Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
8

Bildade afirma a justiça de Deus

81Então, respondeu Bildade, o suíta:

2Até quando falarás tais coisas?

E até quando as palavras da tua boca serão qual vento impetuoso?

3Perverteria Deus o direito

ou perverteria o Todo-Poderoso a justiça?

4Se teus filhos pecaram contra ele,

também ele os lançou no poder da sua transgressão.

5Mas, se tu buscares a Deus

e ao Todo-Poderoso pedires misericórdia,

6se fores puro e reto,

ele, sem demora, despertará em teu favor

e restaurará a justiça da tua morada.

7O teu primeiro estado, na verdade, terá sido pequeno,

mas o teu último crescerá sobremaneira.

8Pois, eu te peço, pergunta agora a gerações passadas

e atenta para a experiência de seus pais;

9porque nós somos de ontem e nada sabemos;

porquanto nossos dias sobre a terra são como a sombra.

10Porventura, não te ensinarão os pais, não haverão de falar-te

e do próprio entendimento não proferirão estas palavras:

11Pode o papiro crescer sem lodo?

Ou viça o junco sem água?

12Estando ainda na sua verdura e ainda não colhidos,

todavia, antes de qualquer outra erva se secam.

13São assim as veredas de todos quantos se esquecem de Deus;

e a esperança do ímpio perecerá.

14A sua firmeza será frustrada,

e a sua confiança é teia de aranha.

15Encostar-se-á à sua casa, e ela não se manterá,

agarrar-se-á a ela, e ela não ficará em pé.

16Ele é viçoso perante o sol,

e os seus renovos irrompem no seu jardim;

17as suas raízes se entrelaçam num montão de pedras

e penetram até às muralhas.

18Mas, se Deus o arranca do seu lugar,

então, este o negará, dizendo: Nunca te vi.

19Eis em que deu a sua vida!

E do pó brotarão outros.

20Eis que Deus não rejeita ao íntegro,

nem toma pela mão os malfeitores.

21Ele te encherá a boca de riso

e os teus lábios, de júbilo.

22Teus aborrecedores se vestirão de ignomínia,

e a tenda dos perversos não subsistirá.