Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
3

A pregação de João Batista

Mc 1.2-6; Lc 3.1-9

31Naqueles dias, apareceu João Batista pregando no deserto da Judeia e dizia: 2Arrependei-vos,

3.2
Mt 4.17
Mc 1.15
porque está próximo o reino dos céus.
3.2
Dn 2.44
3Porque este é o referido por intermédio do profeta Isaías:

Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas.

3.3
Is 40.3

4Usava João vestes
3.4
2Rs 1.8
de pelos de camelo e um cinto de couro; a sua alimentação eram gafanhotos e mel silvestre. 5Então, saíam a ter com ele Jerusalém, toda a Judeia e toda a circunvizinhança do Jordão; 6e eram por ele batizados no rio Jordão, confessando os seus pecados. 7Vendo ele, porém, que muitos fariseus e saduceus vinham ao batismo, disse-lhes: Raça de víboras,
3.7
Mt 23.33
quem vos induziu a fugir da ira vindoura? 8Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento; 9e não comeceis a dizer entre vós mesmos: Temos por pai a Abraão;
3.9
Jo 8.33
porque eu vos afirmo que destas pedras Deus pode suscitar filhos a Abraão. 10Já está posto o machado à raiz das árvores; toda árvore,
3.10
Mt 7.19
pois, que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo.

João dá testemunho de Cristo

Mc 1.7-8; Lc 3.15-17; Jo 1.19-28

11Eu vos batizo com3.11 com; ou em água, para3.11 para; ou à vista de arrependimento; mas aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu, cujas sandálias não sou digno de levar. Ele vos batizará com3.11 com; ou em o Espírito Santo e com fogo. 12A sua pá, ele a tem na mão e limpará completamente a sua eira; recolherá o seu trigo no celeiro, mas queimará a palha em fogo inextinguível.

O batismo de Jesus

Mc 1.9-11; Lc 3.21-22; Jo 1.32-34

13Por esse tempo, dirigiu-se Jesus da Galileia para o Jordão, a fim de que João o batizasse. 14Ele, porém, o dissuadia, dizendo: Eu é que preciso ser batizado por ti, e tu vens a mim? 15Mas Jesus lhe respondeu: Deixa por enquanto, porque, assim, nos convém cumprir toda a justiça. Então, ele o admitiu. 16Batizado Jesus, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba, vindo sobre ele. 17E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado,

3.17
Mt 12.18
17.5
Mc 9.7
Lc 9.35
em quem me comprazo.
3.17
Is 42.1

4

A tentação de Jesus

Mc 1.12-13; Lc 4.1-13

41A seguir, foi Jesus levado pelo Espírito ao deserto, para ser tentado

4.1
Hb 2.18
4.15
pelo diabo. 2E, depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, teve fome. 3Então, o tentador, aproximando-se, lhe disse: Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães. 4Jesus, porém, respondeu: Está escrito:

Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus.

4.4
Dt 8.3

5Então, o diabo o levou à Cidade Santa, colocou-o sobre o pináculo do templo 6e lhe disse: Se és Filho de Deus, atira-te abaixo, porque está escrito:

Aos seus anjos ordenará a teu respeito que te guardem;

4.6
Sl 91.11

e:

Eles te susterão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra.

4.6
Sl 91.12

7Respondeu-lhe Jesus: Também está escrito:

Não tentarás o Senhor, teu Deus.

4.7
Dt 6.16

8Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles 9e lhe disse: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares. 10Então, Jesus lhe ordenou: Retira-te, Satanás, porque está escrito:

Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto.

4.10
Dt 6.13

11Com isto, o deixou o diabo, e eis que vieram anjos e o serviram.

Jesus volta para a Galileia

Mc 1.14-15; Lc 4.14-15

12Ouvindo, porém, Jesus que João

4.12
Mt 14.3
Mc 6.17
Lc 3.19-20
fora preso, retirou-se para a Galileia; 13e, deixando Nazaré, foi morar em Cafarnaum,
4.13
Jo 2.12
situada à beira-mar, nos confins de Zebulom e Naftali; 14para que se cumprisse o que fora dito por intermédio do profeta Isaías:

15Terra de Zebulom, terra de Naftali, caminho do mar, além do Jordão, Galileia dos gentios!

16O povo que jazia em trevas viu grande luz, e aos que viviam na região e sombra da morte resplandeceu-lhes a luz.

4.15-16
Is 9.1-2

17Daí por diante, passou Jesus a pregar e a dizer: Arrependei-vos,
4.17
Mt 3.2
porque está próximo o reino dos céus.
4.17
Dn 2.44

A vocação de discípulos

Mc 1.16-20; Lc 5.1-11

18Caminhando junto ao mar da Galileia, viu dois irmãos, Simão, chamado Pedro, e André, que lançavam as redes ao mar, porque eram pescadores. 19E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens. 20Então, eles deixaram imediatamente as redes e o seguiram. 21Passando adiante, viu outros dois irmãos, Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, que estavam no barco em companhia de seu pai, consertando as redes; e chamou-os. 22Então, eles, no mesmo instante, deixando o barco e seu pai, o seguiram.

Jesus prega por toda a Galileia e cura muitos enfermos

Lc 6.17-19

23Percorria Jesus toda a Galileia,

4.23
Mt 9.35
Mc 1.39
Lc 4.44
ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades entre o povo. 24E a sua fama correu por toda a Síria; trouxeram-lhe, então, todos os doentes, acometidos de várias enfermidades e tormentos: endemoninhados, lunáticos e paralíticos. E ele os curou. 25E da Galileia, Decápolis, Jerusalém, Judeia e dalém do Jordão numerosas multidões o seguiam.

5

O sermão do monte

As bem-aventuranças

Lc 6.20-23

51Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte, e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; 2e ele passou a ensiná-los, dizendo:

3Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus.

4Bem-aventurados os que choram,

5.4
Is 61.2
porque serão consolados.

5Bem-aventurados os mansos,

5.5
Sl 37.11
porque herdarão a terra.

6Bem-aventurados os que têm fome e sede

5.6
Is 55.1-2
de justiça, porque serão fartos.

7Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.

8Bem-aventurados os limpos de coração,

5.8
Sl 24.4
porque verão a Deus.

9Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus.

10Bem-aventurados os perseguidos

5.10
1Pe 3.14
por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus.

11Bem-aventurados

5.11
1Pe 4.14
sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós. 12Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aos profetas
5.12
2Cr 36.16
At 7.52
que viveram antes de vós.

Os discípulos, o sal da terra

Mc 9.49-50; Lc 14.34-35

13Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens.

Os discípulos, a luz do mundo

14Vós sois a luz do mundo.

5.14
Jo 8.12
9.5
Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte; 15nem se acende uma candeia
5.15
Mc 4.21
Lc 8.16
11.33
para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa. 16Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras
5.16
1Pe 2.12
e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.

Jesus não veio revogar a Lei, mas cumprir

17Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir. 18Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra

5.18
Lc 16.17
passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra. 19Aquele, pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus. 20Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus.

Jesus completa o que foi dito aos antigos

Do homicídio

21Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás;

5.21
Êx 20.13
Dt 5.17
e: Quem matar estará sujeito a julgamento. 22Eu, porém, vos digo que todo aquele que [sem motivo] se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito ao inferno de fogo. 23Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, 24deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta. 25Entra em acordo sem demora com o teu adversário, enquanto estás com ele a caminho, para que o adversário não te entregue ao juiz, o juiz, ao oficial de justiça, e sejas recolhido à prisão. 26Em verdade te digo que não sairás dali, enquanto não pagares o último centavo.

Do adultério

27Ouvistes que foi dito: Não adulterarás.

5.27
Êx 20.14
Dt 5.18
28Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela.

29Se o teu olho

5.29
Mt 18.9
Mc 9.47
direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não seja todo o teu corpo lançado no inferno. 30E, se a tua mão
5.30
Mt 18.8
Mc 9.43
direita te faz tropeçar, corta-a e lança-a de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não vá todo o teu corpo para o inferno. 31Também foi dito: Aquele que repudiar sua mulher,
5.31
Dt 24.1-4
Mt 19.7
Mc 10.4
dê-lhe carta de divórcio. 32Eu, porém, vos digo: qualquer que repudiar sua mulher, exceto em caso de relações sexuais ilícitas, a expõe a tornar-se adúltera; e aquele que casar com a repudiada comete adultério.
5.32
Lc 16.18
1Co 7.10-11

Dos juramentos

33Também ouvistes que foi dito aos antigos: Não jurarás falso,

5.33
Lv 19.12
mas cumprirás
5.33
Nm 30.2
Dt 23.21
rigorosamente para com o Senhor os teus juramentos. 34Eu, porém, vos digo: de modo algum jureis;
5.34
Tg 5.12
nem pelo céu,
5.34
Is 66.1
Mt 23.22
por ser o trono de Deus; 35nem pela terra,
5.35
Is 66.1
por ser estrado de seus pés; nem por Jerusalém,
5.35
Sl 48.2
por ser cidade do grande Rei; 36nem jures pela tua cabeça, porque não podes tornar um cabelo branco ou preto. 37Seja, porém, a tua palavra: Sim, sim; não, não. O que disto passar vem do maligno.

Da vingança

Lc 6.27-30

38Ouvistes que foi dito: Olho por olho, dente por dente.

5.38
Êx 21.24
Lv 24.20
Dt 19.21
39Eu, porém, vos digo: não resistais ao perverso; mas, a qualquer que te ferir na face direita, volta-lhe também a outra; 40e, ao que quer demandar contigo e tirar-te a túnica, deixa-lhe também a capa. 41Se alguém te obrigar a andar uma milha, vai com ele duas. 42Dá a quem te pede e não voltes as costas ao que deseja que lhe emprestes.

Do amor ao próximo

Lc 6.32-36

43Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo

5.43
Lv 19.18
e odiarás o teu inimigo. 44Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem; 45para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos. 46Porque, se amardes os que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem os publicanos também o mesmo? 47E, se saudardes somente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os gentios também o mesmo? 48Portanto, sede vós perfeitos
5.48
Dt 18.13
como perfeito é o vosso Pai celeste.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]