Nova Almeida Atualizada (2017) (NAA)
2

A lista dos que voltaram da Babilônia

Ne 7.5-73

21Estes são os filhos da província que voltaram do cativeiro, do meio dos exilados que Nabucodonosor, rei da Babilônia, tinha levado para lá. Eles voltaram para Jerusalém e para Judá, cada um para a sua cidade, 2e vieram com Zorobabel, Jesua, Neemias, Seraías, Reelaías, Mordecai, Bilsã, Mispar, Bigvai, Reum e Baaná.

Eis o número dos homens do povo de Israel: 3os filhos de Parós, dois mil cento e setenta e dois. 4Os filhos de Sefatias, trezentos e setenta e dois. 5Os filhos de Ará, setecentos e setenta e cinco. 6Os filhos de Paate-Moabe, dos filhos de Jesua-Joabe, dois mil oitocentos e doze. 7Os filhos de Elão, mil duzentos e cinquenta e quatro. 8Os filhos de Zatu, novecentos e quarenta e cinco. 9Os filhos de Zacai, setecentos e sessenta. 10Os filhos de Bani, seiscentos e quarenta e dois. 11Os filhos de Bebai, seiscentos e vinte e três. 12Os filhos de Azgade, mil duzentos e vinte e dois. 13Os filhos de Adonicão, seiscentos e sessenta e seis. 14Os filhos de Bigvai, dois mil e cinquenta e seis. 15Os filhos de Adim, quatrocentos e cinquenta e quatro. 16Os filhos de Ater, da família de Ezequias, noventa e oito. 17Os filhos de Bezai, trezentos e vinte e três. 18Os filhos de Jora, cento e doze. 19Os filhos de Hasum, duzentos e vinte e três. 20Os filhos de Gibar, noventa e cinco.

21Os filhos de Belém, cento e vinte e três. 22Os homens de Netofa, cinquenta e seis. 23Os homens de Anatote, cento e vinte e oito. 24Os filhos de Azmavete, quarenta e dois. 25Os filhos de Quiriate-Arim, Cefira e Beerote, setecentos e quarenta e três. 26Os filhos de Ramá e de Geba, seiscentos e vinte e um. 27Os homens de Micmás, cento e vinte e dois. 28Os homens de Betel e Ai, duzentos e vinte e três. 29Os filhos de Nebo, cinquenta e dois. 30Os filhos de Magbis, cento e cinquenta e seis. 31Os filhos do outro Elão, mil duzentos e cinquenta e quatro. 32Os filhos de Harim, trezentos e vinte. 33Os filhos de Lode, Hadide e Ono, setecentos e vinte e cinco. 34Os filhos de Jericó, trezentos e quarenta e cinco. 35Os filhos de Senaá, três mil seiscentos e trinta.

36Os sacerdotes: os filhos de Jedaías, da casa de Jesua, novecentos e setenta e três. 37Os filhos de Imer, mil e cinquenta e dois. 38Os filhos de Pasur, mil duzentos e quarenta e sete. 39Os filhos de Harim, mil e dezessete.

40Os levitas: os filhos de Jesua e Cadmiel, dos filhos de Hodavias, setenta e quatro.

41Os cantores: os filhos de Asafe, cento e vinte e oito.

42Os filhos dos porteiros: os filhos de Salum, os filhos de Ater, os filhos de Talmom, os filhos de Acube, os filhos de Hatita, os filhos de Sobai; cento e trinta e nove ao todo.

43Os servidores do templo: os filhos de Zia, os filhos de Hasufa, os filhos de Tabaote, 44os filhos de Queros, os filhos de Sia, os filhos de Padom, 45os filhos de Lebana, os filhos de Hagaba, os filhos de Acube, os filhos de Hagabe, 46os filhos de Sanlai, os filhos de Hanã, 47os filhos de Gidel, os filhos de Gaar, os filhos de Reaías, 48os filhos de Rezim, os filhos de Necoda, os filhos de Gazão, 49os filhos de Uzá, os filhos de Paseia, os filhos de Besai, 50os filhos de Asná, os filhos dos meunitas, os filhos dos nefuseus, 51os filhos de Baquebuque, os filhos de Hacufa, os filhos de Harur, 52os filhos de Baslute, os filhos de Meída, os filhos de Harsa, 53os filhos de Barcos, os filhos de Sísera, os filhos de Temá, 54os filhos de Nesias e os filhos de Hatifa.

55Os filhos dos servos de Salomão: os filhos de Sotai, os filhos de Soferete, os filhos de Peruda, 56os filhos de Jaala, os filhos de Darcom, os filhos de Gidel, 57os filhos de Sefatias, os filhos de Hatil, os filhos de Poquerete-Hazebaim e os filhos de Ami. 58Todos os servidores do templo e os filhos dos servos de Salomão eram trezentos e noventa e dois.

59Os seguintes voltaram de Tel-Melá, Tel-Harsa, Querube, Adã e Imer, porém não puderam provar que as suas famílias e a sua linhagem eram de Israel: 60os filhos de Delaías, os filhos de Tobias, os filhos de Necoda, seiscentos e cinquenta e dois. 61Dos filhos dos sacerdotes: os filhos de Habaías, os filhos de Coz, os filhos de Barzilai, que tinha casado com uma das filhas de Barzilai, o gileadita, e que foi chamado pelo nome dele. 62Estes procuraram o seu registro nos livros genealógicos, porém não acharam; por isso, foram considerados impuros para o sacerdócio. 63O governador lhes disse que não comessem das coisas sagradas, até que se levantasse um sacerdote capaz de decidir a questão por meio de Urim

2.63
Êx 28.30
e Tumim.

64Toda esta congregação junta era de quarenta e dois mil trezentos e sessenta, 65além dos seus servos e as suas servas, que eram sete mil trezentos e trinta e sete. Havia também duzentos cantores e cantoras. 66Os seus cavalos eram setecentos e trinta e seis; as suas mulas, duzentas e quarenta e cinco. 67Os seus camelos eram quatrocentos e trinta e cinco e os jumentos, seis mil setecentos e vinte.

68Alguns dos chefes de famílias, ao chegarem à Casa do Senhor, em Jerusalém, deram ofertas voluntárias para a Casa de Deus, para a restaurarem no seu antigo lugar. 69Segundo os seus recursos, deram para o tesouro da obra meia tonelada de ouro, três toneladas de prata e cem vestes sacerdotais.

70Os sacerdotes,

2.70
1Cr 9.2
Ne 11.3
os levitas, algumas pessoas do povo, os cantores, os porteiros e os servidores do templo foram morar nas suas cidades, assim como todo o Israel.

3

O altar é edificado

31Quando chegou o sétimo mês e os filhos de Israel já estavam morando nas suas cidades, o povo se reuniu, como um só homem, em Jerusalém. 2Então levantou-se Jesua, filho de Jozadaque, e seus irmãos, sacerdotes, e Zorobabel, filho de Sealtiel, e seus irmãos e edificaram o altar

3.2
Êx 27.1
do Deus de Israel, para oferecerem holocaustos sobre ele, como está escrito na Lei de Moisés, homem de Deus. 3Firmaram o altar sobre as suas bases; e, apesar de estarem sob o terror dos povos de outras terras, ofereceram sobre ele holocaustos ao Senhor, de manhã e de tarde. 4Celebraram a Festa dos Tabernáculos,
3.4
Nm 29.12-38
como está escrito, e ofereceram holocaustos diários, segundo o número ordenado para cada dia. 5Depois disto, ofereceram o holocausto contínuo
3.5
Nm 28.1—29.11
e os sacrifícios das Festas da Lua Nova e de todas as festas fixas do Senhor, bem como os sacrifícios dos que traziam ofertas voluntárias ao Senhor. 6Desde o primeiro dia do sétimo mês, começaram a oferecer holocaustos ao Senhor, embora ainda não tivessem sido postos os fundamentos do templo do Senhor.

Os alicerces do templo são lançados

7Então deram dinheiro aos pedreiros e aos carpinteiros, bem como comida, bebida e azeite aos homens de Tiro e de Sidom, para trazerem do Líbano madeira de cedro até o mar, até Jope, segundo a permissão que lhes tinha dado Ciro, rei da Pérsia.

8No segundo ano depois que eles voltaram à Casa de Deus, em Jerusalém, no segundo mês, Zorobabel, filho de Sealtiel, e Jesua, filho de Jozadaque, e os seus outros irmãos, sacerdotes e levitas, e todos os que voltaram do cativeiro a Jerusalém puseram mãos à obra e constituíram levitas com mais de vinte anos para supervisionar a reconstrução da Casa do Senhor. 9Então se apresentaram Jesua com os seus filhos e os seus irmãos, Cadmiel e os seus filhos, os filhos de Judá, para juntamente supervisionarem os que faziam a obra na Casa de Deus, bem como os filhos de Henadade, seus filhos e seus irmãos, os levitas.

10Quando os construtores lançaram os alicerces do templo do Senhor, apresentaram-se os sacerdotes, paramentados e com trombetas, e os levitas, filhos de Asafe,

3.10
1Cr 25.1
com címbalos, para louvarem o Senhor, segundo as instruções deixadas por Davi, rei de Israel. 11Cantavam responsivamente, louvando e dando graças ao Senhor, com estas palavras:

“Ele é bom,

porque a sua misericórdia

dura para sempre sobre Israel.”

3.11
1Cr 16.34

E todo o povo jubilou com altas vozes, louvando o Senhor por terem sido lançados os alicerces da Casa do Senhor. 12Porém muitos dos sacerdotes, levitas e chefes de famílias, já idosos, que tinham visto o primeiro templo, choraram em alta voz quando, diante de seus olhos, foram lançados os alicerces deste templo;

3.12
Ag 2.3
muitos, no entanto, levantaram as vozes com gritos de alegria. 13E assim não se podiam distinguir as vozes de alegria das vozes do choro do povo; pois o povo gritava tão alto, que as vozes se ouviam de longe.

4

Os inimigos fazem parar as obras

41Quando os adversários de Judá e Benjamim ouviram que os que haviam voltado do cativeiro estavam reconstruindo o templo ao Senhor, Deus de Israel, 2aproximaram-se de Zorobabel e dos chefes de famílias e lhes disseram:

— Deixem-nos ajudar na construção, porque buscamos o mesmo Deus que vocês buscam. Já temos oferecido sacrifícios a ele desde os dias de Esar-Hadom, rei da Assíria, que nos fez vir para este lugar.

4.2
2Rs 17.24-41

3Porém Zorobabel, Jesua e os outros chefes de famílias de Israel responderam:

— Vocês não têm nada a ver conosco na construção do templo ao nosso Deus. Nós mesmos, sozinhos, vamos construí-lo ao Senhor, Deus de Israel, como Ciro, rei da Pérsia, nos ordenou.

4Então o povo da terra começou a desanimar o povo de Judá, perturbando-o no trabalho de construção. 5Contrataram conselheiros para frustrar o plano deles. Fizeram isso durante todo o reinado de Ciro, rei da Pérsia, até o reinado de Dario, rei da Pérsia.

6No começo do reinado de Assuero,

4.6
Et 1.1
escreveram uma acusação contra os habitantes de Judá e de Jerusalém. 7E, nos dias de Artaxerxes, rei da Pérsia, Bislão, Mitredate, Tabeel e os outros companheiros escreveram uma carta a Artaxerxes. A carta foi escrita em aramaico4.7 No original, o texto de 4.8 até 6.18 está em aramaico, em vez de hebraico e traduzida. 8Reum, o comandante, e Sinsai, o escrivão, escreveram uma carta ao rei Artaxerxes contra Jerusalém.

9Os que escreveram foram Reum, o comandante, Sinsai, o escrivão, e os outros companheiros: dinaítas, afarsaquitas, tarpelitas, afarsitas, arquevitas, babilônios, susanquitas, deavitas, elamitas 10e outros povos, que o grande e afamado Osnapar deportou e fez habitar na cidade de Samaria e em outros lugares deste lado do Eufrates.

11Eis o teor da carta endereçada ao rei Artaxerxes:

“Ao rei Artaxerxes, de seus servos, os homens deste lado do Eufrates e em tal tempo.

12Seja do conhecimento do rei que os judeus que saíram daí vieram a Jerusalém. Eles estão reconstruindo aquela cidade rebelde e má. Estão restaurando as muralhas e reparando os seus fundamentos. 13Saiba ainda o rei que, se aquela cidade for reconstruída e as muralhas forem restauradas, eles não pagarão os direitos, os impostos e os pedágios e assim causarão prejuízos ao rei. 14Agora, como somos assalariados do rei e não queremos ver a desonra dele, por isso mandamos este aviso ao rei, 15para que faça uma investigação no Livro das Crônicas de seus pais, e nele o rei descobrirá e saberá que aquela cidade foi rebelde e danosa aos reis e às províncias e que nela tem havido rebeliões, desde os tempos antigos; por isso a cidade foi destruída. 16Portanto, informamos ao rei que, se essa cidade for reconstruída e as suas muralhas forem restauradas, o rei não terá mais a posse das terras deste lado do Eufrates.”

17O rei mandou a seguinte resposta:

“A Reum, o comandante, a Sinsai, o escrivão, e aos seus companheiros que moram em Samaria, bem como aos demais que estão além do Eufrates: Paz!

18A carta que vocês nos mandaram foi lida com clareza na minha presença. 19Por ordem minha, fizeram uma investigação e descobriram que, desde tempos antigos, aquela cidade tem se levantado contra os reis, e nela ocorreram rebeliões e tumultos. 20Também houve reis poderosos sobre Jerusalém, que dominaram toda a região além do Eufrates, aos quais foram pagos direitos, impostos e pedágios. 21Agora, deem uma ordem para que aqueles homens parem o trabalho e aquela cidade não seja reconstruída, a não ser com autorização minha. 22Tenham cuidado e não sejam negligentes nestas coisas. Por que aumentaria o dano, em prejuízo dos reis?”

23Depois que a cópia da carta do rei Artaxerxes foi lida diante de Reum, de Sinsai, o escrivão, e dos seus companheiros, eles foram depressa a Jerusalém, aos judeus, e, de mão armada, os forçaram a parar a obra.

24Assim, a obra da Casa de Deus, em Jerusalém, foi interrompida; e isso até o segundo ano do reinado de Dario, rei da Pérsia.