Almeida Revista e Corrigida (2009) (ARC)
15

O verdadeiro cidadão dos céus

Salmo de Davi

151Senhor, quem habitará no teu tabernáculo? Quem morará no teu santo monte?

2Aquele que anda em sinceridade, e pratica

15.2
Is 33.15
a justiça, e fala verazmente segundo o seu coração; 3aquele que não difama com a sua língua, nem faz mal ao seu próximo,
15.3
Êx 23.1
nem aceita nenhuma afronta contra o seu próximo; 4aquele a
15.4
Et 3.2
cujos olhos o réprobo é desprezado; mas honra os que temem ao Senhor; aquele que, mesmo que jure com dano seu, não muda. 5Aquele que não empresta o seu dinheiro com usura, nem recebe subornos contra o inocente; quem faz isto nunca será abalado.

16

A confiança e felicidade do crente e a certeza da vida eterna

Salmo excelentíssimo de Davi

161Guarda-me, ó Deus, porque em ti confio. 2A minha alma disse ao Senhor: Tu és o meu Senhor;

16.2
Rm 11.35
não tenho outro bem além de ti. 3Digo aos santos que estão na terra e aos ilustres em quem está todo o meu prazer:

4As dores se multiplicarão àqueles que fazem oferendas a outro deus; eu não oferecerei as suas libações de sangue,

16.4
Êx 23.13
Jó 23.16
nem tomarei o seu nome nos meus lábios. 5O Senhor
16.5
Dt 32.9
é a porção da minha herança e o meu cálice; tu sustentas a minha sorte. 6As 16.6 ou sorteslinhas caem-me em lugares deliciosos; sim, coube-me uma formosa herança.

7Louvarei ao Senhor que me aconselhou; até o meu coração me ensina de noite. 8Tenho

16.8
At 2.25
posto o Senhor continuamente diante de mim; por isso que ele está à minha mão direita, nunca vacilarei.

9Portanto, está alegre o meu coração e se regozija a minha glória; também a minha carne repousará segura.

10Pois não deixarás a minha alma no inferno, nem permitirás que o teu 16.10 ou amadoSanto veja corrupção. 11Far-me-ás ver a vereda da vida; na tua presença abundância de

16.11
Mt 5.8
1Jo 3.2
alegrias; à tua mão direita delícias perpetuamente.

17

Davi pede a Deus que o proteja contra os seus inimigos e confia na sua inocência e na justiça de Deus

Oração de Davi

171Ouve, Senhor, a justiça e atende ao meu clamor; dá ouvidos à minha oração, que não é feita com lábios enganosos. 2Saia a minha sentença de diante do teu rosto; atendam os teus olhos à razão.

3Provaste o meu coração; visitaste-me de noite; examinaste-me e nada achaste; o que pensei, a minha boca não transgredirá. 4Quanto ao trato dos homens, pela palavra dos teus lábios me guardei das veredas do 17.4 ou violentodestruidor. 5Dirige os meus passos nos teus caminhos, para que as minhas pegadas não vacilem.

6Eu te invoquei, ó Deus, pois me queres ouvir; inclina para mim os teus ouvidos e escuta as minhas palavras. 7Faze maravilhosas as tuas beneficências, tu que livras aqueles que em ti confiam dos que se levantam contra a tua destra. 8Guarda-me

17.8
Dt 32.10
Zc 2.8
como à menina do olho, esconde-me à sombra das tuas asas, 9dos ímpios que me 17.9 Hebr. despojamoprimem, dos meus inimigos mortais que me andam cercando.

10Na sua gordura se encerram e com a boca falam soberbamente. 11Andam-nos agora espiando os nossos passos; e fixam os seus olhos em nós para nos derribarem por terra; 12parecem-se com o leão que deseja arrebatar a sua presa e com o leãozinho que se põe em esconderijos.

13Levanta-te, Senhor! Detém-no, derriba-o, livra a minha alma do ímpio, pela tua espada; 14dos homens, com a tua mão, Senhor, dos homens do mundo, cuja porção está nesta vida e cujo ventre enches do teu tesouro oculto; seus filhos estão fartos, e estes dão os seus sobejos às suas crianças.

15Quanto

17.15
Jo 3.2
a mim, contemplarei a tua face na justiça; eu me satisfarei da tua semelhança quando acordar.