Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
67

As nações rendem graças

Ao mestre de canto. Para instrumentos de cordas. Salmo. Cântico

671Seja Deus gracioso para conosco, e nos abençoe,

e faça resplandecer sobre nós o rosto;

2para que se conheça na terra o teu caminho

e, em todas as nações, a tua salvação.

3Louvem-te os povos, ó Deus;

louvem-te os povos todos.

4Alegrem-se e exultem as gentes,

pois julgas os povos com equidade

e guias na terra as nações.

5Louvem-te os povos, ó Deus;

louvem-te os povos todos.

6A terra deu o seu fruto,

e Deus, o nosso Deus, nos abençoa.

7Abençoe-nos Deus,

e todos os confins da terra o temerão.

68

A vitória de Deus sobre os seus inimigos

Ao mestre de canto. Salmo de Davi. Cântico

681Levanta-se Deus; dispersam-se os seus inimigos;

de sua presença fogem os que o aborrecem.

2Como se dissipa a fumaça, assim tu os dispersas;

como se derrete a cera ante o fogo,

assim à presença de Deus perecem os iníquos.

3Os justos, porém, se regozijam,

exultam na presença de Deus

e folgam de alegria.

4Cantai a Deus, salmodiai o seu nome;

exaltai o que cavalga sobre as nuvens.

Senhor é o seu nome, exultai diante dele.

5Pai dos órfãos e juiz das viúvas

é Deus em sua santa morada.

6Deus faz que o solitário more em família;

tira os cativos para a prosperidade;

só os rebeldes habitam em terra estéril.

7Ao saíres, ó Deus, à frente do teu povo,

ao avançares pelo deserto,

8tremeu a terra; também os céus gotejaram

à presença de Deus;

o próprio Sinai

68.8
Êx 19.18
se abalou na presença de Deus,

do Deus de Israel.

9Copiosa chuva derramaste, ó Deus, para a tua herança;

quando já ela estava exausta, tu a restabeleceste.

10Aí habitou a tua grei;

em tua bondade, ó Deus, fizeste provisão para os necessitados.

11O Senhor deu a palavra,

grande é a falange das mensageiras das boas-novas.

12Reis de exércitos fogem e fogem;

a dona de casa reparte os despojos.

13Por que repousais entre as cercas dos apriscos?

As asas da pomba são cobertas de prata,

cujas penas maiores têm o brilho flavo do ouro.

14Quando o Todo-Poderoso ali dispersa os reis,

cai neve sobre o monte Zalmom.

15O monte de Deus é Basã,

serra de elevações é o monte de Basã.

16Por que olhais com inveja, ó montes elevados,

o monte que Deus escolheu para sua habitação?

O Senhor habitará nele para sempre.

17Os carros de Deus são vinte mil,

sim, milhares de milhares.

No meio deles, está o Senhor;

o Sinai tornou-se em santuário.

18Subiste às alturas,

68.18
Ef 4.8
levaste cativo o cativeiro;

recebeste homens por dádivas, até mesmo rebeldes,

para que o Senhor Deus habite no meio deles.

19Bendito seja o Senhor que, dia a dia, leva o nosso fardo!

Deus é a nossa salvação.

20O nosso Deus é o Deus libertador;

com Deus, o Senhor, está o escaparmos da morte.

21Sim, Deus parte a cabeça dos seus inimigos

e o cabeludo crânio do que anda nos seus próprios delitos.

22Disse o Senhor: De Basã os farei voltar,

fá-los-ei tornar das profundezas do mar,

23para que banhes o pé em sangue,

e a língua dos teus cães tenha o seu quinhão dos inimigos.

24Viu-se, ó Deus, o teu cortejo,

o cortejo do meu Deus, do meu Rei, no santuário.

25Os cantores iam adiante,

atrás, os tocadores de instrumentos de cordas,

em meio às donzelas com adufes.

26Bendizei a Deus nas congregações,

bendizei ao Senhor, vós que sois da estirpe de Israel.

27Ali, está o mais novo, Benjamim, que os precede,

os príncipes de Judá, com o seu séquito,

os príncipes de Zebulom e os príncipes de Naftali.

28Reúne, ó Deus, a tua força,

força divina que usaste a nosso favor,

29oriunda do teu templo em Jerusalém.

Os reis te oferecerão presentes.

30Reprime a fera dos canaviais,

a multidão dos fortes como touros

e dos povos com novilhos;

calcai aos pés os que cobiçam barras de prata.

Dispersa os povos que se comprazem na guerra.

31Príncipes vêm do Egito;

a Etiópia corre a estender mãos cheias para Deus.

32Reinos da terra, cantai a Deus,

salmodiai ao Senhor,

33àquele que encima os céus, os céus da antiguidade;

eis que ele faz ouvir a sua voz, voz poderosa.

34Tributai glória a Deus;

a sua majestade está sobre Israel,

e a sua fortaleza, nos espaços siderais.

35Ó Deus, tu és tremendo nos teus santuários;

o Deus de Israel,

ele dá força e poder ao povo.

Bendito seja Deus!

69

O lamento do Messias

Ao mestre de canto. Segundo a melodia “Os lírios”. De Davi

691Salva-me, ó Deus,

porque as águas me sobem até à alma.

2Estou atolado em profundo lamaçal,

que não dá pé;

estou nas profundezas das águas,

e a corrente me submerge.

3Estou cansado de clamar,

secou-se-me a garganta;

os meus olhos desfalecem

de tanto esperar por meu Deus.

4São mais que os cabelos de minha cabeça

os que, sem razão, me odeiam;

69.4
Sl 35.19
Jo 15.25

são poderosos os meus destruidores,

os que com falsos motivos são meus inimigos;

por isso, tenho de restituir

o que não furtei.

5Tu, ó Deus, bem conheces a minha estultice,

e as minhas culpas não te são ocultas.

6Não sejam envergonhados por minha causa os que esperam em ti,

ó Senhor, Deus dos Exércitos;

nem por minha causa sofram vexame os que te buscam,

ó Deus de Israel.

7Pois tenho suportado afrontas por amor de ti,

e o rosto se me encobre de vexame.

8Tornei-me estranho a meus irmãos

e desconhecido aos filhos de minha mãe.

9Pois o zelo da tua casa

69.9
Jo 2.17
me consumiu,

e as injúrias

69.9
Rm 15.3
dos que te ultrajam caem sobre mim.

10Chorei, em jejum está a minha alma,

e isso mesmo se me tornou em afrontas.

11Pus um pano de saco por veste

e me tornei objeto de escárnio para eles.

12Tagarelam sobre mim os que à porta se assentam,

e sou motivo para cantigas de beberrões.

13Quanto a mim, porém, Senhor,

faço a ti, em tempo favorável, a minha oração.

Responde-me, ó Deus, pela riqueza da tua graça;

pela tua fidelidade em socorrer,

14livra-me do tremedal,

para que não me afunde;

seja eu salvo dos que me odeiam

e das profundezas das águas.

15Não me arraste a corrente das águas,

nem me trague a voragem,

nem se feche sobre mim a boca do poço.

16Responde-me, Senhor, pois compassiva é a tua graça;

volta-te para mim segundo a riqueza das tuas misericórdias.

17Não escondas o rosto ao teu servo, pois estou atribulado;

responde-me depressa.

18Aproxima-te de minha alma e redime-a;

resgata-me por causa dos meus inimigos.

19Tu conheces a minha afronta,

a minha vergonha e o meu vexame;

todos os meus adversários estão à tua vista.

20O opróbrio partiu-me o coração, e desfaleci;

esperei por piedade, mas debalde;

por consoladores, e não os achei.

21Por alimento me deram fel

e na minha sede me deram a beber vinagre.

69.21
Mt 27.48
Mc 15.36
Jo 19.28-29

22Sua mesa torne-se-lhes diante deles em laço,

e a prosperidade, em armadilha.

23Obscureçam-se-lhes os olhos, para que não vejam;

e faze que sempre lhes vacile o dorso.

69.22-23
Rm 11.9-10

24Derrama sobre eles a tua indignação,

e que o ardor da tua ira os alcance.

25Fique deserta a sua morada,

69.25
At 1.20

e não haja quem habite as suas tendas.

26Pois perseguem a quem tu feriste

e acrescentam dores àquele a quem golpeaste.

27Soma-lhes iniquidade à iniquidade,

e não gozem da tua absolvição.

28Sejam riscados do Livro dos Vivos

69.28
Ap 3.5
13.8
17.8

e não tenham registro com os justos.

29Quanto a mim, porém, amargurado e aflito,

ponha-me o teu socorro, ó Deus, em alto refúgio.

30Louvarei com cânticos o nome de Deus,

exaltá-lo-ei com ações de graças.

31Será isso muito mais agradável ao Senhor

do que um boi ou um novilho com chifres e unhas.

32Vejam isso os aflitos e se alegrem;

quanto a vós outros que buscais a Deus, que o vosso coração reviva.

33Porque o Senhor responde aos necessitados

e não despreza os seus prisioneiros.

34Louvem-no os céus e a terra,

os mares e tudo quanto neles se move.

35Porque Deus salvará Sião

e edificará as cidades de Judá,

e ali habitarão e hão de possuí-la.

36Também a descendência dos seus servos a herdará,

e os que lhe amam o nome nela habitarão.