Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
18

Vitória e domínio

2Sm 22.1-51

Ao mestre de canto. Salmo de Davi, servo do Senhor, o qual dirigiu ao Senhor as palavras deste cântico, no dia em que o Senhor o livrou de todos os seus inimigos e das mãos de Saul. Ele disse:

181Eu te amo, ó Senhor, força minha.

2O Senhor é a minha rocha, a minha cidadela, o meu libertador;

o meu Deus, o meu rochedo em que me refugio;

o meu escudo, a força da minha salvação, o meu baluarte.

3Invoco o Senhor, digno de ser louvado,

e serei salvo dos meus inimigos.

4Laços de morte me cercaram,

torrentes de impiedade me impuseram terror.

5Cadeias infernais me cingiram,

e tramas de morte me surpreenderam.

6Na minha angústia, invoquei o Senhor,

gritei por socorro ao meu Deus.

Ele do seu templo ouviu a minha voz,

e o meu clamor lhe penetrou os ouvidos.

7Então, a terra se abalou e tremeu,

vacilaram também os fundamentos dos montes

e se estremeceram, porque ele se indignou.

8Das suas narinas subiu fumaça,

e fogo devorador, da sua boca;

dele saíram brasas ardentes.

9Baixou ele os céus, e desceu,

e teve sob os pés densa escuridão.

10Cavalgava um querubim e voou;

sim, levado velozmente nas asas do vento.

11Das trevas fez um manto em que se ocultou;

escuridade de águas e espessas nuvens dos céus eram o seu pavilhão.

12Do resplendor que diante dele havia,

as densas nuvens se desfizeram

em granizo e brasas chamejantes.

13Trovejou, então, o Senhor, nos céus;

o Altíssimo levantou a voz,

e houve granizo e brasas de fogo.

14Despediu as suas setas e espalhou os meus inimigos,

multiplicou os seus raios e os desbaratou.

15Então, se viu o leito das águas,

e se descobriram os fundamentos do mundo,

pela tua repreensão, Senhor,

pelo iroso resfolgar das tuas narinas.

16Do alto me estendeu ele a mão e me tomou;

tirou-me das muitas águas.

17Livrou-me de forte inimigo

e dos que me aborreciam,

pois eram mais poderosos do que eu.

18Assaltaram-me no dia da minha calamidade,

mas o Senhor me serviu de amparo.

19Trouxe-me para um lugar espaçoso;

livrou-me, porque ele se agradou de mim.

20Retribuiu-me o Senhor, segundo a minha justiça,

recompensou-me conforme a pureza das minhas mãos.

21Pois tenho guardado os caminhos do Senhor

e não me apartei perversamente do meu Deus.

22Porque todos os seus juízos me estão presentes,

e não afastei de mim os seus preceitos.

23Também fui íntegro para com ele

e me guardei da iniquidade.

24Daí retribuir-me o Senhor, segundo a minha justiça,

conforme a pureza das minhas mãos, na sua presença.

25Para com o benigno, benigno te mostras;

com o íntegro, também íntegro.

26Com o puro, puro te mostras;

com o perverso, inflexível.

27Porque tu salvas o povo humilde,

mas os olhos altivos, tu os abates.

28Porque fazes resplandecer a minha lâmpada;

o Senhor, meu Deus, derrama luz nas minhas trevas.

29Pois contigo desbarato exércitos,

com o meu Deus salto muralhas.

30O caminho de Deus é perfeito;

a palavra do Senhor é provada;

ele é escudo para todos os que nele se refugiam.

31Pois quem é Deus, senão o Senhor?

E quem é rochedo, senão o nosso Deus?

32O Deus que me revestiu de força

e aperfeiçoou o meu caminho,

33ele deu a meus pés a ligeireza das corças

18.33
Hc 3.19

e me firmou nas minhas alturas.

34Ele adestrou as minhas mãos para o combate,

de sorte que os meus braços vergaram um arco de bronze.

35Também me deste o escudo da tua salvação,

a tua direita me susteve,

e a tua clemência me engrandeceu.

36Alargaste sob meus passos o caminho,

e os meus pés não vacilaram.

37Persegui os meus inimigos, e os alcancei,

e só voltei depois de haver dado cabo deles.

38Esmaguei-os a tal ponto, que não puderam levantar-se;

caíram sob meus pés.

39Pois de força me cingiste para o combate

e me submeteste os que se levantaram contra mim.

40Também puseste em fuga os meus inimigos,

e os que me odiaram, eu os exterminei.

41Gritaram por socorro, mas ninguém lhes acudiu;

clamaram ao Senhor, mas ele não respondeu.

42Então, os reduzi a pó ao léu do vento,

lancei-os fora como a lama das ruas.

43Das contendas do povo me livraste

e me fizeste cabeça das nações;

povo que não conheci me serviu.

44Bastou-lhe ouvir-me a voz, logo me obedeceu;

os estrangeiros se me mostram submissos.

45Sumiram-se os estrangeiros

e das suas fortificações saíram, espavoridos.

46Vive o Senhor, e bendita seja a minha rocha!

Exaltado seja o Deus da minha salvação,

47o Deus que por mim tomou vingança

e me submeteu povos;

48o Deus que me livrou dos meus inimigos;

sim, tu que me exaltaste acima dos meus adversários

e me livraste do homem violento.

49Glorificar-te-ei,

18.49
Rm 15.9
pois, entre os gentios, ó Senhor,

e cantarei louvores ao teu nome.

50É ele quem dá grandes vitórias ao seu rei

e usa de benignidade para com o seu ungido,

com Davi e sua posteridade, para sempre.

19

A excelência da criação e da palavra de Deus

Ao mestre de canto. Salmo de Davi

191Os céus proclamam a glória de Deus,

e o firmamento anuncia as obras das suas mãos.

2Um dia discursa a outro dia,

e uma noite revela conhecimento a outra noite.

3Não há linguagem, nem há palavras,

e deles não se ouve nenhum som;

4no entanto, por toda a terra se faz ouvir a sua voz,

19.4
Rm 10.18

e as suas palavras, até aos confins do mundo.

Aí, pôs uma tenda para o sol,

5o qual, como noivo que sai dos seus aposentos,

se regozija como herói, a percorrer o seu caminho.

6Principia numa extremidade dos céus,

e até à outra vai o seu percurso;

e nada refoge ao seu calor.

7A lei do Senhor é perfeita

e restaura a alma;

o testemunho do Senhor é fiel

e dá sabedoria aos símplices.

8Os preceitos do Senhor são retos

e alegram o coração;

o mandamento do Senhor é puro

e ilumina os olhos.

9O temor do Senhor é límpido

e permanece para sempre;

os juízos do Senhor são verdadeiros

e todos igualmente, justos.

10São mais desejáveis do que ouro,

mais do que muito ouro depurado;

e são mais doces do que o mel

e o destilar dos favos.

11Além disso, por eles se admoesta o teu servo;

em os guardar, há grande recompensa.

12Quem há que possa discernir as próprias faltas?

Absolve-me das que me são ocultas.

13Também da soberba guarda o teu servo,

que ela não me domine;

então, serei irrepreensível

e ficarei livre de grande transgressão.

14As palavras dos meus lábios e o meditar do meu coração

sejam agradáveis na tua presença,

Senhor, rocha minha e redentor meu!

20

Oração a favor do rei

Ao mestre de canto. Salmo de Davi

201O Senhor te responda no dia da tribulação;

o nome do Deus de Jacó te eleve em segurança.

2Do seu santuário te envie socorro

e desde Sião te sustenha.

3Lembre-se de todas as tuas ofertas de manjares

e aceite os teus holocaustos.

4Conceda-te segundo o teu coração

e realize todos os teus desígnios.

5Celebraremos com júbilo a tua vitória

e em nome do nosso Deus hastearemos pendões;

satisfaça o Senhor a todos os teus votos.

6Agora, sei que o Senhor salva o seu ungido;

ele lhe responderá do seu santo céu

com a vitoriosa força de sua destra.

7Uns confiam em carros, outros, em cavalos;

nós, porém, nos gloriaremos em o nome do Senhor, nosso Deus.

8Eles se encurvam e caem;

nós, porém, nos levantamos e nos mantemos de pé.

9Ó Senhor, dá vitória ao rei;

responde-nos, quando clamarmos.