Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
7

Noé e sua família entram na arca

71Disse o Senhor a Noé: Entra na arca, tu e toda a tua casa, porque reconheço que tens sido justo diante de mim no meio desta geração. 2De todo animal limpo levarás contigo sete pares: o macho e sua fêmea; mas dos animais imundos, um par: o macho e sua fêmea. 3Também das aves dos céus, sete pares: macho e fêmea; para se conservar a semente sobre a face da terra. 4Porque, daqui a sete dias, farei chover sobre a terra durante quarenta dias e quarenta noites; e da superfície da terra exterminarei todos os seres que fiz. 5E tudo fez Noé, segundo o Senhor lhe ordenara.

6Tinha Noé seiscentos anos de idade, quando as águas do dilúvio inundaram a terra. 7Por causa das águas do dilúvio, entrou Noé na arca,

7.7
Mt 24.38-39
Lc 17.27
ele com seus filhos, sua mulher e as mulheres de seus filhos. 8Dos animais limpos, e dos animais imundos, e das aves, e de todo réptil sobre a terra, 9entraram para Noé, na arca, de dois em dois, macho e fêmea, como Deus lhe ordenara. 10E aconteceu que, depois de sete dias, vieram sobre a terra as águas do dilúvio.

11No ano seiscentos da vida de Noé, aos dezessete dias do segundo mês, nesse dia romperam-se todas as fontes

7.11
2Pe 3.6
do grande abismo, e as comportas dos céus se abriram, 12e houve copiosa chuva sobre a terra durante quarenta dias e quarenta noites. 13Nesse mesmo dia entraram na arca Noé, seus filhos Sem, Cam e Jafé, sua mulher e as mulheres de seus filhos; 14eles, e todos os animais segundo as suas espécies, todo gado segundo as suas espécies, todos os répteis que rastejam sobre a terra segundo as suas espécies, todas as aves segundo as suas espécies, todos os pássaros e tudo o que tem asa. 15De toda carne, em que havia fôlego de vida, entraram de dois em dois para Noé na arca; 16eram macho e fêmea os que entraram de toda carne, como Deus lhe havia ordenado; e o Senhor fechou a porta após ele.

O dilúvio

17Durou o dilúvio quarenta dias sobre a terra; cresceram as águas e levantaram a arca de sobre a terra. 18Predominaram as águas e cresceram sobremodo na terra; a arca, porém, vogava sobre as águas. 19Prevaleceram as águas excessivamente sobre a terra e cobriram todos os altos montes que havia debaixo do céu. 20Quinze côvados acima deles prevaleceram as águas; e os montes foram cobertos. 21Pereceu toda carne que se movia sobre a terra, tanto de ave como de animais domésticos e animais selváticos, e de todos os enxames de criaturas que povoam a terra, e todo homem. 22Tudo o que tinha fôlego de vida em suas narinas, tudo o que havia em terra seca, morreu. 23Assim, foram exterminados todos os seres que havia sobre a face da terra; o homem e o animal, os répteis e as aves dos céus foram extintos da terra; ficou somente Noé e os que com ele estavam na arca. 24E as águas durante cento e cinquenta dias predominaram sobre a terra.

8

Diminuem as águas do dilúvio

81Lembrou-se Deus de Noé e de todos os animais selváticos e de todos os animais domésticos que com ele estavam na arca; Deus fez soprar um vento sobre a terra, e baixaram as águas. 2Fecharam-se as fontes do abismo e também as comportas dos céus, e a copiosa chuva dos céus se deteve. 3As águas iam-se escoando continuamente de sobre a terra e minguaram ao cabo de cento e cinquenta dias. 4No dia dezessete do sétimo mês, a arca repousou sobre as montanhas de Ararate. 5E as águas foram minguando até ao décimo mês, em cujo primeiro dia apareceram os cimos dos montes.

Noé solta um corvo e depois uma pomba

6Ao cabo de quarenta dias, abriu Noé a janela que fizera na arca 7e soltou um corvo, o qual, tendo saído, ia e voltava, até que se secaram as águas de sobre a terra. 8Depois, soltou uma pomba para ver se as águas teriam já minguado da superfície da terra; 9mas a pomba, não achando onde pousar o pé, tornou a ele para a arca; porque as águas cobriam ainda a terra. Noé, estendendo a mão, tomou-a e a recolheu consigo na arca. 10Esperou ainda outros sete dias e de novo soltou a pomba fora da arca. 11À tarde, ela voltou a ele; trazia no bico uma folha nova de oliveira; assim entendeu Noé que as águas tinham minguado de sobre a terra. 12Então, esperou ainda mais sete dias e soltou a pomba; ela, porém, já não tornou a ele.

Noé e sua família saem da arca

13Sucedeu que, no primeiro dia do primeiro mês, do ano seiscentos e um, as águas se secaram de sobre a terra. Então, Noé removeu a cobertura da arca e olhou, e eis que o solo estava enxuto. 14E, aos vinte e sete dias do segundo mês, a terra estava seca. 15Então, disse Deus a Noé: 16Sai da arca, e, contigo, tua mulher, e teus filhos, e as mulheres de teus filhos. 17Os animais que estão contigo, de toda carne, tanto aves como gado, e todo réptil que rasteja sobre a terra, faze sair a todos, para que povoem a terra, sejam fecundos e nela se multipliquem. 18Saiu, pois, Noé, com seus filhos, sua mulher e as mulheres de seus filhos. 19E também saíram da arca todos os animais, todos os répteis, todas as aves e tudo o que se move sobre a terra, segundo as suas famílias.

Noé levanta um altar

20Levantou Noé um altar ao Senhor e, tomando de animais limpos e de aves limpas, ofereceu holocaustos sobre o altar. 21E o Senhor aspirou o suave cheiro e disse consigo mesmo: Não tornarei a amaldiçoar a terra por causa do homem, porque é mau o desígnio íntimo do homem desde a sua mocidade; nem tornarei a ferir todo vivente, como fiz. 22Enquanto durar a terra, não deixará de haver sementeira e ceifa, frio e calor, verão e inverno, dia e noite.

9

A aliança de Deus com Noé

91Abençoou Deus a Noé e a seus filhos e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos

9.1
Gn 1.28
e enchei a terra. 2Pavor e medo de vós virão sobre todos os animais da terra e sobre todas as aves dos céus; tudo o que se move sobre a terra e todos os peixes do mar nas vossas mãos serão entregues. 3Tudo o que se move e vive ser-vos-á para alimento; como vos dei a erva verde, tudo vos dou agora. 4Carne, porém, com sua vida, isto é, com seu sangue, não comereis.
9.4
Lv 7.26-27
17.10-14
19.26
Dt 12.16,23
15.23
5Certamente, requererei o vosso sangue, o sangue da vossa vida; de todo animal o requererei, como também da mão do homem, sim, da mão do próximo de cada um requererei a vida do homem. 6Se alguém derramar o sangue do homem,
9.6
Êx 20.13
pelo homem se derramará o seu; porque Deus fez o homem segundo a sua imagem.
9.6
Gn 1.26
7Mas sede fecundos e multiplicai-vos;
9.7
Gn 1.28
povoai a terra e multiplicai-vos nela.

8Disse também Deus a Noé e a seus filhos: 9Eis que estabeleço a minha aliança convosco, e com a vossa descendência, 10e com todos os seres viventes que estão convosco: tanto as aves, os animais domésticos e os animais selváticos que saíram da arca como todos os animais da terra. 11Estabeleço a minha aliança convosco: não será mais destruída toda carne por águas de dilúvio, nem mais haverá dilúvio para destruir a terra. 12Disse Deus: Este é o sinal da minha aliança que faço entre mim e vós e entre todos os seres viventes que estão convosco, para perpétuas gerações: 13porei nas nuvens o meu arco; será por sinal da aliança entre mim e a terra. 14Sucederá que, quando eu trouxer nuvens sobre a terra, e nelas aparecer o arco, 15então, me lembrarei da minha aliança, firmada entre mim e vós e todos os seres viventes de toda carne; e as águas não mais se tornarão em dilúvio para destruir toda carne. 16O arco estará nas nuvens; vê-lo-ei e me lembrarei da aliança eterna entre Deus e todos os seres viventes de toda carne que há sobre a terra. 17Disse Deus a Noé: Este é o sinal da aliança estabelecida entre mim e toda carne sobre a terra.

18Os filhos de Noé, que saíram da arca, foram Sem, Cam e Jafé; Cam é o pai de Canaã. 19São eles os três filhos de Noé; e deles se povoou toda a terra.

Noé pronuncia bênção e maldição

20Sendo Noé lavrador, passou a plantar uma vinha. 21Bebendo do vinho, embriagou-se e se pôs nu dentro de sua tenda. 22Cam, pai de Canaã, vendo a nudez do pai, fê-lo saber, fora, a seus dois irmãos. 23Então, Sem e Jafé tomaram uma capa, puseram-na sobre os próprios ombros de ambos e, andando de costas, rostos desviados, cobriram a nudez do pai, sem que a vissem. 24Despertando Noé do seu vinho, soube o que lhe fizera o filho mais moço 25e disse:

Maldito seja Canaã;

seja servo dos servos a seus irmãos.

26E ajuntou:

Bendito seja o Senhor, Deus de Sem;

e Canaã lhe seja servo.

27Engrandeça Deus a Jafé,

e habite ele nas tendas de Sem;

e Canaã lhe seja servo.

28Noé, passado o dilúvio, viveu ainda trezentos e cinquenta anos. 29Todos os dias de Noé foram novecentos e cinquenta anos; e morreu.