Nova Almeida Atualizada (2017) (NAA)
13

Arrepender-se ou perecer

131Naquela mesma ocasião, estavam ali algumas pessoas que falaram para Jesus a respeito dos galileus cujo sangue Pilatos havia misturado com os sacrifícios que os mesmos realizavam.13.1 Significa que eles foram mortos enquanto ofereciam sacrifícios no Templo 2Então Jesus lhes disse:

— Vocês pensam que esses galileus eram mais pecadores do que todos os outros galileus, por terem padecido estas coisas?

13.2
Jo 9.2
3Digo a vocês que não eram; se, porém, não se arrependerem, todos vocês também perecerão. 4E, quanto àqueles dezoito sobre os quais desabou a torre de Siloé e os matou, vocês pensam que eles eram mais culpados do que todos os outros moradores de Jerusalém? 5Digo a vocês que não eram; mas, se não se arrependerem, todos vocês também perecerão.

A parábola da figueira estéril

6E Jesus contou a seguinte parábola:

— Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha e, vindo procurar fruto nela, não achou. 7Então disse ao homem que cuidava da vinha: “Já faz três anos que venho procurar fruto nesta figueira e não encontro nada. Portanto, corte-a! Por que ela ainda está ocupando inutilmente a terra?” 8Mas o homem que cuidava da vinha respondeu: “Senhor, deixe-a ainda este ano, até que eu escave ao redor dela e ponha estrume. 9Se vier a dar fruto, muito bem. Se não der fruto, o senhor poderá cortá-la.”

A cura de uma mulher enferma num sábado

10Num sábado, Jesus estava ensinando numa das sinagogas. 11E chegou ali uma mulher possuída de um espírito de enfermidade, havia já dezoito anos; ela andava encurvada, sem poder se endireitar de modo nenhum. 12Ao vê-la, Jesus a chamou e lhe disse:

— Mulher, você está livre da sua enfermidade.

13E, impondo-lhe as mãos, ela imediatamente se endireitou e dava glória a Deus. 14O chefe da sinagoga, indignado por ver que Jesus curava no sábado, disse à multidão:

— Há seis dias em que se deve trabalhar.

13.14
Êx 20.9-10
Dt 5.13-14
Venham nesses dias para serem curados, mas não no sábado.

15Porém o Senhor lhe respondeu:

— Hipócritas! Cada um de vocês não desprende da manjedoura, no sábado, o seu boi ou o seu jumento, para levá-lo a beber? 16Por que motivo não se devia livrar deste cativeiro, em dia de sábado, esta filha de Abraão, a quem Satanás trazia presa há dezoito anos?

17Tendo Jesus dito estas palavras, todos os seus adversários ficaram envergonhados. Entretanto, o povo se alegrava por todos os feitos gloriosos que Jesus realizava.

A parábola do grão de mostarda

Mt 13.31-32; Mc 4.30-32

18Jesus disse:

— A que é semelhante o Reino de Deus, e a que o compararei? 19É semelhante a um grão de mostarda, que um homem plantou na sua horta; e cresceu e fez-se árvore; e as aves do céu se aninharam nos seus ramos.

13.19
Ez 17.23

A parábola do fermento

Mt 13.33

20Disse mais:

— A que compararei o Reino de Deus? 21É semelhante ao fermento que uma mulher pegou e misturou em três medidas de farinha, até ficar tudo levedado.

A porta estreita

Mt 7.13-14,21-23

22Jesus passava por cidades e aldeias, ensinando e caminhando para Jerusalém.

13.22
Lc 9.51
23E alguém lhe perguntou:

— Senhor, são poucos os que são salvos?

24Jesus respondeu:

— Esforcem-se por entrar pela porta estreita! Pois eu afirmo a vocês que muitos procurarão entrar, mas não conseguirão. 25Quando o dono da casa se tiver levantado e fechado a porta, e vocês, do lado de fora, começarem a bater, dizendo: “Senhor, abra a porta para nós”, ele responderá: “Não sei de onde vocês são.” 26Então vocês dirão: “Comíamos e bebíamos com o senhor. Além disso, o senhor ensinava em nossas ruas.” 27Mas ele dirá a vocês: “Não sei de onde vocês são; afastem-se de mim, vocês todos que praticam o mal.”

13.27
Sl 6.8
28Ali haverá choro e ranger de dentes, quando vocês virem Abraão, Isaque, Jacó e todos os profetas no Reino de Deus, mas vocês lançados fora. 29Muitos virão do Oriente e do Ocidente, do Norte e do Sul e tomarão lugar à mesa no Reino de Deus. 30Porém, de fato, há últimos que serão primeiros,
13.30
Mt 19.30
20.16
Mc 10.31
e primeiros que serão últimos.

O lamento sobre Jerusalém

Mt 23.37-39

31Naquela mesma hora, alguns fariseus vieram para dizer a Jesus:

— Vá embora daqui, porque Herodes

13.31
Lc 9.7
quer matá-lo.

32Ele, porém, lhes respondeu:

— Vão e digam a essa raposa que hoje e amanhã expulso demônios e curo doentes, e no terceiro dia terminarei. 33Porém, preciso caminhar hoje, amanhã e depois, porque não se espera que um profeta morra fora de Jerusalém.

34— Jerusalém, Jerusalém! Você mata os profetas e apedreja os que lhe são enviados! Quantas vezes eu quis reunir os seus filhos, como a galinha ajunta os do seu próprio ninho debaixo das asas, mas vocês não quiseram!

13.34
Lc 19.41-42
35Eis que a casa de vocês ficará deserta.
13.35
Jr 22.5
E eu afirmo a vocês que não me verão mais, até que venham a dizer: “Bendito o que vem em nome do Senhor!”
13.35
Sl 118.26

14

A cura de um hidrópico

141Num sábado, ao entrar Jesus na casa de um dos principais fariseus para tomar uma refeição, eles o estavam observando. 2E eis que diante dele se achava um homem hidrópico. 3Então Jesus, dirigindo-se aos intérpretes da Lei e aos fariseus, perguntou:

— É ou não é lícito curar no sábado?

14.3
Lc 6.9
13.14

4Eles, porém, não disseram nada. Então Jesus pegou na mão daquele homem, curou-o e o mandou embora. 5A seguir, Jesus lhes perguntou:

— Quem de vocês, se o filho ou o boi cair num poço, não irá tirá-lo imediatamente, mesmo em dia de sábado?

14.5
Mt 12.11

6A isto nada puderam responder.

Os primeiros lugares

7Reparando como os convidados escolhiam os primeiros lugares, Jesus contou-lhes uma parábola:

8— Quando alguém convidá-lo para um casamento, não sente no lugar de honra, pois pode haver um convidado mais importante do que você. 9Então aquele que convidou os dois dirá a você: “Dê o lugar a este aqui.” Então você irá, envergonhado, ocupar o último lugar. 10Pelo contrário, quando alguém convidá-lo, vá sentar no último lugar, para que, quando vier aquele que o convidou, diga a você: “Amigo, venha sentar num lugar melhor.” Isso será uma honra para você diante de todos os demais convidados.

14.8-10
Pv 25.6-7
11Porque todo o que se exalta será humilhado;
14.11
Mt 23.12
Lc 18.14
e o que se humilha será exaltado.

12Depois Jesus disse ao que o havia convidado:

— Quando você der um jantar ou uma ceia, não convide os seus amigos, nem os seus irmãos, nem os seus parentes, nem os vizinhos ricos; para não acontecer que eles retribuam o convite e você seja recompensado. 13Pelo contrário, ao dar um banquete, convide os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos, 14e você será bem-aventurado, pelo fato de não terem eles com que recompensá-lo.

14.14
Lc 6.32
A sua recompensa você receberá na ressurreição dos justos.

A parábola da grande ceia

Mt 22.1-10

15Ao ouvir tais palavras, um dos que estavam à mesa com Jesus lhe disse:

— Bem-aventurado aquele que participar do banquete no Reino de Deus.

16Jesus, porém, respondeu:

— Certo homem deu uma grande ceia e convidou muitos. 17À hora da ceia, enviou o seu servo para avisar aos convidados: “Venham, porque tudo já está preparado.” 18Mas todos eles, um por um, começaram a apresentar desculpas. O primeiro disse: “Comprei um campo e preciso ir vê-lo; peço que me desculpe.” 19Outro disse: “Comprei cinco juntas de bois e vou experimentá-las; peço que me desculpe.” 20E outro disse: “Casei-me e, por isso, não posso ir.”

14.20
Dt 24.5

21— O servo voltou e contou tudo ao seu senhor. Então, irado, o dono da casa disse ao seu servo: “Saia depressa para as ruas e becos da cidade e traga para cá os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos.” 22Mais tarde, o servo lhe disse: “Patrão, já fiz o que o senhor mandou, e ainda há lugar.” 23Então o senhor disse ao servo: “Saia pelos caminhos e atalhos e obrigue todos a entrar, para que a minha casa fique cheia. 24Porque digo a vocês que nenhum daqueles homens que foram convidados provará a minha ceia.”

As condições para ser seguidor de Jesus

Mt 10.37-38

25Grandes multidões acompanhavam Jesus, e ele, voltando-se, lhes disse:

26— Se alguém vem a mim e não me ama mais do que ama o seu pai, a sua mãe,

14.26
Mt 10.37
a sua mulher, os seus filhos, os seus irmãos, as suas irmãs e até a sua própria vida, não pode ser meu discípulo. 27E quem não tomar a sua cruz
14.27
Mt 10.38
16.24
Mc 8.34
Lc 9.23
e vier após mim não pode ser meu discípulo. 28Pois qual de vocês, pretendendo construir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem os meios para a concluir? 29Para não acontecer que, tendo lançado os alicerces e não podendo terminar a construção, todos os que a virem zombem dele, 30dizendo: “Este homem começou a construir e não pôde acabar.” 31Ou qual é o rei que, indo para combater outro rei, não se assenta primeiro para calcular se com dez mil homens poderá enfrentar o que vem contra ele com vinte mil?
14.31
Pv 20.18
24.6
32Caso contrário, estando o outro ainda longe, envia-lhe uma embaixada, pedindo condições de paz. 33Assim, pois, qualquer um de vocês que não renuncia a tudo o que tem não pode ser meu discípulo.

Sal insípido

Mt 5.13; Mc 9.50

34— O sal é certamente bom; mas, se o sal se tornar insípido, como lhe restaurar o sabor? 35Não presta mais nem para a terra nem para o monte de estrume; lançam-no fora. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.

15

A parábola da ovelha perdida

Mt 18.12-14

151Aproximavam-se de Jesus todos os publicanos e pecadores para o ouvir. 2Os fariseus e os escribas murmuravam, dizendo:

— Este recebe pecadores e come com eles.

15.1-2
Lc 5.29-30

3Então Jesus lhes contou esta parábola:

4— Qual de vocês é o homem que, possuindo cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove e vai em busca da que se perdeu, até encontrá-la? 5E, quando a encontra, põe-na sobre os ombros, cheio de alegria. 6E, indo para casa, reúne os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: “Alegrem-se comigo, porque já achei a minha ovelha perdida.” 7Digo a vocês que, assim, haverá mais alegria no céu por um pecador que se arrepende

15.7
Lc 5.32
do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento.

A parábola da dracma perdida

8— Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas,15.8 Moeda grega de prata, que era o pagamento por um dia de trabalho se perder uma delas, não acende a lamparina, varre a casa e a procura com muito empenho até encontrá-la? 9E, quando a encontra, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: “Alegrem-se comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido.” 10Eu afirmo a vocês que a mesma alegria existe diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.

A parábola do filho perdido

11Jesus continuou:

— Certo homem tinha dois filhos.

15.11
Mt 21.28
12O mais moço deles disse ao pai: “Pai, quero que o senhor me dê a parte dos bens que me cabe.” E o pai repartiu os bens entre eles.

13— Passados não muitos dias, o filho mais moço, ajuntando tudo o que era seu, partiu para uma terra distante e lá desperdiçou todos os seus bens, vivendo de forma desenfreada.

14— Depois de ter consumido tudo, sobreveio àquele país uma grande fome, e ele começou a passar necessidade. 15Então foi pedir trabalho a um dos cidadãos daquela terra, e este o mandou para os seus campos a fim de cuidar dos porcos.

15.15
Lv 11.7
16Ali, ele desejava alimentar-se das alfarrobas15.16 Vagem de uma árvore que os porcos comiam, mas ninguém lhe dava nada. 17Então, caindo em si, disse: “Quantos trabalhadores de meu pai têm pão com fartura, e eu aqui estou morrendo de fome! 18Vou me arrumar, voltar para o meu pai e lhe dizer: ‘Pai, pequei contra Deus e diante do senhor; 19já não sou digno de ser chamado de seu filho; trate-me como um dos seus trabalhadores.’” 20E, arrumando-se, foi para o seu pai.

— Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou e, compadecido dele, correndo, o abraçou e beijou. 21E o filho lhe disse: “Pai, pequei contra Deus e diante do senhor; já não sou digno de ser chamado de seu filho.” 22O pai, porém, disse aos servos: “Tragam depressa a melhor roupa e vistam nele. Ponham um anel no dedo dele e sandálias nos pés. 23Tragam e matem o bezerro gordo. Vamos comer e festejar, 24porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado.” E começaram a festejar.

25— Ora, o filho mais velho estava no campo. Quando voltava, ao aproximar-se da casa, ouviu a música e as danças. 26Chamou um dos empregados e perguntou o que era aquilo. 27E ele informou: “O seu irmão voltou e, por tê-lo recuperado com saúde, o seu pai mandou matar o bezerro gordo.”

28— O filho mais velho se indignou e não queria entrar. Saindo, porém, o pai, procurava convencê-lo a entrar. 29Mas ele respondeu ao seu pai: “Faz tantos anos que sirvo o senhor e nunca transgredi um mandamento seu. Mas o senhor nunca me deu um cabrito sequer para fazer uma festa com os meus amigos. 30Mas, quando veio esse seu filho, que sumiu com os bens do senhor, gastando tudo com prostitutas, o senhor mandou matar o bezerro gordo para ele!”

31— Então o pai respondeu: “Meu filho, você está sempre comigo; tudo o que eu tenho é seu. 32Mas era preciso festejar e alegrar-se, porque este seu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado.”

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]