Nova Almeida Atualizada (2017) (NAA)
8

A glória divina e a dignidade do filho do homem

Ao mestre de canto, segundo a melodia “Os lagares”. Salmo de Davi

81Ó Senhor, Senhor nosso,

como é magnífico o teu nome

em toda a terra!

Pois puseste nos céus

a tua majestade.

2Da boca de pequeninos

e crianças de peito

8.2
Mt 21.16

suscitaste força, por causa

dos teus adversários,

para fazeres emudecer o inimigo

e o vingador.

3Quando contemplo os teus céus,

obra dos teus dedos,

e a lua e as estrelas

que estabeleceste,

4que é o homem,

8.4
Jó 7.17-18
Sl 144.3
Hb 2.6-8

para que dele te lembres?

E o filho do homem,

para que o visites?

5Fizeste-o, no entanto,

por um pouco,

menor do que Deus

e de glória e de honra o coroaste.

6Deste-lhe domínio

sobre as obras da tua mão

e sob seus pés tudo lhe puseste:

8.6
1Co 15.27
Ef 1.22
Hb 2.8

7ovelhas e bois, todos,

e também os animais do campo;

8as aves do céu,

os peixes do mar

e tudo o que percorre

as veredas dos mares.

9Ó Senhor, Senhor nosso,

como é magnífico o teu nome

em toda a terra!

9

Louvor a Deus pela sua justiça

Ao mestre de canto, segundo a melodia “A morte para o filho”. Salmo de Davi

91Eu te louvarei, Senhor,

de todo o meu coração;

9.1
Sl 86.12
111.1
138.1

contarei todas as tuas maravilhas.

2Em ti me alegrarei e exultarei;

ao teu nome, ó Altíssimo,

eu cantarei louvores.

3Pois, ao retrocederem

os meus inimigos,

tropeçam e somem

da tua presença.

4Porque defendes o meu direito

e a minha causa;

9.4
Sl 140.12

no trono te assentas

e julgas retamente.

5Tu repreendes as nações,

destróis o ímpio

e para todo o sempre

lhes apagas o nome.

6Quanto aos inimigos,

estão consumidos,

suas ruínas são perpétuas;

arrasaste as suas cidades;

até a memória deles pereceu.

7Mas o Senhor permanece

no seu trono eternamente,

9.7
Sl 10.16
93.2

trono que erigiu para julgar.

8Ele mesmo julga o mundo

com justiça;

julgará os povos com retidão.

9.8
Sl 96.13
98.9

9O Senhor é também

alto refúgio para o oprimido,

refúgio nas horas de angústia.

10Em ti, pois, confiam

os que conhecem o teu nome,

porque tu, Senhor,

não desamparas

os que te buscam.

9.10
Sl 94.14

11Cantem louvores ao Senhor,

que habita em Sião;

proclamem entre os povos

o que ele tem feito.

9.11
Sl 105.1

12Pois aquele que requer o sangue

lembra-se deles

e não se esquece

do clamor dos aflitos.

13Compadece-te de mim, Senhor;

vê a que sofrimentos

me reduziram

os que me odeiam,

tu que me levantas

das portas da morte;

14para que, às portas

da filha de Sião,

eu proclame

todos os teus louvores

e me alegre na tua salvação.

15As nações se afundaram

na cova que fizeram,

no laço que esconderam

ficou preso o seu pé.

16O Senhor se dá a conhecer

pelo juízo que executa;

os ímpios ficam enredados

nas obras

de suas próprias mãos.

17No inferno serão lançados

os perversos,

todas as nações

que se esquecem de Deus.

18Pois o necessitado não será

esquecido para sempre,

e a esperança dos aflitos

não será frustrada

perpetuamente.

19Levanta-te, Senhor;

não deixes que

os mortais prevaleçam.

Sejam as nações julgadas

na tua presença.

20Infunde-lhes o medo, Senhor;

saibam as nações que não passam

de simples mortais.

9.20
Sl 62.9

10

Oração pedindo justiça

101Por que, Senhor,

te conservas longe?

Por que te escondes

nas horas de angústia?

10.1
Sl 13.1
55.1

2Com arrogância, os ímpios

perseguem os pobres;

que eles sejam apanhados

nas ciladas que armaram!

3Pois o perverso se gloria

da sua própria cobiça,

o avarento maldiz o Senhor

e blasfema contra ele.

4Em sua soberba,

o perverso não investiga;

tudo o que ele pensa

é que Deus não existe.

10.4
Sl 14.1
36.1

5São prósperos os caminhos dele

em todo tempo;

muito acima e longe dele

estão os teus juízos;

quanto aos seus adversários,

ele a todos trata com desprezo.

6Pois lá no seu íntimo diz:

“Jamais serei abalado;

de geração em geração,

nenhum mal me sobrevirá.”

7A sua boca está cheia

de maldição,

10.7
Rm 3.14

enganos e opressão;

debaixo da língua ele tem

insulto e maldade.

8Põe-se de tocaia nas aldeias,

trucida os inocentes

nos lugares ocultos;

seus olhos espreitam

o desamparado.

9Ele se põe de emboscada,

como o leão na sua caverna;

está de emboscada

para enlaçar o pobre:

apanha-o e o arrasta

com a sua rede.

10Abaixa-se, rasteja;

nas suas garras

caem os necessitados.

11Diz ele, no seu íntimo:

“Deus se esqueceu,

virou o rosto

e nunca verá isto.”

12Levanta-te, Senhor!

Ó Deus, ergue a tua mão!

Não te esqueças dos pobres.

13Por que o ímpio despreza Deus,

dizendo no seu íntimo que Deus

não lhe pedirá contas?

14Tu, porém, tens visto isso,

porque atentas

ao sofrimento e à dor,

para que os possas tomar

em tuas mãos.

A ti se entrega o desamparado;

tu tens sido o defensor do órfão.

10.14
Sl 68.5
146.9

15Quebra o braço do perverso

e do malvado;

pede contas da sua maldade,

até que a descubras de todo.

16O Senhor é rei eterno:

da sua terra somem as nações.

17Tens ouvido, Senhor,

o desejo dos humildes;

tu lhes firmarás o coração

e ouvirás o seu clamor,

18para fazeres justiça ao órfão

e ao oprimido,

a fim de que o ser humano,

que é da terra,

não volte a espalhar o terror.