Nova Almeida Atualizada (2017) (NAA)
17

A parábola das duas águias e da videira

171A palavra do Senhor veio a mim, dizendo:

2— Filho do homem, proponha um enigma e apresente uma parábola à casa de Israel. 3Diga: Assim diz o Senhor Deus:

“Uma grande águia,

de grandes asas,

de comprida plumagem,

cheia de penas de várias cores,

veio ao Líbano e levou

a ponta de um cedro.

4Arrancou a ponta mais alta

dos seus ramos

e a levou para uma terra

de negociantes;

na cidade de mercadores,

a deixou.

5Depois, pegou

uma semente da terra

e a plantou num campo fértil;

pegou-a e a plantou

junto às muitas águas,

como se fosse um salgueiro.

6Ela cresceu

e se tornou uma videira

de pouca altura, mas esparramada,

com os ramos virados para a águia

e as raízes debaixo dela.

Assim, ela se tornou uma videira,

e produzia ramos,

e lançava renovos.”

7“Houve outra grande águia,

de grandes asas e de muitas penas.

E eis que a videira lançou

as suas raízes

na direção dessa águia

e estendeu para ela os seus ramos,

desde o lugar

onde estava plantada,

para que a regasse.

8Ela estava plantada em boa terra,

junto a muitas águas,

para produzir ramos,

dar frutos e ser excelente videira.”

9— Diga: Assim diz o Senhor Deus:

“Será que ela vai prosperar?

Será que a primeira águia

não lhe arrancará as raízes

e não cortará o seu fruto,

para que se sequem todas as folhas

de seus renovos?

Não será necessária muita força

nem muita gente

para arrancá-la pelas raízes.

10Mas, mesmo que esteja

plantada,

será que vai prosperar?

Será que não vai

secar completamente

quando o vento leste tocar nela?

No lugar onde está plantada,

secará.”

11Então a palavra do Senhor veio a mim, dizendo:

12— Pergunte agora à casa rebelde: Será que vocês não sabem o que significa isso? Diga: Eis que o rei da Babilônia veio a Jerusalém, pegou o seu rei e os seus príncipes e os levou consigo para a Babilônia. 13Escolheu um membro da família real, fez aliança com ele e tomou dele juramento. Levou os poderosos da terra, 14para que o reino ficasse humilhado e não se levantasse, mas, guardando a sua aliança, pudesse subsistir. 15Mas ele se rebelou contra o rei da Babilônia, enviando os seus mensageiros ao Egito, para conseguir cavalos e um grande exército. Será que prosperará ou conseguirá escapar aquele que faz tais coisas? Poderá quebrar a aliança e escapar?

17.12-15
2Rs 24.15-20
2Cr 36.10-13

16— Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, no lugar em que mora o rei que o pôs no trono, cujo juramento desprezou e cuja aliança quebrou, sim, junto dele, no meio da Babilônia será morto. 17Faraó, nem com grande exército, nem com numerosa companhia, o ajudará na guerra,

17.17
Is 36.6
Jr 37.7
quando rampas e torres de ataque forem levantadas para destruir muitas vidas.
17.17
Ez 4.2
18Ele desprezou o juramento, quebrando a aliança feita com aperto de mão, e praticou todas estas coisas; por isso, não escapará.

19— Portanto, assim diz o Senhor Deus: Tão certo como eu vivo, o meu juramento que ele desprezou e a minha aliança que ele quebrou, isto farei recair sobre a sua cabeça.

17.19
Ez 16.59
20Estenderei sobre ele a minha rede, e ficará preso nas minhas malhas.
17.20
Ez 12.13
Eu o levarei para a Babilônia e ali entrarei em juízo com ele por causa da rebeldia que praticou contra mim. 21Todos os seus fugitivos, com todas as suas tropas, cairão à espada, e os que restarem serão espalhados aos quatro ventos.
17.21
2Rs 25.5
Então vocês saberão que eu, o Senhor, falei.

Uma promessa de restauração

22— Assim diz o Senhor Deus: Também eu pegarei a ponta mais alta de um cedro e a plantarei; do principal dos seus ramos cortarei o renovo mais tenro e eu mesmo o plantarei sobre um monte alto e sublime.

17.22
Ez 20.40
23No monte alto de Israel, o plantarei; ele produzirá ramos, dará frutos e se tornará um cedro excelente. Debaixo dele, viverão pássaros de todo tipo; à sombra dos seus ramos se aninharão aves de toda espécie.
17.23
Mt 13.31-32
24Todas as árvores do campo saberão que eu, o Senhor, derrubo a árvore alta e elevo a baixa, seco a árvore verde e faço reverdecer a seca.
17.24
1Sm 2.7
Ez 21.26
Lc 1.46-55
Eu, o Senhor, falei e eu o cumprirei.

18

A responsabilidade é pessoal

181A palavra do Senhor veio a mim, dizendo:

2— O que vocês querem dizer, vocês que ficam repetindo este provérbio a respeito da terra de Israel: “Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos é que se embotaram”?

18.2
Jr 31.29
Lm 5.7
3Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, vocês nunca mais repetirão esse provérbio em Israel. 4Eis que todas as pessoas são minhas. Assim como a pessoa do pai, também a pessoa do filho é minha. A pessoa que pecar, essa morrerá.

5— Se um homem é justo e age com justiça e retidão — 6não come carne sacrificada nos altos nem levanta os olhos para os ídolos da casa de Israel; não contamina a mulher do seu próximo nem tem relações com a mulher menstruada;

18.6
Lv 18.19
7não oprime ninguém, mas devolve ao devedor a coisa penhorada
18.7
Êx 22.26
e não rouba; reparte o seu pão com o faminto e cobre com roupas aquele que está nu;
18.7
Is 58.7
8não empresta para ter lucro e não cobra juros;
18.8
Lv 25.36
desvia a sua mão da injustiça e é imparcial ao julgar uma questão entre duas pessoas; 9anda nos meus estatutos e guarda os meus juízos,
18.9
Lv 18.5
procedendo retamente —, esse tal é justo e certamente viverá, diz o Senhor Deus.

10— Se ele gerar um filho ladrão, assassino, que fizer a seu irmão qualquer uma dessas coisas 11que o pai nunca cometeu, mas comer carne sacrificada nos altos, contaminar a mulher de seu próximo, 12oprimir o pobre e necessitado, praticar roubos, não devolver o penhor, levantar os olhos para os ídolos, cometer abominação, 13emprestar para ter lucro e cobrar juros, será que esse viverá? Não viverá. Ele fez todas estas abominações e será morto; é responsável pela própria morte.

14— E, se esse filho gerar um filho que veja todos os pecados que o pai cometeu, e, vendo-os, não fizer coisas semelhantes, 15não comer carne sacrificada nos altos, não levantar os olhos para os ídolos da casa de Israel, não contaminar a mulher de seu próximo, 16não oprimir ninguém, não retiver o penhor, não roubar, repartir o seu pão com o faminto, cobrir com roupas aquele que está nu, 17desviar a sua mão da injustiça, não emprestar para ter lucro nem cobrar juros, executar os meus juízos e andar nos meus estatutos, esse tal não morrerá por causa da iniquidade de seu pai; certamente viverá. 18Quanto ao pai dele, porque praticou extorsão, roubou os bens do próximo e fez o que não era bom no meio de seu povo, eis que ele morrerá por causa de sua iniquidade.

19— Mas vocês perguntam: “Por que o filho não paga pela iniquidade do pai?” Porque o filho fez o que era justo e reto. Ele guardou todos os meus estatutos e os praticou. Por isso, certamente viverá. 20A pessoa que pecar, essa morrerá. O filho não pagará pela iniquidade do pai, nem o pai pagará pela iniquidade do filho.

18.20
Dt 24.16
A justiça do justo ficará sobre ele, e a maldade do ímpio cairá sobre este.

21— Mas, se o ímpio se converter de todos os pecados que cometeu, e guardar todos os meus estatutos, e fizer o que é justo e reto, certamente viverá; não será morto. 22De todas as transgressões que cometeu, nenhuma será lembrada contra ele; pela justiça que praticou, viverá.

23— Vocês pensam que eu tenho prazer na morte do ímpio? — diz o Senhor Deus. Não desejo eu muito mais que ele se converta dos seus caminhos e viva? 24Mas, se o justo se desviar da sua justiça e fizer maldade, fazendo as mesmas abominações que o ímpio faz, será que ele viverá? De todos os atos de justiça que praticou, nenhum será lembrado; na sua transgressão com que transgrediu e no seu pecado que cometeu, neles morrerá.

25— No entanto, vocês dizem: “O caminho do Senhor não é reto.” Então escute, ó casa de Israel: Será que é o meu caminho que não é reto? Não seriam muito mais os caminhos de vocês que são tortuosos? 26Se o justo se desviar da sua justiça e fizer maldade, morrerá por causa dela; na iniquidade que cometeu, morrerá. 27Mas, se o ímpio se converter da maldade que cometeu e praticar o que é justo e reto, ele preservará a sua vida. 28Pois se ele percebe o que fez e se converte de todas as transgressões que cometeu, certamente viverá; não será morto. 29No entanto, a casa de Israel diz: “O caminho do Senhor não é reto.” Será que são os meus caminhos que não são retos, ó casa de Israel? Não seriam muito mais os caminhos de vocês que são tortuosos?

30— Portanto, eu os julgarei, cada um segundo os seus caminhos, ó casa de Israel, diz o Senhor Deus. Convertam-se e afastem-se de todas as suas transgressões, para que a iniquidade não lhes sirva de tropeço. 31Livrem-se de todas as transgressões que vocês cometeram e façam para vocês um coração novo e um espírito novo. Por que vocês haveriam de morrer, ó casa de Israel? 32Eu não tenho prazer na morte de ninguém, diz o Senhor Deus. Portanto, convertam-se e vivam.

18.21-32
Ez 33.11-20

19

A parábola do leão enjaulado

191— Quanto a você, faça uma lamentação sobre os príncipes de Israel. 2Diga:

“Que bela leoa entre os leões

era a sua mãe!

Deitada entre os leõezinhos,

criou os seus filhotes.

3Criou um dos seus filhotinhos, que,

ao se tornar um leãozinho,

aprendeu a despedaçar a presa;

chegou a devorar gente.

4Quando as nações

ouviram falar dele,

o apanharam na cova que fizeram,

e ele foi levado com ganchos

para a terra do Egito.

19.4
2Rs 23.31-34

5Vendo frustrada

e perdida a sua esperança,

a leoa pegou

outro dos seus filhotes

e o fez leãozinho.

6Este, andando entre os leões,

veio a ser um leãozinho

e aprendeu a despedaçar a presa;

chegou a devorar gente.

7Destruiu palácios

e arrasou cidades.

A terra e os seus moradores

ficaram assustados,

ao ouvirem o seu rugido.

8Então se ajuntaram contra ele

os povos das províncias vizinhas.

Estenderam sobre ele a rede,

19.8
Ez 12.13

e ele foi apanhado

na cova que fizeram.

9Com ganchos, meteram-no

dentro de uma jaula

e o levaram ao rei da Babilônia.

19.9
2Rs 24.15

Deixaram-no preso,

para que nunca mais se ouvisse

o seu rugido nos montes de Israel.”

A parábola da videira arruinada

10“Sua mãe era como uma videira

dentro da vinha,

19.10
Sl 80.8-11

plantada junto às águas;

ela frutificou

e se encheu de ramos,

por causa das muitas águas.

11Os galhos fortes se tornaram

para ela cetros de dominadores.

A sua estatura

se elevou até as nuvens,

e na sua altura era visível

com a multidão dos seus ramos.

12Mas ela foi arrancada com furor

e jogada no chão.

O vento leste

19.12
Ez 17.10
secou os seus frutos.

Seus fortes galhos

foram quebrados e secaram;

o fogo os consumiu.

13Agora, a videira está plantada

no deserto,

numa terra seca e sedenta.

14Do ramo principal saiu fogo

que consumiu o seu fruto,

de maneira que já não há nela

galho forte

que sirva de cetro para dominar.”

Esta é uma lamentação e ficará servindo de lamentação.