Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
107

Livro V

Salmos 107—150

Deus salva de todas as tribulações

1071Rendei graças ao Senhor, porque ele é bom,

e a sua misericórdia dura para sempre.

2Digam-no os remidos do Senhor,

os que ele resgatou da mão do inimigo

3e congregou de entre as terras,

do Oriente e do Ocidente,

do Norte e do mar.

4Andaram errantes pelo deserto, por ermos caminhos,

sem achar cidade em que habitassem.

5Famintos e sedentos,

desfalecia neles a alma.

6Então, na sua angústia, clamaram ao Senhor,

e ele os livrou das suas tribulações.

7Conduziu-os pelo caminho direito,

para que fossem à cidade em que habitassem.

8Rendam graças ao Senhor por sua bondade

e por suas maravilhas para com os filhos dos homens!

9Pois dessedentou a alma sequiosa

e fartou de bens a alma faminta.

10Os que se assentaram nas trevas e nas sombras da morte,

presos em aflição e em ferros,

11por se terem rebelado contra a palavra de Deus

e haverem desprezado o conselho do Altíssimo,

12de modo que lhes abateu com trabalhos o coração —

caíram, e não houve quem os socorresse.

13Então, na sua angústia, clamaram ao Senhor,

e ele os livrou das suas tribulações.

14Tirou-os das trevas e das sombras da morte

e lhes despedaçou as cadeias.

15Rendam graças ao Senhor por sua bondade

e por suas maravilhas para com os filhos dos homens!

16Pois arrombou as portas de bronze

e quebrou as trancas de ferro.

17Os estultos, por causa do seu caminho de transgressão

e por causa das suas iniquidades, serão afligidos.

18A sua alma aborreceu toda sorte de comida,

e chegaram às portas da morte.

19Então, na sua angústia, clamaram ao Senhor,

e ele os livrou das suas tribulações.

20Enviou-lhes a sua palavra, e os sarou,

e os livrou do que lhes era mortal.

21Rendam graças ao Senhor por sua bondade

e por suas maravilhas para com os filhos dos homens!

22Ofereçam sacrifícios de ações de graças

e proclamem com júbilo as suas obras!

23Os que, tomando navios, descem aos mares,

os que fazem tráfico na imensidade das águas,

24esses veem as obras do Senhor

e as suas maravilhas nas profundezas do abismo.

25Pois ele falou e fez levantar o vento tempestuoso,

que elevou as ondas do mar.

26Subiram até aos céus, desceram até aos abismos;

no meio destas angústias, desfalecia-lhes a alma.

27Andaram, e cambalearam como ébrios,

e perderam todo tino.

28Então, na sua angústia, clamaram ao Senhor,

e ele os livrou das suas tribulações.

29Fez cessar a tormenta,

e as ondas se acalmaram.

30Então, se alegraram com a bonança;

e, assim, os levou ao desejado porto.

31Rendam graças ao Senhor por sua bondade

e por suas maravilhas para com os filhos dos homens!

32Exaltem-no também na assembleia do povo

e o glorifiquem no conselho dos anciãos.

33Ele converteu rios em desertos

e mananciais, em terra seca;

34terra frutífera, em deserto salgado,

por causa da maldade dos seus habitantes.

35Converteu o deserto em lençóis de água

e a terra seca, em mananciais.

36Estabeleceu aí os famintos,

os quais edificaram uma cidade em que habitassem.

37Semearam campos, e plantaram vinhas,

e tiveram fartas colheitas.

38Ele os abençoou, de sorte que se multiplicaram muito;

e o gado deles não diminuiu.

39Mas tornaram a reduzir-se e foram humilhados pela opressão,

pela adversidade e pelo sofrimento.

40Lança ele o desprezo sobre os príncipes

e os faz andar errantes, onde não há caminho.

41Mas levanta da opressão o necessitado, para um alto retiro,

e lhe prospera famílias como rebanhos.

42Os retos veem isso e se alegram,

mas o ímpio por toda parte fecha a boca.

43Quem é sábio atente para essas coisas

e considere as misericórdias do Senhor.

108

Deus concede vitória ao seu povo

Sl 57.7-11; Vs. 6-13: Sl 60.5-12

Cântico. Salmo de Davi

1081Firme está o meu coração, ó Deus!

Cantarei e entoarei louvores de toda a minha alma.

2Despertai, saltério e harpa!

Quero acordar a alva.

3Render-te-ei graças entre os povos, ó Senhor!

Cantar-te-ei louvores entre as nações.

4Porque acima dos céus se eleva a tua misericórdia,

e a tua fidelidade, para além das nuvens.

5Sê exaltado, ó Deus, acima dos céus;

e em toda a terra esplenda a tua glória,

6para que os teus amados sejam livres;

salva com a tua destra e responde-nos.

7Disse Deus na sua santidade:

Exultarei; dividirei Siquém

e medirei o vale de Sucote.

8Meu é Gileade, meu é Manassés;

Efraim é a defesa de minha cabeça;

Judá é o meu cetro.

9Moabe, porém, é a minha bacia de lavar;

sobre Edom atirarei a minha sandália;

sobre a Filístia jubilarei.

10Quem me conduzirá à cidade fortificada?

Quem me guiará até Edom?

11Não nos rejeitaste, ó Deus?

Tu não sais, ó Deus, com os nossos exércitos!

12Presta-nos auxílio na angústia,

pois vão é o socorro do homem.

13Em Deus faremos proezas,

porque ele mesmo calca aos pés os nossos adversários.

109

Imprecações contra os inimigos

Ao mestre de canto. Salmo de Davi

1091Ó Deus do meu louvor, não te cales!

2Pois contra mim se desataram lábios maldosos e fraudulentos;

com mentirosa língua falam contra mim.

3Cercam-me com palavras odiosas

e sem causa me fazem guerra.

4Em paga do meu amor, me hostilizam;

eu, porém, oro.

5Pagaram-me o bem com o mal;

o amor, com ódio.

6Suscita contra ele um ímpio,

e à sua direita esteja um acusador.

7Quando o julgarem, seja condenado;

e, tida como pecado, a sua oração.

8Os seus dias sejam poucos,

e tome outro o seu encargo.

109.8
At 1.20

9Fiquem órfãos os seus filhos,

e viúva, a sua esposa.

10Andem errantes os seus filhos e mendiguem;

e sejam expulsos das ruínas de suas casas.

11De tudo o que tem, lance mão o usurário;

do fruto do seu trabalho, esbulhem-no os estranhos.

12Ninguém tenha misericórdia dele,

nem haja quem se compadeça dos seus órfãos.

13Desapareça a sua posteridade,

e na seguinte geração se extinga o seu nome.

14Na lembrança do Senhor, viva a iniquidade de seus pais,

e não se apague o pecado de sua mãe.

15Permaneçam ante os olhos do Senhor,

para que faça desaparecer da terra a memória deles.

16Porquanto não se lembrou de usar de misericórdia,

mas perseguiu o aflito e o necessitado,

como também o quebrantado de coração,

para os entregar à morte.

17Amou a maldição; ela o apanhe;

não quis a bênção; aparte-se dele.

18Vestiu-se de maldição como de uma túnica:

penetre, como água, no seu interior

e nos seus ossos, como azeite.

19Seja-lhe como a roupa que o cobre

e como o cinto com que sempre se cinge.

20Tal seja, da parte do Senhor, o galardão dos meus contrários

e dos que falam mal contra a minha alma.

21Mas tu, Senhor Deus, age por mim, por amor do teu nome;

livra-me, porque é grande a tua misericórdia.

22Porque estou aflito e necessitado

e, dentro de mim, sinto ferido o coração.

23Vou passando, como a sombra que declina;

sou atirado para longe, como um gafanhoto.

24De tanto jejuar, os joelhos me vacilam,

e de magreza vai mirrando a minha carne.

25Tornei-me para eles objeto de opróbrio;

quando me veem, meneiam a cabeça.

109.25
Mt 27.39
Mc 15.29

26Socorre, Senhor, Deus meu!

Salva-me segundo a tua misericórdia.

27Para que saibam vir isso das tuas mãos;

que tu, Senhor, o fizeste.

28Amaldiçoem eles, mas tu, abençoa;

sejam confundidos os que contra mim se levantam;

alegre-se, porém, o teu servo.

29Cubram-se de ignomínia os meus adversários,

e a sua própria confusão os envolva como uma túnica.

30Muitas graças darei ao Senhor com os meus lábios;

louvá-lo-ei no meio da multidão;

31porque ele se põe à direita do pobre,

para o livrar dos que lhe julgam a alma.