Nova Almeida Atualizada (2017) (NAA)
21

Profecia contra a Babilônia

211Sentença contra o deserto junto ao mar.

Como as tempestades vêm do Sul,

ele virá do deserto,

de uma terra horrível.

2Uma visão terrível

me foi anunciada:

o traidor procede traiçoeiramente,

e o destruidor anda destruindo.

Ao ataque, ó Elão!

Feche o cerco, ó Média!

Já fiz cessar todo gemido.

3Por isso, os meus lombos estão

cheios de angústia;

tive dores como as dores da mulher

que está dando à luz;

21.3
Is 13.8

contorço-me de dores

e não posso ouvir,

desfaleço e não posso ver.

4O meu coração bate forte,

o horror me apavora;

o crepúsculo que eu aguardava

só me trouxe tremor.

5Põe-se a mesa,

estendem-se tapetes,

come-se e bebe-se.

Levantem-se, príncipes,

e untem os escudos.

6Porque assim me disse o Senhor:

“Vá e ponha uma sentinela,

que fique olhando

e anuncie o que enxergar.

7Se ela enxergar

uma tropa de cavaleiros

de dois a dois,

uma tropa de jumentos

e uma tropa de camelos,

ela que escute atentamente,

com muita atenção.”

8Então o que estava olhando gritou:

“Senhor, durante o dia

estou continuamente

sobre a torre de vigia

e fico de guarda

durante noites inteiras.

9Eis que agora vem

uma tropa de homens,

cavaleiros de dois a dois.”

Então ele ergueu a voz e disse:

“Caiu! Babilônia caiu!

21.9
Ap 14.8
18.2

Todas as imagens de escultura

dos seus deuses

jazem despedaçadas no chão!”

10Ah, meu povo, debulhado e batido

como o trigo na eira!

O que ouvi do Senhor dos Exércitos,

o Deus de Israel,

isso lhes anunciei.

Profecia contra Dumá

11Sentença contra Dumá.

Alguém me chama desde Seir:

“Guarda, falta muito

para acabar a noite?

Guarda, falta muito?”

12O guarda responde:

“O dia vai chegar, e também a noite.

Se quiserem perguntar de novo,

voltem e perguntem.”

Profecia contra a Arábia

13Sentença contra a Arábia.

Nos bosques da Arábia,

vocês passarão a noite,

ó caravanas de dedanitas.

14Levem água para os sedentos.

Ó moradores da terra de Tema,

levem pão aos fugitivos.

15Porque eles fogem da espada,

da espada desembainhada,

do arco entesado

e do furor da guerra.

16Porque assim me disse o Senhor:

— Dentro de exatamente um ano, toda a glória de Quedar desaparecerá. 17E o que restar do número dos flecheiros, homens valentes dos filhos de Quedar, será diminuto, porque assim o disse o Senhor, o Deus de Israel.

22

Profecia contra Jerusalém

221Sentença contra o vale da Visão.

O que aconteceu,

para que todo o seu povo

esteja subindo aos terraços?

2Você estava cheia de aclamações,

era uma cidade barulhenta,

cidade cheia de alegria!

Os seus mortos

não foram mortos à espada,

nem morreram na guerra.

3Todos os seus chefes

fugiram na mesma hora

e foram presos sem que

fosse atirada uma só flecha.

Todos os moradores

que foram encontrados

foram presos,

apesar de já estarem longe na fuga.

4Portanto, digo:

“Não olhem para mim;

deixem-me chorar amargamente.

Não insistam em querer consolar-me

por causa da ruína

da filha do meu povo.”

22.4
Jr 9.1

5Porque este é um dia de tumulto,

pisoteamento e alvoroço

da parte do Senhor,

o Senhor dos Exércitos,

no vale da Visão:

um derrubar de muralhas

e um clamor que vai até os montes.

6Porque Elão pegou a sua aljava

e vem com carros de guerra

e cavaleiros;

e Quir prepara os escudos.

7Os seus formosos vales

se encheram de carros de guerra,

e os cavaleiros se posicionaram

junto ao portão.

8Foi-se a proteção de Judá.

Naquele dia, vocês olharam para as armas da Casa do Bosque.

22.8
1Rs 7.2
10.17
9Notaram as brechas da Cidade de Davi, que eram muitas, e ajuntaram água no tanque inferior.
22.9
2Rs 20.20
10Também contaram as casas de Jerusalém e derrubaram algumas delas, para reforçar a muralha. 11Também construíram um reservatório entre as duas muralhas para as águas do tanque velho.

Mas vocês não olharam para aquele

que fez essas coisas,

nem levaram em conta aquele

que há muito as formou.

12Naquele dia, o Senhor,

o Senhor dos Exércitos,

os convidava para chorar, prantear,

rapar a cabeça e vestir roupa

feita de pano de saco.

13Porém, o que se viu

era só festa e alegria.

Vocês mataram bois,

degolaram ovelhas,

comeram carne,

beberam vinho e disseram:

“Comamos e bebamos,

porque amanhã morreremos.”

22.13
1Co 15.32

14Mas o Senhor dos Exércitos me revelou o seguinte:

“Certamente essa maldade

não será perdoada,

até que vocês morram, diz o Senhor,

o Senhor dos Exércitos.”

Sebna é removido do ofício. Eliaquim é exaltado

15Assim diz o Senhor, o Senhor dos Exércitos:

— Vá falar com esse administrador, com Sebna,

22.15
2Rs 18.18
o responsável pelo palácio, e pergunte-lhe: 16“O que você está fazendo aqui? Ou que parente você tem aqui, para que abra aqui uma sepultura para você, lavrando num lugar elevado a sua sepultura, escavando na rocha a sua própria morada? 17Eis que como homem forte o Senhor vai jogar você para bem longe. Ele o pegará com firmeza 18e o fará rolar como uma bola, lançando-o numa terra espaçosa. Ali você morrerá, e ali acabarão os carros da sua glória. Pois você é a vergonha da casa do seu senhor. 19Eu vou removê-lo do seu ofício, e você será derrubado da sua posição.”

20— Naquele dia, chamarei o meu servo Eliaquim, filho de Hilquias. 21Eu o vestirei com a túnica que você usava, irei cingi-lo com a faixa que era sua e lhe entregarei nas mãos o poder que você tinha. Ele será como um pai para os moradores de Jerusalém e para a casa de Judá. 22Porei sobre o ombro dele a chave

22.22
Ap 3.7
da casa de Davi. Ele abrirá, e ninguém fechará; fechará, e ninguém abrirá. 23Vou fincá-lo como estaca em lugar firme, e ele será como um trono de honra para a casa de seu pai. 24Nele, pendurarão toda a glória da casa de seu pai, a prole e os descendentes, todos os utensílios menores, desde as taças até os jarros. 25Naquele dia, diz o Senhor dos Exércitos, a estaca que tinha sido fincada em lugar firme será tirada, será arrancada e cairá, e a carga que nela estava se desprenderá, porque o Senhor o disse.

23

Profecia contra Tiro

231Sentença contra Tiro.

Lamentem, navios de Társis,

porque Tiro foi destruída,

a ponto de não haver nela

casa nenhuma,

nem ancoradouro.

Da terra de Chipre

lhes foi revelado isto.

2Calem-se, moradores do litoral,

vocês que foram enriquecidos

pelos mercadores de Sidom,

navegando pelo mar.

3Através das vastas águas,

você recebeu

o cereal dos canais do Egito

e a colheita do Nilo,

e você, ó Tiro, se tornou

a feira das nações.

4Fique envergonhada, ó Sidom,

porque o mar, a fortaleza do mar,

fala, dizendo:

“Não tive dores de parto,

não dei à luz,

não criei rapazes,

nem eduquei moças.”

5Quando a notícia a respeito de Tiro

chegar ao Egito,

eles ficarão angustiados.

6Fujam para Társis!

Lamentem, moradores do litoral.

7É esta a cidade de vocês

que andava exultante,

cuja origem é de tempos antigos,

cujos pés a levaram até longe

para se estabelecer?

8Quem decretou isso contra Tiro,

a cidade distribuidora de coroas,

cujos mercadores são príncipes

e cujos negociantes

são os mais nobres da terra?

9O Senhor dos Exércitos

decretou isso,

para abater o orgulho de toda beleza

e humilhar os mais nobres da terra.

23.9
Is 2.11
13.11

10Percorra livremente

como o rio Nilo a sua terra,

ó filha de Társis;

já não há quem a restrinja.

11O Senhor estendeu a mão

sobre o mar

e abalou os reinos;

23.11
Is 14.26

deu ordens contra Canaã,

para que as suas fortalezas

fossem destruídas.

12Ele disse: “Nunca mais

você irá se alegrar,

ó oprimida virgem filha de Sidom!

Levante-se, vá até Chipre,

mas nem ali você terá descanso.”

13Eis a terra dos caldeus, povo que não existe mais e que a Assíria havia destinado para os animais do deserto. Eles levantaram suas torres, arrasaram os palácios de Tiro e a deixaram em ruínas.

14Lamentem, navios de Társis,

porque aquela que era

a fortaleza de vocês

foi destruída!

15Naquele dia, Tiro ficará no esquecimento por setenta anos, o tempo de vida de um rei. Mas no fim dos setenta anos acontecerá com Tiro o que diz a canção da prostituta:

16“Pegue a harpa, rodeie a cidade,

ó prostituta esquecida;

toque bem, cante muitas canções,

para que se lembrem de você.”

17Passados os setenta anos, o Senhor se lembrará de Tiro, e ela voltará ao seu ofício e se prostituirá com todos os reinos da terra. 18O ganho e o salário de sua impureza serão dedicados ao Senhor. Não serão armazenados, nem guardados, mas o seu ganho será para os que habitam diante do Senhor, para que tenham comida em abundância e roupas finas.

23.1-18
Ez 26.1—29.19
Jl 3.4-8
Am 1.9-10
Zc 9.3-4
Mt 11.21-22
Lc 10.13-14