Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
47

Israel é apresentado a Faraó

471Então, veio José e disse a Faraó: Meu pai e meus irmãos, com os seus rebanhos e o seu gado, com tudo o que têm, chegaram da terra de Canaã; e eis que estão na terra de Gósen. 2E tomou cinco dos seus irmãos e os apresentou a Faraó. 3Então, perguntou Faraó aos irmãos de José: Qual é o vosso trabalho? Eles responderam: Os teus servos somos pastores de rebanho, tanto nós como nossos pais. 4Disseram mais a Faraó: Viemos para habitar nesta terra; porque não há pasto para o rebanho de teus servos, pois a fome é severa na terra de Canaã; agora, pois, te rogamos permitas habitem os teus servos na terra de Gósen. 5Então, disse Faraó a José: Teu pai e teus irmãos vieram a ti. 6A terra do Egito está perante ti; no melhor da terra faze habitar teu pai e teus irmãos; habitem na terra de Gósen. Se sabes haver entre eles homens capazes, põe-nos por chefes do gado que me pertence.

7Trouxe José a Jacó, seu pai, e o apresentou a Faraó; e Jacó abençoou a Faraó. 8Perguntou Faraó a Jacó: Quantos são os dias dos anos da tua vida? 9Jacó lhe respondeu: Os dias dos anos das minhas peregrinações são cento e trinta anos; poucos e maus foram os dias dos anos da minha vida e não chegaram aos dias dos anos da vida de meus pais, nos dias das suas peregrinações. 10E, tendo Jacó abençoado a Faraó, saiu de sua presença. 11Então, José estabeleceu a seu pai e a seus irmãos e lhes deu possessão na terra do Egito, no melhor da terra, na terra de Ramessés, como Faraó ordenara. 12E José sustentou de pão a seu pai, a seus irmãos e a toda a casa de seu pai, segundo o número de seus filhos.

José compra toda a terra do Egito para Faraó

13Não havia pão em toda a terra, porque a fome era mui severa; de maneira que desfalecia o povo do Egito e o povo de Canaã por causa da fome. 14Então, José arrecadou todo o dinheiro que se achou na terra do Egito e na terra de Canaã, pelo cereal que compravam, e o recolheu à casa de Faraó. 15Tendo-se acabado, pois, o dinheiro, na terra do Egito e na terra de Canaã, foram todos os egípcios a José e disseram: Dá-nos pão; por que haveremos de morrer em tua presença? Porquanto o dinheiro nos falta. 16Respondeu José: Se vos falta o dinheiro, trazei o vosso gado; em troca do vosso gado eu vos suprirei. 17Então, trouxeram o seu gado a José; e José lhes deu pão em troca de cavalos, de rebanhos, de gado e de jumentos; e os sustentou de pão aquele ano em troca do seu gado. 18Findo aquele ano, foram a José no ano próximo e lhe disseram: Não ocultaremos a meu senhor que se acabou totalmente o dinheiro; e meu senhor já possui os animais; nada mais nos resta diante de meu senhor, senão o nosso corpo e a nossa terra. 19Por que haveremos de perecer diante dos teus olhos, tanto nós como a nossa terra? Compra-nos a nós e a nossa terra a troco de pão, e nós e a nossa terra seremos escravos de Faraó; dá-nos semente para que vivamos e não morramos, e a terra não fique deserta.

20Assim, comprou José toda a terra do Egito para Faraó, porque os egípcios venderam cada um o seu campo, porquanto a fome era extrema sobre eles; e a terra passou a ser de Faraó. 21Quanto ao povo, ele o escravizou de uma a outra extremidade da terra do Egito. 22Somente a terra dos sacerdotes não a comprou ele; pois os sacerdotes tinham porção de Faraó e eles comiam a sua porção que Faraó lhes tinha dado; por isso, não venderam a sua terra. 23Então, disse José ao povo: Eis que hoje vos comprei a vós outros e a vossa terra para Faraó; aí tendes sementes, semeai a terra. 24Das colheitas dareis o quinto a Faraó, e as quatro partes serão vossas, para semente do campo, e para o vosso mantimento e dos que estão em vossas casas, e para que comam as vossas crianças. 25Responderam eles: A vida nos tens dado! Achemos mercê perante meu senhor e seremos escravos de Faraó. 26E José estabeleceu por lei até ao dia de hoje que, na terra do Egito, tirasse Faraó o quinto; só a terra dos sacerdotes não ficou sendo de Faraó.

27Assim, habitou Israel na terra do Egito, na terra de Gósen; nela tomaram possessão, e foram fecundos, e muito se multiplicaram. 28Jacó viveu na terra do Egito dezessete anos; de sorte que os dias de Jacó, os anos da sua vida, foram cento e quarenta e sete.

29Aproximando-se, pois, o tempo da morte de Israel, chamou a José, seu filho, e lhe disse: Se agora achei mercê à tua presença, rogo-te que ponhas a mão debaixo da minha coxa e uses comigo de beneficência e de verdade; rogo-te que me não enterres no Egito, 30porém que eu jaza com meus pais; por isso, me levarás do Egito e me enterrarás no lugar da sepultura deles. Respondeu José: Farei segundo a tua palavra. 31Então, lhe disse Jacó: Jura-me. E ele jurou-lhe; e Israel se inclinou sobre a cabeceira da cama.

48

Jacó adoece

481Passadas estas coisas, disseram a José: Teu pai está enfermo. Então, José tomou consigo a seus dois filhos, Manassés e Efraim. 2E avisaram a Jacó: Eis que José, teu filho, vem ter contigo. Esforçou-se Israel e se assentou no leito. 3Disse Jacó a José: O Deus Todo-Poderoso me apareceu em Luz, na terra de Canaã, e me abençoou, 4e me disse: Eis que te farei fecundo, e te multiplicarei, e te tornarei multidão de povos, e à tua descendência darei esta terra em possessão perpétua.

48.3-4
Gn 28.13-14
5Agora, pois, os teus dois filhos, que te nasceram na terra do Egito, antes que eu viesse a ti no Egito, são meus; Efraim e Manassés serão meus, como Rúben e Simeão. 6Mas a tua descendência, que gerarás depois deles, será tua; segundo o nome de um de seus irmãos serão chamados na sua herança. 7Vindo, pois, eu de Padã, me morreu, com pesar meu, Raquel
48.7
Gn 35.16-19
na terra de Canaã, no caminho, havendo ainda pequena distância para chegar a Efrata; sepultei-a ali no caminho de Efrata, que é Belém.

8Tendo Israel visto os filhos de José, disse: Quem são estes? 9Respondeu José a seu pai: São meus filhos, que Deus me deu aqui. Faze-os chegar a mim, disse ele, para que eu os abençoe. 10Os olhos de Israel já se tinham escurecido por causa da velhice, de modo que não podia ver bem. José, pois, fê-los chegar a ele; e ele os beijou e os abraçou.

Jacó abençoa José e os filhos deste

11Então, disse Israel a José: Eu não cuidara ver o teu rosto; e eis que Deus me fez ver os teus filhos também. 12E José, tirando-os dentre os joelhos de seu pai, inclinou-se à terra diante da sua face. 13Depois, tomou José a ambos, a Efraim na sua mão direita, à esquerda de Israel, e a Manassés na sua esquerda, à direita de Israel, e fê-los chegar a ele. 14Mas Israel estendeu a mão direita e a pôs sobre a cabeça de Efraim, que era o mais novo, e a sua esquerda sobre a cabeça de Manassés, cruzando assim as mãos, não obstante ser Manassés o primogênito. 15E abençoou a José, dizendo: O Deus em cuja presença andaram meus pais Abraão e Isaque, o Deus que me sustentou durante a minha vida até este dia, 16o Anjo que me tem livrado de todo mal, abençoe estes rapazes; seja neles chamado o meu nome e o nome de meus pais Abraão e Isaque; e cresçam em multidão no meio da terra.

17Vendo José que seu pai pusera a mão direita sobre a cabeça de Efraim, foi-lhe isto desagradável, e tomou a mão de seu pai para mudar da cabeça de Efraim para a cabeça de Manassés. 18E disse José a seu pai: Não assim, meu pai, pois o primogênito é este; põe a mão direita sobre a cabeça dele. 19Mas seu pai o recusou e disse: Eu sei, meu filho, eu o sei; ele também será um povo, também ele será grande; contudo, o seu irmão menor será maior do que ele, e a sua descendência será uma multidão de nações. 20Assim, os abençoou

48.20
Hb 11.21
naquele dia, declarando: Por vós Israel abençoará, dizendo: Deus te faça como a Efraim e como a Manassés. E pôs o nome de Efraim adiante do de Manassés. 21Depois, disse Israel a José: Eis que eu morro, mas Deus será convosco e vos fará voltar à terra de vossos pais. 22Dou-te, de mais que a teus irmãos, um declive montanhoso, o qual tomei da mão dos amorreus com a minha espada e com o meu arco.

49

Bênçãos proféticas de Jacó

491Depois, chamou Jacó a seus filhos e disse: Ajuntai-vos, e eu vos farei saber o que vos há de acontecer nos dias vindouros:

2Ajuntai-vos e ouvi, filhos de Jacó;

ouvi a Israel, vosso pai.

3Rúben, tu és meu primogênito,

minha força e as primícias do meu vigor,

o mais excelente em altivez e o mais excelente em poder.

4Impetuoso como a água, não serás o mais excelente,

porque subiste ao leito de teu pai

e o profanaste; subiste à minha cama.

5Simeão e Levi são irmãos;

as suas espadas são instrumentos de violência.

6No seu conselho, não entre minha alma;

com o seu agrupamento, minha glória não se ajunte;

porque no seu furor mataram homens,

e na sua vontade perversa jarretaram touros.

7Maldito seja o seu furor, pois era forte,

e a sua ira, pois era dura;

dividi-los-ei em Jacó

e os espalharei em Israel.

8Judá, teus irmãos te louvarão;

a tua mão estará sobre a cerviz de teus inimigos;

os filhos de teu pai se inclinarão a ti.

9Judá é leãozinho;

da presa subiste, filho meu.

Encurva-se e deita-se como leão

49.9
Nm 24.9
Ap 5.5

e como leoa; quem o despertará?

10O cetro não se arredará de Judá,

nem o bastão de entre seus pés,

até que venha Siló;

e a ele obedecerão os povos.

11Ele amarrará o seu jumentinho à vide

e o filho da sua jumenta, à videira mais excelente;

lavará as suas vestes no vinho

e a sua capa, em sangue de uvas.

12Os seus olhos serão cintilantes de vinho,

e os dentes, brancos de leite.

13Zebulom habitará na praia dos mares

e servirá de porto de navios,

e o seu limite se estenderá até Sidom.

14Issacar é jumento de fortes ossos,

de repouso entre os rebanhos de ovelhas.

15Viu que o repouso era bom

e que a terra era deliciosa;

baixou os ombros à carga

e sujeitou-se ao trabalho servil.

16Dã julgará o seu povo,

como uma das tribos de Israel.

17Dã será serpente junto ao caminho,

uma víbora junto à vereda,

que morde os talões do cavalo

e faz cair o seu cavaleiro por detrás.

18A tua salvação espero, ó Senhor!

19Gade, uma guerrilha o acometerá;

mas ele a acometerá por sua retaguarda.

20Aser, o seu pão será abundante

e ele motivará delícias reais.

21Naftali é uma gazela solta;

ele profere palavras formosas.

22José é um ramo frutífero,

ramo frutífero junto à fonte;

seus galhos se estendem sobre o muro.

23Os flecheiros lhe dão amargura,

atiram contra ele e o aborrecem.

24O seu arco, porém, permanece firme,

e os seus braços são feitos ativos

pelas mãos do Poderoso de Jacó,

sim, pelo Pastor e pela Pedra de Israel,

25pelo Deus de teu pai, o qual te ajudará,

e pelo Todo-Poderoso, o qual te abençoará

com bênçãos dos altos céus,

com bênçãos das profundezas,

com bênçãos dos seios e da madre.

26As bênçãos de teu pai

excederão as bênçãos de meus pais

até ao cimo dos montes eternos;

estejam elas sobre a cabeça de José

e sobre o alto da cabeça do que foi distinguido entre seus irmãos.

27Benjamim é lobo que despedaça;

pela manhã devora a presa

e à tarde reparte o despojo.

28São estas as doze tribos de Israel; e isto é o que lhes falou seu pai quando os abençoou; a cada um deles abençoou segundo a bênção que lhe cabia. 29Depois, lhes ordenou, dizendo: Eu me reúno ao meu povo; sepultai-me, com meus pais, na caverna que está no campo de Efrom, o heteu, 30na caverna

49.30
Gn 23.3-20
que está no campo de Macpela, fronteiro a Manre, na terra de Canaã, a qual Abraão comprou de Efrom com aquele campo, em posse de sepultura. 31Ali sepultaram Abraão
49.31
Gn 25.9-10
e Sara, sua mulher; ali sepultaram Isaque
49.31
Gn 35.29
e Rebeca, sua mulher; e ali sepultei Lia; 32o campo e a caverna que nele está, comprados aos filhos de Hete. 33Tendo Jacó acabado de dar determinações a seus filhos, recolheu os pés na cama, e expirou,
49.33
At 7.15
e foi reunido ao seu povo.