Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
8

81E Saulo aprovou a morte de Estêvão.

Saulo persegue a igreja

Naquele mesmo dia a igreja de Jerusalém começou a sofrer uma grande perseguição. E todos os cristãos, menos os apóstolos, foram espalhados pelas regiões da Judeia e da Samaria. 2Alguns homens religiosos sepultaram Estêvão e choraram muito por causa da sua morte.

3Porém Saulo se esforçava para acabar com a igreja. Ele ia de casa em casa, arrastava homens e mulheres e os jogava na cadeia.

8.3
At 22.4-5
26.9-11

O evangelho em Samaria

4Aqueles que tinham sido espalhados anunciavam o evangelho por toda parte. 5Filipe8.5 Um dos sete auxiliares dos apóstolos, escolhidos pela igreja de Jerusalém (ver At 6.5). foi até a capital da Samaria e anunciava Cristo às pessoas dali, 6e as multidões ouviam com atenção o que ele dizia. Todos o escutavam e viam os milagres que ele fazia. 7Os espíritos maus, gritando, saíam de muitas pessoas, e muitos coxos e paralíticos eram curados. 8E assim o povo daquela cidade ficou muito alegre.

9Morava ali um homem chamado Simão, que desde algum tempo atrás fazia feitiçaria entre os samaritanos e os havia deixado muito admirados. Ele se fazia de importante, 10e os moradores de Samaria, desde os mais importantes até os mais humildes, escutavam com muita atenção o que ele dizia. Eles afirmavam:

— Este homem é o poder de Deus! Ele é “o Grande Poder”!

11Eles davam atenção ao que Simão fazia porque durante muito tempo ele os havia deixado assombrados com as suas feitiçarias. 12Mas eles acreditaram na mensagem de Filipe a respeito da boa notícia do Reino de Deus e a respeito de Jesus Cristo e foram batizados, tanto homens como mulheres. 13O próprio Simão também creu. E, depois de ser batizado, acompanhava Filipe de perto, muito admirado com os grandes milagres e maravilhas que ele fazia.

14Os apóstolos, que estavam em Jerusalém, ficaram sabendo que o povo de Samaria também havia recebido a palavra de Deus e por isso mandaram Pedro e João para lá. 15Quando os dois chegaram, oraram para que a gente de Samaria recebesse o Espírito Santo, 16pois o Espírito ainda não tinha descido sobre nenhum deles. Eles apenas haviam sido batizados em nome do Senhor Jesus. 17Aí Pedro e João puseram as mãos sobre eles, e assim eles receberam o Espírito Santo.

18Simão viu que, quando os apóstolos punham as mãos sobre as pessoas, Deus dava a elas o Espírito Santo. Por isso ofereceu dinheiro a Pedro e a João, 19dizendo:

— Quero que vocês me deem também esse poder. Assim, quando eu puser as mãos sobre alguém, essa pessoa receberá o Espírito Santo.

20Então Pedro respondeu:

— Que Deus mande você e o seu dinheiro para o inferno! Você pensa que pode conseguir com dinheiro o dom de Deus? 21Você não tem direito de tomar parte no nosso trabalho porque o seu coração não é honesto diante de Deus. 22Arrependa-se, deixe o seu plano perverso e peça ao Senhor que o perdoe por essa má intenção. 23Vejo que você está cheio de inveja, uma inveja amarga como fel, e vejo também que você está preso pelo pecado.

24Aí Simão disse a Pedro e a João:

— Por favor, peçam ao Senhor por mim para que não aconteça comigo nada do que vocês disseram.

25Depois de terem dado o seu testemunho e de terem pregado a palavra do Senhor, Pedro e João voltaram para Jerusalém. No caminho eles espalhavam o evangelho em muitos povoados da Samaria.

Filipe e o alto funcionário da Etiópia

26Um anjo do Senhor disse a Filipe:

— Apronte-se e vá para o Sul, pelo caminho que vai de Jerusalém até a cidade de Gaza.

(Pouca gente passava por aquele caminho.)

27-28Filipe se aprontou e foi. No caminho ele viu um eunuco da Etiópia, que estava voltando para o seu país. Esse homem era alto funcionário, tesoureiro e administrador das finanças da rainha da Etiópia. Ele tinha ido a Jerusalém para adorar a Deus. Na volta, sentado na sua carruagem, ele estava lendo o livro do profeta Isaías. 29Então o Espírito Santo disse a Filipe:

— Chegue perto dessa carruagem e acompanhe-a.

30Filipe correu para perto da carruagem e ouviu o funcionário lendo o livro do profeta Isaías. Aí perguntou:

— O senhor entende o que está lendo?

31— Como posso entender se ninguém me explica? — respondeu o funcionário.

Então convidou Filipe para subir e sentar-se com ele na carruagem. 32A parte das Escrituras Sagradas que o funcionário estava lendo era esta:

“Ele era como um cordeiro que é levado

para ser morto;

era como uma ovelha que fica muda

quando cortam a sua lã.

Ele não disse nada.

33Foi humilhado, e foram injustos com ele.

Ninguém poderá falar

a respeito de descendentes dele,

já que a sua vida na terra chegou ao fim.”

8.32-33
Is 53.7-8

34O funcionário perguntou a Filipe:

— Por favor, me explique uma coisa! De quem é que o profeta está falando isso? É dele mesmo ou de outro?

35Então, começando com aquela parte das Escrituras, Filipe anunciou ao funcionário a boa notícia a respeito de Jesus.

36Enquanto estavam viajando, chegaram a um lugar onde havia água. Então o funcionário disse:

— Veja! Aqui tem água. Será que eu não posso ser batizado?

37[Filipe respondeu:

— Se o senhor crê de todo o coração, é claro que pode.

E o funcionário disse:

— Sim, eu creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus.]

38Ele mandou parar a carruagem, os dois entraram na água, e Filipe o batizou ali.

39Quando eles estavam saindo da água, o Espírito do Senhor levou Filipe embora. O funcionário não viu mais Filipe, porém continuou a sua viagem, cheio de alegria. 40De repente, Filipe se encontrou na cidade de Azoto e seguiu viagem, anunciando o evangelho por todas as cidades até chegar a Cesareia.

9

A conversão de Saulo

Atos 22.6-16; 26.12-18

91Enquanto isso, Saulo não parava de ameaçar de morte os seguidores do Senhor Jesus. Ele foi falar com o Grande Sacerdote 2e pediu cartas de apresentação para as sinagogas da cidade de Damasco. Com esses documentos Saulo poderia prender e levar para Jerusalém os seguidores do Caminho do Senhor que moravam ali, tanto os homens como as mulheres.

3Mas na estrada de Damasco, quando Saulo já estava perto daquela cidade, de repente, uma luz que vinha do céu brilhou em volta dele. 4Ele caiu no chão e ouviu uma voz que dizia:

— Saulo, Saulo, por que você me persegue?

5— Quem é o senhor? — perguntou ele.

A voz respondeu:

— Eu sou Jesus, aquele que você persegue. 6Mas levante-se, entre na cidade, e ali dirão a você o que deve fazer.

7Os homens que estavam viajando com Saulo ficaram parados sem poder dizer nada. Eles ouviram a voz, mas não viram ninguém. 8Saulo se levantou do chão e abriu os olhos, mas não podia ver nada. Então eles o pegaram pela mão e o levaram para Damasco. 9Ele ficou três dias sem poder ver e durante esses dias não comeu nem bebeu nada.

10Em Damasco morava um seguidor de Jesus chamado Ananias. Ele teve uma visão, e nela apareceu o Senhor, chamando:

— Ananias!

Ele respondeu:

— Aqui estou, Senhor!

11E o Senhor lhe disse:

— Apronte-se, e vá até a casa de Judas, na rua Direita, e procure um homem chamado Saulo, da cidade de Tarso. Ele está orando 12e teve uma visão. Nela apareceu um homem chamado Ananias, que entrou e pôs as mãos sobre ele a fim de que ele pudesse ver de novo.

13Ananias respondeu:

— Senhor, muita gente tem me falado a respeito desse homem e de todas as maldades que ele fez em Jerusalém com os que creem no Senhor. 14E agora ele veio aqui a Damasco com autorização dos chefes dos sacerdotes para prender todos os que te adoram.

15Mas o Senhor disse a Ananias:

— Vá, pois eu escolhi esse homem para trabalhar para mim, a fim de que ele anuncie o meu nome aos não judeus, aos reis e ao povo de Israel. 16Eu mesmo vou mostrar a Saulo tudo o que ele terá de sofrer por minha causa.

17Então Ananias foi, entrou na casa de Judas, pôs as mãos sobre Saulo e disse:

— Saulo, meu irmão, o Senhor que me mandou aqui é o mesmo Jesus que você viu na estrada de Damasco. Ele me mandou para que você veja de novo e fique cheio do Espírito Santo.

18No mesmo instante umas coisas parecidas com escamas caíram dos olhos de Saulo, e ele pôde ver de novo. Ele se levantou e foi batizado; 19depois ele comeu alguma coisa e ficou forte como antes.

Saulo em Damasco

Saulo ficou alguns dias com os seguidores de Jesus em Damasco. 20E começou imediatamente a anunciar Jesus nas sinagogas, dizendo:

— Jesus é o Filho de Deus.

21Todos os que ouviam Saulo ficavam admirados e perguntavam:

— Não é este o homem que em Jerusalém estava matando todos os seguidores de Jesus? Não foi ele que veio até aqui para prender e levar essa gente aos chefes dos sacerdotes?

22Mas as mensagens de Saulo se tornavam cada vez mais poderosas. E as provas que ele apresentava de que Jesus era o Messias eram tão fortes, que os judeus que moravam em Damasco não sabiam o que dizer.

23Muitos dias depois, os judeus de Damasco se reuniram e resolveram matá-lo, 24mas Saulo ficou sabendo do plano deles. Eles vigiavam os portões da cidade dia e noite para o matar. 25Mas certa noite os seguidores de Saulo o puseram dentro de um cesto e o desceram por uma abertura que havia na muralha da cidade.

9.23-25
2Co 11.32-33

Saulo em Jerusalém

26Saulo foi para Jerusalém e tentou juntar-se aos seguidores de Jesus. Porém todos tinham medo dele porque não acreditavam que ele também era seguidor de Jesus. 27Então Barnabé veio ajudá-lo e o apresentou aos apóstolos. E lhes contou como Saulo tinha visto o Senhor no caminho e como o Senhor havia falado com ele. Barnabé também contou como, em Damasco, Saulo, pelo poder do nome de Jesus, havia anunciado corajosamente o evangelho. 28Depois disso Saulo ficou com eles, andando por toda parte em Jerusalém; e, pelo poder do nome do Senhor, ele anunciava corajosamente o evangelho. 29Ele também conversava e discutia com os judeus que tinham sido criados fora da terra de Israel, mas eles procuravam um jeito de matá-lo. 30Quando os irmãos souberam disso, levaram Saulo até a cidade de Cesareia e depois o mandaram para a cidade de Tarso.

31Em toda a região da Judeia, Galileia e Samaria, a Igreja estava em paz. Ela ficava cada vez mais forte, crescia em número de pessoas com a ajuda do Espírito Santo e mostrava grande respeito pelo Senhor Jesus.

Pedro nas cidades de Lida e Jope

32Pedro viajava por toda parte. Um dia foi visitar o povo de Deus que morava na cidade de Lida. 33Encontrou ali um homem chamado Eneias, que era paralítico e fazia oito anos que não saía da cama. 34Pedro lhe disse:

— Eneias, Jesus Cristo já curou você. Levante-se e arrume a sua cama.

Na mesma hora Eneias se levantou. 35Então todos os moradores da cidade de Lida e da região de Sarom viram isso e se converteram ao Senhor.

36Na cidade de Jope havia uma seguidora de Jesus chamada Tabita. (Este nome em grego é Dorcas9.36 Nome que em grego quer dizer “gazela”, o mesmo que Tabita quer dizer em aramaico..) Ela usava todo o seu tempo fazendo o bem e ajudando os pobres.

37Naqueles dias Dorcas ficou doente e morreu. Lavaram o corpo dela e depois o puseram num quarto do andar de cima. 38Jope ficava perto9.38 A uns quinze quilômetros. de Lida. Quando os seguidores de Jesus em Jope souberam que Pedro estava em Lida, enviaram dois homens para levar-lhe o seguinte recado:

— Por favor, venha depressa até Jope!

39Então Pedro se aprontou e foi com eles. Quando chegou lá, eles o levaram para o quarto de cima. Todas as viúvas ficaram em volta dele, chorando e mostrando os vestidos e as outras roupas que Dorcas havia feito quando ainda vivia. 40Então Pedro mandou que todos saíssem do quarto e em seguida se ajoelhou e orou. Depois virou-se para o corpo de Dorcas e disse:

— Tabita, levante-se!

Ela abriu os olhos e, quando viu Pedro, sentou-se. 41Pedro pegou-a pela mão e ajudou-a a ficar de pé. Em seguida chamou toda a gente da igreja, inclusive as viúvas, e a entregou a eles viva.

42As notícias a respeito disso se espalharam por toda a cidade de Jope, e muitos creram no Senhor. 43E Pedro ficou lá muitos dias, na casa de um curtidor de couros chamado Simão.

10

Pedro e Cornélio

101Na cidade de Cesareia havia um homem chamado Cornélio, que era comandante de um batalhão romano chamado “Batalhão Italiano”. 2Ele era um homem religioso; ele e todas as pessoas da sua casa adoravam a Deus. Cornélio ajudava muito os judeus pobres e orava sempre a Deus. 3Um dia, ali pelas três horas da tarde10.3 A hora em que os judeus faziam as suas orações (ver At 3.1)., Cornélio teve uma visão. Ele viu claramente um anjo de Deus, que chegou perto dele e disse:

— Cornélio!

4Ele ficou olhando para o anjo e, com muito medo, perguntou:

— O que é, senhor?

O anjo respondeu:

— Deus aceitou as suas orações e a ajuda que você tem dado aos pobres e ele não esqueceu você. 5Agora mande alguns homens até a cidade de Jope para buscarem o homem chamado Simão Pedro. 6Ele está hospedado na casa de outro Simão, um curtidor de couros que mora na beira do mar.

7Quando o anjo foi embora, Cornélio imediatamente chamou dois empregados e um soldado que estava a seu serviço e que era um homem religioso. 8Cornélio contou a eles tudo o que havia acontecido e mandou que fossem a Jope.

9No dia seguinte, ao meio-dia, Pedro subiu ao terraço para orar. Enquanto isso, os homens vinham pelo caminho, já perto de Jope. 10Pedro ficou com fome e quis comer alguma coisa. Enquanto o almoço estava sendo feito, ele teve uma visão. 11Viu o céu aberto e uma coisa parecida com um grande lençol amarrado pelas quatro pontas, que descia até o chão. 12Dentro daquilo havia todos os tipos de animais de quatro patas, de animais que se arrastam pelo chão e de aves. 13Então Pedro ouviu uma voz, que dizia:

— Pedro, levante-se! Mate e coma!

14Pedro respondeu:

— De jeito nenhum, Senhor! Eu nunca comi nenhuma coisa que a lei considera suja ou impura!

15A voz falou de novo com ele:

— Não chame de impuro aquilo que Deus purificou.

16Isso aconteceu três vezes. Em seguida a coisa que parecia um lençol foi levada de volta para o céu.

17Pedro começou a perguntar a si mesmo o que aquela visão queria dizer. E naquele momento os homens que Cornélio havia mandado já tinham se informado sobre onde ficava a casa de Simão e estavam na porta. 18Eles chamaram alguém da casa e perguntaram:

— Por acaso um homem chamado Simão Pedro está hospedado aqui?

19Pedro ainda estava pensando na visão, quando o Espírito Santo disse:

— Escute! Estão aí três homens procurando você. 20Agora apronte-se, desça e vá com eles. Vá tranquilo porque fui eu que mandei que eles viessem aqui.

21Então Pedro desceu e disse aos homens:

— Eu sou a pessoa que vocês estão procurando. Por que vieram aqui?

22Eles responderam:

— Nós fomos mandados pelo comandante Cornélio. Ele é um homem bom, teme a Deus e é muito respeitado por todos os judeus. Um anjo de Deus mandou que ele pedisse a você que fosse até a casa dele para que ele ouvisse o que você vai dizer.

23Então Pedro convidou os homens para entrarem, e os hospedou ali naquela noite.

No dia seguinte Pedro se aprontou e foi com eles, e alguns irmãos que moravam em Jope também foram. 24No outro dia chegaram à cidade de Cesareia. Cornélio e os parentes e amigos mais íntimos que ele tinha convidado já estavam esperando Pedro. 25Quando Pedro ia entrando, Cornélio veio ao seu encontro, ajoelhou-se e curvou a cabeça diante dele. 26Mas Pedro fez com que ele se levantasse e disse:

— Fique de pé, pois eu sou apenas um homem como você.

27Enquanto conversava com Cornélio, Pedro entrou na casa e encontrou muita gente reunida ali. 28Então disse a todos:

— Vocês sabem muito bem que a religião dos judeus não permite que eles façam amizade com não judeus ou entrem nas casas deles. Mas Deus me mostrou que eu não devo chamar ninguém de impuro ou de sujo. 29Por isso, quando vocês me chamaram, eu vim de boa vontade. Agora quero saber por que foi que vocês mandaram me chamar.

30Cornélio respondeu:

— Três dias atrás, às três horas da tarde, eu estava orando aqui em casa. De repente, um homem vestido com roupas brancas apareceu na minha frente 31e disse: “Cornélio, Deus ouviu as suas orações e lembrou do que você tem feito para ajudar os pobres. 32Mande alguém até Jope a fim de buscar Simão, que também é chamado de Pedro. Ele está hospedado na casa de Simão, o curtidor, que mora na beira do mar.” 33Então eu mandei chamar você logo, e você fez muito bem em vir. Agora estamos todos reunidos aqui na presença de Deus, prontos para ouvir o que o Senhor mandou você dizer.

A explicação de Pedro

34Então Pedro começou a falar. Ele disse:

— Agora eu sei que, de fato, Deus trata a todos de modo igual,

10.34
Dt 10.17
35pois ele aceita todos os que o temem e fazem o que é direito, seja qual for a sua raça. 36Vocês conhecem a mensagem que Deus mandou ao povo de Israel, anunciando a boa notícia de paz por meio de Jesus Cristo, que é o Senhor de todos. 37Vocês sabem o que aconteceu em toda a terra de Israel, começando na Galileia, depois que João pregou a sua mensagem a respeito do batismo. 38Sabem também como Deus derramou o Espírito Santo sobre Jesus de Nazaré e lhe deu poder. Jesus andou por toda parte fazendo o bem e curando todos os que eram dominados pelo Diabo, porque Deus estava com ele. 39Nós somos testemunhas de tudo o que ele fez na terra de Israel, inclusive em Jerusalém. E depois o mataram, pregando-o numa cruz.

40Pedro continuou:

— Porém Deus ressuscitou Jesus no terceiro dia e também fez com que ele aparecesse a nós. 41Ele não foi visto por todo o povo, mas somente por nós, que somos as testemunhas que Deus já havia escolhido. Nós comemos e bebemos com ele depois que Deus o ressuscitou. 42Jesus nos mandou anunciar o evangelho ao povo e testemunhar que ele foi posto por Deus como Juiz dos vivos e dos mortos. 43Todos os profetas falaram a respeito de Jesus, dizendo que os que creem nele recebem, por meio dele, o perdão dos pecados.

Os não judeus recebem o Espírito Santo

44Quando Pedro ainda estava falando, o Espírito Santo desceu sobre todos os que estavam ouvindo a mensagem. 45Os judeus seguidores de Jesus que tinham vindo de Jope com Pedro ficaram admirados por Deus ter derramado o dom do Espírito Santo sobre os não judeus. 46Pois eles ouviam os não judeus falarem em línguas estranhas e louvarem a grandeza de Deus. Então Pedro disse:

47— Estas pessoas receberam o Espírito Santo como nós também recebemos. Será que alguém vai proibir que sejam batizadas com10.47 com ou em. água?

48Então mandou que aquelas pessoas fossem batizadas em nome de Jesus Cristo. E elas pediram a Pedro que ficasse ali alguns dias.