Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
13

Oração de fé

Ao mestre de canto. Salmo de Davi

131Até quando, Senhor?

Esquecer-te-ás de mim para sempre?

Até quando ocultarás de mim o rosto?

2Até quando estarei eu relutando dentro de minha alma,

com tristeza no coração cada dia?

Até quando se erguerá contra mim o meu inimigo?

3Atenta para mim, responde-me, Senhor, Deus meu!

Ilumina-me os olhos, para que eu não durma o sono da morte;

4para que não diga o meu inimigo: Prevaleci contra ele;

e não se regozijem os meus adversários, vindo eu a vacilar.

5No tocante a mim, confio na tua graça;

regozije-se o meu coração na tua salvação.

6Cantarei ao Senhor,

porquanto me tem feito muito bem.

14

A corrupção do pecador e sua redenção

Sl 53.1-6

Ao mestre de canto. Salmo de Davi

141Diz o insensato no seu coração: Não há Deus.

Corrompem-se e praticam abominação;

já não há quem faça o bem.

2Do céu olha o Senhor para os filhos dos homens,

para ver se há quem entenda,

se há quem busque a Deus.

3Todos se extraviaram e juntamente se corromperam;

não há quem faça o bem,

não há nem um sequer.

14.1-3
Rm 3.10-12

4Acaso, não entendem todos os obreiros da iniquidade,

que devoram o meu povo, como quem come pão,

que não invocam o Senhor?

5Tomar-se-ão de grande pavor,

porque Deus está com a linhagem do justo.

6Meteis a ridículo o conselho dos humildes,

mas o Senhor é o seu refúgio.

7Tomara de Sião viesse já a salvação de Israel!

Quando o Senhor restaurar a sorte do seu povo,

então, exultará Jacó, e Israel se alegrará.

15

O cidadão dos céus

Salmo de Davi

151Quem, Senhor, habitará no teu tabernáculo?

Quem há de morar no teu santo monte?

2O que vive com integridade, e pratica a justiça,

e, de coração, fala a verdade;

3o que não difama com sua língua,

não faz mal ao próximo,

nem lança injúria contra o seu vizinho;

4o que, a seus olhos, tem por desprezível ao réprobo,

mas honra aos que temem ao Senhor;

o que jura com dano próprio e não se retrata;

5o que não empresta o seu dinheiro com usura,

nem aceita suborno contra o inocente.

Quem deste modo procede não será jamais abalado.