Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
29

Ofertas nas outras festas solenes

291No primeiro dia do sétimo mês, tereis santa convocação; nenhuma obra servil fareis; ser-vos-á dia do sonido de trombetas. 2Então, por holocausto, de aroma agradável ao Senhor, oferecereis um novilho, um carneiro e sete cordeiros de um ano, sem defeito; 3e, pela sua oferta de manjares de flor de farinha, amassada com azeite, três décimas de um efa para o novilho, duas décimas para o carneiro 4e uma décima para cada um dos sete cordeiros; 5e um bode, para oferta pelo pecado, para fazer expiação por vós, 6além do holocausto do mês e a sua oferta de manjares, do holocausto contínuo e a sua oferta de manjares, com as suas libações, segundo o seu estatuto, em aroma agradável, oferta queimada ao Senhor.

29.1-6
Lv 23.23-25

7No dia dez deste sétimo mês, tereis santa convocação e afligireis a vossa alma; nenhuma obra fareis. 8Mas, por holocausto, em aroma agradável ao Senhor, oferecereis um novilho, um carneiro e sete cordeiros de um ano; ser-vos-ão eles sem defeito. 9Pela sua oferta de manjares de flor de farinha, amassada com azeite, oferecereis três décimas de um efa para o novilho, duas décimas para o carneiro 10e uma décima para cada um dos sete cordeiros; 11um bode, para oferta pelo pecado, além da oferta pelo pecado, para fazer expiação, e do holocausto contínuo, e da sua oferta de manjares com as suas libações.

29.7-11
Lv 16.29-34
23.26-32

12Aos quinze dias do sétimo mês, tereis santa convocação; nenhuma obra servil fareis; mas sete dias celebrareis festa ao Senhor. 13Por holocausto em oferta queimada, de aroma agradável ao Senhor, oferecereis treze novilhos, dois carneiros e catorze cordeiros de um ano; serão eles sem defeito. 14Pela oferta de manjares de flor de farinha, amassada com azeite, três décimas de um efa para cada um dos treze novilhos, duas décimas para cada um dos dois carneiros 15e uma décima para cada um dos catorze cordeiros; 16e um bode, para oferta pelo pecado, além do holocausto contínuo, a sua oferta de manjares e a sua libação.

17No segundo dia, oferecereis doze novilhos, dois carneiros, catorze cordeiros de um ano, sem defeito, 18com a oferta de manjares e as libações para os novilhos, para os carneiros e para os cordeiros, conforme o seu número, segundo o estatuto, 19e um bode, para oferta pelo pecado, além do holocausto contínuo, a sua oferta de manjares e a sua libação.

20No terceiro dia, oferecereis onze novilhos, dois carneiros, catorze cordeiros de um ano, sem defeito, 21com a oferta de manjares e as libações para os novilhos, para os carneiros e para os cordeiros, conforme o seu número, segundo o estatuto, 22e um bode, para oferta pelo pecado, além do holocausto contínuo, a sua oferta de manjares e a sua libação.

23No quarto dia, dez novilhos, dois carneiros, catorze cordeiros de um ano, sem defeito, 24com a oferta de manjares e as libações para os novilhos, para os carneiros e para os cordeiros, conforme o seu número, segundo o estatuto, 25e um bode, para oferta pelo pecado, além do holocausto contínuo, a sua oferta de manjares e a sua libação.

26No quinto dia, nove novilhos, dois carneiros, catorze cordeiros de um ano, sem defeito, 27com a oferta de manjares e as libações para os novilhos, para os carneiros e para os cordeiros, conforme o seu número, segundo o estatuto, 28e um bode, para oferta pelo pecado, além do holocausto contínuo, a sua oferta de manjares e a sua libação.

29No sexto dia, oito novilhos, dois carneiros, catorze cordeiros de um ano, sem defeito, 30com a oferta de manjares e as libações para os novilhos, para os carneiros e para os cordeiros, conforme o seu número, segundo o estatuto, 31e um bode, para oferta pelo pecado, além do holocausto contínuo, a sua oferta de manjares e a sua libação.

32No sétimo dia, sete novilhos, dois carneiros, catorze cordeiros de um ano, sem defeito, 33com a oferta de manjares e as libações para os novilhos, para os carneiros e para os cordeiros, conforme o seu número, segundo o estatuto, 34e um bode, para oferta pelo pecado, além do holocausto contínuo, a sua oferta de manjares e a sua libação.

35No oitavo dia, tereis reunião solene; nenhuma obra servil fareis; 36e, por holocausto, em oferta queimada de aroma agradável ao Senhor, oferecereis um novilho, um carneiro, sete cordeiros de um ano, sem defeito, 37com a oferta de manjares e as libações para o novilho, para o carneiro e para os cordeiros, conforme o seu número, segundo o estatuto, 38e um bode, para oferta pelo pecado, além do holocausto contínuo, a sua oferta de manjares e a sua libação.

29.12-38
Êx 23.16
34.22
Lv 23.33-43
Dt 16.13-15

39Estas coisas oferecereis ao Senhor nas vossas festas fixas, além dos vossos votos e das vossas ofertas voluntárias, para os vossos holocaustos, as vossas ofertas de manjares, as vossas libações e as vossas ofertas pacíficas. 40E falou Moisés aos filhos de Israel, conforme tudo o que o Senhor lhe ordenara.

30

Acerca de votos

Dt 23.21-23

301Falou Moisés aos cabeças das tribos dos filhos de Israel, dizendo: Esta é a palavra que o Senhor ordenou: 2Quando um homem fizer voto

30.2
Mt 5.33
ao Senhor ou juramento para obrigar-se a alguma abstinência, não violará a sua palavra; segundo tudo o que prometeu, fará. 3Quando, porém, uma mulher fizer voto ao Senhor ou se obrigar a alguma abstinência, estando em casa de seu pai, na sua mocidade, 4e seu pai, sabendo do voto e da abstinência a que ela se obrigou, calar-se para com ela, todos os seus votos serão válidos; terá de observar toda a abstinência a que se obrigou. 5Mas, se o pai, no dia em que tal souber, o desaprovar, não será válido nenhum dos votos dela, nem lhe será preciso observar a abstinência a que se obrigou; o Senhor lhe perdoará, porque o pai dela a isso se opôs.

6Porém, se ela se casar, ainda sob seus votos ou dito irrefletido dos seus lábios, com que a si mesma se obrigou, 7e seu marido, ouvindo-o, calar-se para com ela no dia em que o ouvir, serão válidos os votos dela, e lhe será preciso observar a abstinência a que se obrigou. 8Mas, se seu marido o desaprovar no dia em que o ouvir e anular o voto que estava sobre ela, como também o dito irrefletido dos seus lábios, com que a si mesma se obrigou, o Senhor lho perdoará. 9No tocante ao voto da viúva ou da divorciada, tudo com que se obrigar lhe será válido.

10Porém, se fez voto na casa de seu marido ou com juramento se obrigou a alguma abstinência, 11e seu marido o soube, e se calou para com ela, e lho não desaprovou, todos os votos dela serão válidos; e lhe será preciso observar toda a abstinência a que a si mesma se obrigou. 12Porém, se seu marido lhos anulou no dia em que o soube, tudo quanto saiu dos lábios dela, quer dos seus votos, quer da abstinência a que a si mesma se obrigou, não será válido; seu marido lhos anulou, e o Senhor perdoará a ela. 13Todo voto e todo juramento com que ela se obrigou, para afligir a sua alma, seu marido pode confirmar ou anular. 14Porém, se seu marido, dia após dia, se calar para com ela, então, confirma todos os votos dela e tudo aquilo a que ela se obrigou, porquanto se calou para com ela no dia em que o soube. 15Porém, se lhos anular depois de os ter ouvido, responderá pela obrigação dela. 16São estes os estatutos que o Senhor ordenou a Moisés, entre o marido e sua mulher, entre o pai e sua filha moça se ela estiver em casa de seu pai.

31

A vitória sobre os midianitas

311Disse o Senhor a Moisés: 2Vinga os filhos de Israel dos midianitas; depois, serás recolhido ao teu povo. 3Falou, pois, Moisés ao povo, dizendo: Armai alguns de vós para a guerra, e que saiam contra os midianitas, para fazerem a vingança do Senhor contra eles. 4Mil homens de cada tribo entre todas as tribos de Israel enviareis à guerra. 5Assim, dos milhares de Israel foram dados mil de cada tribo: doze mil ao todo, armados para a guerra. 6Mandou-os Moisés à guerra, de cada tribo mil, a estes e a Fineias, filho do sacerdote Eleazar, o qual levava consigo os utensílios sagrados, a saber, as trombetas para o toque de rebate. 7Pelejaram contra os midianitas, como o Senhor ordenara a Moisés, 8e mataram todo homem feito. Mataram, além dos que já haviam sido mortos, os reis dos midianitas, Evi, Requém, Zur, Hur e Reba, cinco reis dos midianitas; também Balaão, filho de Beor, mataram à espada. 9Porém os filhos de Israel levaram presas as mulheres dos midianitas e as suas crianças; também levaram todos os seus animais, e todo o seu gado, e todos os seus bens. 10Queimaram-lhes todas as cidades em que habitavam e todos os seus acampamentos. 11Tomaram todo o despojo e toda a presa, tanto de homens como de animais. 12Trouxeram a Moisés, e ao sacerdote Eleazar, e à congregação dos filhos de Israel os cativos, e a presa, e o despojo, para o arraial, nas campinas de Moabe, junto do Jordão, na altura de Jericó.

O tratamento dos cativos

13Moisés, e Eleazar, o sacerdote, e todos os príncipes da congregação saíram a recebê-los fora do arraial. 14Indignou-se Moisés contra os oficiais do exército, capitães dos milhares e capitães das centenas, que vinham do serviço da guerra. 15Disse-lhes Moisés: Deixastes viver todas as mulheres? 16Eis que estas, por conselho de Balaão, fizeram prevaricar os filhos de Israel contra o Senhor, no caso de Peor,

31.16
Nm 25.1-3
pelo que houve a praga entre a congregação do Senhor. 17Agora, pois, matai, dentre as crianças, todas as do sexo masculino; e matai toda mulher que coabitou com algum homem, deitando-se com ele. 18Porém todas as meninas, e as jovens que não coabitaram com algum homem, deitando-se com ele, deixai-as viver para vós outros.

A purificação dos soldados e da presa

19Acampai-vos sete dias fora do arraial; qualquer de vós que tiver matado alguma pessoa e qualquer que tiver tocado em algum morto, ao terceiro dia e ao sétimo dia, vos purificareis, tanto vós como os vossos cativos. 20Também purificareis toda veste, e toda obra de peles, e toda obra de pelos de cabra, e todo artigo de madeira. 21Então, disse o sacerdote Eleazar aos homens do exército que partiram à guerra: Este é o estatuto da lei que o Senhor ordenou a Moisés. 22Contudo, o ouro, a prata, o bronze, o ferro, o estanho e o chumbo, 23tudo o que pode suportar o fogo fareis passar pelo fogo, para que fique limpo; todavia, se purificará com a água purificadora; mas tudo o que não pode suportar o fogo fareis passar pela água. 24Também lavareis as vossas vestes ao sétimo dia, para que fiqueis limpos; e, depois, entrareis no arraial.

A divisão da presa

25Disse mais o Senhor a Moisés: 26Faze a contagem da presa que foi tomada, tanto de homens como de animais, tu, e Eleazar, o sacerdote, e os cabeças das casas dos pais da congregação; 27divide a presa em duas partes iguais, uma para os que, hábeis na peleja, saíram à guerra, e a outra para toda a congregação. 28Então, para o Senhor tomarás tributo dos homens do exército que saíram a esta guerra, de cada quinhentas cabeças, uma, tanto dos homens como dos bois, dos jumentos e das ovelhas. 29Da metade que lhes toca o tomareis e o dareis ao sacerdote Eleazar, para a oferta do Senhor. 30Mas, da metade que toca aos filhos de Israel, tomarás, de cada cinquenta, um, tanto dos homens como dos bois, dos jumentos e das ovelhas, de todos os animais; e os darás aos levitas que têm a seu cargo o serviço do tabernáculo do Senhor. 31Moisés e o sacerdote Eleazar fizeram como o Senhor ordenara a Moisés.

32Foi a presa, restante do despojo que tomaram os homens de guerra, seiscentas e setenta e cinco mil ovelhas, 33setenta e dois mil bois, 34sessenta e um mil jumentos 35e trinta e duas mil pessoas, as mulheres que não coabitaram com homem algum, deitando-se com ele. 36E a metade, parte que toca aos que saíram à guerra, foi em número de trezentas e trinta e sete mil e quinhentas ovelhas. 37O tributo em ovelhas para o Senhor foram seiscentas e setenta e cinco. 38E foram os bois trinta e seis mil; e o seu tributo para o Senhor, setenta e dois. 39E foram os jumentos trinta mil e quinhentos; e o seu tributo para o Senhor, sessenta e um. 40As pessoas foram dezesseis mil; e o seu tributo para o Senhor, trinta e duas. 41Então, Moisés deu a Eleazar, o sacerdote, o tributo da oferta do Senhor, como este ordenara a Moisés. 42E, da metade que toca aos filhos de Israel, que Moisés separara da dos homens que pelejaram 43(a metade para a congregação foram, em ovelhas, trezentas e trinta e sete mil e quinhentas; 44em bois, trinta e seis mil; 45em jumentos, trinta mil e quinhentos; 46e, em pessoas, dezesseis mil), 47desta metade que toca aos filhos de Israel, Moisés tomou um de cada cinquenta, tanto de homens como de animais, e os deu aos levitas que tinham a seu cargo o serviço do tabernáculo do Senhor, como o Senhor ordenara a Moisés.

A oferta voluntária dos capitães

48Então, se chegaram a Moisés os oficiais sobre os milhares do exército, capitães sobre mil e capitães sobre cem, 49e lhe disseram: Teus servos fizeram a conta dos homens de guerra que estiveram sob as nossas ordens, e nenhum falta dentre eles e nós. 50Pelo que trouxemos uma oferta ao Senhor, cada um o que achou: objetos de ouro, ornamentos para o braço, pulseiras, sinetes, arrecadas e colares, para fazer expiação por nós mesmos perante o Senhor. 51Assim, Moisés e o sacerdote Eleazar receberam deles o ouro, sendo todos os objetos bem-trabalhados. 52Foi todo o ouro da oferta que os capitães de mil e os capitães de cem trouxeram ao Senhor dezesseis mil setecentos e cinquenta siclos. 53Pois cada um dos homens de guerra havia tomado despojo para si. 54Moisés e o sacerdote Eleazar receberam o ouro dos capitães de mil e dos capitães de cem e o trouxeram à tenda da congregação, como memorial para os filhos de Israel perante o Senhor.