Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
30

Guerra contra os amalequitas

301Dois dias depois, Davi e os seus homens chegaram a Ziclague, a sua cidade. Enquanto ele havia estado fora, os amalequitas tinham invadido o Sul da terra de Judá e atacado Ziclague. Eles queimaram a cidade 2e prenderam todas as mulheres. Não mataram ninguém, mas foram embora e levaram todos como prisioneiros. 3Quando Davi e os seus homens chegaram, viram que a cidade tinha sido queimada e que as suas mulheres, os seus filhos e as suas filhas haviam sido levados embora. 4Então Davi e os seus homens começaram a chorar e choraram até ficarem sem forças. 5As duas mulheres de Davi, Ainoã, de Jezreel, e Abigail, viúva de Nabal, da cidade de Carmelo, também haviam sido levadas.

30.5
1Sm 25.42-43

6Davi ficou então numa situação muito difícil, pois os seus homens estavam tão amargurados por ficarem sem os seus filhos, que falavam até em matá-lo a pedradas. Mas o Senhor, seu Deus, lhe deu coragem. 7E ele disse ao sacerdote Abiatar, filho de Aimeleque:

— Traga aqui o manto sacerdotal para que possamos consultar a Deus.

E Abiatar trouxe.

30.7
1Sm 22.20-23
8Então Davi perguntou a Deus, o Senhor:

— Devo ir atrás desses invasores? Conseguirei pegá-los?

Deus respondeu:

— Vá atrás deles. Você os pegará e libertará os prisioneiros.

9Então Davi e os seus seiscentos homens saíram, e, quando chegaram ao ribeirão de Besor, alguns deles ficaram ali. 10Davi continuou o seu caminho com quatrocentos homens. Os outros duzentos estavam cansados demais para atravessar o ribeirão e por isso ficaram para trás.

11Os homens de Davi acharam no campo um rapaz egípcio e o levaram a Davi. Deram ao rapaz comida, água, 12figos secos e dois cachos de passas. Ele havia ficado três dias e três noites sem comer, nem beber. Mas, depois de comer, as suas forças voltaram. 13Então Davi perguntou:

— Quem é o seu dono? De onde você é?

— Eu sou egípcio e sou escravo de um amalequita! — respondeu ele. — O meu dono me deixou aqui há três dias porque fiquei doente. 14Nós invadimos a terra dos queretitas, a região Sul de Judá e o território do grupo de famílias de Calebe e queimamos a cidade de Ziclague.

15Então Davi lhe perguntou:

— Você pode me levar até onde os amalequitas estão?

— Sim, — respondeu ele — se o senhor prometer em nome de Deus que não me matará, nem me entregará ao meu dono.

16Então ele levou Davi. Os amalequitas estavam espalhados por toda a região, comendo, bebendo e festejando por causa da grande quantidade de coisas que haviam tomado na terra dos filisteus e na terra de Judá. 17No dia seguinte ao amanhecer, Davi os atacou e lutou até o anoitecer. E nenhum deles escapou, a não ser quatrocentos rapazes que montaram camelos e fugiram. 18Davi salvou todos os que tinham sido levados como prisioneiros, incluindo as suas duas mulheres, e trouxe de volta tudo o que os amalequitas haviam tomado. 19Não ficou faltando nada: Davi levou de volta todos os filhos e todas as filhas dos seus homens e todas as coisas, grandes e pequenas, que os amalequitas haviam tomado. 20Levou também todas as ovelhas e todo o gado. Então os homens de Davi levaram a ele os seus animais e disseram:

— Estes animais são seus.

21Aí Davi voltou para o lugar onde estavam os duzentos homens que não tinham ido com ele e haviam ficado atrás, no ribeirão de Besor, por estarem muito cansados. Eles saíram ao encontro de Davi e dos seus homens. Davi chegou perto deles e os cumprimentou. 22Mas alguns homens ordinários e de mau caráter que tinham ido com Davi disseram:

— Eles não foram conosco; por isso, não lhes daremos nada do que trouxemos. Eles podem pegar as suas mulheres e os seus filhos e ir embora.

23Mas Davi respondeu:

— Meus irmãos, vocês não podem fazer isso com o que o Senhor Deus nos deu! Ele nos salvou e nos deu a vitória sobre os inimigos. 24Ninguém pode concordar com o que vocês estão dizendo! Tudo deve ser repartido em partes iguais: quem ficou atrás com a bagagem deve receber o mesmo que aquele que lutou na batalha.

25Davi fez desta ordem uma lei. E até hoje ela é seguida em Israel.

26Quando Davi voltou para Ziclague, pegou parte do que havia tomado dos inimigos e mandou para os seus amigos, os líderes de Judá, com esta mensagem:

— Este é um presente para vocês, tirado das coisas que nós tomamos dos inimigos de Deus, o Senhor.

27Davi mandou presentes aos líderes das seguintes cidades: Betel, Ramá, que fica ao sul de Judá, Jatir, 28Aroer, Sifmote, Estemoa, 29-31Racal, Horma, Borasã, Atace, Hebrom; e também às cidades das tribos dos jerameelitas e dos queneus — todos os lugares onde Davi e os seus homens haviam estado.

31

A morte de Saul e dos seus filhos

1Crônicas 10.1-12

311Os filisteus lutaram contra os israelitas no monte Gilboa. Muitos israelitas foram mortos ali, e o resto fugiu. 2Os filisteus cercaram Saul e os seus filhos e mataram Jônatas, Abinadabe e Malquisua, os filhos de Saul. 3A luta estava feroz em volta de Saul. Ele foi atingido por flechas inimigas e ficou muito ferido. 4Então disse ao rapaz que carregava as suas armas:

— Tire a sua espada e me mate para que esses filisteus pagãos não caçoem de mim e me matem.

Mas o rapaz estava muito apavorado e não quis fazer isso. Então Saul pegou a sua própria espada e se jogou sobre ela. 5Quando viu que Saul estava morto, o rapaz também se jogou sobre a sua própria espada e morreu junto com ele. 6E assim morreram naquele dia Saul, os seus três filhos, o rapaz e todos os soldados de Saul. 7Quando os israelitas que moravam no outro lado do vale de Jezreel e a leste do rio Jordão viram que o exército israelita havia fugido e que Saul e os seus filhos tinham sido mortos, abandonaram as suas cidades e fugiram. Então os filisteus foram e ocuparam aquelas cidades.

8Um dia depois da batalha, quando os filisteus voltaram lá para tirar dos mortos as coisas de valor, acharam os corpos de Saul e dos seus três filhos caídos no monte Gilboa. 9Então cortaram a cabeça de Saul e tiraram a sua armadura. Depois mandaram mensageiros com elas para a sua terra, para darem as boas notícias aos seus ídolos e ao povo. 10Eles puseram as armas de Saul no templo da deusa Astarote e pregaram o corpo dele na muralha da cidade de Bete-Sã. 11Quando o povo de Jabes, na região de Gileade, soube do que os filisteus haviam feito com Saul, 12os seus moradores mais corajosos saíram e marcharam a noite inteira, até chegarem a Bete-Sã. Tiraram da muralha os corpos de Saul e dos seus três filhos, levaram de volta para Jabes e ali os queimaram. 13Então pegaram os ossos e sepultaram na cidade, debaixo de uma árvore de tâmaras. E jejuaram sete dias.