Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
19

191Melhor é o pobre que anda na sua integridade

do que o perverso de lábios e tolo.

2Não é bom proceder sem refletir,

e peca quem é precipitado.

3A estultícia do homem perverte o seu caminho,

mas é contra o Senhor que o seu coração se ira.

4As riquezas multiplicam os amigos;

mas, ao pobre, o seu próprio amigo o deixa.

5A falsa testemunha não fica impune,

e o que profere mentiras não escapa.

6Ao generoso, muitos o adulam,

e todos são amigos do que dá presentes.

7Se os irmãos do pobre o aborrecem,

quanto mais se afastarão dele os seus amigos!

Corre após eles com súplicas, mas não os alcança.

8O que adquire entendimento ama a sua alma;

o que conserva a inteligência acha o bem.

9A falsa testemunha não fica impune,

e o que profere mentiras perece.

10Ao insensato não convém a vida regalada,

quanto menos ao escravo dominar os príncipes!

11A discrição do homem o torna longânimo,

e sua glória é perdoar as injúrias.

12Como o bramido do leão, assim é a indignação do rei;

mas seu favor é como o orvalho sobre a erva.

13O filho insensato é a desgraça do pai,

e um gotejar contínuo, as contenções da esposa.

14A casa e os bens vêm como herança dos pais;

mas do Senhor, a esposa prudente.

15A preguiça faz cair em profundo sono,

e o ocioso vem a padecer fome.

16O que guarda o mandamento guarda a sua alma;

mas o que despreza os seus caminhos, esse morre.

17Quem se compadece do pobre ao Senhor empresta,

e este lhe paga o seu benefício.

18Castiga a teu filho, enquanto há esperança,

mas não te excedas a ponto de matá-lo.

19Homem de grande ira tem de sofrer o dano;

porque, se tu o livrares, virás ainda a fazê-lo de novo.

20Ouve o conselho e recebe a instrução,

para que sejas sábio nos teus dias por vir.

21Muitos propósitos há no coração do homem,

mas o desígnio do Senhor permanecerá.

22O que torna agradável o homem é a sua misericórdia;

o pobre é preferível ao mentiroso.

23O temor do Senhor conduz à vida;

aquele que o tem ficará satisfeito, e mal nenhum o visitará.

24O preguiçoso mete a mão no prato

e não quer ter o trabalho de a levar à boca.

25Quando ferires ao escarnecedor, o simples aprenderá a prudência;

repreende ao sábio, e crescerá em conhecimento.

26O que maltrata a seu pai ou manda embora a sua mãe

filho é que envergonha e desonra.

27Filho meu, se deixas de ouvir a instrução,

desviar-te-ás das palavras do conhecimento.

28A testemunha de Belial escarnece da justiça,

e a boca dos perversos devora a iniquidade.

29Preparados estão os juízos para os escarnecedores

e os açoites, para as costas dos insensatos.