Nova Almeida Atualizada (2017) (NAA)
7

71Meu filho, guarde

as minhas palavras

e conserve os meus mandamentos

em seu coração.

2Observe os meus mandamentos

e você viverá;

7.2
Pv 4.4

guarde a minha lei

como a menina dos seus olhos.

3Amarre-os aos dedos,

escreva-os na tábua

do seu coração.

7.3
Pv 3.3

4Diga à Sabedoria:

“Você é minha irmã”;

e ao Entendimento:

“Você é meu parente.”

5Eles o guardarão

da mulher imoral,

da estranha que lisonjeia

com palavras.

A mulher imoral

6Porque da janela da minha casa,

olhando pela grade,

7vi entre os ingênuos,

e descobri entre os jovens

um que não tinha juízo.

8Ele ia e vinha pela rua

junto à esquina

da mulher estranha

e seguia o caminho da casa dela,

9no crepúsculo, ao anoitecer,

na escuridão da noite, nas trevas.

10Eis que a mulher

lhe saiu ao encontro,

com roupas de prostituta

e astúcia no coração.

11É espalhafatosa e inquieta;

os seus pés não param em casa.

12Ora está nas ruas,

ora, nas praças,

espreitando por todos os cantos.

13Ela agarrou o jovem e o beijou;

e com o maior descaramento

lhe disse:

14“Eu tinha de oferecer

sacrifícios pacíficos;

7.14
Lv 7.11,16

hoje paguei os meus votos.

15Por isso, saí ao seu encontro;

vim procurá-lo,

e agora o encontrei!

16Já cobri de colchas

a minha cama,

de linho fino do Egito,

de várias cores.

17Já perfumei o meu leito

com mirra, aloés e cinamomo.

18Venha, vamos nos embriagar

com as delícias do amor,

até o amanhecer;

gozemos amores.

19Porque o meu marido

não está em casa;

saiu de viagem para longe.

20Levou consigo uma bolsa

cheia de dinheiro;

não voltará para casa

antes da lua cheia.”

21Ela o seduziu

com as suas muitas palavras,

com as lisonjas dos seus lábios

o arrastou.

22E, num instante, ele a seguiu,

como um boi

que vai para o matadouro;

como um animal

que corre para a armadilha,

23até que uma flecha

lhe atravesse o coração.

Ele era como a ave que corre

para dentro do alçapão,

sem saber que isto

lhe custará a vida.

24Agora, meu filho,

escute o que eu digo

e dê atenção

às palavras da minha boca.

25Não deixe que o seu coração

se desvie para os caminhos

dessa mulher,

e não ande perdido

nas suas veredas.

26Porque a muitos

ela feriu e derrubou;

e são muitos os que

por ela foram mortos.

27A casa dela é caminho

para o abismo

e desce para as câmaras da morte.

8

A excelência da Sabedoria

81Por acaso, não clama

a Sabedoria?

E o Entendimento

não faz ouvir a sua voz?

2A Sabedoria se coloca no topo

dos lugares elevados,

junto ao caminho,

nas encruzilhadas das veredas.

3Junto aos portões,

à entrada da cidade,

à entrada dos portões

ela está gritando:

8.1-3
Pv 1.20-21

4“É para vocês, homens,

que eu clamo;

e a minha voz se dirige

aos filhos dos homens.

5Vocês, ingênuos,

entendam a prudência;

e vocês, tolos,

entendam a sabedoria.

6Escutem, pois falarei

coisas excelentes;

os meus lábios dirão

o que é reto.

7Porque a minha boca

proclamará a verdade;

os meus lábios

detestam a maldade.

8Todas as palavras da minha boca

são justas;

não há nelas nenhuma coisa torta,

nem perversa.

9Todas são retas

para os que têm compreensão

e justas, para os que acham

o conhecimento.

10Aceitem o meu ensino,

em vez da prata,

e o conhecimento,

em lugar do ouro escolhido.

11Porque a sabedoria

é melhor do que as joias,

e tudo o que se possa desejar

não se compara com ela.”

12“Eu, a Sabedoria,

moro com a prudência

e disponho de conhecimento

e de conselhos.

13O temor do Senhor consiste

em odiar o mal.

Eu odeio a soberba, a arrogância,

o mau caminho e a boca

que fala coisas perversas.

14Meu é o conselho

e a verdadeira sabedoria;

eu sou o Entendimento,

minha é a fortaleza.

15Por meio de mim

os reis governam,

e os príncipes decretam justiça.

16Por meio de mim

governam os príncipes,

os nobres e todos os juízes

da terra.”

17“Eu amo os que me amam;

os que me procuram

me encontram.

18Riquezas e honra estão comigo,

bens duráveis e justiça.

19O meu fruto é melhor

do que o ouro,

do que o ouro refinado;

e o meu rendimento é maior

do que a prata escolhida.

8.19
Pv 3.14

20Ando pelo caminho da justiça

e sigo as veredas do juízo,

21para dotar de bens os que me amam

e encher os seus tesouros.”

A eternidade da Sabedoria

22“O Senhor me possuía

no início da sua obra,

8.22
Ap 3.14

antes das suas obras mais antigas.

23Fui estabelecida

desde a eternidade,

desde o princípio,

antes do começo da terra.

24Nasci antes de haver abismos,

quando ainda não havia fontes

carregadas de águas.

25Antes que os montes

fossem firmados,

antes de haver colinas, eu nasci.

26Deus ainda não tinha feito

a terra, nem os seus campos,

nem sequer o princípio

do pó do mundo.

27Eu estava lá

quando ele preparava os céus,

quando traçava o horizonte

sobre a face do abismo.

28Estava lá quando ele firmava

as nuvens de cima,

quando estabelecia

as fontes do abismo,

29quando fixava ao mar

os seus limites,

para que as águas

não transgredissem

a sua ordem.

8.29
Jó 38.10-11
Sl 104.9
Jr 5.22

Quando ele compunha

os fundamentos da terra,

30eu estava com ele

e era o seu arquiteto.

Dia após dia eu era a sua alegria,

divertindo-me em todo o tempo

na sua presença,

31divertindo-me

no seu mundo habitável

e achando alegria

junto aos filhos dos homens.”

32“Agora, meus filhos,

escutem o que eu digo,

porque felizes são os que guardam

os meus caminhos.

33Ouçam o ensino, sejam sábios

e não o rejeitem.

34Feliz é aquele que me ouve,

vigiando dia após dia

diante das minhas portas,

esperando na entrada

da minha casa.

35Pois quem me encontra

encontra a vida

e alcança favor do Senhor.

36Mas quem peca contra mim

violenta a própria alma.

Todos os que me odeiam

amam a morte.”

9

O banquete da Sabedoria

91A Sabedoria construiu a sua casa,

esculpiu para si sete colunas.

2Matou os seus animais

para a festa

e preparou o seu vinho;

também já arrumou a sua mesa.

3Enviou as suas criadas para que,

dos lugares mais altos

da cidade, façam este convite:

4“Quem é ingênuo,

venha para cá.”

Aos que não têm juízo ela diz:

5“Venham, comam do meu pão

e bebam do vinho que preparei.

6Afastem-se dos ingênuos e vivam;

andem pelo caminho

do entendimento.”

7Quem repreende o zombador

traz afronta sobre si;

e quem censura o ímpio

será insultado.

8Não repreenda o zombador,

para que ele não odeie você;

repreenda o sábio, e ele o amará.

9Dê instrução ao sábio,

e ele se tornará

mais sábio ainda;

ensine o justo,

e ele crescerá na prudência.

10O temor do Senhor é

o princípio da sabedoria;

9.10
Jó 28.28
Sl 111.10
Pv 1.7

conhecer o Santo

é ter entendimento.

11Porque por mim se multiplicarão

os seus dias,

e aumentarão os anos de sua vida.

12Se você é sábio,

é sábio para si mesmo;

9.12
Jó 22.2

se é zombador, só você

sofrerá as consequências.

O convite da loucura

13A loucura

é mulher espalhafatosa;

é tola e não sabe coisa alguma.

14Senta-se junto

à porta de sua casa,

toma uma cadeira

no lugar mais alto da cidade,

15para dizer aos que passam

e seguem direito o seu caminho:

16“Quem for ingênuo,

venha para cá.”

E aos que não têm juízo ela diz:

17“A água roubada é doce,

9.17
Pv 20.17

e o pão comido às escondidas

é saboroso.”

18Eles, porém, não sabem que ali

estão os mortos,

que os seus convidados estão

nas profundezas do inferno.

9.18
Pv 5.5
7.27