Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
141

Oração vespertina por santificação e proteção

Salmo de Davi

1411Senhor, a ti clamo, dá-te pressa em me acudir;

inclina os ouvidos à minha voz, quando te invoco.

2Suba à tua presença a minha oração, como incenso,

141.2
Ap 5.8

e seja o erguer de minhas mãos como oferenda vespertina.

3Põe guarda, Senhor, à minha boca;

vigia a porta dos meus lábios.

4Não permitas que meu coração se incline para o mal,

para a prática da perversidade

na companhia de homens que são malfeitores;

e não coma eu das suas iguarias.

5Fira-me o justo, será isso mercê;

repreenda-me, será como óleo sobre a minha cabeça,

a qual não há de rejeitá-lo.

Continuarei a orar enquanto os perversos praticam maldade.

6Os seus juízes serão precipitados penha abaixo,

mas ouvirão as minhas palavras, que são agradáveis,

7ainda que sejam espalhados os meus ossos à boca da sepultura,

quando se lavra e sulca a terra.

8Pois em ti, Senhor Deus, estão fitos os meus olhos:

em ti confio; não desampares a minha alma.

9Guarda-me dos laços que me armaram

e das armadilhas dos que praticam iniquidade.

10Caiam os ímpios nas suas próprias redes,

enquanto eu, nesse meio tempo, me salvo incólume.

142

Oração no meio de grande perigo

Salmo didático de Davi. Oração que fez quando estava na caverna

142, título
1Sm 24.3

1421Ao Senhor ergo a minha voz e clamo,

com a minha voz suplico ao Senhor.

2Derramo perante ele a minha queixa,

à sua presença exponho a minha tribulação.

3Quando dentro de mim me esmorece o espírito,

conheces a minha vereda.

No caminho em que ando,

me ocultam armadilha.

4Olha à minha direita e vê,

pois não há quem me reconheça,

nenhum lugar de refúgio,

ninguém que por mim se interesse.

5A ti clamo, Senhor,

e digo: tu és o meu refúgio,

o meu quinhão na terra dos viventes.

6Atende o meu clamor,

pois me vejo muito fraco.

Livra-me dos meus perseguidores,

porque são mais fortes do que eu.

7Tira a minha alma do cárcere,

para que eu dê graças ao teu nome;

os justos me rodearão,

quando me fizeres esse bem.

143

Súplica por libertação

Salmo de Davi

1431Atende, Senhor, a minha oração,

dá ouvidos às minhas súplicas.

Responde-me, segundo a tua fidelidade, segundo a tua justiça.

2Não entres em juízo com o teu servo,

porque à tua vista não há justo nenhum vivente.

143.2
Rm 3.20
Gl 2.16

3Pois o inimigo me tem perseguido a alma;

tem arrojado por terra a minha vida;

tem-me feito habitar na escuridão,

como aqueles que morreram há muito.

4Por isso, dentro de mim esmorece o meu espírito,

e o coração se vê turbado.

5Lembro-me dos dias de outrora,

penso em todos os teus feitos

e considero nas obras das tuas mãos.

6A ti levanto as mãos;

a minha alma anseia por ti, como terra sedenta.

7Dá-te pressa, Senhor, em responder-me;

o espírito me desfalece;

não me escondas a tua face,

para que eu não me torne como os que baixam à cova.

8Faze-me ouvir, pela manhã, da tua graça,

pois em ti confio;

mostra-me o caminho por onde devo andar,

porque a ti elevo a minha alma.

9Livra-me, Senhor, dos meus inimigos;

pois em ti é que me refugio.

10Ensina-me a fazer a tua vontade,

pois tu és o meu Deus;

guie-me o teu bom Espírito por terreno plano.

11Vivifica-me, Senhor, por amor do teu nome;

por amor da tua justiça, tira da tribulação a minha alma.

12E, por tua misericórdia, dá cabo dos meus inimigos

e destrói todos os que me atribulam a alma,

pois eu sou teu servo.