Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
28

Provérbios antitéticos

281Fogem os perversos, sem que ninguém os persiga;

mas o justo é intrépido como o leão.

2Por causa da transgressão da terra,

mudam-se frequentemente os príncipes,

mas por um, sábio e prudente, se faz estável a sua ordem.

3O homem pobre que oprime os pobres é como chuva

que a tudo arrasta e não deixa trigo.

4Os que desamparam a lei louvam o perverso,

mas os que guardam a lei se indignam contra ele.

5Os homens maus não entendem o que é justo,

mas os que buscam o Senhor entendem tudo.

6Melhor é o pobre que anda na sua integridade

do que o perverso, nos seus caminhos, ainda que seja rico.

7O que guarda a lei é filho prudente,

mas o companheiro de libertinos envergonha a seu pai.

8O que aumenta os seus bens com juros e ganância

ajunta-os para o que se compadece do pobre.

9O que desvia os ouvidos de ouvir a lei,

até a sua oração será abominável.

10O que desvia os retos para o mau caminho,

ele mesmo cairá na cova que fez,

mas os íntegros herdarão o bem.

11O homem rico é sábio aos seus próprios olhos;

mas o pobre que é sábio sabe sondá-lo.

12Quando triunfam os justos, há grande festividade;

quando, porém, sobem os perversos, os homens se escondem.

13O que encobre as suas transgressões jamais prosperará;

mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia.

14Feliz o homem constante no temor de Deus;

mas o que endurece o coração cairá no mal.

15Como leão que ruge e urso que ataca,

assim é o perverso que domina sobre um povo pobre.

16O príncipe falto de inteligência multiplica as opressões,

mas o que aborrece a avareza viverá muitos anos.

17O homem carregado do sangue de outrem

fugirá até à cova;

ninguém o detenha.

18O que anda em integridade será salvo,

mas o perverso em seus caminhos cairá logo.

19O que lavra a sua terra virá a fartar-se de pão,

mas o que se ajunta a vadios se fartará de pobreza.

20O homem fiel será cumulado de bênçãos,

mas o que se apressa a enriquecer não passará sem castigo.

21Parcialidade não é bom,

porque até por um bocado de pão o homem prevaricará.

22Aquele que tem olhos invejosos corre atrás das riquezas,

mas não sabe que há de vir sobre ele a penúria.

23O que repreende ao homem achará, depois, mais favor

do que aquele que lisonjeia com a língua.

24O que rouba a seu pai ou a sua mãe e diz: Não é pecado,

companheiro é do destruidor.

25O cobiçoso levanta contendas,

mas o que confia no Senhor prosperará.

26O que confia no seu próprio coração é insensato,

mas o que anda em sabedoria será salvo.

27O que dá ao pobre não terá falta,

mas o que dele esconde os olhos será cumulado de maldições.

28Quando sobem os perversos, os homens se escondem,

mas, quando eles perecem, os justos se multiplicam.