Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
1

A revelação de Deus

11Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, 2nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo. 3Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas, 4tendo-se tornado tão superior aos anjos quanto herdou mais excelente nome do que eles.

Cristo é o Filho, os anjos são ministros

5Pois a qual dos anjos disse jamais:

Tu és meu Filho,

1.5
Sl 2.7
eu hoje te gerei?

E outra vez:

Eu lhe serei Pai,

1.5
2Sm 7.14
1Cr 17.13
e ele me será Filho?

6E, novamente, ao introduzir o Primogênito no mundo, diz:

E todos os anjos de Deus o adorem.

1.6
Dt 32.43

7Ainda, quanto aos anjos, diz:

Aquele que a seus anjos faz ventos, e a seus ministros, labareda de fogo;

1.7
Sl 104.4

8mas acerca do Filho:

O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre;

e:

Cetro de equidade é o cetro do seu reino.

9Amaste a justiça e odiaste a iniquidade; por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu com o óleo de alegria como a nenhum dos teus companheiros.

1.8-9
Sl 45.6-7

10Ainda:

No princípio, Senhor, lançaste os fundamentos da terra, e os céus são obra das tuas mãos;

11eles perecerão; tu, porém, permaneces; sim, todos eles envelhecerão qual veste;

12também, qual manto, os enrolarás, e, como vestes, serão igualmente mudados; tu, porém, és o mesmo, e os teus anos jamais terão fim.

1.10-12
Sl 102.25-27

13Ora, a qual dos anjos jamais disse:

Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por estrado dos teus pés?

1.13
Sl 110.1

14Não são todos eles espíritos ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação?
2

O perigo da negligência

21Por esta razão, importa que nos apeguemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos. 2Se, pois, se tornou firme a palavra falada por meio de anjos, e toda transgressão ou desobediência recebeu justo castigo, 3como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? A qual, tendo sido anunciada inicialmente pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram; 4dando Deus testemunho juntamente com eles, por sinais, prodígios e vários milagres e por distribuições do Espírito Santo, segundo a sua vontade.

Jesus coroado de glória: sumo sacerdote idôneo e compassivo

5Pois não foi a anjos que sujeitou o mundo que há de vir, sobre o qual estamos falando; 6antes, alguém, em certo lugar, deu pleno testemunho, dizendo:

Que é o homem, que dele te lembres? Ou o filho do homem, que o visites?

7Fizeste-o, por um pouco, menor que os anjos, de glória e de honra o coroaste [e o constituíste sobre as obras das tuas mãos].

8Todas as coisas sujeitaste debaixo dos seus pés.

2.6-8
Sl 8.4-6

Ora, desde que lhe sujeitou todas as coisas, nada deixou fora do seu domínio. Agora, porém, ainda não vemos todas as coisas a ele sujeitas; 9vemos, todavia, aquele que, por um pouco, tendo sido feito menor que os anjos, Jesus, por causa do sofrimento da morte, foi coroado de glória e de honra, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todo homem.

10Porque convinha que aquele, por cuja causa e por quem todas as coisas existem, conduzindo muitos filhos à glória, aperfeiçoasse, por meio de sofrimentos, o Autor da salvação deles. 11Pois, tanto o que santifica como os que são santificados, todos vêm de um só. Por isso, é que ele não se envergonha de lhes chamar irmãos, 12dizendo:

A meus irmãos declararei o teu nome, cantar-te-ei louvores no meio da congregação.

2.12
Sl 22.22

13E outra vez:

Eu porei nele a minha confiança.

2.13
Is 8.17

E ainda:

Eis aqui estou eu e os filhos que Deus me deu.

2.13
Is 8.18

14Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, 15e livrasse todos que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos à escravidão por toda a vida. 16Pois ele, evidentemente, não socorre anjos, mas socorre a descendência de Abraão. 17Por isso mesmo, convinha que, em todas as coisas, se tornasse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote nas coisas referentes a Deus e para fazer propiciação pelos pecados do povo. 18Pois, naquilo que ele mesmo sofreu, tendo sido tentado, é poderoso para socorrer os que são tentados.

3

Cristo é superior a Moisés. O perigo da incredulidade e da desobediência

31Por isso, santos irmãos, que participais da vocação celestial, considerai atentamente o Apóstolo e Sumo Sacerdote da nossa confissão, Jesus, 2o qual é fiel àquele que o constituiu, como também o era Moisés em toda a casa de Deus.

3.2
Nm 12.7
3Jesus, todavia, tem sido considerado digno de tanto maior glória do que Moisés, quanto maior honra do que a casa tem aquele que a estabeleceu. 4Pois toda casa é estabelecida por alguém, mas aquele que estabeleceu todas as coisas é Deus. 5E Moisés era fiel, em toda a casa de Deus, como servo, para testemunho das coisas que haviam de ser anunciadas; 6Cristo, porém, como Filho, em sua casa; a qual casa somos nós, se guardarmos firme, até ao fim, a ousadia e a exultação da esperança.

7Assim, pois, como diz o Espírito Santo:

Hoje, se ouvirdes a sua voz,

8não endureçais o vosso coração como foi na provocação, no dia da tentação no deserto,

9onde os vossos pais me tentaram, pondo-me à prova, e viram as minhas obras por quarenta anos.

10Por isso, me indignei contra essa geração e disse: Estes sempre erram no coração; eles também não conheceram os meus caminhos.

11Assim, jurei na minha ira: Não entrarão no meu descanso.

3.7-11
Sl 95.7-11

12Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo; 13pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado. 14Porque nos temos tornado participantes de Cristo, se, de fato, guardarmos firme, até ao fim, a confiança que, desde o princípio, tivemos. 15Enquanto se diz:

Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais o vosso coração, como foi na provocação.

3.15
Sl 95.7-8

16Ora, quais os que, tendo ouvido, se rebelaram? Não foram, de fato, todos os que saíram do Egito por intermédio de Moisés? 17E contra quem se indignou por quarenta anos? Não foi contra os que pecaram, cujos cadáveres caíram no deserto? 18E contra quem jurou que não entrariam no seu descanso, senão contra os que foram desobedientes? 19Vemos, pois, que não puderam entrar por causa da incredulidade.

3.16-19
Nm 14.1-35