Nova Almeida Atualizada (2017) (NAA)
20

Acabe derrota os sírios

201Ben-Hadade, rei da Síria, reuniu todo o seu exército. Estavam com ele trinta e dois reis com seus cavalos e carros de guerra. Ele subiu, cercou Samaria e lutou contra ela. 2Enviou mensageiros à cidade, a Acabe, rei de Israel, 3que lhe disseram:

— Assim diz Ben-Hadade: “A sua prata e o seu ouro são meus; as suas mulheres e os seus melhores filhos também são meus.”

4O rei de Israel respondeu:

— Seja conforme a sua palavra, ó rei, meu senhor; eu sou seu, e tudo o que tenho é seu.

5Os mensageiros voltaram a Acabe e disseram:

— Assim diz Ben-Hadade: “Quando enviei mensageiros que dissessem: ‘A sua prata, o seu ouro, as suas mulheres e os seus filhos são meus’, era para que você os entregasse para mim. 6Se amanhã a estas horas eu tiver de enviar os meus servos até você, eles vasculharão o seu palácio e as casas dos seus oficiais e meterão as mãos em tudo o que você tem de precioso e o levarão.”

7Então o rei de Israel chamou todos os anciãos da sua terra e lhes disse:

— Como vocês podem notar e ver, este homem procura o mal. Mandou exigir as minhas mulheres, os meus filhos, a minha prata e o meu ouro, e não os neguei a ele.

8Todos os anciãos e todo o povo lhe disseram:

— Não lhe dê ouvidos e não consinta.

9Então Acabe disse aos mensageiros de Ben-Hadade:

— Digam ao rei, meu senhor: “Farei tudo o que você pediu a este seu servo na primeira vez, porém não posso fazer o que você está pedindo agora.”

E os mensageiros se foram e deram esta resposta. 10Ben-Hadade tornou a enviar mensageiros, dizendo:

— Que os deuses me castiguem,

20.10
1Rs 19.2
se o pó de Samaria bastar para encher as mãos de todo o povo que me segue.

11Porém o rei de Israel respondeu:

— Digam ao rei Ben-Hadade: “Quem se veste para a batalha não deve se gabar como aquele que está se despindo depois da vitória.”

12Ben-Hadade ouviu esta resposta quando ele e os outros reis estavam bebendo nas tendas. Então ele disse aos seus servos:

— Preparem-se para atacar.

E eles se prepararam para atacar a cidade.

13Eis que um profeta foi até Acabe, rei de Israel, e lhe disse:

— Assim diz o Senhor: “Você viu toda esta grande multidão? Eis que hoje a entregarei nas suas mãos, e você saberá que eu sou o Senhor.”

20.13
1Rs 18.36

14Acabe perguntou:

— Por meio de quem se dará isto?

Ele respondeu:

— Assim diz o Senhor: “Pelos servos dos chefes das províncias.”

Acabe perguntou:

— Quem começará a batalha?

E o profeta respondeu:

— Você!

15Então Acabe contou os servos dos chefes das províncias, e eram duzentos e trinta e dois. Depois, contou todo o povo, todos os filhos de Israel, e eram sete mil.

16Saíram ao meio-dia. Ben-Hadade, porém, estava bebendo e embriagando-se nas tendas, ele e os reis, os trinta e dois reis que o ajudavam. 17Saíram primeiro os servos dos chefes das províncias. Ben-Hadade mandou observadores que lhe deram avisos, dizendo:

— Uns homens estão saindo de Samaria.

18Ele disse:

— Se vieram tratar de paz, prendam-nos vivos; se vieram lutar, prendam-nos vivos também.

19Os servos dos chefes das províncias e o exército que os seguia saíram da cidade, 20e cada um matou o homem contra quem lutava. Os sírios fugiram, e Israel os perseguiu. Porém Ben-Hadade, rei da Síria, escapou a cavalo, com alguns cavaleiros. 21O rei de Israel saiu e destroçou os cavalos e os carros de guerra dos sírios, impondo-lhes grande derrota.

22Então o profeta foi até o rei de Israel e lhe disse:

— Vá, seja forte, considere e veja o que vai fazer, porque daqui a um ano o rei da Síria voltará a atacar.

23Os servos do rei da Síria lhe disseram:

— Os deuses deles são deuses dos montes, e por isso eles foram mais fortes do que nós. Mas vamos lutar contra eles na planície, e, por certo, seremos mais fortes do que eles. 24Portanto, faça o seguinte: tire os reis, cada um do seu lugar, e substitua-os por capitães, 25e forme outro exército igual em número ao que o senhor perdeu, com outros tantos cavalos e outros tantos carros de guerra. E vamos lutar contra eles na planície e, por certo, seremos mais fortes do que eles.

O rei deu ouvidos ao que disseram e assim o fez. 26Decorrido um ano, Ben-Hadade convocou os sírios e subiu a Afeca para lutar contra Israel. 27Também os filhos de Israel foram reunidos para a batalha. Eles foram providos de mantimentos e marcharam contra os sírios. Os filhos de Israel acamparam de frente para eles, como dois pequenos rebanhos de cabras, mas os sírios enchiam a terra.

28Um homem de Deus se aproximou e foi falar com o rei de Israel, dizendo:

— Assim diz o Senhor: “Porque os sírios disseram que o Senhor é deus dos montes e não dos vales, entregarei toda esta grande multidão nas suas mãos, e assim vocês saberão que eu sou o Senhor.”

29Sete dias estiveram acampados uns em frente dos outros. No sétimo dia, travou-se a batalha, e os filhos de Israel, num só dia, mataram dos sírios cem mil soldados da infantaria. 30Os restantes fugiram para Afeca e entraram na cidade, mas a muralha da cidade caiu sobre os vinte e sete mil homens que restaram. Ben-Hadade fugiu, veio à cidade e se escondia de câmara em câmara.

31Então os seus servos lhe disseram:

— Eis que temos ouvido que os reis da casa de Israel são reis clementes. Por isso, ponhamos panos de saco sobre os lombos e cordas ao redor da cabeça e vamos até o rei de Israel; pode ser que ele lhe poupe a vida.

32Então se cingiram com pano de saco pelos lombos, puseram cordas ao redor da cabeça e foram falar com o rei de Israel. Disseram:

— O seu servo Ben-Hadade manda dizer: “Poupe-me a vida.”

Acabe respondeu:

— Então ele ainda está vivo? Ele é meu irmão.

33Aqueles homens tomaram isto como um bom sinal, logo se aproveitaram dessa palavra e disseram:

— Sim, o seu irmão Ben-Hadade!

O rei disse:

— Vão e tragam-no aqui.

Então Ben-Hadade saiu para se encontrar com Acabe, e este o fez subir na sua carruagem. 34Ben-Hadade lhe disse:

— Vou restituir as cidades que o meu pai tomou do seu pai. Você poderá vender os seus produtos em Damasco, como o meu pai fez em Samaria.

E Acabe respondeu:

— Com esta aliança, deixarei que você fique livre.

Então Acabe fez uma aliança com ele e o deixou ir embora.

Um profeta condena Acabe

35Então, por ordem do Senhor, um dos discípulos dos profetas disse ao seu companheiro:

— Por favor, me esmurre.

Mas o homem se recusou a fazê-lo, 36e por isso o discípulo dos profetas lhe disse:

— Visto que você não obedeceu à voz do Senhor, eis que, tão logo você se afastar de mim, um leão o matará.

Quando ele se afastou, um leão o encontrou e o matou.

37Então o profeta encontrou outro homem e lhe disse:

— Por favor, me esmurre.

Ele o esmurrou e o feriu. 38Então o profeta partiu e ficou esperando o rei no caminho, disfarçado com uma venda sobre os olhos. 39Quando o rei ia passando, o profeta gritou:

— Este seu servo estava saindo do meio da batalha, quando um companheiro se voltou e me trouxe um homem, dizendo: “Vigie este homem. Se ele escapar, será a sua vida pela vida dele ou você pagará trinta e quatro quilos de prata.” 40Enquanto este seu servo estava ocupado daqui e dali, o homem se foi.

O rei de Israel respondeu:

— Esta é a sua sentença. Você mesmo a pronunciou.

41Então ele se apressou e tirou a venda dos olhos, e o rei de Israel reconheceu que era um dos profetas. 42E o profeta disse ao rei:

— Assim diz o Senhor: “Porque você soltou o homem que eu havia condenado, será a sua vida pela vida dele e o seu povo pelo povo dele.”

43Então o rei de Israel se dirigiu à sua casa, aborrecido e indignado, e chegou a Samaria.