Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
6

O Cordeiro abre os selos. O primeiro selo

61Vi quando o Cordeiro abriu um dos sete selos e ouvi um dos quatro seres viventes dizendo, como se fosse voz de trovão: Vem! 2Vi, então, e eis um cavalo branco

6.2
Zc 1.8
6.3
e o seu cavaleiro com um arco; e foi-lhe dada uma coroa; e ele saiu vencendo e para vencer.

O segundo selo

3Quando abriu o segundo selo, ouvi o segundo ser vivente dizendo: Vem! 4E saiu outro cavalo, vermelho;

6.4
Zc 1.8
6.2
e ao seu cavaleiro, foi-lhe dado tirar a paz da terra para que os homens se matassem uns aos outros; também lhe foi dada uma grande espada.

O terceiro selo

5Quando abriu o terceiro selo, ouvi o terceiro ser vivente dizendo: Vem! Então, vi, e eis um cavalo preto

6.5
Zc 6.2-6
e o seu cavaleiro com uma balança na mão. 6E ouvi uma como que voz no meio dos quatro seres viventes dizendo: Uma medida de trigo por um denário; três medidas de cevada por um denário; e não danifiques o azeite e o vinho.

O quarto selo

7Quando o Cordeiro abriu o quarto selo, ouvi a voz do quarto ser vivente dizendo: Vem! 8E olhei, e eis um cavalo amarelo e o seu cavaleiro, sendo este chamado Morte; e o Inferno o estava seguindo, e foi-lhes dada autoridade sobre a quarta parte da terra para matar

6.8
Jr 15.3
Ez 5.12,17
14.21
à espada, pela fome, com a mortandade e por meio das feras da terra.

O quinto selo

9Quando ele abriu o quinto selo, vi, debaixo do altar, as almas daqueles que tinham sido mortos por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho que sustentavam. 10Clamaram em grande voz, dizendo: Até quando, ó Soberano Senhor, santo e verdadeiro, não julgas, nem vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra? 11Então, a cada um deles foi dada uma vestidura branca, e lhes disseram que repousassem ainda por pouco tempo, até que também se completasse o número dos seus conservos e seus irmãos que iam ser mortos como igualmente eles foram.

O sexto selo

12Vi quando o Cordeiro abriu o sexto selo, e sobreveio grande terremoto. O sol se tornou negro

6.12
Is 13.10
Ez 32.7
Jl 2.31
Mt 24.29
Mc 13.24-25
Lc 21.25
como saco de crina, a lua toda, como sangue, 13as estrelas do céu caíram pela terra, como a figueira, quando abalada por vento forte, deixa cair os seus figos verdes, 14e o céu recolheu-se como um pergaminho quando se enrola. Então, todos os montes e ilhas foram movidos do seu lugar.
6.13-14
Is 34.4
15Os reis da terra, os grandes, os comandantes, os ricos, os poderosos e todo escravo e todo livre se esconderam nas cavernas e nos penhascos
6.15
Is 2.10
dos montes 16e disseram aos montes e aos rochedos:
6.16
Os 10.8
Caí sobre nós e escondei-nos da face daquele que se assenta no trono e da ira do Cordeiro, 17porque chegou o grande Dia da ira deles;
6.17
Jl 2.11
Ml 3.2
e quem é que pode suster-se?

7

Os cento e quarenta e quatro mil selados de Israel

71Depois disto, vi quatro anjos em pé nos quatro cantos da terra, conservando seguros os quatro ventos

7.1
Zc 6.5
da terra, para que nenhum vento soprasse sobre a terra, nem sobre o mar, nem sobre árvore alguma. 2Vi outro anjo que subia do nascente do sol, tendo o selo do Deus vivo, e clamou em grande voz aos quatro anjos, aqueles aos quais fora dado fazer dano à terra e ao mar, 3dizendo: Não danifiqueis nem a terra, nem o mar, nem as árvores, até selarmos na fronte os servos do nosso Deus.
7.3
Ez 9.4
4Então, ouvi o número dos que foram selados, que era cento e quarenta e quatro mil, de todas as tribos dos filhos de Israel: 5da tribo de Judá foram selados doze mil; da tribo de Rúben, doze mil; da tribo de Gade, doze mil; 6da tribo de Aser, doze mil; da tribo de Naftali, doze mil; da tribo de Manassés, doze mil; 7da tribo de Simeão, doze mil; da tribo de Levi, doze mil; da tribo de Issacar, doze mil; 8da tribo de Zebulom, doze mil; da tribo de José, doze mil; da tribo de Benjamim foram selados doze mil.

A visão dos glorificados

9Depois destas coisas, vi, e eis grande multidão que ninguém podia enumerar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, vestidos de vestiduras brancas, com palmas nas mãos; 10e clamavam em grande voz, dizendo:

Ao nosso Deus, que se assenta no trono,

e ao Cordeiro,

pertence a salvação.

11Todos os anjos estavam de pé rodeando o trono, os anciãos e os quatro seres viventes, e ante o trono se prostraram sobre o seu rosto, e adoraram a Deus, 12dizendo:

Amém! O louvor, e a glória,

e a sabedoria, e as ações de graças,

e a honra, e o poder, e a força

sejam ao nosso Deus,

pelos séculos dos séculos. Amém!

13Um dos anciãos tomou a palavra, dizendo: Estes, que se vestem de vestiduras brancas, quem são e donde vieram? 14Respondi-lhe: meu Senhor, tu o sabes. Ele, então, me disse: São estes os que vêm da grande tribulação,

7.14
Dn 12.1
Mt 24.21
Mc 13.19
lavaram suas vestiduras e as alvejaram no sangue do Cordeiro, 15razão por que se acham diante do trono de Deus e o servem de dia e de noite no seu santuário; e aquele que se assenta no trono estenderá sobre eles o seu tabernáculo. 16Jamais terão fome,
7.16
Is 49.10
nunca mais terão sede, não cairá sobre eles o sol, nem ardor algum, 17pois o Cordeiro que se encontra no meio do trono os apascentará
7.17
Sl 23.1
Ez 34.23
e os guiará para as fontes
7.17
Sl 23.2
da água da vida. E Deus lhes enxugará dos olhos toda lágrima.
7.17
Is 25.8

8

O sétimo selo. Os sete anjos com as suas trombetas

81Quando o Cordeiro abriu o sétimo selo, houve silêncio no céu cerca de meia hora. 2Então, vi os sete anjos que se acham em pé diante de Deus, e lhes foram dadas sete trombetas.

3Veio outro anjo e ficou de pé junto ao altar,

8.3
Êx 30.1
com um incensário de ouro, e foi-lhe dado muito incenso para oferecê-lo com as orações de todos os santos sobre o altar de ouro que se acha diante do trono; 4e da mão do anjo subiu à presença de Deus a fumaça do incenso, com as orações dos santos. 5E o anjo tomou o incensário, encheu-o do fogo
8.5
Lv 16.12
do altar e o atirou à terra.
8.5
Ez 10.2
E houve trovões,
8.5
Ap 11.19
16.18
vozes, relâmpagos e terremoto. 6Então, os sete anjos que tinham as sete trombetas prepararam-se para tocar.

A primeira trombeta

7O primeiro anjo tocou a trombeta, e houve saraiva e fogo

8.7
Êx 9.23-25
de mistura com sangue, e foram atirados à terra. Foi, então, queimada a terça parte da terra, e das árvores, e também toda erva verde.

A segunda trombeta

8O segundo anjo tocou a trombeta, e uma como que grande montanha ardendo em chamas foi atirada ao mar, cuja terça parte se tornou em sangue, 9e morreu a terça parte da criação que tinha vida, existente no mar, e foi destruída a terça parte das embarcações.

A terceira trombeta

10O terceiro anjo tocou a trombeta, e caiu do céu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas uma grande estrela,

8.10
Is 14.12
ardendo como tocha. 11O nome da estrela é Absinto; e a terça parte das águas se tornou em absinto, e muitos dos homens morreram por causa dessas águas, porque se tornaram amargosas.

A quarta trombeta

12O quarto anjo tocou a trombeta, e foi ferida a terça parte do sol,

8.12
Is 13.10
Ez 32.7
Jl 2.10
da lua e das estrelas, para que a terça parte deles escurecesse e, na sua terça parte, não brilhasse, tanto o dia como também a noite. 13Então, vi e ouvi uma águia que, voando pelo meio do céu, dizia em grande voz: Ai! Ai! Ai dos que moram na terra, por causa das restantes vozes da trombeta dos três anjos que ainda têm de tocar!

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]