Nova Tradução na Linguagem de Hoje (2000) (NTLH)
18

Elias e os profetas de Baal

181Algum tempo depois, no terceiro ano da seca, o Senhor Deus disse a Elias:

— Vá apresentar-se ao rei Acabe, pois eu vou mandar chover.

2Então Elias saiu para se apresentar a Acabe.

A falta de alimentos era muito grande em Samaria, 3e por isso Acabe mandou chamar Obadias, o administrador do palácio. (Obadias era um fiel adorador do Senhor Deus 4e, quando Jezabel estava matando os profetas do Senhor, Obadias escondeu cem profetas em dois grupos de cinquenta em cavernas e providenciou comida e água para eles.) 5Acabe disse a Obadias:

— Vamos dar uma olhada em todas as fontes e em todos os leitos dos riachos da nossa terra a fim de ver se achamos capim suficiente para conservar vivos os cavalos e as mulas. Pois pode ser que a gente não tenha de matar os nossos animais.

6Eles combinaram que parte da região cada um devia examinar e saíram, cada um para o seu lado.

7Obadias estava no caminho quando, de repente, se encontrou com Elias. Ele reconheceu Elias e se ajoelhou diante dele, encostou o rosto no chão e perguntou:

— É o senhor mesmo? É o meu senhor Elias?

8— Sim, eu sou Elias! — respondeu o profeta. — Vá dizer ao seu patrão, o rei, que eu estou aqui.

9Mas Obadias disse:

— O que foi que eu fiz para o senhor querer me pôr em perigo de ser morto pelo rei Acabe? 10Juro pelo seu Deus vivo, o Senhor, que o rei mandou procurá-lo em todos os países da terra. Sempre que um rei mandava dizer que o senhor não estava no país dele, Acabe pedia a esse rei que jurasse que não havia sido possível encontrá-lo. 11E agora o senhor quer que eu vá lhe dizer que está aqui? 12Pode ser que logo que eu sair daqui o Espírito do Senhor o leve para algum lugar desconhecido. Aí, quando eu contar a Acabe que o senhor está aqui, e ele não puder encontrá-lo, ele me matará. Lembre que desde menino eu tenho sido um fiel adorador de Deus, o Senhor. 13Por acaso, não lhe contaram que, quando Jezabel estava matando os profetas de Deus, eu escondi cem deles em cavernas, em dois grupos de cinquenta, e providenciei comida e água para eles? 14Como é então que agora o senhor está me mandando ir dizer ao rei que o senhor está aqui? Ele vai me matar!

15Elias respondeu:

— Pelo Senhor Todo-Poderoso, a quem sirvo, eu prometo que hoje vou me apresentar ao rei.

16Então Obadias foi encontrar-se com Acabe e lhe contou o que havia acontecido. Aí Acabe saiu para se encontrar com Elias. 17Quando viu o profeta, Acabe disse:

— Então é você que está aí, você, o maior criador de problemas de Israel!

18— Eu não sou criador de problemas para o povo de Israel! — respondeu Elias. — Você e o seu pai é que são criadores de problemas, pois abandonaram os mandamentos do Senhor Deus e adoraram as imagens de Baal. 19Portanto, ordene agora a todo o povo de Israel que vá encontrar-se comigo no monte Carmelo. Mande também os quatrocentos e cinquenta profetas do deus Baal e os quatrocentos profetas da deusa Aserá que são sustentados pela rainha Jezabel.

20Então Acabe chamou todos os israelitas e os profetas de Baal para se reunirem no monte Carmelo. 21Elias chegou perto do povo e disse:

— Até quando vocês vão ficar em dúvida sobre o que vão fazer? Se o Senhor é Deus, adorem o Senhor; mas, se Baal é Deus, adorem Baal!

Porém o povo não respondeu nada. 22Então Elias disse:

— De todos os profetas de Deus, o Senhor, eu fui o único que sobrou, mas os profetas de Baal são quatrocentos e cinquenta. 23Agora tragam dois touros. Que os profetas de Baal matem um deles, cortem em pedaços e ponham em cima da lenha, mas não ponham fogo! Eu farei a mesma coisa com o outro touro. 24E aí os profetas de Baal vão orar ao seu deus, e eu orarei ao Senhor. O deus que responder mandando fogo, este é que é Deus.

E todo o povo respondeu:

— Está bem assim!

25Então Elias disse aos profetas de Baal:

— Já que vocês são tantos, peguem o touro e o preparem primeiro. Orem ao seu deus, porém não ponham fogo na lenha.

26Os profetas de Baal pegaram o touro que havia sido trazido para eles, e o prepararam, e oraram a Baal desde a manhã até o meio-dia. Eles gritavam assim:

— Ó Baal, responde às nossas orações!

E ficaram dançando em volta do altar que haviam feito, porém não houve resposta.

27Ao meio-dia, Elias começou a caçoar deles. Ele dizia:

— Orem mais alto, pois ele é deus! Pode ser que esteja meditando ou que tenha ido ao banheiro. Talvez ele tenha viajado ou talvez esteja dormindo, e vocês terão de acordá-lo!

28Aí os profetas oraram mais alto e começaram a se cortar com facas e punhais, conforme o costume deles, até que o sangue começou a correr. 29Passou o meio-dia, e eles continuaram a orar e a gritar até a hora do sacrifício da tarde; porém não se ouviu nenhum som.

30Então Elias disse ao povo:

— Cheguem para mais perto de mim.

Todos chegaram mais perto de Elias, e ele começou a consertar o altar do Senhor Deus, que estava derrubado. 31Ele pegou doze pedras, uma para cada uma das doze tribos que tinham os nomes dos filhos de Jacó, o homem a quem o Senhor tinha dado o nome de Israel.

18.31
Gn 32.28
35.10
32Com essas pedras Elias reconstruiu o altar para a adoração do Senhor. Depois cavou em volta uma valeta em que cabiam mais ou menos doze litros de água. 33Em seguida colocou lenha no altar, cortou o touro em pedaços e os pôs em cima da lenha. 34Então disse:

— Encham quatro jarras com água e derramem sobre o animal sacrificado e sobre a lenha.

Eles fizeram o que Elias estava mandando, e ele disse:

— Façam de novo.

E eles fizeram.

— Façam pela terceira vez! — disse Elias.

E eles fizeram. 35A água correu em volta do altar e encheu a valeta.

36Quando chegou a hora do sacrifício da tarde, o profeta Elias chegou perto do altar e orou assim:

— Ó Senhor, Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó! Prova agora que és o Deus de Israel, e que eu sou teu servo, e que fiz tudo isto de acordo com a tua ordem. 37Responde-me, ó Senhor, responde-me, para que este povo saiba que tu, o Senhor, és Deus e estás trazendo este povo de volta para ti!

38Então o Senhor mandou fogo. E o fogo queimou o sacrifício, a lenha, as pedras, a terra e ainda secou a água que estava na valeta. 39Quando viram isso, os israelitas se ajoelharam, encostaram o rosto no chão e gritaram:

— O Senhor é Deus! Só o Senhor é Deus!

40Elias ordenou:

— Prendam os profetas de Baal! Não deixem escapar nenhum!

Todos foram presos, e Elias fez com que descessem até o riacho de Quisom e ali os matou.

O fim da seca

41Então Elias disse ao rei Acabe:

— Agora vá comer, pois eu já estou ouvindo o barulho de muita chuva.

42Enquanto Acabe foi comer, Elias subiu até o alto do monte Carmelo. Ali ele se inclinou até o chão, pôs a cabeça entre os joelhos 43e disse ao seu ajudante:

— Vá e olhe para o lado do mar.

O ajudante foi e voltou dizendo:

— Não vi nada.

Sete vezes Elias mandou que ele fosse olhar. 44Na sétima vez, ele voltou e disse:

— Eu vi subindo do mar uma nuvem pequena, do tamanho da mão de um homem.

Então Elias mandou:

— Vá aonde está o rei Acabe e lhe diga que apronte o carro e volte para casa; se não, a chuva não vai deixar.

45Em pouco tempo o céu se cobriu de nuvens escuras, o vento começou a soprar, e uma chuva pesada começou a cair. Acabe entrou no seu carro e partiu de volta para Jezreel.

18.42-45
Tg 5.18
46O poder do Senhor Deus veio sobre Elias; ele apertou o seu cinto e correu na frente de Acabe todo o caminho até Jezreel.

19

Elias no monte Sinai

191O rei Acabe contou à sua esposa Jezabel tudo o que Elias havia feito e como havia matado à espada todos os profetas do deus Baal. 2Aí ela mandou um mensageiro a Elias com o seguinte recado:

— Que os deuses me matem, se até amanhã a esta hora eu não fizer com você o mesmo que você fez com os profetas!

3Elias ficou com medo e, para salvar a vida, fugiu com o seu ajudante para a cidade de Berseba, que ficava na região de Judá. Deixou ali o seu ajudante 4e foi para o deserto, andando um dia inteiro. Aí parou, sentou-se na sombra de uma árvore e teve vontade de morrer. Então orou assim:

— Já chega, ó Senhor Deus! Acaba agora com a minha vida! Eu sou um fracasso, como foram os meus antepassados19.4 Referência aos israelitas que morreram no deserto quando estavam indo para a Terra Prometida..

19.4
Jn 4.3

5Elias se deitou debaixo da árvore e caiu no sono. De repente, um anjo tocou nele e disse:

— Levante-se e coma.

6Elias olhou em volta e viu perto da sua cabeça um pão assado nas pedras e uma jarra de água. Ele comeu, e bebeu, e dormiu de novo. 7O anjo do Senhor Deus voltou e tocou nele pela segunda vez, dizendo:

— Levante-se e coma; se não, você não aguentará a viagem.

8Elias se levantou, comeu e bebeu, e a comida lhe deu força bastante para andar quarenta dias e quarenta noites até o Sinai, o monte sagrado. 9Ali ele entrou numa caverna para passar a noite, e, de repente, o Senhor Deus lhe perguntou:

— O que você está fazendo aqui, Elias?

10Ele respondeu:

— Ó Senhor, Deus Todo-Poderoso, eu sempre tenho servido a ti e só a ti. Mas o povo de Israel quebrou a sua aliança contigo, derrubou os teus altares e matou todos os teus profetas. Eu sou o único que sobrou, e eles estão querendo me matar!

11O Senhor Deus disse:

— Saia e vá ficar diante de mim no alto do monte.

Então o Senhor passou por ali e mandou um vento muito forte, que rachou os morros e quebrou as rochas em pedaços. Mas o Senhor não estava no vento. Quando o vento parou de soprar, veio um terremoto; porém o Senhor não estava no terremoto. 12Depois do terremoto veio um fogo, mas o Senhor não estava no fogo. E depois do fogo veio um sussurro calmo e suave.

13Quando Elias ouviu o sussurro, cobriu o rosto com a capa. Então saiu e ficou na entrada da caverna. E uma voz lhe disse:

— O que você está fazendo aqui, Elias?

14Ele respondeu:

— Ó Senhor, Deus Todo-Poderoso, eu sempre tenho servido a ti e só a ti. Mas o povo de Israel quebrou a sua aliança contigo, derrubou os teus altares e matou todos os teus profetas. Eu sou o único que sobrou, e eles estão querendo me matar!

19.10,14
Rm 11.3

15Então o Senhor Deus disse:

— Volte para o deserto que fica perto de Damasco. Chegando lá, entre na cidade e unja Hazael como rei da Síria.

19.15
2Rs 8.7-13
16Unja Jeú, filho de Ninsi, como rei de Israel e unja Eliseu, filho de Safate, de Abel-Meolá, como profeta, para ficar em lugar de você.
19.16
2Rs 9.1-6
17As pessoas que não forem mortas por Hazael serão mortas por Jeú, e todos os que escaparem de Jeú serão mortos por Eliseu. 18Mas eu deixarei sete mil pessoas vivas em Israel, isto é, todos aqueles que não adoraram o deus Baal e não beijaram a sua imagem.
19.18
Rm 11.4

A chamada de Eliseu

19Elias saiu e encontrou Eliseu, que estava arando a terra. Na frente dele iam doze pares de bois, e ele estava arando com o último par. Elias passou perto de Eliseu e jogou a sua capa em cima dele. 20Então Eliseu largou os seus bois, correu atrás de Elias e disse:

— Deixe que eu vá beijar o meu pai e a minha mãe e depois eu irei com você.

Elias respondeu:

— Está bem. Pode ir. Eu não estou impedindo.

21Aí Eliseu deixou Elias e foi até o lugar onde estavam os dois bois e matou-os. Então fez fogo com a madeira da canga e cozinhou a carne.

Depois deu a carne ao povo, e eles comeram. Então saiu, e foi com Elias, e ficou trabalhando como seu ajudante.

20

A guerra contra a Síria

201O rei Ben-Hadade da Síria reuniu todo o seu exército e, apoiado por trinta e dois outros reis, com os seus cavalos e carros, subiu, e cercou a cidade de Samaria, e atacou-a. 2Ele enviou alguns mensageiros, os quais entraram na cidade 3e disseram a Acabe, rei de Israel:

— O rei Ben-Hadade exige que o senhor entregue a ele a sua prata e o seu ouro, as suas mulheres e os seus filhos mais fortes.

4Acabe respondeu:

— Diga ao meu patrão, o rei Ben-Hadade, que eu concordo. Eu e tudo o que tenho somos dele.

5Mais tarde, os mensageiros voltaram com outro recado do rei Ben-Hadade. Era o seguinte:

— Eu lhe mandei uma mensagem exigindo que você me entregasse a sua prata e o seu ouro, as suas mulheres e os seus filhos. 6No entanto, amanhã a esta hora, eu vou mandar os meus servidores, e eles vão examinar o seu palácio e as casas dos seus servidores. Eles vão tirar tudo aquilo que acharem que tem valor.

7Então o rei Acabe reuniu todos os líderes do país e disse:

— Vocês estão vendo como esse homem está querendo nos arruinar! Ele mandou um recado exigindo que eu entregasse as minhas mulheres, os meus filhos, a minha prata e o meu ouro, e eu concordei.

8Os líderes e o povo responderam:

— Não dê atenção a ele; não entregue nada.

9Então Acabe respondeu aos mensageiros de Ben-Hadade o seguinte:

— Digam ao meu patrão, o rei, que eu concordo com tudo o que ele pediu na primeira vez, porém não posso concordar com o que ele está exigindo agora.

Os mensageiros foram embora e entregaram essa resposta. 10Ben-Hadade tornou a mandar os mensageiros. Eles levaram a seguinte mensagem:

— Que os deuses me matem, se eu não arrasar Samaria com um exército tão grande, que, se cada soldado levar dela um punhado de terra, a cidade vai desaparecer!

11O rei Acabe respondeu:

— Digam ao rei Ben-Hadade que um verdadeiro soldado se gaba depois de uma batalha e não antes.

12Ben-Hadade recebeu a resposta de Acabe enquanto ele e os outros reis estavam bebendo nas suas barracas. Então deu ordem aos seus soldados para se aprontarem a fim de atacar a cidade, e eles se colocaram em posição de batalha.

13Enquanto isso, um profeta foi falar com Acabe, rei de Israel, e lhe disse:

— O Senhor Deus diz o seguinte: “Você está vendo todo esse enorme exército? Pois hoje eu darei a vitória a você, e então você ficará sabendo que eu sou o Senhor.”

14— Quem vai comandar o ataque? — perguntou Acabe.

O profeta respondeu:

— O Senhor diz que os jovens ajudantes dos administradores dos distritos é que devem fazer isso.

— Quem vai comandar a força principal? — perguntou o rei.

— O senhor, ó rei! — respondeu o profeta.

15Então o rei mandou chamar os ajudantes dos administradores dos distritos, que eram duzentos e trinta e dois. Aí o rei convocou o exército israelita, que tinha sete mil homens.

16O ataque começou ao meio-dia, quando Ben-Hadade e os seus trinta e dois aliados estavam se embebedando nas suas barracas. 17Os jovens ajudantes dos administradores avançaram primeiro. Alguns espiões mandados por Ben-Hadade contaram a ele que um grupo de soldados estava saindo de Samaria. 18Ele ordenou:

— Prendam vivos esses soldados, quer tenham vindo para lutar, quer tenham vindo pedir paz.

19Os ajudantes dos administradores atacaram primeiro, seguidos pelo exército israelita, 20e cada um matou o homem contra quem lutava. Os sírios fugiram, e os israelitas os perseguiram, mas Ben-Hadade escapou a cavalo, junto com alguns soldados da cavalaria. 21O rei Acabe saiu, tomou os cavalos e os carros de guerra e derrotou completamente os sírios.

22Então o profeta foi falar com o rei Acabe e disse:

— Volte, fortaleça o seu exército e faça planos cuidadosos, pois daqui a um ano o rei da Síria vai atacar de novo.

O segundo ataque dos sírios

23Os oficiais do rei Ben-Hadade disseram a ele:

— Os deuses dos israelitas são deuses das montanhas, e foi por isso que os israelitas foram mais fortes do que nós. Mas, se lutarmos contra eles em lugares planos, seremos mais fortes do que eles. 24Portanto, faça o seguinte: tire os trinta e dois reis do comando e ponha capitães no lugar deles. 25Depois forme um exército tão grande como aquele que o senhor perdeu e com o mesmo número de cavalos e carros. Nós lutaremos contra os israelitas nos lugares planos e certamente seremos mais fortes do que eles.

O rei Ben-Hadade concordou e seguiu o conselho deles. 26Um ano depois ele convocou os seus soldados e marchou com eles para a cidade de Afeca a fim de atacar os israelitas. 27Estes haviam sido convocados e tinham recebido mantimentos; eles marcharam contra o exército de Ben-Hadade e acamparam em dois grupos, de frente para os sírios. Os israelitas pareciam dois pequenos rebanhos de cabras comparados com os sírios, que estavam espalhados por todo o campo.

28Um profeta foi falar com o rei Acabe e disse:

— O que o Senhor Deus diz é o seguinte: “Os sírios dizem que eu sou um deus das montanhas e não dos lugares planos; por isso, eu vou dar a você a vitória sobre o enorme exército sírio, e assim você e o seu povo ficarão sabendo que eu sou o Senhor.”

29Durante sete dias os sírios e os israelitas ficaram acampados de frente uns para os outros. No sétimo dia começou a batalha, e os israelitas, num só dia, mataram cem mil sírios. 30O resto fugiu e entrou na cidade de Afeca, e as muralhas da cidade caíram em cima de vinte e sete mil deles.

Ben-Hadade também fugiu, e entrou na cidade, e se escondeu no quarto dos fundos de uma casa. 31Então os seus oficiais lhe disseram:

— Nós ouvimos dizer que os reis israelitas são bondosos. Por isso, vamos falar com o rei de Israel. Vestiremos roupas feitas de pano grosseiro e amarraremos cordas no pescoço; talvez assim ele não mate o senhor.

32Então eles amarraram roupas feitas de pano grosseiro na cintura e cordas no pescoço e foram falar com Acabe. Eles disseram:

— O seu escravo Ben-Hadade pede que o senhor não mande matá-lo.

Acabe respondeu:

— Então ele ainda está vivo? Ele é como se fosse meu irmão!

33Os oficiais de Ben-Hadade estavam esperando por um bom sinal e, quando Acabe falou em “irmão”, aproveitaram logo essa palavra e disseram:

— Sim, senhor, Ben-Hadade é seu irmão!

— Tragam Ben-Hadade aqui para mim! — ordenou Acabe.

Quando Ben-Hadade chegou, Acabe o convidou para subir no carro com ele. 34E Ben-Hadade lhe disse:

— Eu vou devolver a você as cidades que o meu pai tomou do seu, e além disso você poderá pôr um centro comercial em Damasco, como o meu pai fez na cidade de Samaria.

Acabe respondeu:

— Se fizermos esse acordo, eu deixarei que você fique livre.

Então Acabe fez o acordo com ele e o deixou ir embora.

Um profeta condena Acabe

35Por ordem do Senhor Deus, um homem do grupo dos profetas pediu a um dos seus companheiros que lhe desse um soco.

Mas o outro não quis bater nele, 36e por isso o profeta disse:

— Você desobedeceu à ordem do Senhor; por isso, logo que você sair de perto de mim, um leão vai matá-lo.

E, logo que o homem saiu, um leão veio e o matou.

20.36
1Rs 13.24

37Então aquele mesmo profeta foi falar com outro homem e disse:

— Dê um soco em mim!

E ele lhe deu um soco e o feriu. 38Então o profeta enrolou um pano no rosto para se disfarçar e foi ficar na beira do caminho, esperando que o rei de Israel passasse por ali. 39Quando o rei ia passando, o profeta o chamou com um grito e disse:

— Eu estava lutando na batalha quando um soldado me trouxe um inimigo que havia sido preso e disse: “Tome conta deste homem. Se ele escapar, você pagará com a vida ou então pagará uma multa de trinta e cinco quilos de prata.” 40Mas eu fiquei ocupado com outras coisas, e o homem escapou.

O rei respondeu:

— Esse é o seu castigo; foi você mesmo quem deu a sentença.

41Aí o profeta arrancou depressa o pano do rosto, e o rei Acabe reconheceu que era um dos profetas. 42Então ele disse ao rei:

— Esta é a palavra de Deus, o Senhor: “Você deixou que escapasse o homem que eu havia ordenado que fosse morto; portanto, você pagará isso com a vida, e o seu povo será destruído em lugar do povo dele.”

43Então o rei voltou aborrecido e com raiva para a sua casa em Samaria.