Nova Almeida Atualizada (2017) (NAA)
11

Davi e Bate-Seba

111Decorrido um ano, no tempo em que os reis costumam sair para a guerra, Davi enviou Joabe, seus oficiais e todo o Israel. Eles destruíram os filhos de Amom e sitiaram a cidade de Rabá. Mas Davi ficou em Jerusalém.

2Uma tarde, Davi se levantou do seu leito e andava passeando no terraço do palácio real. Dali viu uma mulher que estava tomando banho; ela era muito bonita. 3Davi mandou perguntar quem era. Disseram-lhe:

— É Bate-Seba, filha de Eliã e mulher de Urias, o heteu.

4Então Davi mandou mensageiros que a trouxessem; ela veio, e ele se deitou com ela. Ora, Bate-Seba tinha acabado de se purificar da impureza da menstruação. Depois, ela voltou para casa.

5A mulher concebeu e mandou dizer a Davi:

— Estou grávida.

Davi e Urias

6Então Davi enviou mensageiros a Joabe, dizendo:

— Mande-me Urias, o heteu.

E Joabe mandou Urias a Davi. 7Quando Urias chegou, Davi perguntou como estava Joabe, como se achava o povo e como ia a guerra. 8Depois, Davi disse a Urias:

— Vá para casa e descanse.

Urias saiu do palácio real, e logo saiu atrás dele um presente do rei. 9Porém Urias dormiu junto ao portão do palácio, com todos os servos do seu senhor, e não foi para casa. 10Relataram isso a Davi, dizendo:

— Urias não foi para casa.

Então Davi disse a Urias:

— Você não vem de uma viagem? Por que não foi para casa?

11Urias respondeu:

— A arca, Israel e Judá ficam em tendas. Joabe, meu senhor, e os servos de meu senhor estão acampados ao ar livre. Como poderia eu ir para casa, comer e beber e me deitar com a minha mulher? Juro pela vida do rei que não faria tal coisa.

12Então Davi disse a Urias:

— Fique aqui ainda hoje. Amanhã eu o mandarei de volta.

E Urias ficou em Jerusalém aquele dia e o seguinte. 13Davi o convidou para comer e beber com ele, e o embebedou. À tarde, Urias saiu e foi deitar-se no seu leito, na companhia dos servos de seu senhor. Ele não foi para casa.

A morte de Urias

14Pela manhã, Davi escreveu uma carta a Joabe e a mandou por Urias. 15Na carta escreveu o seguinte: “Ponham Urias na linha de frente, onde o combate for mais intenso. Depois deixem-no sozinho, para que seja ferido e morra.”

16Tendo sitiado a cidade, Joabe pôs Urias no lugar onde sabia que estavam homens valentes. 17Os homens da cidade saíram e lutaram contra Joabe. Alguns dos oficiais de Davi foram mortos; e morreu também Urias, o heteu.

18Então Joabe enviou notícias a Davi, informando tudo o que havia acontecido na batalha. 19Deu ordem ao mensageiro, dizendo:

— Quando você terminar de contar ao rei os acontecimentos desta batalha, 20é possível que ele fique indignado e pergunte: “Por que vocês chegaram assim perto da cidade para lutar? Não sabiam que eles iriam atirar da muralha? 21Quem matou Abimeleque, filho de Jerubesete? Não foi uma mulher que, do alto da muralha, lançou sobre ele uma pedra de moinho e o matou, em Tebes? Por que vocês chegaram tão perto da muralha?”

Então você dirá:

— Também morreu o seu servo Urias, o heteu.

22O mensageiro partiu e, chegando, contou a Davi tudo o que Joabe lhe havia mandado dizer. 23O mensageiro disse a Davi:

— Na verdade, aqueles homens eram mais fortes do que nós e saíram para lutar contra nós em campo aberto. Mas nós fomos contra eles, até a entrada do portão. 24Então os flecheiros, do alto da muralha, atiraram contra os servos do rei, e alguns deles foram mortos. Também morreu o seu servo Urias, o heteu.

25Davi respondeu ao mensageiro:

— Diga a Joabe que não encare isso como um mal, porque a espada devora tanto este como aquele. Que ele intensifique o seu ataque à cidade até conquistá-la. Quanto a você, encoraje Joabe.

Davi casa com Bate-Seba

26Quando a mulher de Urias soube que o seu marido era morto, ela chorou por ele. 27Passado o luto, Davi mandou buscá-la e a trouxe para o palácio. Ela se tornou sua mulher e lhe deu um filho. Porém isto que Davi tinha feito pareceu mau aos olhos do Senhor.

12

Natã repreende Davi

121O Senhor enviou Natã a Davi. Natã foi falar com Davi e lhe disse:

— Havia numa cidade dois homens, um rico e outro pobre. 2O rico tinha ovelhas e gado em grande número, 3mas o pobre não tinha coisa nenhuma, a não ser uma cordeirinha que havia comprado. Ele a criou, e ela cresceu em sua casa, junto com os seus filhos. Comia da sua comida e bebia do seu copo. Dormia nos seus braços, e ele a tinha como filha. 4Certo dia chegou um viajante à casa do homem rico, e este não quis pegar uma das suas ovelhas ou um dos seus bois para dar de comer ao visitante que havia chegado; em vez disso, pegou a cordeirinha do homem pobre e a preparou para o homem que havia chegado.

5Então o furor de Davi se acendeu contra aquele homem, e ele disse a Natã:

— Tão certo como vive o Senhor, o homem que fez isso deve ser morto. 6E pela cordeirinha restituirá quatro vezes, porque fez uma coisa dessas e porque não se compadeceu.

7Então Natã disse a Davi:

— Esse homem é você. Assim diz o Senhor, o Deus de Israel: “Eu o ungi rei sobre Israel e eu o livrei das mãos de Saul. 8Eu lhe dei a casa de seu senhor e as mulheres de seu senhor em seus braços. Também lhe dei a casa de Israel e de Judá. E, se isto fosse pouco, eu teria acrescentado tais e tais coisas. 9Por que, então, você desprezou a palavra do Senhor, fazendo o que era mau aos olhos dele? Com a espada você matou Urias, o heteu. Você tomou por esposa a mulher dele, depois de o matar com a espada dos filhos de Amom. 10Agora, pois, a espada jamais se afastará da sua casa, porque você me desprezou e tomou a mulher de Urias, o heteu, para ser sua mulher.” 11Assim diz o Senhor: “Eis que farei com que de sua própria casa venha o mal sobre você. Tomarei as suas mulheres à sua própria vista e as darei a outro homem, que se deitará com elas em plena luz do dia. 12Porque você o fez em segredo, mas eu farei isso diante de todo o Israel e em plena luz do dia.”

13Então Davi disse a Natã:

— Pequei contra o Senhor.

E Natã respondeu:

— Também o Senhor perdoou o seu pecado; você não morrerá. 14Mas, porque com isto você deu motivo a que os inimigos do Senhor blasfemassem, também o filho que lhe nasceu morrerá.

15Então Natã foi para a sua casa.

A morte do filho de Bate-Seba

E o Senhor feriu a criança que a mulher de Urias teve com Davi; e a criança adoeceu gravemente. 16Davi suplicou a Deus pela criança. Davi jejuava e, entrando em casa, passava a noite deitado no chão. 17Então os anciãos do seu palácio se aproximaram dele, para o levantar do chão; porém ele não quis e não comeu com eles. 18No sétimo dia, a criança morreu. E os servos de Davi ficaram com medo de informá-lo de que a criança estava morta, porque diziam:

— Quando a criança ainda estava viva, falávamos com ele, mas ele não dava ouvidos à nossa voz. Como, então, vamos dizer a ele que a criança morreu? Poderá fazer alguma loucura!

19Mas Davi notou que os seus servos cochichavam uns com os outros e entendeu que a criança havia morrido. Então perguntou:

— A criança morreu?

Eles responderam:

— Morreu.

20Então Davi se levantou do chão, lavou-se, ungiu-se, trocou de roupa, entrou na Casa do Senhor e adorou. Depois, voltou para o palácio e pediu comida; puseram-na diante dele, e ele comeu. 21O seus servos lhe disseram:

— Que é isto que o senhor fez? Pela criança viva o senhor jejuou e chorou, mas, depois que ela morreu, se levantou e se pôs a comer!

22Davi respondeu:

— Enquanto a criança ainda estava viva, jejuei e chorei, porque dizia: “Talvez o Senhor se compadeça de mim, e a criança continuará viva.” 23Mas agora que ela morreu, por que jejuar? Poderei eu trazê-la de volta? Eu irei até ela, mas ela não voltará para mim.

O nascimento de Salomão

24Então Davi consolou Bate-Seba, sua mulher. Teve relações com ela, e ela teve um filho, a quem Davi deu o nome de Salomão; e o Senhor o amou. 25Davi o entregou nas mãos do profeta Natã, e este lhe chamou Jedidias, por causa do Senhor.

Davi conquista Rabá

1Cr 20.1-3

26Enquanto isso, Joabe atacou Rabá, dos filhos de Amom, e tomou a cidade real. 27Então Joabe mandou mensageiros a Davi, dizendo:

— Lutei contra Rabá e tomei a cidade das águas. 28Reúna agora o resto do exército e cerque a cidade para tomá-la; do contrário, se eu a tomar, ela poderá ser chamada pelo meu nome.

29Então Davi reuniu todo o povo, marchou para Rabá, lutou contra ela, e a tomou. 30Tirou a coroa da cabeça do seu rei. O peso da coroa era de trinta e quatro quilos de ouro, e havia nela pedras preciosas. Essa coroa foi posta na cabeça de Davi. E da cidade ele levou muitos despojos. 31Também trouxe o povo que havia nela, e os fez trabalhar com serras, picaretas, machados de ferro e em fornos de tijolos. Davi fez o mesmo com todas as cidades dos filhos de Amom. Depois voltou com todo o exército para Jerusalém.

13

Amnom e Tamar

131Passado algum tempo, aconteceu o seguinte. Absalão, filho de Davi, tinha uma irmã muito bonita, cujo nome era Tamar. Amnom, filho de Davi, apaixonou-se por ela. 2Amnom ficou angustiado por causa de Tamar, sua irmã, a ponto de adoecer, pois, sendo ela virgem, parecia impossível para ele fazer alguma coisa com ela. 3Mas Amnom tinha um amigo que se chamava Jonadabe, filho de Simeia, irmão de Davi. Jonadabe era um homem muito esperto. 4E ele disse a Amnom:

— Por que você está emagrecendo tanto dia após dia, ó filho do rei? Por que não me conta o que está acontecendo?

Então Amnom disse:

— Estou apaixonado por Tamar, irmã de Absalão, meu irmão por parte de pai.

5Jonadabe respondeu:

— Deite-se na sua cama e finja que está doente. Quando o seu pai vier visitá-lo, diga-lhe: “Por favor, permita que a minha irmã Tamar venha e me dê de comer. Que ela prepare a comida diante de mim, para que eu coma de sua mão.”

6E assim Amnom deitou-se e fingiu que estava doente. Quando o rei foi visitá-lo, Amnom lhe disse:

— Por favor, permita que a minha irmã Tamar venha e prepare dois bolos diante de mim, para que eu coma de sua mão.

7Então Davi mandou dizer a Tamar em seu palácio:

— Por favor, vá à casa de seu irmão Amnom e prepare alguma comida para ele.

8Tamar foi à casa de Amnom, seu irmão, e ele estava deitado. Ela pegou a massa e a amassou, fez bolos diante dele e os assou. 9Pegou a assadeira e tirou os bolos diante dele, mas ele não quis comer. Amnom disse:

— Mandem que todos saiam da minha presença.

E todos saíram. 10E Amnom disse a Tamar:

— Traga a comida ao meu quarto, e comerei da sua mão.

Tamar pegou os bolos que havia feito e os levou a Amnom, seu irmão, no quarto. 11Quando ela oferecia os bolos para que ele comesse, Amnom agarrou-a e lhe disse:

— Venha, deite-se comigo, minha irmã.

12Porém ela respondeu:

— Não, meu irmão, não me force, porque não se faz uma coisa dessas em Israel. Não faça essa loucura! 13Porque, aonde iria eu com a minha vergonha? E você seria como um dos loucos de Israel. Agora, por favor, fale com o rei; ele não impedirá que eu case com você.

14Mas Amnom não quis dar ouvidos ao que Tamar dizia; pelo contrário, sendo mais forte do que ela, forçou-a e teve relações com ela.

15Depois Amnom sentiu por ela grande aversão, e maior era a aversão que sentiu por ela do que o amor com que a tinha amado. Então disse:

— Levante-se e saia daqui!

16Mas Tamar respondeu:

— Não, meu irmão! Porque mandar-me embora seria um mal maior do que o outro que você me fez.

Porém ele não a quis ouvir. 17Chamou o moço que o servia e lhe disse:

— Ponha esta mulher para fora e tranque a porta.

18Tamar vestia uma túnica talar de mangas compridas, porque assim se vestiam as filhas do rei que ainda eram virgens. O servo a pôs para fora e trancou a porta. 19Então Tamar colocou cinza sobre a cabeça, rasgou a túnica talar de mangas compridas que vestia, pôs as mãos sobre a cabeça e saiu, andando e clamando. 20Absalão, seu irmão, lhe disse:

— Foi o seu irmão Amnom que esteve com você? Agora, minha irmã, fique calada; ele é seu irmão. Que o seu coração não fique angustiado por causa disso.

E assim Tamar, desolada, ficou na casa de Absalão, seu irmão. 21Quando o rei Davi soube de tudo isso, ficou furioso. 22Porém Absalão não falou com Amnom nem mal nem bem, porque odiava Amnom, por ter este violentado Tamar, sua irmã.

23Passados dois anos, Absalão tosquiava as suas ovelhas em Baal-Hazor, perto de Efraim, e convidou todos os filhos do rei para irem até lá. 24Absalão foi falar com o rei e disse:

— Eis que este seu servo está fazendo a tosquia das ovelhas. Peço que o rei e os seus servidores acompanhem este seu servo.

25O rei, porém, disse a Absalão:

— Não, meu filho, não vamos todos juntos, para não sermos pesados a você.

Absalão insistiu, mas o rei não quis ir; contudo, o abençoou. 26Então Absalão disse:

— Se o rei não quer ir, pelo menos deixe que meu irmão Amnom nos acompanhe.

Porém o rei lhe disse:

— Por que ele iria com você?

27Absalão insistiu, e o rei deixou que Amnom e todos os filhos do rei fossem com ele. 28Absalão deu ordem aos seus moços, dizendo:

— Fiquem atentos! Quando o coração de Amnom estiver alegre de vinho, e eu der uma ordem para matá-lo, então matem-no. Não tenham medo, pois sou eu quem está ordenando. Sejam fortes e valentes.

29E os moços de Absalão fizeram com Amnom como Absalão lhes havia ordenado. Então todos os filhos do rei se levantaram, cada um montou a sua mula, e fugiram.

30Estavam eles ainda a caminho, quando chegou a Davi esta notícia: “Absalão matou todos os filhos do rei, e nenhum deles escapou.” 31Então o rei se levantou, rasgou as suas roupas e se lançou por terra. E todos os seus servos que estavam presentes rasgaram também as suas roupas. 32Mas Jonadabe, filho de Simeia, irmão de Davi, tomou a palavra e disse:

— Não pense o meu senhor que mataram todos os jovens, filhos do rei, porque somente Amnom morreu. Absalão tinha resolvido fazer isso, desde o dia em que a sua irmã Tamar foi violentada por Amnom. 33Portanto, que o rei, meu senhor, não ponha na cabeça essa ideia de que todos os filhos do rei morreram, porque só Amnom morreu.

34Enquanto isso, Absalão fugiu. O moço que estava de guarda, levantando os olhos, viu que vinha muito povo pelo caminho por detrás dele, pelo lado do monte. 35Então Jonadabe disse ao rei:

— Eis aí vêm os filhos do rei! Como este seu servo falou, assim aconteceu.

36Mal tinha ele acabado de falar, chegaram os filhos do rei e, levantando a voz, choraram. Também o rei e todos os seus servos choraram amargamente.

37Absalão, porém, fugiu e foi ficar com Talmai, filho de Amiúde, rei de Gesur. E Davi pranteava por seu filho todos os dias. 38Assim, Absalão fugiu, indo para Gesur, onde ficou três anos. 39Então o rei Davi cessou de perseguir Absalão, porque já tinha se consolado a respeito de Amnom, que era morto.