Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
14

Os israelitas atravessam o mar Vermelho

141O Senhor Deus disse a Moisés:

2— Diga aos israelitas que voltem e acampem em frente de Pi-Hairote, entre Migdol e o mar Vermelho, perto de Baal-Zefom. 3Assim o rei do Egito vai pensar que os israelitas estão andando sem rumo, perdidos no deserto. 4Eu farei com que o rei continue teimoso e persiga vocês. Então eu derrotarei o rei e o seu exército, mostrando assim o meu poder. E os egípcios ficarão sabendo que eu sou Deus, o Senhor.

E os israelitas obedeceram.

5Quando contaram ao rei do Egito que os israelitas tinham fugido, ele e os seus funcionários mudaram de ideia e disseram:

— Vejam só o que fizemos! Deixamos que os nossos escravos, os israelitas, fugissem de nós!

6Então o rei mandou preparar o seu carro de guerra e o seu exército. 7Ele saiu com todos os carros de guerra, incluindo os seiscentos melhores, que eram comandados pelos seus oficiais. 8O Senhor fez com que Faraó, rei do Egito, continuasse teimando, e ele foi atrás dos israelitas, que estavam saindo de maneira vitoriosa. 9Os egípcios, com todos os seus cavalos, carros de guerra e cavaleiros, saíram atrás dos israelitas e os alcançaram onde eles estavam acampados, na beira do mar Vermelho, perto de Pi-Hairote e de Baal-Zefom.

10Quando os israelitas viram o rei e o seu exército marchando contra eles, ficaram apavorados e gritaram pedindo a ajuda de Deus, o Senhor. 11E disseram a Moisés:

— Será que não havia sepulturas no Egito? Por que você nos trouxe para morrermos aqui no deserto? Veja só o que você fez, nos tirando do Egito! 12O que foi que lhe dissemos no Egito? Pedimos que nos deixasse em paz, trabalhando como escravos para os egípcios. Pois é melhor ser escravo dos egípcios do que morrer aqui no deserto!

13Porém Moisés respondeu:

— Não tenham medo. Fiquem firmes e vocês verão que o Senhor vai salvá-los hoje. Nunca mais vocês vão ver esses egípcios. 14Vocês não terão de fazer nada: o Senhor lutará por vocês.

15O Senhor disse a Moisés:

— Por que você está me pedindo ajuda? Diga ao povo que marche. 16Levante o bastão e o estenda sobre o mar. A água se dividirá, e os israelitas poderão passar em terra seca, pelo meio do mar. 17Eu farei com que os egípcios fiquem ainda mais teimosos, e eles entrarão no mar atrás dos israelitas. E eu ficarei famoso quando derrotar o rei do Egito, todo o seu exército, os seus carros de guerra e os seus cavaleiros. 18Quando eu derrotar os egípcios, eles saberão que eu sou Deus, o Senhor.

19Então o Anjo de Deus, que ia na frente dos israelitas, mudou de lugar e passou para trás. Também a coluna de nuvem saiu da frente deles e foi para trás, 20ficando entre os egípcios e os israelitas. A nuvem era escura para os egípcios, porém iluminava o povo de Israel. Assim, durante a noite inteira, o exército egípcio não conseguiu chegar perto dos israelitas.

21Moisés estendeu a mão sobre o mar, e Deus, o Senhor, com um vento leste muito forte, fez com que o mar recuasse. O vento soprou a noite inteira e fez o mar virar terra seca. As águas foram divididas, 22e os israelitas passaram pelo mar em terra seca, com muralhas de água nos dois lados.

14.22
1Co 10.1-2
Hb 11.29
23Os egípcios os perseguiram e foram atrás deles até o meio do mar com todos os seus cavalos, carros de guerra e cavaleiros. 24Logo antes de amanhecer, da coluna de fogo e de nuvem o Senhor olhou para o exército dos egípcios e fez com que eles ficassem apavorados. 25Os carros de guerra andavam com grande dificuldade, pois Deus fez com que as rodas ficassem atoladas. Então os egípcios disseram:

— Vamos fugir dos israelitas! O Senhor está lutando a favor deles e contra nós.

26Então o Senhor Deus disse a Moisés:

— Estenda a mão sobre o mar para que as águas voltem e cubram os egípcios, os seus carros de guerra e os seus cavaleiros.

27Moisés estendeu a mão sobre o mar, e, quando amanheceu, o mar voltou ao normal. Os egípcios tentaram escapar das águas, porém o Senhor os jogou dentro do mar. 28As águas voltaram e cobriram os carros de guerra, os cavaleiros e todo o exército egípcio que havia perseguido os israelitas no mar. E não sobrou nenhum egípcio com vida. 29Mas os israelitas atravessaram o mar em terra seca, com muralhas de água nos dois lados.

30Naquele dia o Senhor salvou o povo de Israel dos egípcios, e os israelitas os viram mortos na praia. 31Quando viram o poder com que o Senhor havia derrotado os egípcios, os israelitas o temeram. E creram em Deus, o Senhor, e no seu servo Moisés.

15

A Canção de Moisés

151Então Moisés e os israelitas cantaram esta canção a Deus, o Senhor:

Cantarei ao Senhor

porque ele conquistou

uma vitória maravilhosa;

ele jogou os cavalos e os cavaleiros

dentro do mar.

15.1
Ap 15.3

2O Senhor é o meu forte defensor;

foi ele quem me salvou.

Ele é o meu Deus, e eu o louvarei.

Ele é o Deus do meu pai,

e eu cantarei a sua grandeza.

15.2
Sl 118.14
Is 12.2

3O Senhor é um guerreiro;

o seu nome é Senhor.

4Ele jogou no mar o exército egípcio

e os seus carros de guerra;

os seus melhores oficiais se afogaram

no mar Vermelho.

5O mar profundo os cobriu;

como uma pedra eles foram até o fundo.

6A tua mão direita, ó Senhor,

tem um poder terrível;

ela despedaça o inimigo.

7Como é maravilhosa a tua vitória!

Derrotas os teus inimigos

e com a tua ira furiosa

tu os queimas como se fossem palha.

8Tu sopraste, e as águas se amontoaram;

as ondas se levantaram como muralhas,

e o fundo do mar ficou duro como gelo.

9Os inimigos disseram:

“Nós iremos atrás deles

e os alcançaremos;

pegaremos todas as coisas

que são deles

e ficaremos com tudo o que quisermos.

Com as nossas espadas

nós os mataremos.”

10Porém tu, ó Senhor, sopraste,

e os egípcios se afogaram;

afundaram como chumbo no mar bravo.

11Não há outro deus como tu,

ó Senhor!

Quem é santo e majestoso como tu?

Quem pode fazer os milagres

e as maravilhas que fazes?

12Estendeste a mão direita,

e a terra engoliu

os que nos perseguiam.

13Por causa do teu amor

tu guiaste o povo que salvaste;

com o teu grande poder

tu os levaste para a tua terra santa.

14Os povos ouviram falar do que fizeste

e estão tremendo de medo.

Os filisteus ficaram apavorados.

15Os chefes dos edomitas

estão assustados,

os poderosos moabitas

perderam a coragem,

e todos os cananeus estão tremendo.

16O medo e o terror caíram sobre eles.

Eles viram o teu grande poder

e ficaram parados

como se fossem pedras

até que tivesse passado o teu povo,

o povo que livraste da escravidão.

17Tu levarás o teu povo

para viver no teu monte,

o lugar, ó Senhor,

que escolheste para morar,

o Templo que tu mesmo construíste.

18O Senhor Deus será rei

para todo o sempre!

A Canção de Míriam

19Os israelitas atravessaram o mar em terra seca. Porém, quando os carros de guerra dos egípcios, com os seus cavalos e cavaleiros, entraram no mar, o Senhor Deus fez com que as águas voltassem e os cobrissem.

20A profetisa Míriam, que era irmã de Arão, pegou um pandeiro, e todas as mulheres a acompanharam, tocando pandeiro e dançando. 21E Míriam cantou para elas assim:

Cantem ao Senhor

porque ele conquistou

uma vitória gloriosa;

ele jogou os cavalos e os cavaleiros

dentro do mar.

As águas amargas

22Aí Moisés levou o povo de Israel do mar Vermelho para o deserto de Sur. Eles caminharam três dias no deserto e não acharam água. 23Então chegaram a um lugar chamado Mara, porém não puderam beber a água dali porque era amarga. Por isso aquele lugar era chamado de Mara15.23 Mara em hebraico quer dizer “amarga”.. 24O povo reclamou com Moisés e perguntou:

— O que vamos beber?

25Então Moisés, em voz alta, pediu socorro a Deus, o Senhor, e o Senhor lhe mostrou um pedaço de madeira. Moisés jogou a madeira na água, e a água ficou boa de beber.

Foi nesse lugar que o Senhor Deus deu leis aos israelitas e os pôs à prova. 26Ele disse:

— Se vocês prestarem atenção no que eu digo, se fizerem o que é certo e se guardarem os meus mandamentos, eu não os castigarei com nenhuma das doenças que mandei contra os egípcios. Eu sou o Senhor, que cura vocês.

27Depois os israelitas chegaram a Elim, onde havia doze fontes de água e setenta palmeiras. E acamparam ali, perto da água.

16

O maná e as codornas

161O povo de Israel saiu de Elim e foi para o deserto de Sim, que fica entre Elim e o monte Sinai. Chegaram ali no dia quinze do segundo mês depois da sua saída do Egito. 2Ali, no deserto, todos eles começaram a reclamar contra Moisés e Arão, 3dizendo assim:

— Teria sido melhor que o Senhor tivesse nos matado no Egito! Lá, nós podíamos pelo menos nos sentar e comer carne e outras comidas à vontade. Vocês nos trouxeram para este deserto a fim de matar de fome toda esta multidão.

4O Senhor Deus disse a Moisés:

— Agora eu vou fazer chover do céu pão para vocês. E o povo deverá sair, e cada um deverá juntar uma porção que dê para um dia. Assim eu os porei à prova para saber se eles vão obedecer às minhas ordens.

16.4
Jo 6.31
5No sexto dia deverão juntar e preparar o dobro do que costumam juntar nos outros dias.

6Então Moisés e Arão disseram ao povo:

— Hoje à tarde vocês ficarão sabendo que foi o Senhor Deus quem os tirou do Egito. 7Amanhã de manhã vocês verão a glória do Senhor, pois o Senhor ouviu as reclamações de vocês contra ele. Foi contra ele, e não contra nós, que vocês reclamaram; pois, afinal de contas, quem somos nós?

8E Moisés continuou:

— É Deus, o Senhor, quem vai lhes dar carne para comerem de tarde e pão à vontade de manhã, pois o Senhor ouviu vocês reclamando contra ele. As suas reclamações são contra ele e não contra nós; pois, afinal de contas, quem somos nós?

9Aí Moisés disse a Arão:

— Diga a todo o povo que venha e fique diante de Deus, o Senhor, pois ele ouviu as reclamações deles.

10Enquanto Arão estava falando a todo o povo, eles olharam para o deserto, e, de repente, a glória do Senhor apareceu numa nuvem. 11E o Senhor disse a Moisés:

12— Eu tenho ouvido as reclamações dos israelitas. Diga-lhes que hoje à tarde, antes de escurecer, eles comerão carne. E amanhã de manhã comerão pão à vontade. Aí ficarão sabendo que eu, o Senhor, sou o Deus deles.

13À tarde apareceu um grande bando de codornas; eram tantas, que cobriram o acampamento. E no dia seguinte, de manhã, havia orvalho em volta de todo o acampamento. 14Quando o orvalho secou, por cima da areia do deserto ficou uma coisa parecida com escamas, fina como a geada no chão. 15Os israelitas viram aquilo e não sabiam o que era. Então perguntaram uns aos outros:

— O que é isso?

Moisés lhes disse:

— Isso é o alimento que o Senhor está mandando para vocês comerem.

16.15
1Co 10.3
16Esta é a ordem que ele deu: “Cada um de vocês deverá juntar o que for necessário para comer, de acordo com o número de pessoas que houver na família, dois litros por pessoa.”

17E assim fizeram os israelitas. Uns pegaram mais, e outros, menos. 18Quando mediram, aconteceu que os que haviam pegado muito não tinham demais; e não faltava nada para os que haviam pegado pouco. Cada um havia pegado exatamente o necessário para comer.

16.18
2Co 8.15

19Então Moisés lhes disse:

— Ninguém deverá guardar nada para o dia seguinte.

20Mas alguns não obedeceram à ordem de Moisés e guardaram uma parte daquele alimento. E no dia seguinte o que tinha sido guardado estava cheio de bichos e cheirava mal. Aí Moisés ficou muito irritado com eles. 21Todas as manhãs cada um pegava o necessário para comer naquele dia, pois o calor do sol derretia o que ficava no chão.

22No sexto dia pegaram o dobro, isto é, quatro litros para cada pessoa. Os líderes do povo foram e contaram a Moisés o que estava acontecendo. 23E Moisés lhes disse:

— Amanhã é dia de descanso, o sábado santo, separado para Deus, o Senhor. Por isso o Senhor deu a seguinte ordem: “Os que quiserem assar esse alimento no forno, que assem; e os que quiserem cozinhar, que cozinhem. E guardem para o dia seguinte o que sobrar.”

16.23
Êx 20.8-11

24Conforme a ordem de Moisés, todos guardaram para o dia seguinte o que havia sobrado. E não cheirou mal, nem criou bicho. 25Moisés disse:

— Comam isto hoje, pois é sábado, o dia de descanso separado para Deus, o Senhor. Neste dia vocês não acharão no campo nada de comer. 26Recolham esse alimento durante seis dias; porém no sétimo dia, que é o dia de descanso, não haverá alimento no chão.

27No sétimo dia algumas pessoas saíram para pegar o alimento, porém não acharam nada. 28Então o Senhor Deus disse a Moisés:

— Até quando vocês vão desobedecer às minhas ordens e às minhas leis? 29Lembrem que eu, o Senhor, dei a vocês um dia de descanso e foi por isso que no sexto dia eu lhes dei alimento para dois dias. No sétimo dia fiquem todos onde estiverem; ninguém deverá sair de casa.

30Assim, o povo não trabalhou no sétimo dia.

31Os israelitas deram àquele alimento o nome de maná16.31 maná em hebraico soa parecido com a sentença que quer dizer “O que é isso?” (ver Êx 16.15).. Ele era parecido com uma sementinha branca e tinha gosto de bolo de mel.

16.31
Nm 11.7-8
32Moisés disse:

— O Senhor Deus mandou que fossem guardados dois litros de maná para que, no futuro, os nossos descendentes possam ver o alimento que ele nos deu para comermos no deserto, quando nos tirou do Egito.

33Então Moisés disse a Arão:

— Pegue uma vasilha, ponha nela dois litros de maná e coloque-a na presença de Deus, o Senhor, a fim de ser guardada para os nossos descendentes.

16.33
Hb 9.4

34Arão fez como o Senhor havia ordenado a Moisés e colocou a vasilha diante da arca da aliança para que ficasse guardada ali. 35Durante quarenta anos os israelitas tiveram maná para comer, até que chegaram a uma terra habitada, isto é, até que chegaram à fronteira de Canaã.

16.35
Js 5.12

36A porção16.36 porção: em hebraico, “ômer”. de maná para cada pessoa era a décima parte da medida padrão16.36 medida padrão: em hebraico, “efa”., que tinha vinte litros.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]