Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
9

Os ritos, ofertas e sacrifícios mosaicos eram imperfeitos e ineficazes

91Ora, a primeira aliança também tinha preceitos de serviço sagrado e o seu santuário terrestre. 2Com efeito, foi preparado o tabernáculo, cuja parte anterior, onde estavam o candeeiro, e a mesa, e a exposição dos pães, se chama o Santo Lugar; 3por trás do segundo véu, se encontrava o tabernáculo que se chama o Santo dos Santos, 4ao qual pertencia um altar de ouro para o incenso e a arca da aliança totalmente coberta de ouro, na qual estava uma urna de ouro contendo o maná,

9.4
Êx 16.33
o bordão de Arão,
9.4
Nm 17.8-10
que floresceu, e as tábuas da aliança; 5e sobre ela, os querubins de glória, que, com a sua sombra, cobriam o propiciatório. Dessas coisas, todavia, não falaremos, agora, pormenorizadamente.
9.1-5
Êx 25.10—26.35

6Ora, depois de tudo isto assim preparado, continuamente entram no primeiro tabernáculo os sacerdotes,

9.6
Nm 18.2-6
para realizar os serviços sagrados; 7mas, no segundo, o sumo sacerdote, ele sozinho,
9.7
Lv 16.2-34
uma vez por ano, não sem sangue, que oferece por si e pelos pecados de ignorância do povo, 8querendo com isto dar a entender o Espírito Santo que ainda o caminho do Santo Lugar não se manifestou, enquanto o primeiro tabernáculo continua erguido. 9É isto uma parábola para a época presente; e, segundo esta, se oferecem tanto dons como sacrifícios, embora estes, no tocante à consciência, sejam ineficazes para aperfeiçoar aquele que presta culto, 10os quais não passam de ordenanças da carne, baseadas somente em comidas, e bebidas, e diversas abluções, impostas até ao tempo oportuno de reforma.

O sacrifício de Cristo não se repete, é perfeito e eficaz

11Quando, porém, veio Cristo como sumo sacerdote dos bens já realizados, mediante o maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, quer dizer, não desta criação, 12não por meio de sangue de bodes e de bezerros, mas pelo seu próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção. 13Portanto, se o sangue de bodes e de touros

9.13
Lv 16.15-16
e a cinza de uma novilha,
9.13
Nm 19.9,17-19
aspergidos sobre os contaminados, os santificam, quanto à purificação da carne, 14muito mais o sangue de Cristo, que, pelo Espírito eterno, a si mesmo se ofereceu sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência de obras mortas, para servirmos ao Deus vivo!

15Por isso mesmo, ele é o Mediador da nova aliança, a fim de que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia sob a primeira aliança, recebam a promessa da eterna herança aqueles que têm sido chamados. 16Porque, onde há testamento,9.16-17 testamento; ou aliança é necessário que intervenha a morte do testador; 17pois um testamento só é confirmado no caso de mortos; visto que de maneira nenhuma tem força de lei enquanto vive o testador. 18Pelo que nem a primeira aliança foi sancionada sem sangue; 19porque, havendo Moisés proclamado todos os mandamentos segundo a lei a todo o povo, tomou o sangue dos bezerros e dos bodes, com água, e lã tinta de escarlate, e hissopo e aspergiu não só o próprio livro, como também sobre todo o povo, 20dizendo:

Este é o sangue da aliança, a qual Deus prescreveu para vós outros.

9.19-20
Êx 24.6-8

21Igualmente também aspergiu com sangue o tabernáculo
9.21
Lv 8.15
e todos os utensílios do serviço sagrado. 22Com efeito, quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e, sem derramamento de sangue,
9.22
Lv 17.11
não há remissão.

O sacrifício de Cristo é eficaz para sempre

23Era necessário, portanto, que as figuras das coisas que se acham nos céus se purificassem com tais sacrifícios, mas as próprias coisas celestiais, com sacrifícios a eles superiores. 24Porque Cristo não entrou em santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para comparecer, agora, por nós, diante de Deus; 25nem ainda para se oferecer a si mesmo muitas vezes, como o sumo sacerdote cada ano entra no Santo dos Santos com sangue alheio. 26Ora, neste caso, seria necessário que ele tivesse sofrido muitas vezes desde a fundação do mundo; agora, porém, ao se cumprirem os tempos, se manifestou uma vez por todas, para aniquilar, pelo sacrifício de si mesmo, o pecado. 27E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo, 28assim também Cristo, tendo-se oferecido uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardam para a salvação.