Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
6

O Cordeiro abre os selos. O primeiro selo

61Vi quando o Cordeiro abriu um dos sete selos e ouvi um dos quatro seres viventes dizendo, como se fosse voz de trovão: Vem! 2Vi, então, e eis um cavalo branco

6.2
Zc 1.8
6.3
e o seu cavaleiro com um arco; e foi-lhe dada uma coroa; e ele saiu vencendo e para vencer.

O segundo selo

3Quando abriu o segundo selo, ouvi o segundo ser vivente dizendo: Vem! 4E saiu outro cavalo, vermelho;

6.4
Zc 1.8
6.2
e ao seu cavaleiro, foi-lhe dado tirar a paz da terra para que os homens se matassem uns aos outros; também lhe foi dada uma grande espada.

O terceiro selo

5Quando abriu o terceiro selo, ouvi o terceiro ser vivente dizendo: Vem! Então, vi, e eis um cavalo preto

6.5
Zc 6.2-6
e o seu cavaleiro com uma balança na mão. 6E ouvi uma como que voz no meio dos quatro seres viventes dizendo: Uma medida de trigo por um denário; três medidas de cevada por um denário; e não danifiques o azeite e o vinho.

O quarto selo

7Quando o Cordeiro abriu o quarto selo, ouvi a voz do quarto ser vivente dizendo: Vem! 8E olhei, e eis um cavalo amarelo e o seu cavaleiro, sendo este chamado Morte; e o Inferno o estava seguindo, e foi-lhes dada autoridade sobre a quarta parte da terra para matar

6.8
Jr 15.3
Ez 5.12,17
14.21
à espada, pela fome, com a mortandade e por meio das feras da terra.

O quinto selo

9Quando ele abriu o quinto selo, vi, debaixo do altar, as almas daqueles que tinham sido mortos por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho que sustentavam. 10Clamaram em grande voz, dizendo: Até quando, ó Soberano Senhor, santo e verdadeiro, não julgas, nem vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra? 11Então, a cada um deles foi dada uma vestidura branca, e lhes disseram que repousassem ainda por pouco tempo, até que também se completasse o número dos seus conservos e seus irmãos que iam ser mortos como igualmente eles foram.

O sexto selo

12Vi quando o Cordeiro abriu o sexto selo, e sobreveio grande terremoto. O sol se tornou negro

6.12
Is 13.10
Ez 32.7
Jl 2.31
Mt 24.29
Mc 13.24-25
Lc 21.25
como saco de crina, a lua toda, como sangue, 13as estrelas do céu caíram pela terra, como a figueira, quando abalada por vento forte, deixa cair os seus figos verdes, 14e o céu recolheu-se como um pergaminho quando se enrola. Então, todos os montes e ilhas foram movidos do seu lugar.
6.13-14
Is 34.4
15Os reis da terra, os grandes, os comandantes, os ricos, os poderosos e todo escravo e todo livre se esconderam nas cavernas e nos penhascos
6.15
Is 2.10
dos montes 16e disseram aos montes e aos rochedos:
6.16
Os 10.8
Caí sobre nós e escondei-nos da face daquele que se assenta no trono e da ira do Cordeiro, 17porque chegou o grande Dia da ira deles;
6.17
Jl 2.11
Ml 3.2
e quem é que pode suster-se?