Almeida Revista e Corrigida (2009) (ARC)
26

Isaque vai a Gerar por causa da fome

261E havia fome na

26.1
Gn 12.10
terra, além da primeira fome, que foi nos dias de Abraão; por isso, foi-se Isaque a Abimeleque,
26.1
Gn 20.2
rei dos filisteus, em Gerar. 2E apareceu-lhe o Senhor e disse: Não desças ao Egito. Habita na terra que eu te disser; 3peregrina nesta terra, e serei contigo e te abençoarei; porque a ti e à tua semente darei todas estas
26.3
Gn 13.15
15.18
22.16
terras e confirmarei o juramento que tenho jurado a Abraão, teu pai. 4E multiplicarei a tua semente como as estrelas dos céus
26.4
Gn 22.18
Sl 72.17
e darei à tua semente todas estas terras. E em tua semente serão benditas todas as nações da terra, 5porquanto Abraão obedeceu à minha voz e guardou o meu mandado, os meus preceitos, os meus estatutos e as minhas leis. 6Assim, habitou Isaque em Gerar. 7E, perguntando-lhe os varões daquele lugar acerca de sua mulher, disse: É minha irmã;
26.7
Gn 12.13
20.2,13
porque temia dizer:
26.7
Pv 20.25
É minha mulher; para que porventura (dizia ele) me não matem os varões daquele lugar por amor de Rebeca; porque era formosa à vista.

8E aconteceu que, como ele esteve ali muito tempo, Abimeleque, rei dos filisteus, olhou por uma janela e viu, e eis que Isaque estava brincando com Rebeca, sua mulher. 9Então, chamou Abimeleque a Isaque e disse: Eis que, na verdade, é tua mulher; como, pois, disseste: É minha irmã? E disse-lhe Isaque: Porque eu dizia: Para que eu porventura não morra por causa dela. 10E disse Abimeleque:

26.10
Gn 20.9
Que é isto que nos fizeste? Facilmente se teria deitado alguém deste povo com a tua mulher, e tu terias trazido sobre nós um delito. 11E mandou Abimeleque a todo o povo, dizendo: Qualquer que tocar neste varão ou em sua mulher certamente morrerá.

12E semeou Isaque naquela mesma terra e colheu, naquele mesmo ano, 26.12 ou o cêntuplocem medidas, porque o Senhor o abençoava. 13E engrandeceu-se o varão e ia-se engrandecendo, até que se tornou mui grande; 14e tinha possessão de ovelhas, e possessão de vacas, e muita gente de serviço, de maneira que os filisteus o

26.14
Ec 4.4
invejavam. 15E todos os poços que os servos de seu pai tinham cavado nos dias de Abraão, seu pai, os filisteus entulharam e encheram de terra. 16Disse também Abimeleque a Isaque: Aparta-te de nós, porque muito mais poderoso te tens feito do que nós.

17Então, Isaque foi-se dali, e fez o seu assento no vale de Gerar, e habitou lá. 18E tornou Isaque, e cavou os poços de água que cavaram nos dias de Abraão, seu pai, e que os filisteus taparam depois da morte de Abraão, e chamou-os pelos nomes que os chamara seu pai. 19Cavaram, pois, os servos de Isaque naquele vale e acharam ali um poço de águas vivas. 20E os pastores de Gerar porfiaram com os pastores de Isaque, dizendo: Esta água é nossa. Por isso, chamou o nome daquele poço 26.20 que significa contendaEseque, porque contenderam com ele. 21Então, cavaram outro poço e também porfiaram sobre ele. Por isso, chamou o seu nome 26.21 que significa inimizadeSitna. 22E partiu dali e cavou outro poço; e não porfiaram sobre ele. Por isso, chamou o seu nome 26.22 que significa alargamentoReobote e disse: Porque agora nos alargou o Senhor, e crescemos nesta terra. 23Depois, subiu dali a Berseba, 24e apareceu-lhe o Senhor naquela mesma noite e disse: Eu sou o Deus de Abraão, teu pai.

26.24
Sl 27.1,5
Is 51.12
Não temas, porque eu sou contigo, e abençoar-te-ei, e multiplicarei a tua semente por amor de Abraão, meu servo. 25Então, edificou ali um altar, e invocou o nome do Senhor, e armou ali a sua tenda; e os servos de Isaque cavaram ali um poço.

Abimeleque faz um pacto com Isaque

26E Abimeleque veio a ele de Gerar, com Ausate, seu amigo, e Ficol, 26.26 ou capitão-morpríncipe do seu exército. 27E disse-lhe Isaque: Por que viestes a mim, pois que vós me aborreceis e

26.27
Gn 26.16
me enviastes de vós? 28E eles disseram: Havemos visto, na verdade, que o Senhor é contigo; pelo que dissemos:
26.28
Gn 21.23
Zc 8.23
Haja, agora, juramento entre nós, entre nós e ti; e façamos concerto contigo. 29Que nos não faças mal, como nós te não temos tocado, e como te fizemos somente bem, e te deixamos ir em paz. Agora, tu és o bendito do Senhor. 30Então, lhes fez um
26.30
Gn 31.54
banquete, e comeram e beberam. 31E levantaram-se de madrugada e juraram um ao outro; depois, os despediu Isaque, e despediram-se dele, em paz. 32E aconteceu, naquele mesmo dia, que vieram os servos de Isaque, e anunciaram-lhe acerca do negócio do poço, que tinham cavado, e disseram-lhe: Temos achado água. 33E chamou-o 26.33 que significa juramentoSeba. Por isso, é o nome daquela cidade 26.33 Hebr. Beer-Seba, que significa poço do juramentoBerseba até o dia de hoje.

34Ora, sendo Esaú da idade de quarenta anos, tomou por mulher a Judite, filha de Beeri, heteu,

26.34
Gn 36.2
e a Basemate, filha de Elom, heteu. 35E estas foram para Isaque e Rebeca uma amargura
26.35
Gn 27.45
de espírito.

27

Isaque manda Esaú fazer-lhe um guisado

271E aconteceu que, como Isaque envelheceu, e os seus olhos se escureceram, de maneira que não podia ver, chamou a Esaú, seu filho mais velho, e disse-lhe: Meu filho! E ele lhe disse: Eis-me aqui! 2E ele disse: Eis que já agora estou velho e não sei o dia da minha morte. 3Agora, pois, toma as tuas armas, a tua aljava e o teu arco, e sai ao campo, e apanha para mim alguma caça, 4e faze-me um guisado saboroso, como eu gosto, e traze-mo, para que eu coma, e para que minha alma

27.4
Gn 27.25
te abençoe, antes que morra. 5E Rebeca escutou quando Isaque falava ao seu filho Esaú; e foi-se Esaú ao campo, para apanhar caça que havia de trazer.

Rebeca e Jacó enganam Isaque

6Então, falou Rebeca a Jacó, seu filho, dizendo: Eis que tenho ouvido o teu pai que falava com Esaú, teu irmão, dizendo: 7Traze-me caça e faze-me um guisado saboroso, para que eu coma e te abençoe diante da face do Senhor, antes da minha morte. 8Agora, pois, filho meu, ouve a minha voz naquilo que eu te mando. 9Vai, agora, ao rebanho e traze-me de lá dois bons cabritos; e eu farei deles um guisado saboroso para teu pai, como ele gosta; 10e levá-lo-ás a teu pai, para que o coma e para que te abençoe antes da sua morte. 11Então, disse Jacó a Rebeca, sua mãe: Eis que Esaú, meu irmão, é varão

27.11
Gn 25.25
cabeludo, e eu, varão liso. 12Porventura, me apalpará o meu pai, e serei, a seus olhos, enganador; assim, trarei eu sobre mim maldição e não bênção. 13E disse-lhe sua mãe:
27.13
1Sm 25.24
2Sm 14.9
Meu filho, sobre mim seja a tua maldição; somente obedece à minha voz, e vai, e traze-mos. 14E foi, e tomou-os, e trouxe-os à sua mãe; e sua mãe fez um guisado saboroso, como seu pai gostava. 15Depois, tomou Rebeca as 27.15 ou vestes preciosasvestes de gala de Esaú, seu filho mais velho, que tinha consigo em casa, e vestiu a Jacó, seu filho menor. 16E, com as peles dos cabritos, cobriu as suas mãos e a lisura do seu pescoço 17e deu o guisado saboroso e o pão que tinha preparado na mão de Jacó, seu filho.

18E veio ele a seu pai e disse: Meu pai! E ele disse: Eis-me aqui. Quem és tu, meu filho? 19E Jacó disse a seu pai: Eu sou Esaú, teu primogênito. Tenho feito como me disseste. Levanta-te agora, assenta-te e come da minha caça, para que a tua alma me abençoe. 20Então, disse Isaque a seu filho: Como é isto, que tão cedo a achaste, filho meu? E ele disse:

27.20
Êx 20.7
Porque o Senhor, teu Deus, a mandou ao meu encontro. 21E disse Isaque a Jacó: Chega-te agora, para que te apalpe, meu filho, se és meu filho Esaú mesmo ou não. 22Então, se chegou Jacó a Isaque, seu pai, que o apalpou e disse: A voz é a voz de Jacó, porém as mãos são as mãos de Esaú. 23E não o conheceu, porquanto as suas mãos estavam
27.23
Gn 27.16
cabeludas, como as mãos de Esaú, seu irmão. E abençoou-o. 24E disse: És tu meu filho Esaú mesmo? E ele disse: Eu
27.24
Ef 4.25
sou. 25Então, disse: Faze chegar isso perto de mim, para que coma da caça de meu filho; para que a minha alma te abençoe. E chegou-lho, e comeu; trouxe-lhe também vinho, e bebeu. 26E disse-lhe Isaque, seu pai: Ora, chega-te e beija-me, filho meu. 27E chegou-se e beijou-o. Então, cheirou o cheiro das suas vestes, e
27.27
Hb 11.20
abençoou-o, e disse: Eis que o cheiro do meu filho é como o cheiro do campo, que o Senhor abençoou. 28Assim, pois, te dê Deus do
27.28
Dt 33.13,28
orvalho dos céus, e das gorduras da terra, e abundância de trigo e de mosto. 29Sirvam-te povos, e nações se encurvem a ti; sê senhor de teus irmãos,
27.29
Gn 25.23
e os filhos da tua mãe se encurvem a ti; malditos sejam os que te amaldiçoarem, e benditos sejam os que te abençoarem.

Esaú traz ao seu pai o guisado e descobre que Jacó já tomou a bênção

30E aconteceu que, acabando Isaque de abençoar a Jacó, apenas Jacó acabava de sair da face de Isaque, seu pai, veio Esaú, seu irmão, da sua caça. 31E fez também ele um guisado saboroso, e trouxe-o a seu pai, e disse a seu pai: Levanta-te, meu pai, e come da caça de teu filho, para que me abençoe a tua alma. 32E disse-lhe Isaque, seu pai: Quem és tu? E ele disse: Eu sou teu filho, o teu primogênito, Esaú. 33Então, estremeceu Isaque de um estremecimento muito grande e disse: Quem, pois, é aquele que apanhou a caça e ma trouxe? Eu comi de tudo, antes que tu viesses, e abençoei-o; também será bendito. 34Esaú, ouvindo as palavras de seu pai, bradou com grande e mui amargo brado e disse a seu pai:

27.34
Hb 12.17
Abençoa-me também a mim, meu pai. 35E ele disse: Veio o teu irmão com sutileza e tomou a tua bênção. 36Então, disse ele: Não foi o seu nome justamente chamado
27.36
Gn 25.26,34
Jacó? Por isso, que já duas vezes me enganou: a minha primogenitura me tomou e eis que agora me tomou a minha bênção. E disse mais: Não reservaste, pois, para mim bênção alguma? 37Então, respondeu Isaque e disse a Esaú: Eis que o tenho posto por senhor
27.37
Gn 27.29
2Sm 8.14
sobre ti, e todos os seus irmãos lhe tenho dado por servos; e de trigo e de mosto o tenho fortalecido; que te farei, pois, agora a ti, meu filho? 38E disse Esaú a seu pai: Tens uma só bênção, meu pai? Abençoa-me também a mim, meu pai. E levantou Esaú a sua voz e chorou. 39Então, respondeu Isaque, seu pai, e disse-lhe: Eis que a tua habitação será longe das gorduras da terra e sem orvalho dos céus. 40E pela tua espada viverás e ao teu irmão servirás. Acontecerá, porém, que, quando te libertares, então, sacudirás o seu jugo
27.40
2Rs 8.20
2Cr 21.8
do teu pescoço.

41E aborreceu Esaú a Jacó por causa daquela bênção, com que seu pai o tinha abençoado; e Esaú disse no seu coração: Chegar-se-ão os dias de luto de meu pai; então, matarei a Jacó, meu irmão. 42E foram denunciadas a Rebeca estas palavras de Esaú, seu filho mais velho; e ela enviou, e chamou a Jacó, seu filho menor, e disse-lhe: Eis que Esaú, teu irmão, se consola a teu respeito, propondo-se matar-te. 43Agora, pois, meu filho, ouve a minha voz: levanta-te e acolhe-te a Labão, meu irmão, em

27.43
Gn 11.31
Harã; 44e mora com ele alguns dias, até que passe o furor de teu irmão, 45até que se desvie de ti a ira de teu irmão, e se esqueça do que lhe fizeste. Então, enviarei e te farei vir de lá. Por que seria eu desfilhada também de vós ambos num mesmo dia?

46E disse Rebeca a Isaque:

27.46
Gn 26.35
Enfadada estou da minha vida, por causa das filhas de Hete; se Jacó tomar mulher das filhas de Hete, como estas são das filhas desta terra, para que me será a vida?

28

Isaque manda Jacó a Padã-Arã

281E Isaque chamou a Jacó, e abençoou-o, e ordenou-lhe, e disse-lhe: Não tomes mulher de entre as filhas de

28.1
Gn 24.3
Canaã. 2Levanta-te, vai a
28.2
Os 12.12
Padã-Arã, à casa de
28.2
Gn 25.20
Betuel, pai de tua mãe, e toma de lá uma mulher das filhas de
28.2
Gn 24.29
Labão, irmão de tua mãe. 3E Deus Todo-Poderoso te abençoe, e te faça frutificar, e te multiplique, para que sejas uma multidão de povos; 4e te dê
28.4
Gn 12.2
a bênção de Abraão, a ti e à tua semente contigo, para que em herança possuas a terra de tuas peregrinações,
28.4
Gn 17.8
que Deus deu a Abraão. 5Assim, enviou Isaque a Jacó, o qual se foi a Padã-Arã, a Labão, filho de Betuel, 28.5 ou siroarameu, irmão de Rebeca, mãe de Jacó e de Esaú.

6Vendo, pois, Esaú

28.6
Gn 27.33
que Isaque abençoara a Jacó, e o enviara a Padã-Arã, para tomar mulher para si dali, e que, abençoando-o, lhe ordenara, dizendo: Não tomes mulher das filhas de Canaã; 7e que Jacó obedecera a seu pai e a sua mãe e se fora a Padã-Arã; 8vendo também Esaú que as filhas de Canaã eram más aos olhos de Isaque, seu pai, 9foi-se Esaú a Ismael e tomou para si por mulher, além das suas mulheres, a Maalate, filha de Ismael, filho de Abraão, e irmã de Nebaiote.

A visão da escada de Jacó

10Partiu, pois, Jacó de Berseba, e foi-se a Harã. 11E chegou a um lugar onde passou a noite, porque já o sol era posto; e tomou uma das pedras daquele lugar, e a pôs por sua cabeceira, e deitou-se naquele lugar. 12E sonhou: e eis era posta na terra uma escada cujo topo tocava nos céus; e eis que os

28.12
Jo 1.51
Hb 1.14
anjos de Deus subiam e desciam por ela. 13E eis que o Senhor estava em cima dela e disse: Eu sou o Senhor, o Deus de Abraão,
28.13
Gn 26.24
teu pai, e o Deus de Isaque. Esta terra em que estás deitado ta darei a ti e à tua semente. 14E a tua semente será como o pó da
28.14
Gn 13.16
terra; e estender-se-á ao ocidente, e ao oriente, e ao norte, e ao sul; e em ti e na tua semente serão benditas todas as
28.14
Gn 22.18
famílias da terra. 15E eis que estou contigo, e te guardarei por onde quer que
28.15
Sl 121.5,8
fores, e te farei tornar a esta
28.15
Gn 35.6
terra, porque te não deixarei, até que te haja feito o que te tenho dito. 16Acordado, pois, Jacó do seu sono, disse: Na verdade o Senhor está neste lugar, e eu não o sabia. 17E temeu e disse: Quão terrível é este lugar! Este não é outro lugar senão a Casa de Deus; e esta é a porta dos céus.

A coluna de Betel

18Então, levantou-se Jacó pela manhã, de madrugada, e tomou a pedra que tinha posto por sua cabeceira, e a pôs por coluna, e derramou azeite em cima dela. 19E chamou o nome daquele lugar 28.19 que significa Casa de DeusBetel; o nome, porém, daquela cidade, dantes, era Luz. 20E Jacó fez um voto, dizendo: Se Deus for comigo,

28.20
2Sm 15.8
e me guardar nesta viagem que faço, e me der pão para comer e vestes para vestir, 21e eu em paz tornar à casa de meu pai, o Senhor será o meu Deus; 22e esta pedra, que tenho posto por
28.22
Gn 35.7
coluna, será Casa de Deus; e, de tudo quanto me deres, certamente te darei o dízimo.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]