Almeida Revista e Corrigida (2009) (ARC)
18

181Busca seu próprio desejo aquele que se separa; ele insurge-se contra a verdadeira sabedoria. 2Não toma prazer o tolo no entendimento, senão em que se descubra o seu coração. 3Vindo o ímpio, vem também o desprezo; e, com a ignomínia, a vergonha. 4Águas profundas são as

18.4
Pv 10.11
20.5
palavras da boca do homem, e ribeiro transbordante é a fonte da sabedoria. 5Não
18.5
Lv 19.1,5
Dt 1.17
16.19
Pv 24.23
28.21
é bom ter respeito à pessoa do ímpio, para derribar o justo em juízo. 6Os lábios do tolo entram na contenda, e a sua boca brada por açoites. 7A boca do tolo
18.7
Pv 10.14
12.13
13.3
Ec 10.12
é a sua própria destruição, e os seus lábios, um laço para a sua alma. 8As palavras
18.8
Pv 12.18
26.22
do linguareiro são como doces bocados, e elas descem ao íntimo do ventre. 9Também o negligente na sua obra é irmão do desperdiçador. 10Torre forte é o
18.10
2Sm 22.3,51
nome do Senhor; para ela correrá o justo e estará em alto retiro. 11A fazenda
18.11
Pv 10.15
do rico é sua cidade forte e, como um muro alto, na sua imaginação. 12Antes de ser quebrantado, eleva-se o coração
18.12
Pv 11.2
15.33
16.18
do homem; e, diante da honra, vai a humildade. 13Responder antes de
18.13
Jo 7.51
ouvir é estultícia e vergonha. 14O espírito do homem aliviará a sua enfermidade, mas ao espírito abatido, quem o levantará? 15O coração do sábio adquire o conhecimento, e o ouvido dos sábios busca a ciência. 16O presente
18.16
Gn 32.20
Pv 21.14
do homem alarga-lhe o caminho e leva-o à presença dos grandes. 17O que primeiro começa o seu pleito justo parece; mas vem o seu companheiro e o examina. 18A sorte faz cessar os pleitos e faz separação entre os poderosos. 19O irmão ofendido é mais difícil de conquistar do que uma cidade forte; e as contendas são como ferrolhos de um palácio. 20Do fruto
18.20
Pv 12.14
13.2
da boca de cada um se fartará o seu ventre; dos renovos dos seus lábios se fartará. 21A morte e a vida estão no poder da língua; e aquele que a ama comerá do seu fruto. 22O que acha
18.22
Pv 19.14
31.10
uma mulher acha uma coisa boa e alcançou a benevolência do Senhor. 23O pobre fala com rogos, mas o rico responde
18.23
Tg 2.3
com durezas. 24O homem que tem muitos amigos pode congratular-se,
18.24
Pv 17.17
mas há amigo mais chegado do que um irmão.

19

191Melhor é o

19.1
Pv 28.6
pobre que anda na sua sinceridade do que o perverso de lábios e tolo. 2Assim também ficar a alma sem conhecimento não é bom; e o que se apressa com seus pés peca. 3A estultícia do homem perverterá o seu caminho, e o seu coração se irará contra o Senhor. 4As riquezas
19.4
Pv 14.20
granjeiam muitos amigos, mas ao pobre o seu próprio amigo o deixa. 5A falsa testemunha
19.5
Êx 23.1
Dt 19.16,19
Pv 6.19
19.9
21.28
não ficará inocente; e o que profere mentiras não escapará. 6Muitos
19.6
Pv 21.14
29.26
suplicam a face do príncipe, e cada um é amigo daquele que dá presentes. 7Todos os irmãos
19.7
Sl 38.12
Pv 14.20
do pobre o aborrecem; quanto mais se afastarão dele os seus amigos! Corre após eles com palavras, mas não servem de nada. 8O que adquire entendimento ama a sua alma;
19.8
Pv 16.20
o que conserva a inteligência achará o bem. 9A falsa testemunha
19.9
Pv 19.5
não ficará impune; e o que profere mentiras perecerá. 10Ao tolo não está bem o deleite; quanto menos ao servo
19.10
Pv 30.22
Ec 10.6-7
dominar os príncipes! 11O entendimento
19.11
Pv 14.29
16.32
Tg 1.19
do homem retém a sua ira; e sua glória é passar sobre a transgressão. 12Como o bramido do filho do leão é a
19.12
Pv 16.14-15
20.2
28.15
Os 14.5
indignação do rei; mas, como o orvalho sobre a erva, é a sua benevolência. 13Grande miséria é para o pai o filho insensato,
19.13
Pv 10.1
15.5,20
17.21,25
19.27
21.9
e um gotejar contínuo, as contenções da mulher. 14A casa
19.14
Pv 18.22
2Co 12.14
e a fazenda são a herança dos pais; mas do Senhor vem a mulher prudente. 15A preguiça
19.15
Pv 6.9
10.4
20.13
23.21
faz cair em profundo sono, e a alma enganadora padecerá fome. 16O que guardar
19.16
Lc 10.28
11.28
o mandamento guardará a sua alma; mas o que desprezar os seus caminhos morrerá. 17Ao Senhor empresta o que se compadece
19.17
Pv 28.27
Ec 11.1
Mt 10.42
25.40
2Co 9.6-8
Hb 6.10
do pobre, e ele lhe pagará o seu benefício. 18Castiga
19.18
Pv 13.24
23.13
29.17
teu filho enquanto há esperança, mas para o matar não alçarás a tua alma. 19Homem de grande ira tem de sofrer o dano; porque, se tu o livrares, virás ainda a fazê-lo novamente. 20Ouve o conselho e recebe a correção, para que sejas sábio
19.20
Sl 37.37
nos teus últimos dias. 21Muitos propósitos
19.21
Jó 23.13
Pv 16.1,9
Is 14.26-27
46.10
At 5.39
Hb 6.17
no coração do homem, mas o conselho do Senhor permanecerá. 22O desejo do homem é a sua beneficência; mas o pobre é melhor do que o mentiroso. 23O
19.23
1Tm 4.8
temor do Senhor encaminha para a vida; aquele que o tem ficará satisfeito, e não o visitará mal nenhum. 24O preguiçoso
19.24
Pv 15.19
26.13,15
esconde a mão no seio; enfada-se de a levar à boca. 25Fere o escarnecedor,
19.25
Dt 13.11
Pv 9.8
21.11
e o simples tomará aviso; repreende ao sábio, e aprenderá conhecimento. 26O que aflige a seu pai ou afugenta a sua mãe filho é que envergonha e
19.26
Pv 17.2
desonra. 27Cessa, filho meu, ouvindo a instrução, de te desviares das palavras do conhecimento. 28A testemunha de Belial escarnece do juízo, e a
19.28
Jó 15.16
20.12-13
34.7
boca dos ímpios engole a iniquidade. 29Preparados estão os juízos para os escarnecedores e
19.29
Pv 10.13
26.3
os açoites para as costas dos tolos.

20

201O

20.1
Gn 9.21
Pv 23.29-30
Is 28.7
Os 4.11
vinho é escarnecedor, e a bebida forte, alvoroçadora; e todo aquele que neles errar nunca será sábio. 2Como o bramido do leão é o terror
20.2
Pv 8.36
16.14
19.12
do rei; o que provoca a sua ira peca contra a sua própria alma. 3Honroso é para o
20.3
Pv 17.14
homem o desviar-se de questões, mas todo tolo se entremete nelas. 4O preguiçoso
20.4
Pv 10.4
19.15,24
não lavrará por causa do inverno, pelo que mendigará na sega e nada receberá. 5Como águas profundas é o conselho
20.5
Pv 18.4
no coração do homem; mas o homem de inteligência o tirará para fora. 6Cada qual entre os
20.6
Pv 25.14
Mt 6.2
Lc 18.11
homens apregoa a sua bondade; mas o homem fiel, quem o achará? 7O justo
20.7
Sl 37.20
112.2
2Co 1.12
anda na sua sinceridade; bem-aventurados serão os seus filhos depois dele. 8Assentando-se
20.8
Pv 20.26
o rei no trono do juízo, com os seus olhos dissipa todo mal. 9Quem poderá dizer:
20.9
1Rs 8.46
Jó 14.4
Ec 7.20
1Co 4.4
1Jo 1.8
Purifiquei o meu coração, limpo estou de meu pecado! 10Duas espécies de
20.10
Dt 25.13
Pv 11.1
16.11
Mq 6.10-11
peso e duas espécies de medida são abominação para o Senhor, tanto uma coisa como outra. 11Até a criança se dará a
20.11
Mt 7.16
conhecer pelas suas ações, se a sua obra for pura e reta. 12O ouvido
20.12
Êx 4.11
que ouve e o olho que vê, o Senhor os fez a ambos. 13Não
20.13
Pv 6.9
12.11
19.15
Rm 12.11
ames o sono, para que não empobreças; abre os teus olhos e te fartarás de pão. 14Nada vale, nada vale, dirá o comprador, mas, indo-se, então, se gabará. 15Há ouro e abundância de rubins, mas
20.15
Jó 28.12,16-19
Pv 3.15
8.11
os lábios do conhecimento são joia preciosa. 16Aquele que fica por fiador do estranho tira
20.16
Pv 22.26-27
27.13
a sua roupa e penhora-a por um estranho. 17Suave é ao homem o pão
20.17
Pv 9.17
da mentira, mas, depois, a sua boca se encherá de pedrinhas de areia. 18Cada
20.18
Pv 15.22
24.6
Lc 14.31
pensamento com conselho se confirma; e com conselhos prudentes faz a guerra. 19O que anda maldizendo descobre o segredo; pelo que, com o que afaga com seus lábios,
20.19
Pv 11.13
Rm 16.18
não te entremetas. 20O que
20.20
Êx 21.17
Lv 20.9
Jó 18.5-6
Pv 24.20
Mt 15.4
a seu pai ou a sua mãe amaldiçoar, apagar-se-lhe-á a sua lâmpada e ficará em trevas densas. 21Entrando-se apressadamente de posse de uma herança
20.21
Pv 28.20
Hc 2.6
no princípio, o seu fim não será bendito. 22Não digas:
20.22
Dt 32.35
Rm 12.17,19
1Ts 5.15
1Pe 3.9
Vingar-me-ei do mal; espera
20.22
2Sm 16.12
pelo Senhor, e ele te livrará. 23Duas espécies de
20.23
Pv 20.10
peso são abomináveis ao Senhor, e balanças enganosas não são boas. 24Os passos
20.24
Sl 37.23
Pv 16.9
Jr 10.23
do homem são dirigidos pelo Senhor; o homem, pois, como entenderá o seu caminho? 25Laço é para o homem dizer precipitadamente: É santo; e, feitos os votos,
20.25
Ec 5.4-5
então, inquirir. 26O rei sábio
20.26
Pv 20.8
dissipa os ímpios e faz girar sobre eles a roda. 27A alma
20.27
1Co 2.11
do homem é a lâmpada do Senhor, a qual esquadrinha todo o mais íntimo do ventre. 28Benignidade e verdade guardam o rei,
20.28
Sl 101.1
Pv 29.24
e com benignidade sustém ele o seu trono. 29O ornato dos jovens é a sua força; e a beleza
20.29
Pv 16.31
dos velhos, as cãs. 30Os vergões das feridas são a purificação dos maus, como também as pancadas que penetram até o mais íntimo do ventre.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]