Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
22

O hino de vitória de Davi

Salmo 18

221Este é o hino que Davi cantou a Deus, o Senhor, quando ele o salvou de Saul e de todos os seus inimigos:

2O Senhor é a minha rocha, a minha fortaleza e o meu libertador.

3O meu Deus é uma rocha em que me escondo.

Ele me protege como um escudo;

ele é o meu abrigo, e com ele estou seguro.

Deus é o meu Salvador;

ele me protege e me livra da violência.

4Eu clamo ao Senhor pedindo ajuda,

e ele me salva dos meus inimigos.

Louvem o Senhor!

5Estive cercado de perigos de morte,

e ondas da destruição rolaram sobre mim.

6A morte me amarrou com as suas cordas,

e a sepultura armou a sua armadilha para me pegar.

7No meu desespero eu clamei ao Senhor;

eu pedi que ele me ajudasse.

No seu templo ele ouviu a minha voz,

ele escutou o meu grito de socorro.

8Então a terra tremeu e se abalou,

e as bases dos montes balançaram e tremeram

porque Deus estava irado.

9Do seu nariz saiu fumaça,

e da sua boca saíram brasas e fogo devorador.

10Ele abriu o céu e desceu

com uma nuvem escura debaixo dos pés.

11Voou nas costas de um querubim

e viajou rápido nas asas do vento.

12Ele se cobriu de escuridão;

nuvens grossas, cheias de água, estavam ao seu redor;

13com o relâmpago, brasas se acenderam diante dele.

14Então o Senhor trovejou do céu,

e o Altíssimo fez ouvir a sua voz.

15Ele atirou as suas flechas e espalhou os seus inimigos;

e com o clarão dos seus relâmpagos ele os fez fugir.

16Quando o Senhor repreendeu os seus inimigos

e, furioso, trovejou contra eles,

o fundo do mar apareceu,

e os alicerces da terra ficaram descobertos.

17Lá do alto o Senhor me estendeu a mão e me segurou;

ele me tirou do mar profundo.

18O Senhor me livrou dos meus poderosos inimigos,

daqueles que me odiavam.

E todos eles eram fortes demais para mim.

19Quando eu estava em dificuldade, eles me atacaram;

porém o Senhor Deus me protegeu,

20me livrou do perigo

e me salvou porque me ama.

21O Senhor me recompensa porque sou honesto;

ele me abençoa porque sou inocente.

22Eu tenho feito a vontade do Senhor

e nunca cometi o pecado de abandonar o meu Deus.

23Eu tenho cumprido todas as suas leis

e não tenho desobedecido aos seus mandamentos.

24O Senhor sabe que não cometi nenhuma falta

e que tenho ficado longe do mal.

25Assim ele me recompensa porque sou honesto,

e porque sabe que não sou culpado de nada.

26Tu, ó Senhor Deus, és fiel para os que são fiéis a ti

e correto com aqueles que são corretos.

27Tu és puro para os que são puros,

mas és inimigo dos que são maus.

28Tu salvas os humildes,

mas humilhas os orgulhosos.

29Tu, ó Senhor, és a minha luz;

tu, Senhor, acabas com a minha escuridão.

30Tu me dás força para atacar os meus inimigos

e poder para vencer as suas defesas.

31Este Deus faz tudo perfeito

e cumpre o que promete.

Ele é como um escudo

para os que procuram a sua proteção.

32O Senhor é o único Deus;

somente Deus é a nossa rocha.

33Ele é o meu forte refúgio

e me protege aonde quer que eu vá.

34Ele não me deixa tropeçar

e me põe a salvo nas montanhas.

22.34
Hb 3.19

35Ele me treina para a batalha

para que eu possa usar os arcos mais fortes.

36Tu, ó Senhor, me deste o escudo que salva a minha vida;

o teu cuidado me tem feito prosperar.

37Tu não tens deixado que os meus inimigos me peguem,

e eu não caí nenhuma vez.

38Persigo esses inimigos e acabo com eles;

não paro até vencê-los.

39Eu os esmago, e eles não podem se levantar;

eles caem derrotados aos meus pés.

40Tu me dás força para a batalha

e fazes com que eu derrote os meus inimigos.

41Tu os fazes fugir de mim,

e eu destruo os que me odeiam.

42Eles procuram socorro, mas não há ninguém para salvá-los;

chamam o Senhor, mas ele não responde.

43Eu os esmago, e eles viram pó;

eu os piso como se fossem a lama das ruas.

44Tu me livras de revoluções no meio do povo

e me colocas como rei das nações.

Povos que eu não conhecia são agora meus escravos.

45Estrangeiros se curvam diante de mim

e me obedecem quando dou ordens.

46Eles perdem a coragem

e saem tremendo das suas fortalezas.

47O Senhor Deus vive.

Louvem aquele que é a minha rocha,

anunciem a grandeza do poderoso Deus que salva a minha vida.

48Ele me vinga dos meus inimigos,

põe os povos debaixo do meu poder

49e me livra dos meus adversários.

Tu, ó Senhor, fazes com que eu vença os meus inimigos

e me proteges dos homens violentos.

50Por isso eu te louvo entre pagãos;

a ti eu canto hinos de louvor.

22.50
Rm 15.9

51Deus dá grandes vitórias ao seu rei

e mostra o seu amor a quem ele escolheu —

a Davi e aos seus descendentes para sempre.

23

As últimas palavras de Davi

231São estas as últimas palavras de Davi, filho de Jessé. Davi foi o homem que Deus tornou importante, que o Deus de Jacó escolheu para ser rei e que compôs as belas canções de Israel. Davi disse:

2O Espírito do Senhor fala por meio de mim,

e a sua mensagem está nos meus lábios.

3O Deus de Israel falou,

o protetor de Israel me disse:

“O rei que governa com justiça,

que governa respeitando a vontade de Deus

4é como o nascer do sol numa madrugada sem nuvens,

como o sol que faz a grama brilhar depois da chuva.”

5É assim que Deus abençoará os meus descendentes,

pois ele fez uma aliança eterna comigo,

uma aliança bem certa e segura.

Isso é tudo o que quero;

será essa a minha vitória,

e eu sei que Deus fará isso.

6Mas os pagãos são como os espinhos jogados fora:

ninguém se atreve a pegá-los com as mãos;

7para isso é preciso uma ferramenta de ferro ou de madeira;

eles serão totalmente queimados no fogo.

Os soldados famosos de Davi

1Crônicas 11.10-47

8São estes os nomes dos soldados famosos de Davi: Josebe-Bassebete, de Taquemoni, que era o líder do grupo chamado “Os Três”; com a sua lança ele lutou contra oitocentos homens e matou todos numa batalha.

9Eleazar, filho de Dodo e neto de Aoí, era um dos famosos “Três”. Uma vez ele e Davi desafiaram os filisteus que se haviam reunido para a batalha. Os israelitas se retiraram, 10mas Eleazar ficou e lutou contra os filisteus até que teve uma cãibra tão forte na mão, que não podia largar a espada. O Senhor Deus conseguiu uma grande vitória nesse dia. Depois que a batalha terminou, os israelitas voltaram até o lugar onde Eleazar estava para tirar a armadura dos mortos.

11Em seguida vinha Sama, filho de Agé, o hararita. Os filisteus se juntaram em Leí, onde havia uma plantação de ervilhas. Os israelitas fugiram dos filisteus. 12Porém Sama ficou na plantação, defendeu-a e matou os filisteus. Nesse dia o Senhor conseguiu uma grande vitória.

13Perto do começo do tempo da colheita, três do grupo chamado “Os Trinta” desceram até a caverna de Adulã, onde Davi estava, enquanto um bando de filisteus acampava no vale dos Gigantes. 14Nessa época Davi se encontrava na fortaleza, e um grupo de filisteus estava na cidade de Belém. 15Então Davi teve uma vontade e disse:

— Como eu gostaria que alguém me trouxesse um pouco de água do poço que fica perto do portão de Belém!

16Aí os três soldados famosos passaram pelo acampamento dos filisteus, tiraram água do poço e levaram para Davi. Mas ele não bebeu daquela água; em vez disso, a derramou como uma oferta a Deus, o Senhor, 17e disse:

— Ó Senhor Deus, eu nunca poderia beber desta água! Isso seria o mesmo que beber o sangue destes homens que arriscaram a sua vida para trazê-la!

E assim ele não tomou daquela água.

Foram essas as coisas que os famosos “Três” fizeram.

18Abisai, irmão de Joabe (a mãe deles era Zeruia), era o líder dos famosos “Trinta”. Com a sua lança, ele lutou contra trezentos homens e os matou, ficando famoso entre “Os Trinta”. 19Abisai era o mais famoso dos “Trinta” e se tornou o líder do grupo, mas ele não era tão famoso quanto “Os Três”.

20Benaías, filho de Jeoiada, da cidade de Cabzeel, foi um soldado famoso e praticou muitos atos de coragem. Ele matou dois grandes guerreiros moabitas. Em um dia de neve, desceu numa cova e matou um leão. 21Ele matou também um egípcio, um homem enorme, que estava armado com uma lança. Benaías atacou o egípcio com o seu bastão, arrancou a lança da mão dele e o matou com ela. 22-23Foram essas as coisas que Benaías fez. Ele tinha uma posição de destaque entre “Os Trinta”, mas também não foi tão famoso quanto “Os Três”. Davi o colocou como chefe da sua guarda pessoal.

24-39Entre “Os Trinta” estavam: Asael, irmão de Joabe; Elanã, filho de Dodo, de Belém; Sama e Elica, da cidade de Harode; Heles, de Pelete; Ira, filho de Iques, de Tecoa; Abiezer, de Anatote; Mebunai, de Husa; Salmom, o aoíta; Maarai e Helebe, filho de Baaná, da cidade de Netofa; Itai, filho de Ribai, de Gibeá, no território da tribo de Benjamim; Benaías, de Piratom; Hidai, dos vales de Gaás; Abi-Albom, de Arabá; Azmavete, de Baurim; Eliaba, de Saalbom; os filhos de Jasém; Jônatas; os hararitas Sama e Aião, filho de Sarar; Elifelete, filho de Acasbai, de Maacá; Eliã, filho de Aitofel, de Gilo; Hezro, de Carmelo; Paarai, de Arabe; Igal, filho de Natã, de Zoba; Bani, do território de Gade; Zeleque, de Amom; Naarai, de Beerote, que carregava as armas de Joabe, cuja mãe era Zeruia; Ira e Garebe, de Jatir; e Urias, o heteu.

Houve trinta e sete soldados famosos ao todo.

24

Davi manda contar o povo

1Crônicas 21.1-8

241Em outra ocasião, o Senhor ficou muito irado com o povo de Israel e levou Davi a prejudicá-los. Deus disse a Davi:

— Vá e faça a contagem do povo de Israel e de Judá.

2Então Davi deu a Joabe, o comandante do seu exército, a seguinte ordem:

— Vá com os seus oficiais por todas as tribos de Israel, do Norte ao Sul do país, e faça a contagem do povo. Eu quero saber quantos somos.

3Mas Joabe respondeu ao rei:

— Que o Senhor, nosso Deus, faça o povo de Israel cem vezes mais numeroso do que é agora, e que o senhor viva para vê-lo fazer isso! Mas por que o senhor quer fazer essa contagem?

4Porém o rei fez com que Joabe e os seus oficiais obedecessem à sua ordem; então eles saíram da presença de Davi e partiram para contar o povo de Israel.

5Atravessaram o rio Jordão e acamparam ao sul de Aroer, a cidade do vale, no território de Gade. Dali foram para o norte até a cidade de Jazer, 6continuaram até Gileade e chegaram até Cades, terra dos heteus. Então foram a Dã e de Dã viraram a oeste, para Sidom. 7Depois foram para o sul, para a cidade de Tiro, que era cercada de muralhas, e dali foram a todas as cidades dos heveus e dos cananeus e finalmente até Berseba, na parte sul de Judá. 8E assim, depois de nove meses e vinte dias, voltaram a Jerusalém, tendo viajado pelo país inteiro. 9E eles informaram ao rei que o total de homens capazes para o serviço militar era o seguinte: oitocentos mil em Israel e quinhentos mil em Judá.

10Mas, depois que Davi fez a contagem, a sua consciência começou a doer, e ele disse:

— Ó Senhor Deus, eu cometi um pecado terrível ao mandar contar o povo. Por favor, perdoa-me! O que fiz foi uma loucura.

11-12Então o Senhor disse ao profeta Gade, o vidente de Davi:

— Vá e diga a Davi que eu dou a ele o direito de escolher uma de três coisas; aquilo que ele escolher eu farei.

Na manhã seguinte, depois que Davi já se havia levantado, 13Gade foi falar com ele, contou o que Deus tinha dito e perguntou:

— O que o senhor prefere? Três anos de fome na sua terra, três meses fugindo dos seus inimigos ou três dias de peste na sua terra? Resolva agora e me diga que resposta devo dar a Deus.

14Davi respondeu:

— Estou desesperado, porém não quero ser castigado por homens. Que seja o Senhor Deus quem nos castigue, pois ele tem pena de nós!

15Então o Senhor mandou que uma peste caísse sobre o povo de Israel, desde a manhã até a hora que ele havia marcado. Do Norte ao Sul do país, morreram setenta mil israelitas. 16Quando o Anjo do Senhor já ia destruir Jerusalém, o Senhor resolveu não castigar mais o povo e disse ao Anjo que estava matando:

— Pare! Já chega!

O Anjo do Senhor estava perto do terreiro de malhar cereais que pertencia a Araúna, o jebuseu.

17Davi viu o Anjo que estava matando o povo e disse a Deus, o Senhor:

— Só eu sou culpado. Fui eu que errei. O que foi que essa pobre gente fez? Eu e a minha família é que deveríamos ser castigados por ti.

18Naquele mesmo dia, Gade foi e disse a Davi:

— Suba até o terreiro de malhar cereais que pertence a Araúna e construa lá um altar para Deus.

19Davi obedeceu à ordem de Deus, o Senhor, e foi, como Gade lhe tinha dito. 20Araúna olhou para baixo e viu que o rei e os seus oficiais vinham falar com ele. Então se ajoelhou e encostou o rosto no chão, em frente de Davi, 21e perguntou:

— Senhor, por que veio aqui?

Davi respondeu:

— Eu vim para comprar este terreiro e construir nele um altar para Deus, o Senhor, a fim de que a peste acabe.

22Então Araúna disse:

— Senhor, pegue tudo o que quiser e ofereça a Deus. Aqui estão os bois para serem queimados como oferta no altar, e aqui as cangas deles; e também as tábuas de debulhar cereais para serem usadas como lenha.

23Araúna deu tudo isso ao rei e disse:

— Que o Senhor, seu Deus, aceite a sua oferta!

24Mas o rei respondeu:

— Obrigado, não aceito. Eu vou pagar tudo isso. Eu não vou oferecer ao Senhor, meu Deus, sacrifícios que não me custaram nada.

Então Davi comprou o terreiro de malhar cereais e os bois por cinquenta barras de prata. 25Ele construiu ali um altar para Deus, o Senhor, e apresentou ofertas que foram completamente queimadas e ofertas de paz. O Senhor respondeu à oração dele, e a peste acabou em Israel.