Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
9

Arão oferece sacrifícios por si e pelo povo

91Ao oitavo dia, chamou Moisés a Arão, e a seus filhos, e aos anciãos de Israel 2e disse a Arão: Toma um bezerro, para oferta pelo pecado, e um carneiro, para holocausto, ambos sem defeito, e traze-os perante o Senhor. 3Depois, dirás aos filhos de Israel: Tomai um bode, para oferta pelo pecado, um bezerro e um cordeiro, ambos de um ano e sem defeito, como holocausto; 4e um boi e um carneiro, por oferta pacífica, para sacrificar perante o Senhor, e oferta de manjares amassada com azeite; porquanto, hoje, o Senhor vos aparecerá. 5Então, trouxeram o que ordenara Moisés, diante da tenda da congregação, e chegou-se toda a congregação e se pôs perante o Senhor. 6Disse Moisés: Esta coisa que o Senhor ordenou fareis; e a glória do Senhor vos aparecerá. 7Depois, disse Moisés a Arão: Chega-te ao altar, faze a tua oferta pelo pecado e o teu holocausto; e faze expiação por ti e pelo povo; depois, faze a oferta do povo e a expiação por ele, como ordenou o Senhor.

8Chegou-se, pois, Arão ao altar e imolou o bezerro da oferta pelo pecado que era por si mesmo. 9Os filhos de Arão trouxeram-lhe o sangue; ele molhou o dedo no sangue e o pôs sobre os chifres do altar; e o resto do sangue derramou à base do altar. 10Mas a gordura, e os rins, e o redenho do fígado da oferta pelo pecado queimou sobre o altar, como o Senhor ordenara a Moisés. 11Porém a carne e o couro queimou fora do arraial.

12Depois, imolou o holocausto, e os filhos de Arão lhe entregaram o sangue, e ele o aspergiu sobre o altar, em redor. 13Também lhe entregaram o holocausto nos seus pedaços, com a cabeça; e queimou-o sobre o altar. 14E lavou as entranhas e as pernas e as queimou sobre o holocausto, no altar.

15Depois, fez chegar a oferta do povo, e, tomando o bode da oferta pelo pecado, que era pelo povo, o imolou, e o preparou por oferta pelo pecado, como fizera com o primeiro. 16Também fez chegar o holocausto e o ofereceu segundo o rito. 17Fez chegar a oferta de manjares, e dela tomou um punhado, e queimou sobre o altar, além do holocausto da manhã.

18Depois, imolou o boi e o carneiro em sacrifício pacífico, que era pelo povo;

9.18
Lv 3.1-11
e os filhos de Arão entregaram-lhe o sangue, que aspergiu sobre o altar, em redor, 19como também a gordura do boi e do carneiro, e a cauda, e o que cobre as entranhas, e os rins, e o redenho do fígado. 20E puseram a gordura sobre o peito, e ele a queimou sobre o altar; 21mas o peito e a coxa direita Arão moveu por oferta movida perante o Senhor, como Moisés tinha ordenado.

22Depois, Arão levantou as mãos

9.22
Nm 6.22-26
para o povo e o abençoou; e desceu, havendo feito a oferta pelo pecado, e o holocausto, e a oferta pacífica. 23Então, entraram Moisés e Arão na tenda da congregação; e, saindo, abençoaram o povo; e a glória do Senhor apareceu a todo o povo. 24E eis que, saindo fogo de diante do Senhor, consumiu o holocausto e a gordura sobre o altar; o que vendo o povo, jubilou e prostrou-se sobre o rosto.

10

Nadabe e Abiú morrem diante do Senhor

101Nadabe e Abiú, filhos de Arão, tomaram cada um o seu incensário, e puseram neles fogo, e sobre este, incenso, e trouxeram fogo estranho perante a face do Senhor, o que lhes não ordenara. 2Então, saiu fogo de diante do Senhor e os consumiu; e morreram perante o Senhor. 3E falou Moisés a Arão: Isto é o que o Senhor disse: Mostrarei a minha santidade naqueles que se cheguem a mim e serei glorificado diante de todo o povo. Porém Arão se calou.

4Então, Moisés chamou a Misael e a Elzafã, filhos de Uziel, tio de Arão, e disse-lhes: Chegai, tirai vossos irmãos de diante do santuário, para fora do arraial. 5Chegaram-se, pois, e os levaram nas suas túnicas para fora do arraial, como Moisés tinha dito. 6Moisés disse a Arão e a seus filhos Eleazar e Itamar: Não desgrenheis os cabelos, nem rasgueis as vossas vestes, para que não morrais, nem venha grande ira sobre toda a congregação; mas vossos irmãos, toda a casa de Israel, lamentem o incêndio que o Senhor suscitou. 7Não saireis da porta da tenda da congregação, para que não morrais; porque está sobre vós o óleo da unção do Senhor. E fizeram conforme a palavra de Moisés.

Deveres e porções dos sacerdotes

8Falou também o Senhor a Arão, dizendo: 9Vinho ou bebida forte tu e teus filhos não bebereis quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais; estatuto perpétuo será isso entre as vossas gerações, 10para fazerdes diferença entre o santo e o profano e entre o imundo e o limpo 11e para ensinardes aos filhos de Israel todos os estatutos que o Senhor lhes tem falado por intermédio de Moisés.

12Disse Moisés a Arão e aos filhos deste, Eleazar e Itamar, que lhe ficaram: Tomai a oferta de manjares, restante das ofertas queimadas ao Senhor, e comei-a, sem fermento, junto ao altar, porquanto coisa santíssima é. 13Comê-la-eis em lugar santo, porque isto é a tua porção e a porção de teus filhos, das ofertas queimadas do Senhor; porque assim me foi ordenado.

10.12-13
Lv 6.14-18
14Também o peito da oferta movida e a coxa da oferta comereis em lugar limpo, tu, e teus filhos, e tuas filhas, porque foram dados por tua porção e por porção de teus filhos, dos sacrifícios pacíficos dos filhos de Israel. 15A coxa da oferta e o peito da oferta movida trarão com as ofertas queimadas de gordura, para mover por oferta movida perante o Senhor, o que será por estatuto perpétuo, para ti e para teus filhos, como o Senhor tem ordenado.
10.14-15
Lv 7.30-34

16Moisés diligentemente buscou o bode da oferta pelo pecado, e eis que já era queimado; portanto, indignando-se grandemente contra Eleazar e contra Itamar, os filhos que de Arão ficaram, disse: 17Por que não comestes

10.17
Lv 6.24-30
a oferta pelo pecado no lugar santo? Pois coisa santíssima é; e o Senhor a deu a vós outros, para levardes a iniquidade da congregação, para fazerdes expiação por eles diante do Senhor. 18Eis que desta oferta não foi trazido o seu sangue para dentro do santuário; certamente, devíeis tê-la comido no santuário, como eu tinha ordenado. 19Respondeu Arão a Moisés: Eis que, hoje, meus filhos ofereceram a sua oferta pelo pecado e o seu holocausto perante o Senhor; e tais coisas me sucederam; se eu, hoje, tivesse comido a oferta pelo pecado, seria isso, porventura, aceito aos olhos do Senhor? 20O que ouvindo Moisés, deu-se por satisfeito.

11

Leis sobre os animais limpos e os imundos

Dt 14.3-20

111Falou o Senhor a Moisés e a Arão, dizendo-lhes: 2Dizei aos filhos de Israel: São estes os animais que comereis de todos os quadrúpedes que há sobre a terra: 3todo o que tem unhas fendidas, e o casco se divide em dois, e rumina, entre os animais, esse comereis. 4Destes, porém, não comereis: dos que ruminam ou dos que têm unhas fendidas: o camelo, que rumina, mas não tem unhas fendidas; este vos será imundo; 5o arganaz, porque rumina, mas não tem as unhas fendidas; este vos será imundo; 6a lebre, porque rumina, mas não tem as unhas fendidas; esta vos será imunda. 7Também o porco, porque tem unhas fendidas e o casco dividido, mas não rumina; este vos será imundo; 8da sua carne não comereis, nem tocareis no seu cadáver. Estes vos serão imundos.

9De todos os animais que há nas águas comereis os seguintes: todo o que tem barbatanas e escamas, nos mares e nos rios; esses comereis. 10Porém todo o que não tem barbatanas nem escamas, nos mares e nos rios, todos os que enxameiam as águas e todo ser vivente que há nas águas, estes serão para vós outros abominação. 11Ser-vos-ão, pois, por abominação; da sua carne não comereis e abominareis o seu cadáver. 12Todo o que nas águas não tem barbatanas ou escamas será para vós outros abominação.

13Das aves, estas abominareis; não se comerão, serão abominação: a águia, o quebrantosso e a águia marinha; 14o milhano e o falcão, segundo a sua espécie, 15todo corvo, segundo a sua espécie, 16o avestruz, a coruja, a gaivota, o gavião, segundo a sua espécie, 17o mocho, o corvo marinho, a íbis, 18a gralha, o pelicano, o abutre, 19a cegonha, a garça, segundo a sua espécie, a poupa e o morcego.

20Todo inseto que voa, que anda sobre quatro pés será para vós outros abominação. 21Mas de todo inseto que voa, que anda sobre quatro pés, cujas pernas traseiras são mais compridas, para saltar com elas sobre a terra, estes comereis. 22Deles, comereis estes: a locusta, segundo a sua espécie, o gafanhoto devorador, segundo a sua espécie, o grilo, segundo a sua espécie, e o gafanhoto, segundo a sua espécie. 23Mas todos os outros insetos que voam, que têm quatro pés serão para vós outros abominação.

24E por estes vos tornareis imundos; qualquer que tocar o seu cadáver imundo será até à tarde. 25Qualquer que levar o seu cadáver lavará as suas vestes e será imundo até à tarde. 26Todo animal que tem unhas fendidas, mas o casco não dividido em dois e não rumina vos será por imundo; qualquer que tocar neles será imundo. 27Todo animal quadrúpede que anda na planta dos pés vos será por imundo; qualquer que tocar o seu cadáver será imundo até à tarde. 28E o que levar o seu cadáver lavará as suas vestes e será imundo até à tarde; eles vos serão por imundos.

29Estes vos serão imundos entre o enxame de criaturas que povoam a terra: a doninha, o rato, o lagarto, segundo a sua espécie, 30o geco, o crocodilo da terra, a lagartixa, o lagarto da areia e o camaleão; 31estes vos serão por imundos entre todo o enxame de criaturas; qualquer que os tocar, estando eles mortos, será imundo até à tarde. 32E tudo aquilo sobre que cair qualquer deles, estando eles mortos, será imundo, seja vaso de madeira, ou veste, ou pele, ou pano de saco, ou qualquer instrumento com que se faz alguma obra, será metido em água e será imundo até à tarde; então, será limpo. 33E todo vaso de barro, dentro do qual cair alguma coisa deles, tudo o que houver nele será imundo; o vaso quebrareis. 34Todo alimento que se come, preparado com água, será imundo; e todo líquido que se bebe, em todo vaso, será imundo. 35E aquilo sobre o que cair alguma coisa do seu corpo morto será imundo; se for um forno ou um fogareiro de barro, serão quebrados; imundos são; portanto, vos serão por imundos. 36Porém a fonte ou cisterna, em que se recolhem águas, será limpa; mas quem tocar no cadáver desses animais será imundo. 37Se do seu cadáver cair alguma coisa sobre alguma semente de semear, esta será limpa; 38mas, se alguém deitar água sobre a semente, e, se do cadáver cair alguma coisa sobre ela, vos será imunda.

39Se morrer algum dos animais de que vos é lícito comer, quem tocar no seu cadáver será imundo até à tarde; 40quem do seu cadáver comer lavará as suas vestes e será imundo até à tarde; e quem levar o seu corpo morto lavará as suas vestes e será imundo até à tarde.

41Também todo enxame de criaturas que povoam a terra será abominação; não se comerá. 42Tudo o que anda sobre o ventre, e tudo o que anda sobre quatro pés ou que tem muitos pés, entre todo enxame de criaturas que povoam a terra, não comereis, porquanto são abominação. 43Não vos façais abomináveis por nenhum enxame de criaturas, nem por elas vos contaminareis, para não serdes imundos. 44Eu sou o Senhor, vosso Deus; portanto, vós vos consagrareis e sereis santos, porque eu sou santo; e não vos contaminareis por nenhum enxame de criaturas que se arrastam sobre a terra. 45Eu sou o Senhor, que vos faço subir da terra do Egito, para que eu seja vosso Deus; portanto, vós sereis santos, porque eu sou santo.

11.44-45
Lv 19.2
1Pe 1.16

46Esta é a lei dos animais, e das aves, e de toda alma vivente que se move nas águas, e de toda criatura que povoa a terra, 47para fazer diferença entre o imundo e o limpo e entre os animais que se podem comer e os animais que se não podem comer.