Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
43

Desejos pelo santuário

431Faze-me justiça, ó Deus, e pleiteia a minha causa

contra a nação contenciosa;

livra-me do homem fraudulento e injusto.

2Pois tu és o Deus da minha fortaleza.

Por que me rejeitas?

Por que hei de andar eu lamentando

sob a opressão dos meus inimigos?

3Envia a tua luz e a tua verdade,

para que me guiem

e me levem ao teu santo monte

e aos teus tabernáculos.

4Então, irei ao altar de Deus,

de Deus, que é a minha grande alegria;

ao som da harpa eu te louvarei,

ó Deus, Deus meu.

5Por que estás abatida, ó minha alma?

Por que te perturbas dentro de mim?

Espera em Deus, pois ainda o louvarei,

a ele, meu auxílio e Deus meu.

44

Apelo por auxílio divino

Ao mestre de canto. Dos filhos de Corá. Salmo didático

441Ouvimos, ó Deus, com os próprios ouvidos;

nossos pais nos têm contado

o que outrora fizeste, em seus dias.

2Como por tuas próprias mãos desapossaste as nações

e os estabeleceste;

oprimiste os povos

e aos pais deste largueza.

3Pois não foi por sua espada que possuíram a terra,

nem foi o seu braço que lhes deu vitória,

e sim a tua destra, e o teu braço,

e o fulgor do teu rosto,

porque te agradaste deles.

4Tu és o meu rei, ó Deus;

ordena a vitória de Jacó.

5Com o teu auxílio, vencemos os nossos inimigos;

em teu nome, calcamos aos pés os que se levantam contra nós.

6Não confio no meu arco,

e não é a minha espada que me salva.

7Pois tu nos salvaste dos nossos inimigos

e cobriste de vergonha os que nos odeiam.

8Em Deus, nos temos gloriado continuamente

e para sempre louvaremos o teu nome.

9Agora, porém, tu nos lançaste fora, e nos expuseste à vergonha,

e já não sais com os nossos exércitos.

10Tu nos fazes bater em retirada à vista dos nossos inimigos,

e os que nos odeiam nos tomam por seu despojo.

11Entregaste-nos como ovelhas para o corte

e nos espalhaste entre as nações.

12Vendes por um nada o teu povo

e nada lucras com o seu preço.

13Tu nos fazes opróbrio dos nossos vizinhos,

escárnio e zombaria aos que nos rodeiam.

14Pões-nos por ditado entre as nações,

alvo de meneios de cabeça entre os povos.

15A minha ignomínia está sempre diante de mim;

cobre-se de vergonha o meu rosto,

16ante os gritos do que afronta e blasfema,

à vista do inimigo e do vingador.

17Tudo isso nos sobreveio;

entretanto, não nos esquecemos de ti,

nem fomos infiéis à tua aliança.

18Não tornou atrás o nosso coração,

nem se desviaram os nossos passos dos teus caminhos,

19para nos esmagares onde vivem os chacais

e nos envolveres com as sombras da morte.

20Se tivéssemos esquecido o nome do nosso Deus

ou tivéssemos estendido as mãos a deus estranho,

21porventura, não o teria atinado Deus,

ele, que conhece os segredos dos corações?

22Mas, por amor de ti,

44.22
Rm 8.36
somos entregues à morte continuamente,

somos considerados como ovelhas para o matadouro.

23Desperta! Por que dormes, Senhor?

Desperta! Não nos rejeites para sempre!

24Por que escondes a face

e te esqueces da nossa miséria e da nossa opressão?

25Pois a nossa alma está abatida até ao pó,

e o nosso corpo, como que pegado no chão.

26Levanta-te para socorrer-nos

e resgata-nos por amor da tua benignidade.

45

O Ungido de Deus e a sua noiva

Ao mestre de canto, segundo a melodia “Os lírios”. Dos filhos de Corá. Salmo didático. Cântico de amor

451De boas palavras transborda o meu coração.

Ao Rei consagro o que compus;

a minha língua é como a pena de habilidoso escritor.

2Tu és o mais formoso dos filhos dos homens;

nos teus lábios se extravasou a graça;

por isso, Deus te abençoou para sempre.

3Cinge a espada no teu flanco, herói;

cinge a tua glória e a tua majestade!

4E nessa majestade cavalga prosperamente,

pela causa da verdade e da justiça;

e a tua destra te ensinará proezas.

5As tuas setas são agudas,

penetram o coração dos inimigos do Rei;

os povos caem submissos a ti.

6O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre;

cetro de equidade é o cetro do teu reino.

7Amas a justiça e odeias a iniquidade;

por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu

com o óleo de alegria, como a nenhum dos teus companheiros.

45.6-7
Hb 1.8-9

8Todas as tuas vestes recendem a mirra, aloés e cássia;

de palácios de marfim ressoam instrumentos de cordas que te alegram.

9Filhas de reis se encontram entre as tuas damas de honra;

à tua direita está a rainha adornada de ouro finíssimo de Ofir.

10Ouve, filha; vê, dá atenção;

esquece o teu povo e a casa de teu pai.

11Então, o Rei cobiçará a tua formosura;

pois ele é o teu senhor; inclina-te perante ele.

12A ti virá a filha de Tiro trazendo donativos;

os mais ricos do povo te pedirão favores.

13Toda formosura é a filha do Rei no interior do palácio;

a sua vestidura é recamada de ouro.

14Em roupagens bordadas conduzem-na perante o Rei;

as virgens, suas companheiras que a seguem,

serão trazidas à tua presença.

15Serão dirigidas com alegria e regozijo;

entrarão no palácio do Rei.

16Em vez de teus pais, serão teus filhos,

os quais farás príncipes por toda a terra.

17O teu nome, eu o farei celebrado de geração a geração,

e, assim, os povos te louvarão para todo o sempre.