Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
20

201O vinho é escarnecedor, e a bebida forte, alvoroçadora;

todo aquele que por eles é vencido não é sábio.

2Como o bramido do leão, é o terror do rei;

o que lhe provoca a ira peca contra a sua própria vida.

3Honroso é para o homem o desviar-se de contendas,

mas todo insensato se mete em rixas.

4O preguiçoso não lavra por causa do inverno,

pelo que, na sega, procura e nada encontra.

5Como águas profundas, são os propósitos do coração do homem,

mas o homem de inteligência sabe descobri-los.

6Muitos proclamam a sua própria benignidade;

mas o homem fidedigno, quem o achará?

7O justo anda na sua integridade;

felizes lhe são os filhos depois dele.

8Assentando-se o rei no trono do juízo,

com os seus olhos dissipa todo mal.

9Quem pode dizer: Purifiquei o meu coração,

limpo estou do meu pecado?

10Dois pesos e duas medidas,

uns e outras são abomináveis ao Senhor.

11Até a criança se dá a conhecer pelas suas ações,

se o que faz é puro e reto.

12O ouvido que ouve e o olho que vê,

o Senhor os fez, tanto um como o outro.

13Não ames o sono, para que não empobreças;

abre os olhos e te fartarás do teu próprio pão.

14Nada vale, nada vale, diz o comprador,

mas, indo-se, então, se gaba.

15Há ouro e abundância de pérolas,

mas os lábios instruídos são joia preciosa.

16Tome-se a roupa àquele que fica fiador por outrem;

e, por penhor, àquele que se obriga por estrangeiros.

17Suave é ao homem o pão ganho por fraude,

mas, depois, a sua boca se encherá de pedrinhas de areia.

18Os planos mediante os conselhos têm bom êxito;

faze a guerra com prudência.

19O mexeriqueiro revela o segredo;

portanto, não te metas com quem muito abre os lábios.

20A quem amaldiçoa a seu pai ou a sua mãe,

apagar-se-lhe-á a lâmpada nas mais densas trevas.

21A posse antecipada de uma herança

no fim não será abençoada.

22Não digas: Vingar-me-ei do mal;

espera pelo Senhor, e ele te livrará.

23Dois pesos são coisa abominável ao Senhor,

e balança enganosa não é boa.

24Os passos do homem são dirigidos pelo Senhor;

como, pois, poderá o homem entender o seu caminho?

25Laço é para o homem o dizer precipitadamente: É santo!

E só refletir depois de fazer o voto.

26O rei sábio joeira os perversos

e faz passar sobre eles a roda.

27O espírito do homem é a lâmpada do Senhor,

a qual esquadrinha todo o mais íntimo do corpo.

28Amor e fidelidade preservam o rei,

e com benignidade sustém ele o seu trono.

29O ornato dos jovens é a sua força,

e a beleza dos velhos, as suas cãs.

30Os vergões das feridas purificam do mal,

e os açoites, o mais íntimo do corpo.

21

211Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do Senhor;

este, segundo o seu querer, o inclina.

2Todo caminho do homem é reto aos seus próprios olhos,

mas o Senhor sonda os corações.

3Exercitar justiça e juízo

é mais aceitável ao Senhor do que sacrifício.

4Olhar altivo e coração orgulhoso,

a lâmpada dos perversos, são pecado.

5Os planos do diligente tendem à abundância,

mas a pressa excessiva, à pobreza.

6Trabalhar por adquirir tesouro com língua falsa

é vaidade e laço mortal.

7A violência dos perversos os arrebata,

porque recusam praticar a justiça.

8Tortuoso é o caminho do homem carregado de culpa,

mas reto, o proceder do honesto.

9Melhor é morar no canto do eirado

do que junto com a mulher rixosa na mesma casa.

10A alma do perverso deseja o mal;

nem o seu vizinho recebe dele compaixão.

11Quando o escarnecedor é castigado, o simples se torna sábio;

e, quando o sábio é instruído, recebe o conhecimento.

12O Justo considera a casa dos perversos

e os arrasta para o mal.

13O que tapa o ouvido ao clamor do pobre

também clamará e não será ouvido.

14O presente que se dá em segredo abate a ira,

e a dádiva em sigilo, uma forte indignação.

15Praticar a justiça é alegria para o justo,

mas espanto, para os que praticam a iniquidade.

16O homem que se desvia do caminho do entendimento

na congregação dos mortos repousará.

17Quem ama os prazeres empobrecerá,

quem ama o vinho e o azeite jamais enriquecerá.

18O perverso serve de resgate para o justo;

e, para os retos, o pérfido.

19Melhor é morar numa terra deserta

do que com a mulher rixosa e iracunda.

20Tesouro desejável e azeite há na casa do sábio,

mas o homem insensato os desperdiça.

21O que segue a justiça e a bondade

achará a vida, a justiça e a honra.

22O sábio escala a cidade dos valentes

e derriba a fortaleza em que ela confia.

23O que guarda a boca e a língua

guarda a sua alma das angústias.

24Quanto ao soberbo e presumido, zombador é seu nome;

procede com indignação e arrogância.

25O preguiçoso morre desejando,

porque as suas mãos recusam trabalhar.

26O cobiçoso cobiça todo o dia,

mas o justo dá e nada retém.

27O sacrifício dos perversos já é abominação;

quanto mais oferecendo-o com intenção maligna!

28A testemunha falsa perecerá,

mas a auricular falará sem ser contestada.

29O homem perverso mostra dureza no rosto,

mas o reto considera o seu caminho.

30Não há sabedoria, nem inteligência,

nem mesmo conselho contra o Senhor.

31O cavalo prepara-se para o dia da batalha,

mas a vitória vem do Senhor.

22

221Mais vale o bom nome do que as muitas riquezas;

e o ser estimado é melhor do que a prata e o ouro.

2O rico e o pobre se encontram;

a um e a outro faz o Senhor.

3O prudente vê o mal e esconde-se;

mas os simples passam adiante e sofrem a pena.

4O galardão da humildade e o temor do Senhor

são riquezas, e honra, e vida.

5Espinhos e laços há no caminho do perverso;

o que guarda a sua alma retira-se para longe deles.

6Ensina a criança no caminho em que deve andar,

e, ainda quando for velho, não se desviará dele.

7O rico domina sobre o pobre,

e o que toma emprestado é servo do que empresta.

8O que semeia a injustiça segará males;

e a vara da sua indignação falhará.

9O generoso será abençoado,

porque dá do seu pão ao pobre.

10Lança fora o escarnecedor, e com ele se irá a contenda;

cessarão as demandas e a ignomínia.

11O que ama a pureza do coração e é grácil no falar

terá por amigo o rei.

12Os olhos do Senhor conservam aquele que tem conhecimento,

mas as palavras do iníquo ele transtornará.

13Diz o preguiçoso: Um leão está lá fora;

serei morto no meio das ruas.

14Cova profunda é a boca da mulher estranha;

aquele contra quem o Senhor se irar cairá nela.

15A estultícia está ligada ao coração da criança,

mas a vara da disciplina a afastará dela.

16O que oprime ao pobre para enriquecer a si

ou o que dá ao rico certamente empobrecerá.

Preceitos e admoestações dos sábios

17Inclina o ouvido, e ouve as palavras dos sábios,

e aplica o coração ao meu conhecimento.

18Porque é coisa agradável os guardares no teu coração

e os aplicares todos aos teus lábios.

19Para que a tua confiança esteja no Senhor,

quero dar-te hoje a instrução, a ti mesmo.

20Porventura, não te escrevi excelentes coisas

acerca de conselhos e conhecimentos,

21para mostrar-te a certeza das palavras da verdade,

a fim de que possas responder claramente aos que te enviarem?

22Não roubes ao pobre, porque é pobre,

nem oprimas em juízo ao aflito,

23porque o Senhor defenderá a causa deles

e tirará a vida aos que os despojam.

24Não te associes com o iracundo,

nem andes com o homem colérico,

25para que não aprendas as suas veredas

e, assim, enlaces a tua alma.

26Não estejas entre os que se comprometem

e ficam por fiadores de dívidas,

27pois, se não tens com que pagar,

por que arriscas perder a cama de debaixo de ti?

28Não removas os marcos antigos

que puseram teus pais.

29Vês a um homem perito na sua obra?

Perante reis será posto; não entre a plebe.