Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
49

A vaidade do homem

Ao mestre de canto. Salmo dos filhos de Corá

491Povos todos, escutai isto;

dai ouvidos, moradores todos da terra,

2tanto plebeus como os de fina estirpe,

todos juntamente, ricos e pobres.

3Os meus lábios falarão sabedoria,

e o meu coração terá pensamentos judiciosos.

4Inclinarei os ouvidos a uma parábola,

decifrarei o meu enigma ao som da harpa.

5Por que hei de eu temer nos dias da tribulação,

quando me salteia a iniquidade dos que me perseguem,

6dos que confiam nos seus bens

e na sua muita riqueza se gloriam?

7Ao irmão, verdadeiramente, ninguém o pode remir,

nem pagar por ele a Deus o seu resgate

8(Pois a redenção da alma deles é caríssima,

e cessará a tentativa para sempre.),

9para que continue a viver perpetuamente

e não veja a cova;

10porquanto vê-se morrerem os sábios

e perecerem tanto o estulto como o inepto,

os quais deixam a outros as suas riquezas.

11O seu pensamento íntimo é que as suas casas serão perpétuas

e, as suas moradas, para todas as gerações;

chegam a dar seu próprio nome às suas terras.

12Todavia, o homem não permanece em sua ostentação;

é, antes, como os animais, que perecem.

13Tal proceder é estultícia deles;

assim mesmo os seus seguidores aplaudem o que eles dizem.

14Como ovelhas são postos na sepultura;

a morte é o seu pastor;

eles descem diretamente para a cova,

onde a sua formosura se consome;

a sepultura é o lugar em que habitam.

15Mas Deus remirá a minha alma do poder da morte,

pois ele me tomará para si.

16Não temas, quando alguém se enriquecer,

quando avultar a glória de sua casa;

17pois, em morrendo, nada levará consigo,

a sua glória não o acompanhará.

18Ainda que durante a vida ele se tenha lisonjeado,

e ainda que o louvem quando faz o bem a si mesmo,

19irá ter com a geração de seus pais,

os quais já não verão a luz.

20O homem, revestido de honrarias, mas sem entendimento,

é, antes, como os animais, que perecem.