Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
142

Oração no meio de grande perigo

Salmo didático de Davi. Oração que fez quando estava na caverna

142, título
1Sm 24.3

1421Ao Senhor ergo a minha voz e clamo,

com a minha voz suplico ao Senhor.

2Derramo perante ele a minha queixa,

à sua presença exponho a minha tribulação.

3Quando dentro de mim me esmorece o espírito,

conheces a minha vereda.

No caminho em que ando,

me ocultam armadilha.

4Olha à minha direita e vê,

pois não há quem me reconheça,

nenhum lugar de refúgio,

ninguém que por mim se interesse.

5A ti clamo, Senhor,

e digo: tu és o meu refúgio,

o meu quinhão na terra dos viventes.

6Atende o meu clamor,

pois me vejo muito fraco.

Livra-me dos meus perseguidores,

porque são mais fortes do que eu.

7Tira a minha alma do cárcere,

para que eu dê graças ao teu nome;

os justos me rodearão,

quando me fizeres esse bem.

143

Súplica por libertação

Salmo de Davi

1431Atende, Senhor, a minha oração,

dá ouvidos às minhas súplicas.

Responde-me, segundo a tua fidelidade, segundo a tua justiça.

2Não entres em juízo com o teu servo,

porque à tua vista não há justo nenhum vivente.

143.2
Rm 3.20
Gl 2.16

3Pois o inimigo me tem perseguido a alma;

tem arrojado por terra a minha vida;

tem-me feito habitar na escuridão,

como aqueles que morreram há muito.

4Por isso, dentro de mim esmorece o meu espírito,

e o coração se vê turbado.

5Lembro-me dos dias de outrora,

penso em todos os teus feitos

e considero nas obras das tuas mãos.

6A ti levanto as mãos;

a minha alma anseia por ti, como terra sedenta.

7Dá-te pressa, Senhor, em responder-me;

o espírito me desfalece;

não me escondas a tua face,

para que eu não me torne como os que baixam à cova.

8Faze-me ouvir, pela manhã, da tua graça,

pois em ti confio;

mostra-me o caminho por onde devo andar,

porque a ti elevo a minha alma.

9Livra-me, Senhor, dos meus inimigos;

pois em ti é que me refugio.

10Ensina-me a fazer a tua vontade,

pois tu és o meu Deus;

guie-me o teu bom Espírito por terreno plano.

11Vivifica-me, Senhor, por amor do teu nome;

por amor da tua justiça, tira da tribulação a minha alma.

12E, por tua misericórdia, dá cabo dos meus inimigos

e destrói todos os que me atribulam a alma,

pois eu sou teu servo.

144

Ações de graças pela proteção de Deus

Salmo de Davi

1441Bendito seja o Senhor, rocha minha,

que me adestra as mãos para a batalha

e os dedos, para a guerra;

2minha misericórdia e fortaleza minha,

meu alto refúgio e meu libertador,

meu escudo, aquele em quem confio

e quem me submete o meu povo.

3Senhor, que é o homem

144.3
Jó 7.17-18
Sl 8.4
para que dele tomes conhecimento?

E o filho do homem, para que o estimes?

4O homem é como um sopro;

os seus dias, como a sombra que passa.

5Abaixa, Senhor, os teus céus e desce;

toca os montes, e fumegarão.

6Despede relâmpagos e dispersa os meus inimigos;

arremessa as tuas flechas e desbarata-os.

7Estende a mão lá do alto;

livra-me e arrebata-me das muitas águas

e do poder de estranhos,

8cuja boca profere mentiras,

e cuja direita é direita de falsidade.

9A ti, ó Deus, entoarei novo cântico;

no saltério de dez cordas, te cantarei louvores.

10É ele quem dá aos reis a vitória;

quem livra da espada maligna a Davi, seu servo.

11Livra-me e salva-me do poder de estranhos,

cuja boca profere mentiras,

e cuja direita é direita de falsidade.

12Que nossos filhos

sejam, na sua mocidade, como plantas viçosas,

e nossas filhas, como pedras angulares,

lavradas como colunas de palácio;

13que transbordem os nossos celeiros,

atulhados de toda sorte de provisões;

que os nossos rebanhos produzam a milhares

e a dezenas de milhares, em nossos campos;

14que as nossas vacas andem pejadas,

não lhes haja rotura, nem mau sucesso.

Não haja gritos de lamento em nossas praças.

15Bem-aventurado o povo a quem assim sucede!

Sim, bem-aventurado é o povo cujo Deus é o Senhor!