Nova Almeida Atualizada (2017) (NAA)
18

Jesus é preso

Mt 26.47-56; Mc 14.43-50; Lc 22.47-53

181Depois de dizer isso, Jesus saiu juntamente com os seus discípulos para o outro lado do ribeiro de Cedrom, onde havia um jardim; e aí entrou com eles. 2Judas, o traidor, também conhecia aquele lugar, porque Jesus muitas vezes havia se reunido ali com os seus discípulos. 3Tendo, pois, Judas recebido a escolta e alguns guardas da parte dos principais sacerdotes e fariseus, chegou a esse lugar com lanternas, tochas e armas. 4Então Jesus, sabendo de tudo o que ia acontecer com ele,

18.4
Jo 6.64
13.1,11
adiantou-se e perguntou-lhes:

— A quem vocês estão procurando?

5Eles responderam:

— A Jesus, o Nazareno.

18.5
Jo 1.45
19.19

Então Jesus lhes disse:

— Sou eu.

Ora, Judas, o traidor, também estava com eles. 6Quando Jesus lhes disse: “Sou eu”, recuaram e caíram por terra. 7Jesus, de novo, lhes perguntou:

— A quem vocês estão procurando?

Responderam:

— A Jesus, o Nazareno.

8Então Jesus disse:

— Já lhes falei que sou eu. Se é a mim que vocês estão procurando, deixem que estes vão embora.

9Ele disse isso para se cumprir a palavra que tinha dito anteriormente: “Não perdi nenhum dos que me deste.”

18.9
Jo 6.39
17.12

10Então Simão Pedro puxou da espada que trazia e feriu o servo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha direita.

18.10
Mt 26.51
Mc 14.47
E o nome do servo era Malco. 11Mas Jesus disse a Pedro:

— Guarde a espada na bainha! Por acaso não beberei o cálice

18.11
Mt 26.39
Mc 14.36
Lc 22.42
que o Pai me deu?

Jesus diante de Anás

Mt 26.57-58; Mc 14.53-54; Lc 22.54

12Assim, a escolta, o comandante e os guardas dos judeus prenderam Jesus e o amarraram. 13Então o levaram primeiramente a Anás, sogro de Caifás, sumo sacerdote naquele ano. 14Ora, Caifás era quem havia declarado aos judeus ser conveniente morrer um homem pelo povo.

18.14
Jo 11.49-50

Pedro nega Jesus

Mt 26.69-75; Mc 14.66-72; Lc 22.55-62

15Simão Pedro e outro discípulo seguiam Jesus. Esse discípulo era conhecido do sumo sacerdote e, por isso, conseguiu entrar no pátio da casa deste com Jesus. 16Pedro, porém, ficou de fora, junto à porta. O outro discípulo, que era conhecido do sumo sacerdote, saiu, falou com a encarregada da porta e levou Pedro para dentro. 17Então a empregada, encarregada da porta, perguntou a Pedro:

— Você também não é um dos discípulos desse homem?

Ele respondeu:

— Não, não sou.

18Os servos e os guardas estavam ali, tendo acendido uma fogueira por causa do frio, e se aqueciam. Pedro estava no meio deles, aquecendo-se também.

Anás interroga Jesus

Mt 26.59-66; Mc 14.55-64; Lc 22.66-71

19Então o sumo sacerdote interrogou Jesus a respeito dos seus discípulos e da sua doutrina. 20Jesus lhe respondeu:

— Eu tenho falado francamente ao mundo.

18.20
Jo 7.26
Sempre ensinei, tanto nas sinagogas como no templo,
18.20
Mt 26.55
onde todos os judeus se reúnem, e não disse nada em segredo. 21Por que o senhor está perguntando para mim? Pergunte aos que ouviram o que lhes falei. Eles sabem muito bem o que eu disse.

22Quando Jesus disse isto, um dos guardas que estavam ali deu-lhe uma bofetada, dizendo:

— É assim que você fala com o sumo sacerdote?

23Jesus lhe respondeu:

— Se falei mal, dê testemunho do mal. Mas, se falei bem, por que você está me batendo?

24Então Anás o enviou, amarrado, à presença de Caifás, o sumo sacerdote.

De novo, Pedro nega Jesus

Mt 26.71-75; Mc 14.69-72; Lc 22.58-62

25Simão Pedro estava em pé, aquecendo-se. Então lhe perguntaram:

— Você também não é um dos discípulos dele?

Ele negou e disse:

— Não, não sou.

26Um dos servos do sumo sacerdote, parente daquele a quem Pedro tinha decepado a orelha,

18.26
Jo 18.10
perguntou:

— Não é verdade que eu vi você no jardim com ele?

27De novo, Pedro negou. E no mesmo instante o galo cantou.

18.27
Jo 13.38

Jesus diante de Pilatos

Mt 27.1-2,11-14; Mc 15.1-5; Lc 23.1-5

28Depois, levaram Jesus da casa de Caifás para o Pretório.18.28 O palácio do governador Era cedo de manhã. Eles não entraram no Pretório para não se contaminar, pois somente assim poderiam comer a Páscoa. 29Então Pilatos saiu para falar com eles e perguntou:

— Que acusação vocês trazem contra este homem?

30Eles responderam:

— Se este não fosse malfeitor, não o teríamos entregue ao senhor.

31Então Pilatos disse:

— Levem-no daqui e julguem-no segundo a lei de vocês.

Ao que os judeus responderam:

— Não nos é lícito matar ninguém.

32Isso aconteceu para que se cumprisse a palavra de Jesus, significando com que tipo de morte estava para morrer.

18.32
Jo 3.14
12.33

33Pilatos entrou novamente no Pretório, chamou Jesus e lhe perguntou:

— Você é o rei dos judeus?

34Jesus respondeu:

— Esta pergunta vem do senhor mesmo ou foram outros que lhe falaram a meu respeito?

35Pilatos respondeu:

— Por acaso sou judeu? A sua própria gente e os principais sacerdotes é que o entregaram a mim. Que foi que você fez?

36Jesus respondeu:

— O meu Reino não é deste mundo.

18.36
Jo 8.23
Se o meu Reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas agora o meu Reino não é daqui.

37Pilatos perguntou:

— Então você é rei?

Jesus respondeu:

— O senhor está dizendo que sou rei. Eu para isso nasci e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz.

38Pilatos perguntou:

— O que é a verdade?

18.38
Jo 14.6

Jesus é condenado à morte

Mt 27.15-31; Mc 15.6-20; Lc 23.13-25

Depois de dizer isso, Pilatos voltou aos judeus e lhes disse:

— Eu não acho nele crime algum. 39Mas é costume entre vocês que eu solte alguém por ocasião da Páscoa. Vocês querem que eu lhes solte o rei dos judeus?

40Então todos gritaram, novamente:

— Não este, mas Barrabás!

Ora, Barrabás era salteador.