Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
1

Prefácio

11Visto que muitos houve que empreenderam uma narração coordenada dos fatos que entre nós se realizaram, 2conforme nos transmitiram os que desde o princípio foram deles testemunhas oculares e ministros da palavra, 3igualmente a mim me pareceu bem, depois de acurada investigação de tudo desde sua origem, dar-te por escrito, excelentíssimo Teófilo, uma exposição em ordem, 4para que tenhas plena certeza das verdades em que foste instruído.

Zacarias e Isabel

5Nos dias de Herodes, rei da Judeia, houve um sacerdote chamado Zacarias, do turno de Abias.

1.5
1Cr 24.10
Sua mulher era das filhas de Arão e se chamava Isabel. 6Ambos eram justos diante de Deus, vivendo irrepreensivelmente em todos os preceitos e mandamentos do Senhor. 7E não tinham filhos, porque Isabel era estéril, sendo eles avançados em dias.

Predições referentes a João Batista

8Ora, aconteceu que, exercendo ele diante de Deus o sacerdócio na ordem do seu turno, coube-lhe por sorte, 9segundo o costume sacerdotal, entrar no santuário do Senhor para queimar o incenso; 10e, durante esse tempo, toda a multidão do povo permanecia da parte de fora, orando. 11E eis que lhe apareceu um anjo do Senhor, em pé, à direita do altar do incenso. 12Vendo-o, Zacarias turbou-se, e apoderou-se dele o temor. 13Disse-lhe, porém, o anjo: Zacarias, não temas, porque a tua oração foi ouvida; e Isabel, tua mulher, te dará à luz um filho, a quem darás o nome de João. 14Em ti haverá prazer e alegria, e muitos se regozijarão com o seu nascimento. 15Pois ele será grande diante do Senhor, não beberá vinho

1.15
Nm 6.3
nem bebida forte e será cheio do Espírito Santo, já do ventre materno. 16E converterá muitos dos filhos de Israel ao Senhor, seu Deus. 17E irá adiante do Senhor no espírito e poder de Elias,
1.17
Ml 4.5-6
para converter o coração dos pais aos filhos, converter os desobedientes à prudência dos justos e habilitar para o Senhor um povo preparado. 18Então, perguntou Zacarias ao anjo: Como saberei isto? Pois eu sou velho, e minha mulher, avançada em dias. 19Respondeu-lhe o anjo: Eu sou Gabriel,
1.19
Dn 8.16
9.21
que assisto diante de Deus, e fui enviado para falar-te e trazer-te estas boas-novas. 20Todavia, ficarás mudo e não poderás falar até ao dia em que estas coisas venham a realizar-se; porquanto não acreditaste nas minhas palavras, as quais, a seu tempo, se cumprirão. 21O povo estava esperando a Zacarias e admirava-se de que tanto se demorasse no santuário. 22Mas, saindo ele, não lhes podia falar; então, entenderam que tivera uma visão no santuário. E expressava-se por acenos e permanecia mudo. 23Sucedeu que, terminados os dias de seu ministério, voltou para casa.

A felicidade de Isabel

24Passados esses dias, Isabel, sua mulher, concebeu e ocultou-se por cinco meses, dizendo: 25Assim me fez o Senhor, contemplando-me, para anular o meu opróbrio perante os homens.

Predito o nascimento de Jesus

26No sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado, da parte de Deus, para uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27a uma virgem

1.27
Mt 1.18
desposada com certo homem da casa de Davi, cujo nome era José; a virgem chamava-se Maria. 28E, entrando o anjo aonde ela estava, disse: Alegra-te, muito favorecida! O Senhor é contigo. 29Ela, porém, ao ouvir esta palavra, perturbou-se muito e pôs-se a pensar no que significaria esta saudação. 30Mas o anjo lhe disse: Maria, não temas; porque achaste graça diante de Deus. 31Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem chamarás pelo nome de Jesus.
1.31
Mt 1.21
32Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; Deus, o Senhor, lhe dará o trono de Davi, seu pai; 33ele reinará para sempre sobre a casa de Jacó, e o seu reinado não terá fim.
1.32-33
Is 9.7
34Então, disse Maria ao anjo: Como será isto, pois não tenho relação com homem algum? 35Respondeu-lhe o anjo: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra; por isso, também o ente santo que há de nascer será chamado Filho de Deus. 36E Isabel, tua parenta, igualmente concebeu um filho na sua velhice, sendo este já o sexto mês para aquela que diziam ser estéril. 37Porque para Deus não haverá impossíveis
1.37
Gn 18.14
em todas as suas promessas. 38Então, disse Maria: Aqui está a serva do Senhor; que se cumpra em mim conforme a tua palavra. E o anjo se ausentou dela.

Maria visita a Isabel

39Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, 40entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel. 41Ouvindo esta a saudação de Maria, a criança lhe estremeceu no ventre; então, Isabel ficou possuída do Espírito Santo. 42E exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres, e bendito o fruto do teu ventre! 43E de onde me provém que me venha visitar a mãe do meu Senhor? 44Pois, logo que me chegou aos ouvidos a voz da tua saudação, a criança estremeceu de alegria dentro de mim. 45Bem-aventurada a que creu, porque serão cumpridas as palavras que lhe foram ditas da parte do Senhor.

O cântico de Maria

46Então, disse Maria:

A minha alma engrandece ao Senhor,

47e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador,

48porque contemplou na humildade da sua serva.

Pois, desde agora, todas as gerações me considerarão bem-aventurada,

49porque o Poderoso me fez grandes coisas.

Santo é o seu nome.

50A sua misericórdia vai de geração em geração

sobre os que o temem.

51Agiu com o seu braço valorosamente;

dispersou os que, no coração, alimentavam pensamentos soberbos.

52Derribou do seu trono os poderosos

e exaltou os humildes.

53Encheu de bens os famintos

e despediu vazios os ricos.

54Amparou a Israel, seu servo,

a fim de lembrar-se da sua misericórdia

55a favor de Abraão

1.55
Gn 17.7
e de sua descendência, para sempre,

como prometera aos nossos pais.

56Maria permaneceu cerca de três meses com Isabel e voltou para casa.
1.46-56
1Sm 2.1-10

O nascimento de João Batista

57A Isabel cumpriu-se o tempo de dar à luz, e teve um filho. 58Ouviram os seus vizinhos e parentes que o Senhor usara de grande misericórdia para com ela e participaram do seu regozijo. 59Sucedeu que, no oitavo dia,

1.59
Lv 12.3
foram circuncidar o menino e queriam dar-lhe o nome de seu pai, Zacarias. 60De modo nenhum! Respondeu sua mãe. Pelo contrário, ele deve ser chamado João. 61Disseram-lhe: Ninguém há na tua parentela que tenha este nome. 62E perguntaram, por acenos, ao pai do menino que nome queria que lhe dessem. 63Então, pedindo ele uma tabuinha, escreveu: João é o seu nome. E todos se admiraram. 64Imediatamente, a boca se lhe abriu, e, desimpedida a língua, falava louvando a Deus. 65Sucedeu que todos os seus vizinhos ficaram possuídos de temor, e por toda a região montanhosa da Judeia foram divulgadas estas coisas. 66Todos os que as ouviram guardavam-nas no coração, dizendo: Que virá a ser, pois, este menino? E a mão do Senhor estava com ele.

O cântico de Zacarias

67Zacarias, seu pai, cheio do Espírito Santo, profetizou, dizendo:

68Bendito seja o Senhor, Deus de Israel,

porque visitou e redimiu o seu povo,

69e nos suscitou plena e poderosa salvação

na casa de Davi, seu servo,

70como prometera, desde a antiguidade, por boca dos seus santos profetas,

71para nos libertar dos nossos inimigos e das mãos de todos os que nos odeiam;

72para usar de misericórdia com os nossos pais

e lembrar-se da sua santa aliança

73e do juramento que fez a Abraão, o nosso pai,

74de conceder-nos que, livres das mãos de inimigos,

o adorássemos sem temor,

75em santidade e justiça perante ele, todos os nossos dias.

76Tu, menino, serás chamado profeta do Altíssimo,

porque precederás o Senhor, preparando-lhe os caminhos,

1.76
Ml 3.1

77para dar ao seu povo conhecimento da salvação,

no redimi-lo dos seus pecados,

78graças à entranhável misericórdia de nosso Deus,

pela qual nos visitará o sol nascente das alturas,

79para alumiar

1.79
Is 9.2
os que jazem nas trevas e na sombra da morte,

e dirigir os nossos pés pelo caminho da paz.

80O menino crescia e se fortalecia em espírito. E viveu nos desertos até ao dia em que havia de manifestar-se a Israel.

2

O nascimento de Jesus Cristo

Mt 1.18-25

21Naqueles dias, foi publicado um decreto de César Augusto, convocando toda a população do império para recensear-se. 2Este, o primeiro recenseamento, foi feito quando Quirino era governador da Síria. 3Todos iam alistar-se, cada um à sua própria cidade. 4José também subiu da Galileia, da cidade de Nazaré, para a Judeia, à cidade de Davi, chamada Belém, por ser ele da casa e família de Davi, 5a fim de alistar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida. 6Estando eles ali, aconteceu completarem-se-lhe os dias, 7e ela deu à luz o seu filho primogênito, enfaixou-o e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria.

Os anjos e os pastores

8Havia, naquela mesma região, pastores que viviam nos campos e guardavam o seu rebanho durante as vigílias da noite. 9E um anjo do Senhor desceu aonde eles estavam, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles; e ficaram tomados de grande temor. 10O anjo, porém, lhes disse: Não temais; eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo: 11é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor. 12E isto vos servirá de sinal: encontrareis uma criança envolta em faixas e deitada em manjedoura. 13E, subitamente, apareceu com o anjo uma multidão da milícia celestial, louvando a Deus e dizendo:

14Glória a Deus nas maiores alturas,

e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem.

15E, ausentando-se deles os anjos para o céu, diziam os pastores uns aos outros: Vamos até Belém e vejamos os acontecimentos que o Senhor nos deu a conhecer. 16Foram apressadamente e acharam Maria e José e a criança deitada na manjedoura. 17E, vendo-o, divulgaram o que lhes tinha sido dito a respeito deste menino. 18Todos os que ouviram se admiraram das coisas referidas pelos pastores. 19Maria, porém, guardava todas estas palavras, meditando-as no coração. 20Voltaram, então, os pastores glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, como lhes fora anunciado.

A circuncisão de Jesus

21Completados oito dias para ser circuncidado

2.21
Lv 12.3
o menino, deram-lhe o nome de Jesus, como lhe chamara o anjo,
2.21
Lc 1.31
antes de ser concebido.

A apresentação de Jesus no templo

22Passados os dias da purificação deles segundo a Lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém para o apresentarem ao Senhor, 23conforme o que está escrito na Lei do Senhor:

Todo primogênito ao Senhor será consagrado;

2.23
Êx 13.2,12

24e para oferecer um sacrifício, segundo o que está escrito na referida Lei:

Um par de rolas ou dois pombinhos.

2.22-24
Lv 12.6-8

O cântico de Simeão

25Havia em Jerusalém um homem chamado Simeão; homem este justo e piedoso que esperava a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava sobre ele. 26Revelara-lhe o Espírito Santo que não passaria pela morte antes de ver o Cristo do Senhor. 27Movido pelo Espírito, foi ao templo; e, quando os pais trouxeram o menino Jesus para fazerem com ele o que a Lei ordenava, 28Simeão o tomou nos braços e louvou a Deus, dizendo:

29Agora, Senhor, podes despedir em paz o teu servo,

segundo a tua palavra;

30porque os meus olhos já viram a tua salvação,

31a qual preparaste diante de todos os povos:

32luz

2.32
Is 42.6
49.6
para revelação aos gentios,

e para glória do teu povo de Israel.

33E estavam o pai e a mãe do menino admirados do que dele se dizia. 34Simeão os abençoou e disse a Maria, mãe do menino: Eis que este menino está destinado tanto para ruína como para levantamento de muitos em Israel e para ser alvo de contradição 35(também uma espada traspassará a tua própria alma), para que se manifestem os pensamentos de muitos corações.

A profetisa Ana

36Havia uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser, avançada em dias, que vivera com seu marido sete anos desde que se casara 37e que era viúva de oitenta e quatro anos. Esta não deixava o templo, mas adorava noite e dia em jejuns e orações. 38E, chegando naquela hora, dava graças a Deus e falava a respeito do menino a todos os que esperavam a redenção de Jerusalém.

O menino Jesus em Nazaré

39Cumpridas todas as ordenanças segundo a Lei do Senhor, voltaram para a Galileia, para a sua cidade de Nazaré. 40Crescia o menino e se fortalecia, enchendo-se de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre ele.

O menino Jesus no meio dos doutores

41Ora, anualmente iam seus pais a Jerusalém, para a Festa da Páscoa.

2.41
Êx 23.15
Dt 16.1-8
42Quando ele atingiu os doze anos, subiram a Jerusalém, segundo o costume da festa. 43Terminados os dias da festa, ao regressarem, permaneceu o menino Jesus em Jerusalém, sem que seus pais o soubessem. 44Pensando, porém, estar ele entre os companheiros de viagem, foram caminho de um dia e, então, passaram a procurá-lo entre os parentes e os conhecidos; 45e, não o tendo encontrado, voltaram a Jerusalém à sua procura. 46Três dias depois, o acharam no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os. 47E todos os que o ouviam muito se admiravam da sua inteligência e das suas respostas. 48Logo que seus pais o viram, ficaram maravilhados; e sua mãe lhe disse: Filho, por que fizeste assim conosco? Teu pai e eu, aflitos, estamos à tua procura. 49Ele lhes respondeu: Por que me procuráveis? Não sabíeis que me cumpria estar na casa de meu Pai? 50Não compreenderam, porém, as palavras que lhes dissera. 51E desceu com eles para Nazaré; e era-lhes submisso. Sua mãe, porém, guardava todas estas coisas no coração.

52E crescia Jesus em sabedoria, estatura

2.52
1Sm 2.26
e graça, diante de Deus e dos homens.