Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
21

A espada de Deus

211O Senhor me disse o seguinte:

2Homem mortal, fale contra Jerusalém. Fale contra os lugares onde o povo adora. Avise a terra de Israel 3que eu, o Senhor, estou dizendo isto: “Eu estou contra vocês. Vou tirar a minha espada e matar todos, tanto os bons como os maus. 4Usarei a minha espada contra todos, do Sul ao Norte. 5Todos ficarão sabendo que eu, o Senhor, tirei a minha espada da bainha e que não vou guardá-la.”

6— Homem mortal, fique gemendo como se o seu coração estivesse arrebentando de desespero. Vá para um lugar onde todos possam ver você e solte gemidos de tristeza. 7Quando perguntarem por que você está gemendo, responda que é por causa daquilo que vai acontecer. Diga que eles perderão a coragem. Os corações deles ficarão cheios de medo, os braços ficarão moles e os joelhos tremerão. O tempo chegou; já está aqui. Eu, o Senhor Deus, estou falando.

8O Senhor me disse o seguinte:

9— Homem mortal, profetize. Diga ao povo que eu, o Senhor, estou dizendo isto:

“A espada, a espada está afiada e brilhando.

10Ela está afiada para matar

e polida para brilhar como relâmpago.

Não pode haver alegria,

pois o meu povo rejeitou todos os conselhos e castigos.

11A espada está sendo polida,

está pronta para ser usada.

Está afiada e polida

para ser posta nas mãos de um matador.

12Grite e solte gemidos, homem mortal;

essa espada é para atacar o meu povo

e todos os líderes de Israel.

Eles serão mortos com todo o resto do meu povo.

Bata no peito em sinal de desespero.

13Estou pondo o meu povo à prova;

se não quiserem se arrepender,

todas essas coisas acontecerão a eles.

Sou eu, o Senhor Deus, quem está falando.”

14— Agora, homem mortal, profetize. Bata palmas, e a espada ferirá muitas vezes. É uma espada que mata, uma espada que produz terror e matança. 15Ela faz o meu povo perder a coragem e tropeçar. Estou ameaçando a cidade deles21.15 Jerusalém. com a espada que brilha como o relâmpago e que está pronta para matar. 16Espada afiada, corte à direita e à esquerda! Corte em todos os lados para onde você virar. 17Eu também baterei palmas, e a minha ira passará. Eu, o Senhor, falei.

A espada do rei da Babilônia

18O Senhor me disse o seguinte:

19Homem mortal, marque duas estradas por onde o rei da Babilônia poderá vir com a sua espada. As duas devem começar no mesmo país. Ponha placas indicando onde as estradas se dividem em duas. 20Uma placa mostrará ao rei o caminho para a cidade amonita de Rabá, e a outra, para Jerusalém, a cidade cercada de muralhas, que fica em Judá. 21O rei da Babilônia para na encruzilhada da estrada. E, a fim de saber que caminho tomar, ele sacode as flechas21.21 Antes de tomar uma decisão, às vezes jogavam no chão um punhado de flechas. O jeito que elas ficavam decidia o caminho que deveria ser seguido., faz perguntas aos seus deuses e examina o fígado de um animal que foi oferecido em sacrifício. 22Agora, a sua mão direita está segurando a flecha marcada com a palavra “Jerusalém”. É para o rei da Babilônia ir, soltar gritos de guerra, preparar máquinas de derrubar muralhas, colocá-las na frente dos portões e levantar rampas e torres de ataque. 23O povo de Jerusalém não quer acreditar nisso por causa dos acordos que eles fizeram. Mas esta profecia é para fazer com que lembrem dos seus pecados, é um sinal de que serão presos. 24Isso é o que eu, o Senhor Deus, estou dizendo. Todos podem ver os seus pecados. Todo o mundo sabe o quanto vocês são culpados. Em cada ação que praticam, vocês mostram os seus pecados. Vocês estão condenados, e eu os entregarei aos seus inimigos.

25— Você, governador de Israel21.25 Zedequias, o rei de Judá., é perverso e não teme a Deus, e por isso o seu dia, o dia do seu castigo final, também está chegando. 26A sua coroa e o seu turbante serão tirados. As coisas não vão continuar como estão. Os pobres terão poder, e os que estão no poder serão rebaixados. 27Destruição! Destruição! Sim! Destruirei a cidade. Mas isso não acontecerá até que venha aquele a quem vou entregar a cidade. Eu, o Senhor Deus, falei.

Aviso aos amonitas

28Homem mortal, profetize. Anuncie aquilo que eu, o Senhor Deus, estou dizendo aos amonitas, que estão insultando o povo de Israel. Diga isto:

“A espada está pronta para destruir;

está polida para matar

e para brilhar como o relâmpago.”

29— Amonitas, as suas visões são falsas, e as profecias que fazem são mentiras. Vocês são maus e perversos. O seu dia está chegando, o dia do seu castigo final. A espada cairá sobre o pescoço de vocês.

30— Amonitas, ponham a sua espada na bainha. Eu os julgarei no lugar onde foram criados, na terra onde nasceram. 31Quando a minha ira cair sobre vocês, ela os queimará como labaredas de fogo. Eu os entregarei a homens violentos, preparados para destruir. 32Vocês serão destruídos pelo fogo. O seu sangue será derramado no seu próprio país, e ninguém nunca mais lembrará de vocês. Eu, o Senhor, falei.

21.28-32
Jr 49.1-6
Ez 25.1-7
Am 1.3-15
Sf 2.8-11

22

Os crimes de Jerusalém

221O Senhor me disse o seguinte:

2Homem mortal, você está pronto para julgar a cidade que está cheia de assassinos? Mostre a ela todas as coisas vergonhosas que tem feito. 3Conte a ela aquilo que eu, o Senhor Deus, estou dizendo: “Você, cidade assassina, matou muitas pessoas do seu próprio povo e se tornou impura fazendo ídolos e os adorando, e por isso o tempo do seu castigo está cada vez mais perto. 4Você é culpada dessas mortes e se tornou impura por causa dos ídolos que fabricou, e por isso o seu dia está chegando, o seu tempo acabou. Foi por isso que deixei as outras nações caçoarem e zombarem de você. 5Países de perto e de longe caçoam de você por ter fama de cidade de desordeiros. 6Todas as autoridades de Israel confiam na sua própria força e cometem assassinatos. 7Na cidade, ninguém honra o pai nem a mãe. Vocês maltratam os estrangeiros que moram no meio de vocês e exploram viúvas e órfãos.

22.7 a
Êx 20.12
Dt 5.16
8Vocês não respeitam os lugares sagrados, nem guardam o sábado.
22.8
Lv 19.30
26.2
9Uns dizem mentiras a respeito dos outros, que por causa disso são mortos. Alguns comem sacrifícios oferecidos aos ídolos. Outros estão sempre satisfazendo as suas paixões. 10Outros têm relações sexuais com a mulher do seu próprio pai. Outros ainda obrigam mulheres que estão menstruadas a terem relações com eles. 11Cometem adultério e seduzem as suas noras ou as suas meias-irmãs.
22.10-11
Lv 18.7-20
12Alguns dos seus moradores matam por dinheiro. Outros emprestam dinheiro a juros22.12 Os judeus eram proibidos de cobrar juros dos seus patrícios (ver Dt 23.19-20). e ficam ricos explorando os seus próprios irmãos israelitas. Eles esqueceram de mim. Sou eu, o Senhor Deus, quem está falando.
22.12
Êx 23.8
Dt 16.19
Êx 22.25
Lv 25.36-37
Dt 23.19

13— “Vou acabar com as suas roubalheiras e com os seus crimes de morte. 14Vocês pensam que ainda terão alguma coragem ou força bastante para levantar a mão quando eu acabar de agir contra vocês? Eu, o Senhor, estou falando e mantenho a minha palavra. 15Espalharei o seu povo por todos os países e nações e porei um fim em todas as suas más ações. 16Assim as outras nações olharão com nojo para vocês, e vocês saberão que eu sou o Senhor.”

A fornalha de refinação

17O Senhor me disse o seguinte:

18Homem mortal, os israelitas não têm valor para mim. Eles são como a mistura de cobre, estanho, ferro e chumbo que sobra depois que a prata é refinada na fornalha. 19Agora, eu, o Senhor Deus, estou lhes dizendo que eles são tão inúteis como essa mistura. Reunirei todos em Jerusalém, 20como se fossem minério de prata, cobre, ferro, chumbo e estanho jogados numa fornalha de refinação. A minha ira e o meu furor os derreterão assim como o fogo derrete o minério. 21Sim! Eu os ajuntarei em Jerusalém, porei fogo debaixo deles e os derreterei com a minha ira. 22Eles se derreterão em Jerusalém assim como a prata é derretida na fornalha e aí ficarão sabendo que eu, o Senhor, derramei sobre eles a minha ira.

Os pecados das autoridades de Israel

23O Senhor falou comigo de novo. Ele disse:

24Homem mortal, diga aos israelitas que a terra deles é impura e que eu os estou castigando por causa da minha ira. 25As suas autoridades são como leões rugindo em cima dos animais que mataram. Matam as pessoas, tiram as suas propriedades e as suas riquezas e, por causa dos seus crimes de morte, deixam viúvas muitas mulheres. 26Os sacerdotes desobedecem à minha Lei e não têm respeito por aquilo que é santo. Não fazem diferença entre o que é santo e o que não é. Não ensinam a diferença entre as coisas puras e as impuras e não respeitam o sábado. Como resultado disso, o povo de Israel não me respeita.

22.26
Lv 10.10
27As autoridades são como lobos que despedaçam os animais que mataram. Matam para enriquecer. 28Os profetas escondem esses pecados como quem pinta de branco uma parede. Eles têm visões falsas e fazem falsas profecias. Afirmam que falam a palavra do Senhor Deus, mas eu, o Senhor, não falei com eles. 29Os ricos enganam e roubam. Eles maltratam os pobres e exploram estrangeiros.

30— Procurei alguém que construísse uma muralha, alguém que ficasse nos lugares onde as muralhas desmoronaram e que defendesse a terra a fim de que a minha ira não a destruísse; porém não encontrei ninguém. 31Por isso, farei cair o fogo da minha ira sobre eles e os destruirei como castigo pelo que eles têm feito. Eu, o Senhor Deus, falei.

23

Duas irmãs pecadoras

231O Senhor me disse o seguinte:

2Homem mortal, era uma vez duas irmãs 3que moravam no Egito. Quando eram jovens, elas perderam a virgindade e se tornaram prostitutas. 4A mais velha se chamava Oolá23.4 Oolá em hebraico quer dizer “o santuário dela”. (que representa Samaria), e a mais nova, Oolibá23.4 Oolibá em hebraico quer dizer “o meu santuário está nela”. (que representa Jerusalém). Eu casei com as duas, e elas me deram filhos. 5Embora fosse minha, Oolá continuou a ser prostituta e estava louca pelos seus amantes da Assíria. 6Eles eram soldados de uniformes vermelhos, nobres e oficiais graduados, todos eles jovens atraentes, oficiais da cavalaria. 7Oolá foi prostituta de todos os oficiais assírios, e a paixão dela a levou a se tornar impura, adorando os ídolos assírios. 8Ela continuou o que havia começado como prostituta, no Egito, onde tinha perdido a virgindade. Desde os seus tempos de mocinha, os homens dormiam com ela e a tratavam como prostituta. 9Por isso, eu a entreguei aos seus amantes assírios, a quem ela tanto desejava. 10Eles a deixaram nua, prenderam os seus filhos e filhas e depois a mataram com uma espada. Em toda parte, as mulheres falavam a respeito do fim que ela teve.

11— Apesar de ter visto isso, Oolibá se tornou uma prostituta ainda mais sem-vergonha e imoral do que a irmã. 12Ela também se apaixonou pelos nobres e pelos oficiais assírios — soldados de uniformes vistosos — e pelos oficiais da cavalaria, todos eles jovens simpáticos. 13Vi que ela era totalmente imoral; assim a segunda irmã seguiu o mesmo caminho da primeira.

14-15— Oolibá se afundou cada vez mais na imoralidade. Foi atraída pelas figuras esculpidas na parede e pintadas de vermelho vivo. Eram figuras de altos oficiais da Babilônia. Eles usavam cinturões e turbantes de luxo. 16Logo que viu as figuras desses oficiais, Oolibá apaixonou-se por eles e mandou que mensageiros fossem falar com eles na Babilônia. 17Os babilônios vieram para ter relações com Oolibá. Eles se aproveitaram dela e cometeram com ela tantas imoralidades, que ela ficou com nojo deles. 18Oolibá ficou nua em público, e todo o mundo ficou sabendo que era prostituta. Eu fiquei revoltado contra ela, como havia ficado contra a sua irmã. 19Ela afundou cada vez mais na prostituição, fazendo como nos tempos de moça, quando era prostituta no Egito. 20Ela ficou apaixonada por homens sensuais, de membros grandes e tão fogosos no seu desejo como jumentos e cavalos.

21— Assim, Oolibá, você quis repetir a imoralidade dos seus tempos de moça no Egito, quando os homens apalpavam os seus seios, e você perdeu a virgindade.

O castigo da irmã mais moça

22— Por essa razão, eu, o Senhor Deus, estou dizendo isto a você, Oolibá. Você está enjoada desses amantes, mas eu farei com que eles fiquem com raiva de você e os trarei para que a cerquem. 23Vou trazer todos os babilônios e todos os caldeus23.23 Povo que morava no sul da Babilônia. das cidades de Pecode, de Soa e de Coa e todos os assírios. Todos eles são jovens oficiais, nobres e simpáticos. Todos eles são graduados e altos oficiais da cavalaria. 24Do Norte, eles atacarão, trazendo um grande exército com carros de guerra e carretas de mantimentos. Armados com escudos e capacetes, eles cercarão você. Eu a entregarei a eles, e eles a julgarão pelas leis deles. 25Deixarei que eles a tratem com ódio, pois estou irado com você. Eles cortarão o seu nariz e as suas orelhas e matarão os seus filhos. Sim! Eles tirarão de você os seus filhos e filhas e os queimarão vivos. 26Eles arrancarão as suas roupas e tirarão as suas joias. 27Eu acabarei com a sua imoralidade e com a prostituição que você tem praticado desde que estava no Egito. Nunca mais você olhará para nenhum ídolo, nem pensará mais no Egito.

28O que o Senhor Deus diz é isto:

— Eu a entregarei nas mãos daqueles que você odeia e de quem você tem nojo. 29E, porque eles a odeiam, tirarão tudo aquilo que você conseguiu com o seu trabalho e a largarão completamente nua, como se fosse uma prostituta. Por causa da sua imoralidade e da sua prostituição, 30esses castigos caíram sobre você. Você foi prostituta dos povos e ficou impura por causa dos ídolos deles. 31Você seguiu o exemplo da sua irmã; por isso, castigarei você também, como castiguei a sua irmã.

32O Senhor Deus diz:

“Você beberá o copo da sua irmã,

que é largo e fundo.

Todos vão caçoar e zombar de você;

o copo está cheio.

33O copo da sua irmã Samaria,

cheio de medo e desgraça,

vai trazer para você embriaguez e dor.

34Você beberá até esvaziá-lo.

Depois, o quebrará

e com os cacos rasgará os seus seios.

Eu, o Senhor Deus, falei.”

35Agora, o que o Senhor Deus está dizendo é isto:

— Você me esqueceu e me virou as costas; portanto, sofrerá por causa da sua imoralidade e da sua prostituição.

O castigo das duas irmãs

36O Senhor me disse:

Homem mortal, você está pronto para julgar Oolá e Oolibá? Então acuse-as das coisas vergonhosas que têm feito. 37Elas cometeram adultério e assassinato. Cometeram adultério com ídolos e mataram filhos que geraram para mim. Elas ofereceram os meus filhos para serem mortos em sacrifício aos seus ídolos. 38E isso ainda não foi tudo o que fizeram. Também profanaram o meu Templo e quebraram o sábado, que eu havia mandado guardar. 39Mataram os meus filhos como sacrifícios aos ídolos; e naquele mesmo dia vieram ao meu Templo e o profanaram.

40— Oolá e Oolibá enviaram mensageiros para convidar homens de longe, e eles vieram. Elas tomaram banho, pintaram os olhos e se enfeitaram com joias. 41Sentaram-se numa bela cama, com uma mesa bem-posta diante delas. E sobre a mesa puseram o incenso e o azeite que eu lhes tinha dado. 42Então ouviu-se o barulho de uma multidão alegre, e entrou um grupo de homens do deserto. Colocaram pulseiras nos braços das mulheres e lindas coroas nas cabeças. 43E eu disse a mim mesmo que eles estavam usando como prostituta uma mulher gasta pelo adultério. 44Muitas vezes, eles voltaram a estar com essas prostitutas. Tornaram a se encontrar com Oolá e Oolibá, essas mulheres imorais. 45Os homens direitos vão condená-las por adultério e assassinato porque elas adulteram, e as suas mãos derramam sangue.

46O que o Senhor Deus diz é isto:

— Tragam uma multidão para pôr medo nelas e roubar o que elas têm. 47Que a multidão jogue pedras nessas duas mulheres e as ataque com espadas, mate os seus filhos e ponha fogo nas suas casas! 48Acabarei com a imoralidade que há no país inteiro, como um aviso para que nenhuma mulher cometa adultério como essas duas cometeram. 49Quanto a vocês, as duas irmãs, eu as castigarei pela sua imoralidade e pelo seu pecado de adorar ídolos. Então vocês saberão que eu sou o Senhor Deus.