Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
19

Uma canção de tristeza

191O Senhor Deus me mandou cantar uma canção de tristeza a respeito de dois reis de Israel:

2Que leoa era a sua mãe19.2 O reino de Judá.!

Ela andava com o bando

e criava os filhotes no meio dos leões.

3Ela criou um filhote19.3 O rei Joacaz, que foi levado como prisioneiro para o Egito (ver 2Rs 23.31-34).

e o ensinou a caçar,

e ele se tornou um devorador de gente.

4As nações ouviram falar dele

e o apanharam numa cova.

Puseram uma argola no nariz dele

e o arrastaram para o Egito.

5A leoa viu que as suas esperanças estavam perdidas.

Aí criou outro filhote19.5 O rei Joaquim, que foi levado como prisioneiro para a Babilônia (ver 2Rs 24.8-15).,

e ele se tornou um leão feroz.

6Quando já estava crescido,

andava com os outros leões.

Aprendeu a caçar

e se tornou um devorador de gente.

7Destruiu fortalezas e arrasou cidades.

Cada vez que ele rugia,

o povo da sua terra tremia de medo.

8Os povos se reuniram para combatê-lo;

veio gente de todos os lados.

Estenderam as suas redes de caça

e o pegaram na armadilha.

9Puseram uma argola no nariz dele

e o puxaram para dentro de uma gaiola;

então o levaram para o rei da Babilônia.

Eles o deixaram preso

para que nunca mais se ouvisse o seu rugido nos montes de Israel.

A parreira seca

10Israelitas, a mãe de vocês era como uma parreira

plantada perto de um ribeirão.

Ela estava cheia de galhos

e produzia muitas uvas

porque havia bastante água.

11Os seus galhos eram fortes

e cresceram até se tornarem cetros reais.

A parreira cresceu tanto,

que os seus galhos chegaram até as nuvens;

todos viram como era alta

e cheia de galhos.

12Porém mãos furiosas a arrancaram pela raiz

e a jogaram no chão.

O vento leste secou as suas uvas.

Os seus galhos foram quebrados;

eles secaram e foram queimados.

13Agora, a parreira está plantada no deserto,

numa terra seca e sem água.

14O seu tronco pegou fogo;

o fogo destruiu os seus galhos e as uvas.

Os seus galhos nunca mais serão fortes,

nunca mais serão cetros reais.

Esta é uma canção de tristeza que tem sido cantada muitas vezes.

20

A infidelidade do povo de Israel

201Passaram sete anos, cinco meses20.1 Era agosto de 591 antes de Cristo. e dez dias desde que os israelitas haviam sido levados para o cativeiro. Então alguns líderes vieram falar comigo para saber a vontade do Senhor. Eles chegaram e se sentaram na minha frente. 2O Senhor falou comigo. Ele disse:

3Homem mortal, diga a esses líderes que o Senhor está dizendo isto: Vocês vieram para saber qual é a minha vontade? Pois eu juro pela minha vida que não deixarei que vocês me perguntem nada. Sou eu, o Senhor Deus, quem está falando.

4— Homem mortal, você está pronto para julgar essa gente? Então julgue. Faça com que eles lembrem das coisas vergonhosas que os antepassados deles fizeram. 5Diga tudo o que eu, o Senhor Deus, estou falando. No dia em que escolhi o povo de Israel, fiz uma promessa a eles. No Egito, mostrei aos israelitas quem eu era e disse: “Eu sou o Senhor, o Deus de vocês.” 6Nessa ocasião, prometi que ia tirá-los do Egito e guiá-los a uma terra que eu havia escolhido para eles, uma terra boa e rica, a melhor de todas.

20.5-6
Êx 6.2-8
7Eu lhes disse: “Joguem fora os ídolos nojentos que vocês amam e não se manchem com os falsos deuses do Egito, pois o Deus de vocês sou eu, o Senhor.” 8Mas eles se revoltaram contra mim e não quiseram me ouvir. E não jogaram fora os seus ídolos nojentos, nem abandonaram os ídolos do Egito. Eu estava pronto para fazê-los sentir, ali no Egito, a força da minha ira. 9Porém não fiz isso a fim de não trazer desonra para o meu nome. Pois, na presença do povo no meio do qual os israelitas estavam vivendo, eu havia anunciado que ia tirá-los do Egito.

10— E assim os tirei do Egito e os levei para o deserto. 11Eu lhes dei os meus mandamentos e lhes ensinei as minhas leis, que dão vida a quem os cumprir. 12Como sinal da nossa aliança, mandei que eles guardassem o sábado e assim lembrassem que eu, o Senhor, os separo para que se dediquem somente a mim.

20.12
Êx 31.13-17
13Mas também no deserto os israelitas se revoltaram contra mim. Desobedeceram às minhas leis e rejeitaram os meus mandamentos, que dão vida a quem os cumprir. Profanaram completamente o sábado. Eu estava pronto para fazê-los sentir a força da minha ira e acabar com eles ali no deserto.
20.11,13
Lv 18.5
14E não os destruí a fim de não trazer desonra para o meu nome, pois as outras nações viram que tirei o povo de Israel do Egito. 15Além disso, no deserto jurei que não os levaria à terra que eu tinha dado a eles, uma terra boa e rica, a melhor de todas.
20.15
Nm 14.26-35
16Fiz esse juramento porque eles rejeitaram os meus mandamentos, desobedeceram às minhas leis e profanaram o sábado. Eles tinham prazer em adorar os seus ídolos.

17— Porém eu tive pena deles e não os matei, nem acabei com eles lá no deserto. 18Em vez disso, eu disse aos seus filhos: “Não guardem as leis que os seus antepassados fizeram; não sigam os costumes deles, nem se manchem com os seus ídolos. 19Eu sou o Senhor, o Deus de vocês. Obedeçam às minhas leis e aos meus mandamentos. 20Façam do sábado um dia sagrado, de modo que seja um sinal da aliança que fizemos. O sábado fará com que lembrem que eu sou o Senhor, o Deus de vocês.”

21— Mas esses filhos também se revoltaram contra mim. Desobedeceram às minhas leis e não guardaram os meus mandamentos, que dão vida a quem os cumprir. Eles profanaram o sábado. Eu estava pronto para fazê-los sentir a força da minha ira, matando todos ali no deserto. 22Porém não os destruí a fim de não trazer desonra para o meu nome entre as nações que me viram tirar o povo de Israel do Egito. 23Então fiz um novo juramento no deserto. Jurei que ia espalhar os israelitas pelo mundo inteiro.

20.23
Lv 26.33
24Fiz isso porque rejeitaram os meus mandamentos, desobedeceram às minhas leis, profanaram o sábado e adoraram os mesmos ídolos que os seus antepassados tinham servido. 25Então lhes dei leis más e mandamentos que não produzem vida. 26Deixei que se tornassem impuros, trazendo as suas próprias ofertas; deixei que matassem os seus filhos mais velhos, oferecendo-os em sacrifício. Isso aconteceu para que ficassem cheios de medo e para mostrar que eu sou o Senhor.

27— Por isso, homem mortal, conte aos israelitas o que eu, o Senhor Deus, estou dizendo a eles. Os pais deles também me insultaram de outro modo com a sua infidelidade: 28quando eu os trouxe para a terra que havia jurado dar-lhes, eles viram os montes altos e as árvores que dão sombra e ofereceram sacrifícios em todos eles. Eles me fizeram ficar irado por causa dos sacrifícios que queimaram e das ofertas de bebidas que trouxeram. 29Eu perguntei: “Que são esses lugares altos20.29 Eram lugares de adoração de deuses pagãos onde os israelitas eram proibidos de adorar. A palavra hebraica traduzida por “lugares altos” se parece, na pronúncia, com a frase “aonde vocês vão”. aonde vocês vão?” Por isso, desde aquele tempo eles têm sido chamados de “lugares altos”. 30Agora, diga aos israelitas o que estou dizendo. Por que é que vocês precisam cometer os mesmos pecados que os seus antepassados cometeram? Por que têm de correr atrás dos ídolos deles? 31Até hoje, vocês apresentam as mesmas ofertas e se tornam impuros por causa dos mesmos ídolos, queimando vivos os seus filhos, como sacrifício. E aí vocês, israelitas, ainda vêm me perguntar o que eu quero. Juro pela minha vida, diz o Senhor Deus, que não deixarei que vocês me perguntem nada. 32Vocês já resolveram que querem ser como as outras nações, como aquela gente que mora em outros países e adora árvores e pedras. Mas isso nunca acontecerá.

Castigo e perdão

33— Juro pela minha vida, diz o Senhor Deus, que governarei vocês com mão forte, com todo o meu poder e a minha ira. 34Mostrarei a vocês o meu poder e a minha ira quando eu os ajuntar e trouxer de volta de todos os países por onde foram espalhados. 35Eu os levarei ao “Deserto das Nações”20.35 Talvez uma referência ao deserto pelo qual os israelitas teriam de passar na viagem de volta do cativeiro na Babilônia para a terra de Israel. e ali os julgarei cara a cara. 36Eu os condenarei agora como condenei os seus antepassados no deserto do Sinai! — diz o Senhor Deus.

37— Eu os dominarei com firmeza e farei com que obedeçam à minha aliança. 38Tirarei do meio de vocês os que são rebeldes e pecadores. Eu os tirarei das terras onde agora estão vivendo, porém não os deixarei voltar à terra de Israel. Então eles ficarão sabendo que eu sou o Senhor.

39O Senhor Deus diz:

— E agora todos vocês, israelitas, continuem a adorar os seus ídolos! Mas aviso que mais tarde terão de me obedecer e nunca mais desonrarão o meu nome, apresentando ofertas aos seus ídolos. 40Lá na terra de Israel, no meu monte santo, no monte alto de Israel, todos vocês, povo de Israel, me adorarão. Ficarei contente com vocês e esperarei que me tragam os seus sacrifícios, as suas melhores ofertas e os seus presentes santos. 41Eu farei com que voltem dos países onde estão espalhados, e os ajuntarei, e então aceitarei os sacrifícios que vocês queimam. E assim mostrarei às outras nações que eu sou santo. 42Quando eu os trouxer de volta a Israel, à terra que prometi dar aos seus antepassados, vocês ficarão sabendo que eu sou o Senhor. 43Então vocês lembrarão de todas as coisas vergonhosas que fizeram e de como se tornaram impuros. Ficarão com nojo de vocês mesmos, por causa de todas as coisas más que fizeram. 44Vocês, israelitas, ficarão sabendo que eu sou o Senhor, pois não os trato como merecem por causa das suas ações más e perversas; mas o que faço é para proteger a minha honra. Eu, o Senhor Deus, falei.

Fogo no Sul

45O Senhor me disse o seguinte:

46Homem mortal, olhe para o Sul20.46 O reino de Judá.. Fale contra o Sul e profetize contra a floresta do Sul. 47Diga a essa floresta que escute, pois o Senhor Deus está dizendo o seguinte: “Vejam! Estou acendendo um fogo que destruirá todas as árvores secas e todas as árvores verdes daí! Nada poderá apagar as chamas; elas se espalharão do Sul ao Norte e queimarão todos os rostos. 48Todos verão que fui eu, o Senhor, que acendi esse fogo, fogo que ninguém pode apagar.”

49Eu respondi:

— Ó Senhor, meu Deus, não me faça dizer essas coisas, pois todos estão dizendo que eu falo somente por meio de comparações.

21

A espada de Deus

211O Senhor me disse o seguinte:

2Homem mortal, fale contra Jerusalém. Fale contra os lugares onde o povo adora. Avise a terra de Israel 3que eu, o Senhor, estou dizendo isto: “Eu estou contra vocês. Vou tirar a minha espada e matar todos, tanto os bons como os maus. 4Usarei a minha espada contra todos, do Sul ao Norte. 5Todos ficarão sabendo que eu, o Senhor, tirei a minha espada da bainha e que não vou guardá-la.”

6— Homem mortal, fique gemendo como se o seu coração estivesse arrebentando de desespero. Vá para um lugar onde todos possam ver você e solte gemidos de tristeza. 7Quando perguntarem por que você está gemendo, responda que é por causa daquilo que vai acontecer. Diga que eles perderão a coragem. Os corações deles ficarão cheios de medo, os braços ficarão moles e os joelhos tremerão. O tempo chegou; já está aqui. Eu, o Senhor Deus, estou falando.

8O Senhor me disse o seguinte:

9— Homem mortal, profetize. Diga ao povo que eu, o Senhor, estou dizendo isto:

“A espada, a espada está afiada e brilhando.

10Ela está afiada para matar

e polida para brilhar como relâmpago.

Não pode haver alegria,

pois o meu povo rejeitou todos os conselhos e castigos.

11A espada está sendo polida,

está pronta para ser usada.

Está afiada e polida

para ser posta nas mãos de um matador.

12Grite e solte gemidos, homem mortal;

essa espada é para atacar o meu povo

e todos os líderes de Israel.

Eles serão mortos com todo o resto do meu povo.

Bata no peito em sinal de desespero.

13Estou pondo o meu povo à prova;

se não quiserem se arrepender,

todas essas coisas acontecerão a eles.

Sou eu, o Senhor Deus, quem está falando.”

14— Agora, homem mortal, profetize. Bata palmas, e a espada ferirá muitas vezes. É uma espada que mata, uma espada que produz terror e matança. 15Ela faz o meu povo perder a coragem e tropeçar. Estou ameaçando a cidade deles21.15 Jerusalém. com a espada que brilha como o relâmpago e que está pronta para matar. 16Espada afiada, corte à direita e à esquerda! Corte em todos os lados para onde você virar. 17Eu também baterei palmas, e a minha ira passará. Eu, o Senhor, falei.

A espada do rei da Babilônia

18O Senhor me disse o seguinte:

19Homem mortal, marque duas estradas por onde o rei da Babilônia poderá vir com a sua espada. As duas devem começar no mesmo país. Ponha placas indicando onde as estradas se dividem em duas. 20Uma placa mostrará ao rei o caminho para a cidade amonita de Rabá, e a outra, para Jerusalém, a cidade cercada de muralhas, que fica em Judá. 21O rei da Babilônia para na encruzilhada da estrada. E, a fim de saber que caminho tomar, ele sacode as flechas21.21 Antes de tomar uma decisão, às vezes jogavam no chão um punhado de flechas. O jeito que elas ficavam decidia o caminho que deveria ser seguido., faz perguntas aos seus deuses e examina o fígado de um animal que foi oferecido em sacrifício. 22Agora, a sua mão direita está segurando a flecha marcada com a palavra “Jerusalém”. É para o rei da Babilônia ir, soltar gritos de guerra, preparar máquinas de derrubar muralhas, colocá-las na frente dos portões e levantar rampas e torres de ataque. 23O povo de Jerusalém não quer acreditar nisso por causa dos acordos que eles fizeram. Mas esta profecia é para fazer com que lembrem dos seus pecados, é um sinal de que serão presos. 24Isso é o que eu, o Senhor Deus, estou dizendo. Todos podem ver os seus pecados. Todo o mundo sabe o quanto vocês são culpados. Em cada ação que praticam, vocês mostram os seus pecados. Vocês estão condenados, e eu os entregarei aos seus inimigos.

25— Você, governador de Israel21.25 Zedequias, o rei de Judá., é perverso e não teme a Deus, e por isso o seu dia, o dia do seu castigo final, também está chegando. 26A sua coroa e o seu turbante serão tirados. As coisas não vão continuar como estão. Os pobres terão poder, e os que estão no poder serão rebaixados. 27Destruição! Destruição! Sim! Destruirei a cidade. Mas isso não acontecerá até que venha aquele a quem vou entregar a cidade. Eu, o Senhor Deus, falei.

Aviso aos amonitas

28Homem mortal, profetize. Anuncie aquilo que eu, o Senhor Deus, estou dizendo aos amonitas, que estão insultando o povo de Israel. Diga isto:

“A espada está pronta para destruir;

está polida para matar

e para brilhar como o relâmpago.”

29— Amonitas, as suas visões são falsas, e as profecias que fazem são mentiras. Vocês são maus e perversos. O seu dia está chegando, o dia do seu castigo final. A espada cairá sobre o pescoço de vocês.

30— Amonitas, ponham a sua espada na bainha. Eu os julgarei no lugar onde foram criados, na terra onde nasceram. 31Quando a minha ira cair sobre vocês, ela os queimará como labaredas de fogo. Eu os entregarei a homens violentos, preparados para destruir. 32Vocês serão destruídos pelo fogo. O seu sangue será derramado no seu próprio país, e ninguém nunca mais lembrará de vocês. Eu, o Senhor, falei.

21.28-32
Jr 49.1-6
Ez 25.1-7
Am 1.3-15
Sf 2.8-11

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]