Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
2

Os deveres das várias classes de pessoas crentes

21Tu, porém, fala o que convém à sã doutrina. 2Quanto aos homens idosos, que sejam temperantes, respeitáveis, sensatos, sadios na fé, no amor e na constância. 3Quanto às mulheres idosas, semelhantemente, que sejam sérias em seu proceder, não caluniadoras, não escravizadas a muito vinho; sejam mestras do bem, 4a fim de instruírem as jovens recém-casadas a amarem ao marido e a seus filhos, 5a serem sensatas, honestas, boas donas de casa, bondosas, sujeitas ao marido, para que a palavra de Deus não seja difamada. 6Quanto aos moços, de igual modo, exorta-os para que, em todas as coisas, sejam criteriosos. 7Torna-te, pessoalmente, padrão de boas obras. No ensino, mostra integridade, reverência, 8linguagem sadia e irrepreensível, para que o adversário seja envergonhado, não tendo indignidade nenhuma que dizer a nosso respeito. 9Quanto aos servos, que sejam, em tudo, obedientes ao seu senhor, dando-lhe motivo de satisfação; não sejam respondões, 10não furtem; pelo contrário, deem prova de toda a fidelidade, a fim de ornarem, em todas as coisas, a doutrina de Deus, nosso Salvador.

Os gloriosos benefícios da graça salvadora de Cristo

11Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, 12educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente, 13aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus, 14o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniquidade

2.14
Sl 130.8
e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu,
2.14
Êx 19.5
Dt 7.6
14.2
zeloso de boas obras.

15Dize estas coisas; exorta e repreende também com toda a autoridade. Ninguém te despreze.

3

A obediência às autoridades. A salvação pela graça leva às boas obras

31Lembra-lhes que se sujeitem aos que governam, às autoridades; sejam obedientes, estejam prontos para toda boa obra, 2não difamem a ninguém; nem sejam altercadores, mas cordatos, dando provas de toda cortesia, para com todos os homens. 3Pois nós também, outrora, éramos néscios, desobedientes, desgarrados, escravos de toda sorte de paixões e prazeres, vivendo em malícia e inveja, odiosos e odiando-nos uns aos outros. 4Quando, porém, se manifestou a benignidade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com todos, 5não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo sua misericórdia, ele nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo, 6que ele derramou sobre nós ricamente, por meio de Jesus Cristo, nosso Salvador, 7a fim de que, justificados por graça, nos tornemos seus herdeiros, segundo a esperança da vida eterna.

8Fiel é esta palavra, e quero que, no tocante a estas coisas, faças afirmação, confiadamente, para que os que têm crido em Deus sejam solícitos na prática de boas obras. Estas coisas são excelentes e proveitosas aos homens. 9Evita discussões insensatas, genealogias, contendas e debates sobre a lei; porque não têm utilidade e são fúteis. 10Evita o homem faccioso, depois de admoestá-lo primeira e segunda vez, 11pois sabes que tal pessoa está pervertida, e vive pecando, e por si mesma está condenada.

As recomendações particulares. As saudações finais. A bênção

12Quando te enviar Ártemas ou Tíquico,

3.12
At 20.4
Ef 6.21-22
Cl 4.7-8
2Tm 4.12
apressa-te a vir até Nicópolis ao meu encontro. Estou resolvido a passar o inverno ali. 13Encaminha com diligência Zenas, o intérprete da lei, e Apolo,
3.13
At 18.24
1Co 16.12
a fim de que não lhes falte coisa alguma. 14Agora, quanto aos nossos, que aprendam também a distinguir-se nas boas obras a favor dos necessitados,3.14 a distinguir-se nas boas obras a favor dos necessitados; ou a exercer ocupações honestas para suprir as suas necessidades para não se tornarem infrutíferos. 15Todos os que se acham comigo te saúdam; saúda quantos nos amam na fé.

A graça seja com todos vós.