Nova Almeida Atualizada (2017) (NAA)
30

A respeito de votos

Dt 23.21-23

301Moisés falou aos chefes das tribos dos filhos de Israel, dizendo:

— Esta é a palavra que o Senhor ordenou: 2Quando um homem fizer um voto

30.2
Mt 5.33
ao Senhor ou juramento para obrigar-se a alguma abstinência, não violará a sua palavra, mas fará segundo tudo o que prometeu. 3Quando, porém, uma mulher fizer um voto ao Senhor ou se obrigar a alguma abstinência, estando na casa de seu pai, na sua mocidade, 4e seu pai, sabendo do voto e da abstinência a que ela se obrigou, não lhe disser nada, todos os seus votos serão válidos; terá de observar toda a abstinência a que se obrigou. 5Mas, se o pai, no dia em que souber disso, o desaprovar, não será válido nenhum dos votos dela, nem lhe será preciso observar a abstinência a que se obrigou; o Senhor perdoará isso a ela, porque o pai se opôs.

6— Porém, se ela casar, ainda sob seus votos ou dito irrefletido dos seus lábios, com que a si mesma obrigou, 7e seu marido, ouvindo-o, não disser nada no dia em que souber disso, serão válidos os votos dela, e ela terá de observar a abstinência a que se obrigou. 8Mas, se seu marido o desaprovar no dia em que souber disso e anular o voto que estava sobre ela, bem como o dito irrefletido dos seus lábios, com que a si mesma obrigou, o Senhor perdoará isso a ela. 9Quanto ao voto da viúva ou da divorciada, tudo com que se obrigar lhe será válido.

10— Porém, se ela fez voto na casa de seu marido ou com juramento se obrigou a alguma abstinência, 11e seu marido o soube, mas não lhe disse nada, e não desaprovou o que ela fez, todos os votos dela serão válidos; e ela terá de observar toda a abstinência a que se obrigou. 12Porém, se o marido anulou os votos no dia em que ficou sabendo, tudo o que saiu dos lábios dela, quer dos seus votos, quer da abstinência a que se obrigou, não será válido; o marido dela anulou os votos, e o Senhor perdoará isso a ela. 13Todo voto e todo juramento com que ela se obrigou, para se humilhar, seu marido pode confirmar ou anular. 14Porém, se o marido, dia após dia, não disser nada, então confirma todos os votos dela e tudo aquilo a que ela se obrigou, porque não disse nada no dia em que ficou sabendo. 15Porém, se ele anular os votos algum tempo depois de os ter ouvido, levará sobre si a iniquidade dela.

16São estes os estatutos que o Senhor ordenou a Moisés a respeito do marido e sua mulher, e a respeito do pai e sua filha moça, se ela estiver na casa de seu pai.

31

A vitória sobre os midianitas

311O Senhor disse a Moisés:

2— Vingue os filhos de Israel dos midianitas. Depois disso você será reunido ao seu povo.

3Então Moisés falou ao povo, dizendo:

— Armem alguns de vocês para a guerra, e que eles saiam contra os midianitas, para fazerem a vingança do Senhor contra eles. 4Enviem à guerra mil homens de cada tribo entre todas as tribos de Israel.

5Assim, dos milhares de Israel foram mandados mil homens de cada tribo: doze mil ao todo, armados para a guerra. 6Moisés mandou-os para a guerra, mil de cada tribo, juntamente com Fineias, filho do sacerdote Eleazar, o qual levava consigo os utensílios sagrados e as trombetas para o toque de ataque. 7Eles atacaram os midianitas, como o Senhor havia ordenado a Moisés, 8e mataram todos os homens. Mataram, além dos que já haviam sido mortos, os reis dos midianitas, Evi, Requém, Zur, Hur e Reba, cinco reis dos midianitas. Também mataram à espada Balaão, filho de Beor.

9Porém os filhos de Israel levaram presas as mulheres dos midianitas e as suas crianças. Também levaram todos os seus animais, todo o seu gado e todos os seus bens. 10Queimaram todas as cidades em que os midianitas habitavam e todos os seus acampamentos. 11Pegaram todo o despojo e todos os prisioneiros, tanto de pessoas como de animais. 12Trouxeram a Moisés, ao sacerdote Eleazar e à congregação dos filhos de Israel os cativos, os prisioneiros e o despojo, para o arraial, nas campinas de Moabe, junto do Jordão, na altura de Jericó.

O tratamento dos cativos

13Moisés, o sacerdote Eleazar, e todos os chefes da congregação saíram a recebê-los fora do arraial. 14Moisés se indignou contra os oficiais do exército, capitães dos milhares e capitães das centenas, que vinham do campo de batalha. 15Moisés lhes disse:

— Por que vocês deixaram viver todas as mulheres? 16Eis que estas, por conselho de Balaão, fizeram com que os filhos de Israel fossem infiéis ao Senhor, no caso de Peor,

31.16
Nm 25.1-3
e assim houve uma praga no meio da congregação do Senhor. 17Agora, pois, matem, dentre as crianças, todas as do sexo masculino. Matem também todas as mulheres que já tiveram relações com algum homem, deitando-se com ele. 18Mas todas as meninas, e as jovens que não tiveram relações com algum homem, deitando-se com ele, deixem viver para vocês.

19— Fiquem acampados durante sete dias fora do arraial. Todos os que tiverem matado alguma pessoa ou tiverem tocado em algum morto devem se purificar no terceiro dia e no sétimo dia; purifiquem a si mesmos e também aos seus prisioneiros. 20Purifiquem também todas as roupas, todos os objetos feitos de couro, todos os objetos feitos de pelos de cabra e todo artigo de madeira.

21Então o sacerdote Eleazar disse aos homens do exército que tinham ido à guerra:

— Este é o estatuto da lei que o Senhor ordenou a Moisés: 22o ouro, a prata, o bronze, o ferro, o estanho e o chumbo, 23tudo o que pode suportar o fogo vocês devem passar pelo fogo, para que fique puro; e ainda terá de ser purificado com a água purificadora. Mas tudo o que não pode suportar o fogo vocês devem passar pela água. 24Lavem também as suas roupas no sétimo dia, para que vocês fiquem puros; e, depois, poderão entrar no arraial.

A divisão do despojo

25O Senhor disse a Moisés:

26— Faça a contagem daquilo que foi aprisionado, tanto de pessoas como de animais, com a ajuda do sacerdote Eleazar e dos chefes das casas dos pais da congregação. 27Divida aquilo que foi aprisionado em duas partes iguais, uma para os soldados que saíram à guerra, e a outra para toda a congregação. 28Dos homens do exército que saíram a esta guerra, cobre um tributo para o Senhor: de cada quinhentas cabeças, uma, tanto dos homens como dos bois, dos jumentos e das ovelhas. 29Tome esse tributo da metade que toca aos soldados e entregue-o ao sacerdote Eleazar, como oferta ao Senhor. 30Mas, da metade que toca aos filhos de Israel, de cada cinquenta, tome um, tanto dos homens como dos bois, dos jumentos e das ovelhas, de todos os animais; e entregue isso aos levitas que têm a seu encargo o serviço do tabernáculo do Senhor.

31Moisés e o sacerdote Eleazar fizeram como o Senhor havia ordenado a Moisés.

32O total do despojo que os homens de guerra pegaram foi de seiscentas e setenta e cinco mil ovelhas, 33setenta e dois mil bois, 34sessenta e um mil jumentos 35e trinta e duas mil pessoas, as mulheres que ainda não haviam tido relações com homem algum, deitando-se com ele. 36E a metade, a parte que cabe aos que saíram à guerra, foi em número de trezentas e trinta e sete mil e quinhentas ovelhas. 37O tributo em ovelhas para o Senhor foram seiscentas e setenta e cinco. 38E os bois foram trinta e seis mil; e o seu tributo para o Senhor, setenta e dois. 39E os jumentos foram trinta mil e quinhentos; e o seu tributo para o Senhor, sessenta e um. 40As pessoas foram dezesseis mil; e o seu tributo para o Senhor, trinta e duas. 41Então Moisés deu ao sacerdote Eleazar o tributo da oferta do Senhor, como este havia ordenado a Moisés.

42Da metade que cabe aos filhos de Israel, que Moisés havia separado da parte que cabe aos homens que saíram à guerra 43— a metade para a congregação foram, em ovelhas, trezentas e trinta e sete mil e quinhentas; 44em bois, trinta e seis mil; 45em jumentos, trinta mil e quinhentos; 46e, em pessoas, dezesseis mil —, 47desta metade que cabe aos filhos de Israel, Moisés tomou um de cada cinquenta, tanto de pessoas como de animais, e os deu aos levitas que tinham a seu encargo o serviço do tabernáculo do Senhor, como o Senhor havia ordenado a Moisés.

A oferta voluntária dos capitães

48Então os oficiais que estavam sobre os milhares do exército, capitães sobre mil e capitães sobre cem, foram falar com Moisés 49e lhe disseram:

— Estes seus servos fizeram a conta dos homens de guerra que estiveram sob as nossas ordens, e não está faltando nenhum. 50Por isso trouxemos uma oferta ao Senhor, cada um o que achou: objetos de ouro, ornamentos para o braço, pulseiras, sinetes, brincos e colares, para fazer expiação por nós diante do Senhor.

51Assim, Moisés e o sacerdote Eleazar receberam deles o ouro, sendo todos os objetos finamente trabalhados. 52Todo o ouro da oferta que os capitães de mil e os capitães de cem trouxeram ao Senhor pesou duzentos e um quilos. 53Pois cada um dos homens de guerra havia tomado despojo para si. 54Moisés e o sacerdote Eleazar receberam o ouro dos capitães de mil e dos capitães de cem e o trouxeram à tenda do encontro, como memorial para os filhos de Israel diante do Senhor.

32

As tribos que ficaram a leste do rio Jordão

Dt 3.12-22

321Os filhos de Rúben e os filhos de Gade tinham muito gado. Quando viram a terra de Jazer e a terra de Gileade, que eram boas para a criação de gado, 2os filhos de Gade e os filhos de Rúben foram falar com Moisés, com o sacerdote Eleazar, e com os chefes da congregação. Disseram:

3— Atarote, Dibom, Jazer, Ninra, Hesbom, Eleale, Sebã, Nebo e Beom, 4a terra que o Senhor subjugou diante da congregação de Israel é terra de gado; e estes seus servos têm gado.

5Disseram mais:

— Se encontramos favor aos seus olhos, permita que a posse desta terra seja dada a estes seus servos; e não nos faça passar o Jordão.

6Porém Moisés disse aos filhos de Gade e aos filhos de Rúben:

— Então os irmãos de vocês irão à guerra, enquanto vocês ficam aqui? 7Por que vocês querem desanimar os filhos de Israel, para que não entrem na terra que o Senhor lhes deu? 8Assim fizeram os pais de vocês, quando os enviei

32.8
Nm 13.17-29
de Cades-Barneia para ver esta terra. 9Eles chegaram até o vale de Escol e, vendo a terra, desanimaram os filhos de Israel, para que não entrassem na terra que o Senhor lhes tinha dado. 10Então a ira do Senhor se acendeu naquele mesmo dia, e ele jurou, dizendo: 11“Porque não me seguiram com fidelidade, é certo que os homens
32.11
Nm 14.26-35
que saíram do Egito, de vinte anos para cima, não verão a terra que prometi com juramento a Abraão, a Isaque e a Jacó. 12Somente Calebe, filho de Jefoné, o quenezeu, e Josué, filho de Num, verão a terra, porque seguiram o Senhor com fidelidade.” 13Por isso a ira do Senhor se acendeu contra Israel, e ele os fez andar errantes pelo deserto durante quarenta anos, até que se consumiu toda a geração que havia feito o que era mau aos olhos do Senhor. 14E agora vocês, geração de pecadores, se levantaram em lugar de seus pais, para aumentar ainda mais o furor da ira do Senhor contra Israel. 15Se vocês não quiserem segui-lo, também ele deixará todo o povo novamente no deserto, e vocês serão a causa da ruína deste povo.

16Então os filhos de Gade e os filhos de Rúben se aproximaram de Moisés e lhe disseram:

— Edificaremos currais aqui para o nosso gado e cidades para as nossas crianças. 17Mas nós nos armaremos e vamos para a guerra adiante dos filhos de Israel, até que os tenhamos levado ao seu lugar. Porém as nossas crianças ficarão nas cidades fortificadas, por causa dos moradores da terra. 18Não voltaremos para nossas casas até que os filhos de Israel estejam de posse, cada um, da sua herança. 19Porque não herdaremos com eles do outro lado do Jordão, nem mais adiante, porque já temos a nossa herança deste lado do Jordão, ao leste.

20Então Moisés lhes disse:

— Se vocês fizerem isso, se vocês se armarem para a guerra diante do Senhor, 21e cada um de vocês, armado, passar o Jordão diante do Senhor, até que ele tenha expulsado os seus inimigos de diante dele, 22e a terra estiver subjugada diante do Senhor, então vocês poderão voltar e estarão desobrigados diante do Senhor e diante de Israel; e a posse desta terra será de vocês diante do Senhor. 23Porém, se vocês não fizerem isso, estarão pecando contra o Senhor. E fiquem sabendo que esse pecado certamente os encontrará. 24Construam cidades para os seus filhos e currais para as suas ovelhas; e cumpram o que vocês prometeram.

25Então os filhos de Gade e os filhos de Rúben disseram a Moisés:

— Nós, seus servos, faremos o que nos foi ordenado. 26Nossas crianças, nossas mulheres, nossos rebanhos e todos os nossos animais estarão aí nas cidades de Gileade, 27mas estes seus servos passarão para o outro lado, cada um armado para a guerra, diante do Senhor Deus, como nos está sendo ordenado.

28Então Moisés deu ordem a respeito deles ao sacerdote Eleazar, a Josué, filho de Num, e aos chefes das casas dos pais das tribos dos filhos de Israel. 29Moisés lhes disse:

— Se os filhos de Gade e os filhos de Rúben passarem o Jordão com vocês, cada um armado para a guerra, diante do Senhor, e a terra estiver subjugada diante de vocês, então deem a eles a posse da terra de Gileade. 30Mas, se eles não passarem, armados, com vocês, terão a parte deles entre vocês na terra de Canaã.

31Os filhos de Gade e os filhos de Rúben responderam:

— O que o Senhor Deus disse a estes seus servos, isso faremos. 32Passaremos, armados, diante do Senhor à terra de Canaã e teremos a posse de nossa herança deste lado do Jordão.

32.28-32
Dt 3.18-20
Js 1.12-15

33Moisés deu aos filhos de Gade, aos filhos de Rúben e à meia tribo de Manassés, filho de José, o reino de Seom, rei dos amorreus, e o reino de Ogue, rei de Basã: a terra com as cidades e seus distritos, as cidades em toda a extensão do país. 34Os filhos de Gade edificaram Dibom, Atarote e Aroer; 35Atarote-Sofã, Jazer e Jogbeá; 36Bete-Ninra e Bete-Harã, cidades fortificadas, e currais de ovelhas. 37Os filhos de Rúben edificaram Hesbom, Eleale e Quiriataim; 38Nebo e Baal-Meom, mudando-lhes o nome, e Sibma; e deram outros nomes às cidades que edificaram. 39Os filhos de Maquir, filho de Manassés, foram para Gileade, a tomaram e expulsaram os amorreus que estavam nela. 40Portanto, Moisés deu Gileade a Maquir, filho de Manassés, o qual habitou nela. 41Jair, filho de Manassés, foi e conquistou as aldeias dos amorreus; e deu-lhes o nome de Havote-Jair. 42Noba foi e conquistou Quenate com as suas aldeias; e chamou-lhe Noba, que era o seu próprio nome.