primeiro do nosso cativeiro, no sétimo dia do primeiro mês30.20 Era abril de 587 antes de Cristo., o Senhor falou comigo. Ele disse:

21Homem mortal, eu quebrei um dos braços do rei do Egito. Ninguém amarrou o braço dele, nem o pôs numa tipoia a fim de que sarasse e ficasse forte, e assim ele pudesse usar de novo a espada. 22Agora, eu, o Senhor Deus, digo isto: “Eu estou contra o rei do Egito. Quebrarei os seus dois braços, tanto o bom como o que já está quebrado, e a espada cairá da mão dele. 23Espalharei os egípcios pelo mundo inteiro. 24Aí farei com que os braços do rei da Babilônia fiquem fortes e porei a minha espada nas mãos dele. Porém quebrarei os braços do rei do Egito, e assim ele gemerá e morrerá na frente do seu inimigo. 25Sim! Farei com que o rei do Egito fique fraco e darei força ao rei da Babilônia. Quando eu lhe der a minha espada, e ele a apontar para o Egito, todos ficarão sabendo que eu sou o Senhor. 26Espalharei os egípcios pelo mundo. Aí eles ficarão sabendo que eu sou o Senhor.”

31

O Egito, uma árvore de cedro

311No ano décimo primeiro do nosso cativeiro, no dia primeiro do terceiro mês31.1 Era junho de 587 antes de Cristo., o Senhor falou comigo. Ele disse:

2Homem mortal, diga o seguinte ao rei do Egito e a todo o seu povo:

“Como você é poderoso!

Com o que posso compará-lo?

3Você é como um cedro no Líbano,

com galhos lindos, cheios de folhas,

uma árvore tão alta, que chega até as nuvens.

4Havia água para fazê-lo crescer

e rios debaixo da terra para alimentá-lo.

Regaram o lugar onde a árvore estava crescendo

e fizeram com que ribeirões regassem todas as árvores da floresta.

5Por ter sido bem-regado,

o cedro cresceu mais do que as outras árvores,

e os seus galhos ficaram grossos e compridos.

6Aves de todo tipo faziam ninhos nos seus galhos;

embaixo dele, os animais ferozes davam cria,

e na sua sombra as nações do mundo descansavam.

7Como era linda aquela árvore,

tão alta e com galhos tão compridos!

As suas raízes chegavam até as correntezas profundas.

8Nenhum cedro no jardim de Deus podia comparar-se com ela,

nenhum cipreste teve galhos assim,

e nenhuma figueira brava teve ramos iguais aos dela.

Nenhuma árvore no jardim de Deus foi tão linda como aquela.

31.8
Gn 2.9

9Eu a fiz linda assim

e cheia de muitos galhos.

No Éden, o jardim de Deus,

todas as árvores a invejavam.”

10— Agora, eu, o Senhor Deus, direi a vocês o que vai acontecer. A árvore cresceu tanto, que chegou até as nuvens; mas, conforme crescia, também aumentava o seu orgulho. 11Por isso, rejeitei a árvore e vou deixar que um rei estrangeiro31.11 Nabucodonosor, da Babilônia, invadiu o Egito em 568 antes de Cristo. a conquiste. Ele dará a ela o tratamento que a sua maldade merece. 12Estrangeiros cruéis a derrubarão e a abandonarão. Os seus galhos e ramos quebrados cairão em todos os vales e em todas as montanhas do país. Todas as nações que viveram embaixo da sua sombra irão embora. 13Os pássaros pousarão na árvore caída, e os animais ferozes andarão por cima dos seus galhos. 14E assim, daqui em diante, nenhuma árvore, por mais bem-regada que seja, crescerá tanto, que os seus galhos cheguem até as nuvens. Todas elas estão condenadas a morrer como seres humanos mortais e a se juntarem com aqueles que descem para o mundo dos mortos.

15O Senhor Deus diz o seguinte:

— No dia em que a árvore descer ao mundo dos mortos, farei com que as águas que estão debaixo da terra a cubram, como sinal de tristeza. Farei com que os rios parem e não deixarei que os muitos ribeirões corram. A árvore morreu, e por isso trarei escuridão sobre os montes Líbanos e farei com que sequem todas as árvores da floresta. 16Quando eu a lançar no mundo dos mortos, o barulho da sua queda abalará as nações. Todas as árvores do Éden e todas as árvores do Líbano, as mais belas e mais bem-regadas e que já estão no mundo lá de baixo, vão ficar contentes com a sua queda. 17Elas irão com ela ao mundo dos mortos para se juntar com aquelas que já haviam caído. E todos os que viviam na sua sombra serão espalhados entre as nações.

18— A árvore é o rei do Egito e todo o seu povo. Nem mesmo as árvores do Éden eram tão altas e vistosas. Mas agora, como as árvores do Éden, ela descerá ao mundo dos mortos e se juntará aos que não foram circuncidados e aos que forem mortos na guerra. Eu, o Senhor Deus, falei.

32

O rei do Egito, um crocodilo

321No ano décimo segundo do nosso cativeiro, no dia primeiro do décimo segundo mês32.1 Era março de 585 antes de Cristo., o Senhor me disse o seguinte:

2Homem mortal, cante um cântico fúnebre a respeito do rei do Egito. Diga-lhe isto: “Você age como um leão no meio das nações, mas parece mais um crocodilo nadando e agitando a água do rio. Com as suas patas, você turva a água e suja os rios. 3Quando muitos povos se ajuntarem, eu, o Senhor Deus, o pegarei na minha rede e deixarei que eles puxem a rede para a praia. 4Eu o deixarei em lugar seco, eu o jogarei na terra e trarei todos os pássaros e animais do mundo para que comam a sua carne. 5Cobrirei montanhas e vales com o seu cadáver podre. 6Ensoparei a terra com o seu sangue, e ele cobrirá as montanhas e encherá os rios. 7Quando eu destruir você, cobrirei o céu e apagarei as estrelas. Esconderei o sol atrás das nuvens, e a lua não brilhará mais.

32.7
Is 13.10
Mt 24.29
Mc 13.24-25
Lc 21.25
Ap 6.12-13
8.12
8Apagarei todas as luzes do céu e lançarei o seu país na escuridão. Sou eu, o Senhor Deus, quem está falando.

9— “Você será destruído, e eu espalharei essa notícia em países de que você nunca ouviu falar. Aí muitas nações vão ficar em confusão 10e espantadas com o que eu vou fazer com você. Quando eu agitar a minha espada, os seus reis ficarão apavorados. No dia em que você cair, todos eles tremerão de medo de perder a vida.”

11— O Senhor Deus continua a dizer ao rei do Egito: “Você enfrentará a espada do rei da Babilônia. 12Deixarei que os soldados de nações cruéis peguem a espada e matem milhares de egípcios. Eles arrasarão tudo aquilo de que você tem orgulho e matarão o seu povo. 13Destruirei o seu gado em todos os bebedouros, e não haverá mais gente nem gado para sujar a água. 14Deixarei que as suas águas assentem e fiquem claras e farei com que os seus rios corram calmamente. Sou eu, o Senhor Deus, quem está falando. 15Quando eu fizer o Egito virar um deserto abandonado e destruir todos os que vivem ali, as outras nações ficarão sabendo que eu sou o Senhor.”

16— Este é o cântico fúnebre que as mulheres das outras nações vão cantar para chorar pelo Egito e por todo o seu povo. Eu, o Senhor Deus, falei.

O Egito desce ao mundo dos mortos

17No ano décimo segundo do nosso cativeiro, no dia quinze do primeiro mês32.17 Era abril de 586 antes de Cristo., o Senhor me disse o seguinte:

18Homem mortal, chore pela multidão de gente do Egito. Faça com que eles desçam ao mundo dos mortos junto com outras nações poderosas. 19Diga o seguinte:

“Será que vocês são mais bonitos do que os outros?

Pois vocês vão descer e se deitar nas sepulturas dos maus.”

20— Os egípcios cairão junto com aqueles que são mortos em batalha. Uma espada está preparada para matar toda a gente do Egito. 21Os heróis mais valentes e os que lutaram pelo Egito recebem os egípcios quando estes entram no mundo dos mortos. Eles gritam: “Esses que não foram circuncidados morreram na batalha, desceram até aqui e aqui estão deitados.”

22— A Assíria está ali, e em volta dela estão os túmulos dos seus soldados. Eles foram mortos em combate, 23e os túmulos deles estão nas profundezas do mundo dos mortos. Todos os seus soldados caíram em combate, e os túmulos deles estão em volta do túmulo da Assíria. Mas antes eles haviam feito tremer de medo os que estão vivos.

24— O país de Elão está ali, e em volta estão os túmulos dos seus soldados. Todos eles foram mortos em combate e, sem terem sido circuncidados, desceram ao mundo dos mortos. Quando estavam vivos, eles espalhavam o terror, mas agora estão mortos e cobertos de vergonha. 25Elão está deitado no meio dos que foram mortos em combate, e os túmulos dos seus soldados estão em volta dele. Nenhum deles foi circuncidado; todos eles foram mortos em combate. Quando estavam vivos, eles espalhavam o terror, mas agora estão mortos e cobertos de vergonha, fazendo companhia aos que foram mortos em combate.

26— Os países de Meseque e Tubal estão ali, e em volta estão os túmulos dos seus soldados. Nenhum deles foi circuncidado; todos eles foram mortos em combate. Mas antes eles haviam causado terror na terra dos que estão vivos. 27Eles não foram sepultados com homenagens como os heróis dos tempos antigos, que desceram ao mundo dos mortos com as suas armas. As suas espadas foram colocadas debaixo das cabeças, e os escudos, em cima dos corpos. Esses heróis tiveram poder para causar terror na terra dos que estão vivos.

28— Será assim que os egípcios estarão esmagados no meio dos que não foram circuncidados e que morreram em combate.

29— O país de Edom está ali com os seus reis e autoridades. Eles foram soldados corajosos, mas agora estão deitados no mundo dos mortos, junto com os que não foram circuncidados e que morreram em combate.

30— Todos os príncipes do Norte e os moradores de Sidom estão no mundo dos mortos; eles morreram sem terem sido circuncidados. O seu poder espalhava o terror, mas agora eles descem sem honra junto com os que foram mortos em combate e que estão deitados ali. Eles tomam parte na desgraça daqueles que descem ao mundo dos mortos.

31— O rei do Egito os verá e ficará consolado com a morte de todo o seu exército destruído em combate! — diz o Senhor Deus.

32— Eu fiz com que o rei do Egito deixasse os vivos apavorados, mas ele e o seu exército serão mortos e ficarão deitados junto com todos os não circuncidados que foram mortos em combate. Eu, o Senhor Deus, falei.