Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
16

Davi é ungido rei

161O Senhor Deus disse a Samuel:

— Até quando você vai continuar a ter pena de Saul? Eu não quero mais que ele seja rei de Israel. Encha um chifre com azeite e leve com você. Depois vá a Belém, até a casa de um homem chamado Jessé, pois eu escolhi um dos filhos dele para ser rei.

2— Como posso fazer isso? — respondeu Samuel. — Se Saul souber disso, ele me mata!

O Senhor Deus respondeu:

— Leve um bezerro e diga que você foi lá para oferecer um sacrifício ao Senhor. 3Convide Jessé para o sacrifício, e depois eu lhe digo o que fazer. Você ungirá como rei aquele que eu indicar.

4Samuel fez o que o Senhor Deus havia mandado e foi a Belém. Quando chegou lá, os líderes da cidade foram tremendo encontrá-lo e perguntaram:

— A sua visita é de paz?

5— Sim! — respondeu ele. — Eu vim oferecer um sacrifício a Deus. Purifiquem-se e venham comigo.

Ele mandou que Jessé e os seus filhos se purificassem e os convidou para o sacrifício.

6Quando eles chegaram, Samuel viu Eliabe, um dos filhos de Jessé, e pensou:

— Este homem que está aqui na presença de Deus, o Senhor, certamente é aquele que o Senhor escolheu.

7Mas o Senhor disse:

— Não se impressione com a aparência nem com a altura deste homem. Eu o rejeitei porque não julgo como as pessoas julgam. Elas olham para a aparência, mas eu vejo o coração.

8Então Jessé chamou o seu filho Abinadabe e o levou a Samuel. Mas Samuel disse:

— Este também não foi escolhido pelo Senhor.

9Aí Jessé trouxe o seu filho Simeia. E Samuel disse:

— O Senhor Deus também não escolheu este.

10Assim Jessé apresentou a Samuel sete dos seus filhos. E Samuel disse:

— O Senhor Deus não escolheu nenhum destes.

11E perguntou a Jessé:

— Você não tem mais nenhum filho?

Jessé respondeu:

— Tenho mais um, o caçula, mas ele está fora, tomando conta das ovelhas.

— Então mande chamá-lo! — disse Samuel. — Nós não vamos oferecer o sacrifício enquanto ele não vier.

12Aí Jessé mandou buscá-lo. Era um belo rapaz, saudável e de olhos brilhantes. E o Senhor disse a Samuel:

— É este mesmo. Unja-o.

13Samuel pegou o chifre cheio de azeite e ungiu Davi na frente dos seus irmãos. E o Espírito do Senhor dominou Davi e daquele dia em diante ficou com ele. E Samuel voltou para Ramá.

Davi e Saul

14O Espírito do Senhor saiu de Saul, e um espírito mau, mandado por Deus, começou a atormentá-lo. 15Então os empregados de Saul lhe disseram:

— Sabemos que um espírito mau mandado por Deus está atormentando o senhor. 16Mande, e nós iremos procurar um homem que saiba tocar lira. Assim, quando o espírito mau vier sobre o senhor, o homem tocará a lira, e o senhor ficará bom de novo.

17E Saul ordenou:

— Procurem um homem que toque bem lira e o tragam aqui.

18Um dos empregados respondeu:

— Jessé, da cidade de Belém, tem um filho que é bom músico. Ele também é valente, bom soldado, fala bem, tem boa aparência, e o Senhor Deus está com ele.

19Aí Saul enviou mensageiros com este recado para Jessé:

— Mande-me o seu filho Davi, aquele que toma conta das ovelhas.

20Então Jessé mandou Davi a Saul, e Davi levou de presente um odre cheio de vinho, um cabrito e um jumento carregado de pão. 21Davi foi e ficou trabalhando para Saul. Este gostou muito de Davi e o escolheu para carregar as suas armas. 22E mandou a seguinte mensagem a Jessé:

— Eu gostei de Davi. Deixe que ele fique aqui a meu serviço.

23Daí em diante, toda vez que o espírito mau mandado por Deus vinha sobre Saul, Davi pegava a sua lira e tocava. O espírito mau saía de Saul, e ele se sentia melhor e ficava bom novamente.

17

Golias desafia os israelitas

171Os filisteus se reuniram para lutar em Socó, uma cidade de Judá. Acamparam num lugar chamado “Fronteira Sangrenta”, entre Socó e Azeca. 2Saul e os israelitas se juntaram, acamparam no vale do Carvalho e se prepararam para lutar contra os filisteus. 3Os filisteus pararam no monte que ficava de um lado do vale, e os israelitas ficaram no monte do outro lado.

4Um homem chamado Golias, da cidade de Gate, saiu do acampamento filisteu para desafiar os israelitas. Ele tinha quase três metros de altura 5e usava um capacete de bronze e uma armadura também de bronze, que pesava uns sessenta quilos. 6As pernas estavam protegidas por caneleiras de bronze, e ele carregava nos ombros um dardo, também de bronze. 7A lança dele era enorme, muito grossa e pesada; a ponta era de ferro e pesava mais ou menos sete quilos. Na frente dele ia um soldado carregando o seu escudo. 8Golias veio, parou e gritou para os israelitas:

— Por que é que vocês estão aí, em posição de combate? Eu sou filisteu, e vocês são escravos de Saul! Escolham um dos seus homens para lutar comigo. 9Se ele vencer e me matar, nós seremos escravos de vocês; mas, se eu vencer e matá-lo, vocês serão nossos escravos. 10Eu desafio agora o exército israelita. Mandem alguém para lutar comigo!

11Quando Saul e os seus soldados ouviram isso, ficaram apavorados.

Davi no acampamento de Saul

12Davi era filho de Jessé, do povoado de Efrata, que ficava perto de Belém de Judá. Jessé tinha oito filhos. No tempo em que Saul era rei, Jessé já estava bem idoso. 13Os seus três filhos mais velhos tinham ido com Saul para a guerra. O primeiro se chamava Eliabe, o segundo, Abinadabe, e o terceiro, Simeia. 14Davi era o filho mais novo. Enquanto os seus três irmãos mais velhos ficavam com Saul, 15Davi ia ao acampamento de Saul e voltava a Belém para tomar conta das ovelhas do seu pai.

16Durante quarenta dias Golias desafiou os israelitas todas as manhãs e todas as tardes. 17Um dia Jessé disse a Davi:

— Pegue dez quilos de trigo torrado e estes dez pães e vá depressa levar para os seus irmãos no acampamento. 18Leve também estes dez queijos ao comandante. Veja como os seus irmãos estão passando e traga uma prova de que você os viu e de que eles estão bem. 19Os seus irmãos, o rei Saul e todos os outros soldados israelitas estão no vale do Carvalho, lutando contra os filisteus.

20Na manhã seguinte Davi se levantou cedo, deixou alguém encarregado das ovelhas, pegou os mantimentos e foi, como Jessé havia mandado. Ele chegou ao acampamento justamente na hora em que os israelitas, soltando o seu grito de guerra, estavam saindo a fim de se alinhar para a batalha. 21O exército dos filisteus e o exército dos israelitas tomaram posição de combate, um de frente para o outro. 22Davi deixou as coisas com o oficial encarregado da bagagem e correu para a frente de batalha. Chegou perto dos seus irmãos e perguntou se estavam bem. 23Enquanto Davi estava falando com eles, Golias avançou e desafiou os israelitas, como já havia feito antes. E Davi escutou. 24Quando os israelitas viram Golias, fugiram apavorados. 25Eles diziam:

— Olhem para ele! Escutem o seu desafio! Quem matar esse filisteu receberá uma grande recompensa: o rei lhe dará muitas riquezas, lhe dará sua filha em casamento, e a família do seu pai nunca mais vai ter de pagar nenhum imposto.

26Então Davi perguntou aos soldados que estavam perto dele:

— O que ganhará o homem que matar esse filisteu e livrar Israel desta vergonha? Afinal de contas, quem é esse filisteu pagão para desafiar o exército do Deus vivo?

27Aí eles lhe contaram o que ganharia quem matasse Golias. 28Eliabe, o irmão mais velho de Davi, ouviu-o conversando com os soldados. Então ficou zangado e disse:

— O que é que você está fazendo aqui? Quem é que está tomando conta das suas ovelhas no deserto? Seu convencido! Você veio aqui só para ver a batalha!

29— O que foi que eu fiz agora? — perguntou Davi. — Será que não posso nem fazer uma pergunta?

30Então Davi fez a mesma pergunta a outro soldado. E ouviu a mesma resposta.

31Alguns soldados ouviram o que Davi tinha dito e contaram a Saul. Então ele mandou chamar Davi. 32Davi chegou e disse a Saul:

— Meu senhor, ninguém deve ficar com medo desse filisteu! Eu vou lutar contra ele.

33Mas Saul respondeu:

— Você não pode lutar contra esse filisteu. Você não passa de um rapazinho, e ele tem sido soldado a vida inteira!

34— Meu senhor, — disse Davi — eu tomo conta das ovelhas do meu pai. Quando um leão ou um urso carrega uma ovelha, 35eu vou atrás dele, ataco e tomo a ovelha. Se o leão ou o urso me ataca, eu o agarro pelo pescoço e o golpeio até matá-lo. 36Tenho matado leões e ursos e vou fazer o mesmo com esse filisteu pagão, que desafiou o exército do Deus vivo. 37O Senhor Deus me salvou dos leões e dos ursos e me salvará também desse filisteu.

— Pois bem! — respondeu Saul. — Vá, e que o Senhor Deus esteja com você!

38Então deu a sua própria armadura para Davi usar. Pôs um capacete de bronze na cabeça dele e lhe deu uma couraça para vestir. 39Davi prendeu a espada de Saul num cinto sobre a armadura e tentou andar. Mas não conseguiu porque não estava acostumado a usar essas coisas. Aí disse a Saul:

— Não consigo andar com tudo isto, pois não estou acostumado.

Então Davi tirou tudo. 40Pegou o seu bastão, escolheu cinco pedras lisas no ribeirão e pôs na sua sacola. Pegou também a sua funda e saiu para enfrentar Golias.

Davi mata Golias

41Golias, o filisteu, começou a caminhar na direção de Davi. O ajudante que carregava as suas armas ia na frente. Quando chegou perto de Davi, 42Golias olhou bem para ele e começou a caçoar porque Davi não passava de um rapaz bonito e de boa aparência. 43Aí disse a Davi:

— Para que é esse bastão? Você pensa que eu sou algum cachorro?

Em seguida rogou a maldição dos seus deuses sobre Davi 44e o desafiou, dizendo:

— Venha, que eu darei o seu corpo para as aves e os animais comerem.

45Davi respondeu:

— Você vem contra mim com espada, lança e dardo. Mas eu vou contra você em nome do Senhor Todo-Poderoso, o Deus dos exércitos israelitas, que você desafiou. 46Hoje mesmo o Senhor Deus entregará você nas minhas mãos; eu o vencerei e cortarei a sua cabeça. E darei os corpos dos soldados filisteus para as aves e os animais comerem. Então o mundo inteiro saberá que o povo de Israel tem um Deus, 47e todos aqui verão que ele não precisa de espadas ou de lanças para salvar o seu povo. Ele é vitorioso na batalha e entregará todos vocês nas nossas mãos.

48Então Golias começou novamente a caminhar na direção de Davi, e Davi correu rápido na direção da linha de batalha dos filisteus, para lutar contra ele. 49Enfiou a mão na sua sacola, pegou uma pedra e com a funda a atirou em Golias. A pedra entrou na testa de Golias, e ele caiu de cara no chão. 50-51Então Davi correu, ficou de pé sobre Golias, tirou a espada dele da bainha e o matou, cortando com ela a cabeça dele. E assim Davi venceu Golias e o matou apenas com uma pedra.

Quando os filisteus viram que o seu herói estava morto, fugiram.

17.50-51
2Sm 21.19
52Aí os soldados de Israel e de Judá correram atrás deles, gritando, e os perseguiram até a cidade de Gate e até os portões de Ecrom. Os filisteus caíram feridos pela estrada de Saaraim, até Gate e Ecrom. 53Os israelitas voltaram da perseguição aos filisteus e levaram as coisas do acampamento deles. 54Davi pegou a cabeça de Golias e a levou para Jerusalém. Porém as armas de Golias ele guardou na sua própria barraca.

Davi é apresentado a Saul

55Quando Saul viu Davi saindo para lutar com Golias, perguntou a Abner, o comandante do seu exército:

— Abner, quem é aquele rapaz?

— Meu senhor, juro pela sua vida que não sei! — respondeu Abner.

56— Então vá e procure saber! — disse Saul.

57Assim, quando Davi voltou para o acampamento, depois de matar Golias, Abner o levou a Saul. Davi ainda estava carregando a cabeça de Golias. 58Saul perguntou:

— Rapaz, quem é você?

— Sou filho do seu criado Jessé, da cidade de Belém! — respondeu Davi.

18

181Saul e Davi terminaram a sua conversa. Jônatas, filho de Saul, começou a sentir uma profunda amizade por Davi e veio a amá-lo como a si mesmo. 2Daquele dia em diante Saul levou Davi para a sua casa e não deixou que voltasse para a casa do seu pai. 3Jônatas e Davi fizeram um juramento de amizade, pois Jônatas tinha grande amor por Davi. 4Ele tirou a capa que estava usando e a deu a Davi. Deu também a sua túnica militar, a espada, o arco e o cinto. 5Davi saiu-se bem em todos os lugares aonde Saul o enviou. Então Saul o promoveu a comandante do seu exército. E isso agradou a todo o exército, inclusive aos outros oficiais.

A inveja de Saul

6Quando os soldados estavam voltando para casa depois de Davi ter matado Golias, as mulheres de todas as cidades de Israel saíram para encontrar o rei Saul. Elas cantavam canções alegres, dançavam e tocavam pandeiro e lira. 7Alegravam-se e cantavam assim:

“Saul matou mil; Davi matou dez mil!”

18.7
1Sm 21.11
29.5

8E Saul não gostou disso. Ficou muito zangado e disse:

— Para mim as mulheres deram mil, mas para Davi deram dez mil. A única coisa que está faltando agora é ele ser rei!

9E desse dia em diante Saul começou a ter ciúme de Davi e a desconfiar dele.

10No dia seguinte, um espírito mau mandado por Deus dominou Saul, e ele começou a agir como louco dentro de casa. Davi estava tocando lira, como fazia todos os dias, e Saul estava segurando uma lança.

11Então Saul pensou assim:

— Vou espetar Davi na parede.

E atirou a lança contra ele, duas vezes. Porém nas duas vezes Davi se desviou.

12O Senhor estava com Davi e havia abandonado Saul; por isso, Saul tinha medo de Davi. 13Então Saul o afastou de si, pondo-o como oficial comandante de mil homens. Davi comandava os seus soldados na batalha, 14e tudo o que fazia dava certo, pois o Senhor estava com ele. 15Saul viu o sucesso de Davi e ficou ainda com mais medo dele. 16Mas em Israel e em Judá todos amavam Davi porque ele era um líder corajoso.

Davi casa com a filha de Saul

17Então Saul disse a Davi:

— Aqui está Merabe, a minha filha mais velha. Eu a darei em casamento a você, com a condição de que você me sirva como soldado valente e fiel e lute nas batalhas de Deus, o Senhor.

Saul pensava que desta maneira os filisteus matariam Davi e assim não teria ele mesmo de fazer isso.

18Davi respondeu:

— Quem sou eu, e quem é a minha família em Israel para que eu seja genro do rei?

19Mas, quando chegou a época de Merabe ser dada em casamento a Davi, ela foi dada a um homem chamado Adriel, da cidade de Meolá.

20Porém Mical, a outra filha de Saul, apaixonou-se por Davi. E, quando Saul soube disso, ficou contente. 21Ele pensou:

— Vou dar Mical em casamento a Davi, e ela servirá como uma armadilha para que ele seja morto pelos filisteus.

Então, pela segunda vez, Saul disse a Davi:

— Você será meu genro.

22Ele mandou que os seus oficiais conversassem em particular com Davi e dissessem a ele:

— O rei e todos os oficiais gostam de você. Esta é uma boa ocasião para você casar com a filha dele.

23Então eles falaram com Davi, e ele respondeu:

— Ser genro do rei é uma honra grande demais para uma pessoa pobre e sem valor como eu.

24Os oficiais contaram a Saul o que Davi tinha dito, 25e ele ordenou que dissessem o seguinte a Davi:

— Tudo o que o rei quer de você em pagamento pela noiva são os prepúcios de cem filisteus mortos, como vingança contra os inimigos dele.

Saul tinha planejado isso porque assim Davi seria morto pelos filisteus. 26Os oficiais contaram a Davi o que Saul tinha dito, e ele ficou entusiasmado com a ideia de ser genro do rei. Antes do dia marcado para o casamento, 27Davi e os seus soldados foram e mataram duzentos filisteus. Aí Davi levou ao rei os prepúcios dos filisteus mortos e os contou na presença dele, para que assim se tornasse seu genro. Então Saul deu a sua filha Mical em casamento a Davi. 28Saul viu e reconheceu que o Senhor estava com Davi e que a sua filha Mical o amava. 29Por isso, ficou com mais medo ainda de Davi e pelo resto da sua vida foi seu inimigo.

30Todas as vezes que os exércitos filisteus saíam para lutar, Davi conseguia mais vitórias do que todos os outros oficiais de Saul e assim ficou muito famoso.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]