Nova Almeida Atualizada (2017) (NAA)
36

Descendentes de Esaú

1Cr 1.35-37

361São estes os descendentes de Esaú, que é Edom. 2Esaú tomou

36.2
Gn 26.34
por mulheres dentre as filhas de Canaã: Ada, filha de Elom, heteu; Oolibama, filha de Aná, filho de Zibeão, heveu; 3e Basemate, filha de Ismael,
36.3
Gn 28.9
irmã de Nebaiote. 4De Ada teve Esaú um filho chamado Elifaz e de Basemate lhe nasceu Reuel. 5A Oolibama nasceu Jeús, Jalão e Corá. Estes são os filhos de Esaú, que lhe nasceram na terra de Canaã.

6Esaú tomou as suas mulheres, os seus filhos, as suas filhas, todas as pessoas de sua casa, o seu rebanho, todo o seu gado, todos os bens, tudo o que havia adquirido na terra de Canaã e os levou para outra terra, longe de seu irmão Jacó. 7Porque os bens deles eram muitos para habitarem juntos e a terra de suas peregrinações não os podia sustentar por causa do seu gado. 8Então Esaú, que é Edom, habitou no monte Seir.

9Esta é a descendência de Esaú, pai dos edomitas, no monte Seir. 10São estes os nomes dos filhos de Esaú: Elifaz, filho de Ada, mulher de Esaú; Reuel, filho de Basemate, mulher de Esaú. 11Os filhos de Elifaz foram: Temã, Omar, Zefô, Gaetã e Quenaz. 12Timna era concubina de Elifaz, filho de Esaú; ela deu à luz Amaleque. Estes são os filhos de Ada, mulher de Esaú. 13E os filhos de Reuel são estes: Naate, Zerá, Samá e Mizá; estes foram os filhos de Basemate, mulher de Esaú. 14E são estes os filhos de Oolibama, filha de Aná, filho de Zibeão, mulher de Esaú; ela deu a Esaú: Jeús, Jalão e Corá.

15São estes os chefes dos filhos de Esaú; os filhos de Elifaz, o primogênito de Esaú: os chefes Temã, Omar, Zefô, Quenaz, 16Corá, Gaetã, Amaleque. Estes são os chefes que nasceram a Elifaz na terra de Edom; são os filhos de Ada.

17São estes os filhos de Reuel, filho de Esaú: os chefes Naate, Zerá, Samá e Mizá. Estes são os chefes que nasceram a Reuel na terra de Edom; são os filhos de Basemate, mulher de Esaú.

18São estes os filhos de Oolibama, mulher de Esaú: os chefes Jeús, Jalão e Corá. Estes são os chefes que descendem de Oolibama, filha de Aná e mulher de Esaú. 19São estes os filhos de Esaú, isto é, Edom, e esses são os seus chefes.

Descendentes de Seir

1Cr 1.38-42

20São estes os filhos de Seir, o horeu, moradores da terra: Lotã, Sobal, Zibeão e Aná, 21Disom, Eser e Disã. Estes são os chefes dos horeus, filhos de Seir na terra de Edom.

22Os filhos de Lotã são Hori e Homã; a irmã de Lotã é Timna.

23São estes os filhos de Sobal: Alvã, Manaate, Ebal, Sefô e Onã.

24São estes os filhos de Zibeão: Aiá e Aná; este é o Aná que achou as fontes termais no deserto, quando apascentava os jumentos de Zibeão, seu pai.

25São estes os filhos de Aná: Disom e Oolibama, a filha de Aná. 26Estes são os filhos de Disom: Hendã, Esbã, Itrã e Querã.

27São estes os filhos de Eser: Bilã, Zaavã e Acã.

28São estes os filhos de Disã: Uz e Arã.

29São estes os chefes dos horeus: Lotã, Sobal, Zibeão, Aná, 30Disom, Eser e Disã. Estes são os chefes dos horeus na terra de Seir.

Reis e chefes de Edom

1Cr 1.43-54

31São estes os reis que reinaram na terra de Edom, antes que houvesse rei sobre os filhos de Israel. 32Em Edom reinou Belá, filho de Beor, e o nome da sua cidade era Dinabá. 33Belá morreu, e, em seu lugar, reinou Jobabe, filho de Zerá, de Bozra. 34Morreu Jobabe, e, em seu lugar, reinou Husão, da terra dos temanitas. 35Morreu Husão, e, em seu lugar, reinou Hadade, filho de Bedade, o que derrotou Midiã no campo de Moabe. O nome da sua cidade era Avite. 36Morreu Hadade, e, em seu lugar, reinou Samlá, de Masreca. 37Morreu Samlá, e, em seu lugar, reinou Saul, de Reobote, junto ao Eufrates. 38Morreu Saul, e, em seu lugar, reinou Baal-Hanã, filho de Acbor. 39Morreu Baal-Hanã, filho de Acbor, e, em seu lugar, reinou Hadar. O nome de sua cidade era Paú, e o de sua mulher era Meetabel, filha de Matrede, filha de Me-Zaabe.

40São estes os nomes dos chefes de Esaú, segundo as suas famílias, os seus lugares e os seus nomes: os chefes Timna, Alva, Jetete, 41Oolibama, Elá, Pinom, 42Quenaz, Temã, Mibzar, 43Magdiel e Irã. Estes são os chefes de Edom, segundo as suas habitações na terra que possuíam. Este é Esaú, pai dos edomitas.

37

José e seus irmãos

371Jacó habitou na terra das peregrinações de seu pai, na terra de Canaã. 2Esta é a história de Jacó.

Quando José tinha dezessete anos, apascentava os rebanhos com os seus irmãos. Sendo ainda jovem, acompanhava os filhos de Bila e os filhos de Zilpa, mulheres de seu pai; e trazia más notícias deles a seu pai.

3Ora, Israel amava mais José do que todos os seus outros filhos, porque era filho da sua velhice; e mandou fazer para ele uma túnica talar de mangas compridas. 4Quando os seus irmãos viram que o pai o amava mais do que todos os outros filhos, odiaram-no e já não podiam falar com ele de forma pacífica.

5José teve um sonho e o contou aos seus irmãos; por isso, o odiaram ainda mais. 6Ele lhes disse:

— Peço que ouçam o sonho que tive. 7Sonhei que estávamos amarrando feixes no campo, e eis que o meu feixe se levantou e ficou em pé, enquanto os feixes de vocês o rodeavam e se inclinavam diante do meu.

8Então os irmãos lhe disseram:

— Você pensa que vai mesmo reinar sobre nós? Pensa que realmente dominará sobre nós?

E com isso o odiavam ainda mais, por causa dos seus sonhos e de suas palavras.

9José teve ainda outro sonho, que ele contou aos seus irmãos, dizendo:

— Sonhei também que o sol, a lua e onze estrelas se inclinavam diante de mim.

10Quando José contou esse sonho ao pai e aos seus irmãos, o pai o repreendeu, dizendo:

— Que sonho é esse que você teve? Você está querendo dizer que eu, a sua mãe e os seus irmãos iremos e nos inclinaremos até o chão diante de você?

11Os irmãos tinham inveja dele;

37.11
At 7.9
o pai, no entanto, guardou aquilo no coração.

José é vendido e levado para o Egito

12Como os irmãos foram apascentar o rebanho do pai, em Siquém, 13Israel perguntou a José:

— Os seus irmãos não estão apascentando o rebanho em Siquém? Venha, pois vou mandar você até eles.

José respondeu:

— Eis-me aqui.

14Israel continuou:

— Vá, agora, e veja se está tudo bem com os seus irmãos e com o rebanho; e traga-me notícias.

Assim, o enviou do vale de Hebrom, e ele foi a Siquém. 15E um homem encontrou José, que andava errante pelo campo, e lhe perguntou:

— O que você está procurando?

16Ele respondeu:

— Estou procurando os meus irmãos. Por favor, pode me dizer onde eles estão apascentando o rebanho?

17O homem respondeu:

— Foram embora daqui. Ouvi quando disseram: “Vamos a Dotã.”

Então José seguiu atrás dos irmãos e os encontrou em Dotã. 18De longe eles o viram e, antes que chegasse, conspiraram contra ele para o matar. 19Disseram uns aos outros:

— Lá vem o grande sonhador! 20Venham, pois, agora, vamos matá-lo e jogar o corpo numa destas cisternas. Diremos que um animal selvagem o devorou. Vejamos em que vão dar os sonhos dele.

21Mas Rúben, ouvindo isso, livrou-o das mãos deles e disse:

— Não lhe tiremos a vida.

22Rúben disse mais:

— Não derramem sangue. Joguem o rapaz naquela cisterna que está no deserto, e não lhe façam mal.

Rúben disse isto para o livrar deles, a fim de levá-lo de volta ao pai. 23Mas, logo que José chegou a seus irmãos, despiram-no da túnica, a túnica talar de mangas compridas que trazia, 24e o jogaram na cisterna. A cisterna estava vazia, sem água.

25Depois sentaram-se para comer. Levantando os olhos, viram que uma caravana de ismaelitas vinha de Gileade.

37.25
Jr 8.22
46.11
Seus camelos traziam especiarias, bálsamo e mirra, que levavam para o Egito. 26Então Judá disse aos irmãos:

— O que vamos ganhar se matarmos o nosso irmão e depois escondermos a sua morte? 27Venham, vamos vendê-lo aos ismaelitas. Não lhe façamos mal, pois é nosso irmão, é do nosso sangue.

Seus irmãos concordaram. 28E, quando os mercadores midianitas passaram, os irmãos de José o tiraram da cisterna e o venderam

37.28
At 7.9
aos ismaelitas por vinte moedas de prata. E os ismaelitas levaram José para o Egito.

29Quando Rúben voltou à cisterna, eis que José não estava nela; então rasgou as suas roupas. 30E, voltando aos seus irmãos, disse:

— O rapaz não está mais lá! E agora, o que eu vou fazer?

31Então pegaram a túnica de José, mataram um bode e molharam a túnica no sangue. 32E enviaram a túnica de mangas compridas ao pai com este recado:

— Achamos isto. Veja se é ou não a túnica de seu filho.

33Ele a reconheceu e disse:

— É a túnica de meu filho. Um animal selvagem o devorou. Certamente José foi despedaçado.

34Então Jacó rasgou as suas roupas, vestiu-se de pano de saco e lamentou o filho durante muitos dias. 35Todos os seus filhos e todas as suas filhas vieram, para o consolar; ele, porém, recusou ser consolado e disse:

— Chorando, descerei à sepultura para junto do meu filho.

E continuou a chorar pelo filho.

36Enquanto isso, no Egito, os midianitas venderam José a Potifar, oficial de Faraó, comandante da guarda.

38

Judá e Tamar

381Aconteceu, por esse tempo, que Judá se afastou de seus irmãos e se hospedou na casa de um adulamita, chamado Hira. 2Ali Judá viu a filha de um cananeu, chamado Sua; ele a tomou por mulher e teve relações com ela. 3A mulher ficou grávida e deu à luz um filho, e Judá lhe deu o nome de Er. 4Ela ficou grávida outra vez e deu à luz um filho, a quem ela deu o nome de Onã. 5Mais uma vez ela ficou grávida e deu à luz outro filho, a quem ela chamou de Selá. Ela estava em Quezibe quando o teve.

6Judá tomou uma esposa para Er, o seu primogênito; o nome dela era Tamar. 7No entanto, Er, o primogênito de Judá, era mau aos olhos do Senhor, e por isso o Senhor fez com que ele morresse. 8Então Judá disse a Onã:

— Tenha relações com a mulher do seu irmão, cumpra a obrigação de cunhado e dê uma descendência ao seu irmão.

38.8
Dt 25.5-6
Mt 22.24

9Mas Onã sabia que o filho não seria considerado seu. Por isso, todas as vezes que tinha relações com a mulher de seu irmão deixava o sêmen cair na terra, para não dar descendência a seu irmão. 10Isso, porém, que fazia, era mau aos olhos do Senhor, e por isso fez com que também este morresse. 11Então Judá disse a Tamar, sua nora:

— Continue viúva na casa de seu pai, até que Selá, meu filho, cresça.

Pois Judá pensava assim: “É para que não morra também este, como os seus irmãos.” Assim, Tamar se foi, passando a morar na casa do pai dela.

12Algum tempo depois morreu a mulher de Judá, que era filha de Sua. Quando terminou o período de luto, Judá foi até onde estavam os tosquiadores de suas ovelhas, em Timna, ele e seu amigo Hira, o adulamita. 13E alguém foi dizer a Tamar:

— Eis que o seu sogro está a caminho de Timna, para tosquiar as ovelhas.

14Então ela tirou as suas roupas de viúva, e, cobrindo-se com um véu, se disfarçou e se sentou à entrada de Enaim, no caminho de Timna. Porque ela sabia que Selá já era homem, e ela não lhe havia sido dada por mulher. 15Quando Judá a viu, pensou que se tratava de uma prostituta, pois ela havia coberto o rosto. 16Então se dirigiu a ela no caminho e lhe disse:

— Venha, quero ter relações com você!

Acontece que ele não sabia que ela era a sua nora. Ela respondeu:

— O que você me dá para ter relações comigo?

17Ele respondeu:

— Eu mando para você um cabrito do meu rebanho.

Ela perguntou:

— Você deixa comigo alguma garantia até mandar o cabrito?

18Ele respondeu:

— Que garantia posso deixar com você?

Ela disse:

— O seu selo, o seu cordão e o cajado que você tem na mão.

Ele lhe deu os objetos, teve relações com ela, e ela ficou grávida dele. 19Tamar se levantou e foi embora. Tirou o véu e pôs outra vez as suas roupas de viúva.

20Judá enviou o cabrito, por meio do adulamita, seu amigo, para reaver a garantia que tinha deixado com a mulher, mas ele não a encontrou. 21Então o amigo de Judá perguntou aos homens daquele lugar:

— Onde está a prostituta cultual que costumava ficar junto ao caminho de Enaim?

Responderam:

— Aqui não havia nenhuma prostituta cultual.

22Ele voltou a Judá e disse:

— Não encontrei a mulher. E além disso os homens do lugar me disseram que lá nunca houve nenhuma prostituta cultual.

23Judá respondeu:

— Que ela fique com aquelas coisas para si, para que não venhamos a passar vergonha. Eis que mandei o cabrito, mas você não encontrou a mulher.

24Passados quase três meses, foram dizer a Judá:

— A sua nora Tamar se prostituiu, pois está grávida.

Ao que Judá respondeu:

— Tragam-na para fora para que seja queimada.

38.24
Lv 21.9

25Quando a estavam trazendo para fora, ela mandou dizer ao sogro:

— Eu estou grávida do homem a quem pertencem estas coisas.

E disse mais:

— Veja se reconhece de quem é este selo, este cordão e este cajado.

26Judá os reconheceu e disse:

— Ela é mais justa do que eu, porque não a dei a Selá, meu filho.

E nunca mais teve relações com ela.

27E aconteceu que, estando ela para dar à luz, havia gêmeos no seu ventre. 28Ao nascerem, um pôs a mão para fora, e a parteira, tomando-a, amarrou nela um fio vermelho, dizendo:

— Este saiu primeiro.

29Mas, recolhendo ele a mão, o outro nasceu primeiro. E a parteira disse:

— Como você rompeu a saída?

E lhe deram o nome de Perez.38.29 Perez significa “abrir caminho” 30Depois nasceu o irmão, em cuja mão estava o fio vermelho. E lhe deram o nome de Zera.38.30 Zera parece estar relacionado com uma palavra hebraica que significa “vermelho”

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]